Diário Científico

Categoria: Odontologia


18:18 · 28.12.2011 / atualizado às 22:20 · 28.12.2011 por
Equipe do "Prótese da Face" em um dos trinta atendimentos semestrais realizados Foto: Unifor Notícias

Dezembro é mês de férias, certo? Mais ou menos. O último mês de 2011 também foi marcado pela circulação de uma reportagem muito interessante que envolve alunos universitários cearenses (mais precisamente do curso de Odontologia da Unifor) e que o Ceará Científico tem o prazer de repercutir.

Eles foram destaque em um dos jornais internos daquela Instituição de Ensino Superior (IES), o Unifor Notícias, por conta de um projeto que está devolvendo um pouco da autoestima a pessoas com deformidades congênitas ou adquiridas após acidentes ou cirurgias de remoção de tumores.

Estamos falando do projeto de extensão “Prótese da Face”, criado em 2003.  Um dos maiores méritos é o fato de atender majoritariamente pacientes adultos e com baixo poder aquisitivo, público geralmente negligenciado por projetos de assistência social, quer sejam eles governamentais ou não.

De acordo com sua coordenadora, a professora Fátima Maria Teixeira de Azevedo, 90% dos casos atendidos são de pacientes que fizeram cirurgia de remoção de câncer. As próteses faciais são das mais diversas desde oculares e óculo-palpebrais, passando por nasais até as faciais externas (ou seja, que envolvem a maxila). O atendimento ocorre às segundas-feiras de manhã e à tarde.

“Aqui os procedimentos são simples e complexos ao mesmo tempo. É quase que uma disciplina fora do curso”, explica Fátima Azevedo. E de fato o caráter técnico-didático é complementar ao viés social do projeto. Isso porque nos dias sem atendimento, os alunos e demais integrantes da equipe confeccionam, eles mesmos, as próteses e discutem os casos atendidos no início da semana.

Lado pouco explorado da Odontologia brasileira

Outro mérito do “Prótese de Face” é o fato de atuar num segmento ainda pouco explorado pelos cursos de Odontologia Brasil a fora.

“O projeto foi feito com o intuito de dar ao aluno-estagiário mais conhecimento na área, capacitá-lo a diagnosticar e reabilitar corretamente pacientes portadores de lesão por cirurgias localizadas na boca, nariz, maxila e face. É importante igualmente que esse aluno entenda os aspectos biossociais desses pacientes porque eles vivem escondidos por conta da deformação. Aqui é preciso trabalhar o paciente holisticamente”, acrescenta Fátima.

Semestralmente, a equipe coordenada por ela atende cerca de 30 pacientes, vindos não só de bairros carentes de Fortaleza, como também de outras cidades do Ceará e do Nordeste. Para alguns procedimentos mais específicos como a prótese parcial removível, chamada popularmente de bride, é feita uma terceirização, que só é cobrada caso não seja comprovada a baixa renda do paciente. Na imensa maioria dos casos, a universidade é quem arca com os custos desses serviços externos.

O “Prótese de Face” atua ainda com convênios firmados com o Instituto dos Cegos, o Instituto do Câncer, o curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará, o Núcleo de Atenção Médica Integrada (Nami) da Unifor, o que garante demanda crescente e, quando necessário, o devido encaminhamento do paciente para um fonoaudiólogo, fisioterapeuta ou psicólogo.

Pesquisar

Diário Científico

Jornalismo científico produzido no Ceará de olho nas grandes descobertas que a Ciência faz em qualquer lugar do mundo.
Posts Recentes

06h09mEstudo mostra que pintor Caravaggio morreu de infecção bacteriana por Staphylococcus

06h09mEquipe brasileira identifica fóssil de crocodilo que viveu há 85 milhões de anos, em MG

05h09mArarinha-azul, espécie que inspirou animação, está provavelmente extinta na natureza, revela estudo

09h09mEstudo aponta que instalar parques eólicos e solares poderia aumentar quantidade de chuva no Saara

05h09mBotsuana registra matança de 90 elefantes em menos de dois meses

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs