Diário Científico

Categoria: Zoologia


18:37 · 14.09.2018 / atualizado às 18:37 · 14.09.2018 por
Concepção artística de como deveria se locomover o Caipirascuhus mineirus, que tinha hábitos terrestres Imagem: Rodolfo Nogueira

Por Reinaldo José Lopes

Um esqueleto de 85 milhões de anos, preservado de modo quase perfeito em rochas do interior de Minas Gerais, corresponde a uma nova espécie de crocodilo pré-histórico, afirmam pesquisadores. Batizado de Caipirasuchus mineirus, o réptil de apenas 70 cm foi apresentado ao público nesta sexta (14).

Os detalhes anatômicos do fóssil, oriundo da Fazenda Três Antas, no município de Campina Verde (MG), deixam claro que ele era muito diferente dos crocodilos modernos. Para começar, era um bicho 100% terrestre -trata-se, na verdade, de uma característica comum da rica fauna desse grupo durante a Era dos Dinossauros.

Além disso, os diferentes formatos de seus dentes, o padrão de desgaste em alguns deles e a maneira como sua mandíbula se articulava indicam que ele deve ter incluído quantidades consideráveis de vegetais em sua dieta, algo impensável para jacarés e crocodilos de hoje. Para completar o rol de esquisitices, suas patas traseiras eram bem maiores que as dianteiras.

“A gente poderia pensar numa postura similar ao dos suricatos”, compara um dos responsáveis pela descoberta, o paleontólogo Thiago Marinho, referindo-se aos pequenos mamíferos africanos que se tornaram conhecidos graças ao personagem Timão, de “O Rei Leão”.

Os suricatos às vezes assumem a postura ereta, e talvez os membros do C. mineirus lhe permitissem fazê-lo também.

Pesquisa

Marinho, que trabalha no Centro de Pesquisas Paleontológicas L.I. Price, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), assina a descrição formal da nova espécie em artigo na revista científica de acesso livre PeerJ.

O trabalho foi coordenado por Agustín Martinelli, do Museu Argentino de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia, e conta ainda com a participação de Luiz Carlos Borges Ribeiro, também da UFTM, e Fabiano Iori, do Museu de Paleontologia Professor Antonio Celso de Arruda Campos (Monte Alto, interior paulista).

O nome latino mineirus é quase autoexplicativo: embora já fossem conhecidas três espécies do gênero extinto Caipirasuchus, todas achadas em rochas do interior de São Paulo, esta é a primeira vez que um animal do grupo aparece do lado mineiro da fronteira interestadual. Portanto, as quatro espécies são bichos com parentesco relativamente próximo entre si, embora uma série de detalhes anatômicos tenha sido suficiente para propor que o C. mineirus deveria ser classificado como uma espécie à parte.

Os pesquisadores ainda estão tentando entender como e por que essa diversidade dentro do gênero se estabeleceu. É possível que houvesse algum tipo de barreira entre as populações, levando-as a seguir caminhos evolutivos ligeiramente distintos durante mais ou menos a mesma época. Ou então, se houver diferença significativa de idade entre os espécimes paulistas e mineiros, pode ser que os paleontólogos estejam vendo o processo de diferenciação do grupo ao longo de alguns milhões de anos.

Para saber qual possibilidade é a mais provável, é preciso avançar nos estudos sobre a idade geológica das camadas de rocha em São Paulo e Minas. Alguns detalhes do esqueleto, como a falta de fusão entre determinados ossos, indicam que se tratava de um indivíduo que ainda não chegara à idade adulta, embora já estivesse quase com o tamanho “final” da espécie, segundo Marinho.

Expectativa por descobertas

Mais descobertas devem vir da região de Campina Verde: desde 2009, o grupo já achou por lá vários exemplares de outro crocodilo extinto, o Campinasuchus dinizi, ovos (de crocodilo), dentes e ossos de dinossauros carnívoros e diversos fósseis de peixes.

O grau de preservação do C. mineirus, mesmo em meio a uma colheita tão rica quanto essa, chama a atenção. “A gente tem o esqueleto da ponta do focinho à ponta da cauda. Certamente está no ‘top 3’ dos mais preservados entre os crocodilos fósseis do Brasil”, estima Marinho.

Com informações: Folhapress

17:19 · 13.09.2018 / atualizado às 17:19 · 13.09.2018 por
Com a declaração de extinção, exemplares da espécia podem ser encontrados apenas com criadores. Estima-se que existam de 60 a 80 delas criadas em cativeiro Foto: ICMBio

A organização ambiental BirdLife Internacional divulgou um estudo em que revela que oito espécies de pássaros estão extintas ou com alta probabilidade de terem sido extintas da natureza. Quatro dessas aves são brasileiras: a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), o limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi), o trepador-do-nordeste (Cichlocolaptes mazarbarnetti) e o caburé-de-pernambuco (Glaucidium mooreorum) – que é uma coruja.

A ararinha azul ganhou fama internacional com o filme Rio, dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha. Nele, a ararinha Blu vivia feliz nos Estados Unidos até descobrir a liberdade e conhecer o Rio de Janeiro. A história romantiza a ave, mas também mostra o quanto é rara. Com a declaração de extinção, exemplares da ararinha-azul podem ser encontrados apenas com criadores. A BirdLife estima a existência de 60 a 80 delas criadas em cativeiro.

Para o estudo, foram analisadas 51 espécies apontadas com risco de extinção a partir dos seguintes fatores: intensidade das ameaças e confiabilidade dos registros.

Sul-americanas

Das oito espécies analisadas, cinco vivem no sub-continente sul-americano. Segundo especialistas, a principal causa das extinções está associada às elevadas taxas de desmatamento.

O estudo indica que quatro espécies devem ser reclassificadas como “criticamente ameaçadas”: Charmosyna diadema; Vanellus macropterus, Glaucidium mooreorum; além da Anodorhynchus glaucus, uma ave brasileira.

O cientista-chefe da BirdLife e principal autor do estudo, Stuart Butchart, afirmou que há uma tendência de aumento de extinções nos continentes, impulsionada principalmente pela “perda de habitat, degradação da agricultura e extração insustentáveis”.

Como é a espécie

É uma espécie de aproximadamente 57 centímetros com plumagem em tons de azul e que era encontrada na Bahia, principalmente nos municípios de Juazeiro e Curacá. Também há informações não confirmadas da existência dela em Pernambuco e no Piauí.

Há dados segundo os quais as últimas espécies vivendo em liberdade foram identificadas até 2001.

Porém, especialistas informam que é um tipo de ave com “perigo de extinção”.

Com informações: Agência Brasil

17:36 · 04.09.2018 / atualizado às 17:36 · 04.09.2018 por
Mortes aconteceram semanas depois da polêmica decisão das autoridades do governo local de desarmar seus guardas florestais, especializados na luta contra caçadores Foto: Elephants Without Borders

Ao menos 90 elefantes mortos, e com as presas arrancadas, foram encontrados nas últimas oito semanas em Botsuana, onde recentemente as autoridades desarmaram as unidades encarregadas de lutar contra os traficantes de marfim.

A ONG Elefantes sem Fronteiras e o Ministério de Fauna e Parques Nacionais do país compilaram essas cifras após realizarem uma contagem aérea da população de elefantes de Botswana. “Começamos a contagem em 10 de julho e até agora encontramos 90 cadáveres de elefantes”, explicou o responsável da ONG, Mike Chase. “A cada dia encontramos mais”, acrescentou. “A maioria foi assassinada por balas de grosso calibre”, continuou o defensor. “Trata-se do episódio mais grave de caça furtiva na África que já vi”, continuou.

O ministro do Turismo local, Tshekedi Khama, confirmou a amplitude do massacre. “Sei que o balanço alcança um número de dois dígitos, algo muito elevado para Botsuana”, declarou. “Estou muito preocupado, muito inquieto”, acrescentou.

O defensor da Elefantes sem Fronteiras esclareceu que essas mortes aconteceram semanas depois da polêmica decisão das autoridades de Gaborone de desarmar seus guardas florestais, especializados na luta contra a caça furtiva.

Maior população selvagem

Situado entre Zâmbia e África do Sul, Botsuana abriga a maior população africana de elefantes em liberdade, estimada em 2015 em 135 mil exemplares.

Até maio, os guardas florestais estavam fortemente armados e eram autorizados a atirar em caçadores furtivos. Mas o governo do novo presidente, Mokgweetsi Masisi, em funções desde o mês anterior, ordenou o desarmamento dessas unidades sem explicar o motivo. Seu antecessor, Ian Khama, era considerado um apaixonado defensor da fauna selvagem de seu país. Questionado nesta terça-feira (4), o chefe do Estado-Maior do Exército, o general Placid Segokgo, se negou a fazer comentários sobre a decisão de desarmar as unidades de guarda florestais.

Segundo Chase, os responsáveis desta onda de caça ilegal vêm de países vizinhos como Angola e Zâmbia. “Mataram tantos elefantes nesses países que eles quase desapareceram. Agora os contrabandistas vêm para Botswana”, explicou.

“Estivemos a salvo dos caçadores furtivos durante muito tempo, agora nos damos conta de quão sofisticados são”, admitiu o ministro Khama. “Infelizmente às vezes aprendemos as lições da pior maneira”, acrescentou.

Com informações: AFP

21:59 · 22.08.2018 / atualizado às 21:59 · 22.08.2018 por
Concepção artística da Eorhynchochelys que viveu há 228 milhões de anos na China. A espécie pode ser um elo perdido na história evolutiva dos quelônios Imagem: Nature

Como a tartaruga obteve seu casco é um dos quebra-cabeças que durante anos perseguiu os cientistas, e graças a uma pesquisa sobre um novo esqueleto fóssil publicada na revista Nature, algumas pistas começam a aparecer.

A maneira como as tartarugas evoluíram até sua forma atual, com um casco incorporado a seu esqueleto e uma cabeça em forma de bico, sem dentes, foi descrita como “um dos quebra-cabeças mais duradouros da evolução”.

Foram encontrados relativamente poucos fósseis pré-históricos de tartarugas, o que deixa um mistério sobre como estas criaturas desenvolveram suas características únicas, e inclusive a partir de quais antepassados evoluíram.

Mas uma nova pesquisa traz algumas pistas, após a análise de um fóssil de tartaruga de 228 milhões de anos (período Triássico da era Mesozóica) descoberto na China. O esqueleto tem em sua parte frontal um bico, mas também alguns dentes, o que sugere que pode ser um “elo perdido” na evolução de uma tartaruga com dentes à forma atual. “Este é o primeiro fóssil pré-histórico de tartaruga com um bico”, disse Chun Li, pesquisador da Academia Chinesa de Ciências de Pequim e coautor do artigo sobre o fóssil, chamado “Eorhynchochelys”.

“O interessante é que ainda que tenha se desenvolvido um bico, os dentes se conservaram, de modo que é uma mandíbula meio bicuda, meio dentada, uma excelente característica transitória”, disse.

O fóssil além disso é grande, de 2,5 metros de comprimento, com uma longa cauda e costelas extensas e planas ao longo de suas costas, que parecem formar um disco, precursor de um casco.

Debate sobre origem

Com tão poucas evidências para se avançar, um dos grandes debates sobre a evolução das tartarugas e demais quelônios é de que animais provêm.

Uma teoria afirma que compartilham o mesmo ancestral comum que maioria dos répteis, mas alguns especialistas asseguram que isto é pouco provável devido à forma do crânio atual das tartarugas.

Com informações: AFP

15:51 · 23.07.2018 / atualizado às 15:51 · 23.07.2018 por


Um incidente de proporções bíblicas: é assim que a imprensa local tem acompanhado a invasão de insetos que acontece em Vitebsk, cidade da Bielorrússia.

De acordo com a agência russa de notícias Sputnik, diversos residentes postaram vídeos com milhares de insetos formando nuvens enquanto percorriam o céu da cidade. Os animais cobriram todas as superfícies por onde passaram – era possível vê-los principalmente próximos a postes de luz.

Por mais estranho que seja, os moradores locais estão acostumados ao fenômeno, que acontece todos os anos durante o verão. No entanto, a quantidade de mosquitos este ano não tem precedentes na história da cidade – que, em alguns pontos, parece estar coberta de neve por conta da quantidade de animais.

Embora assustadores e incômodos, os insetos não representam nenhum perigo. Ainda de acordo com cientistas locais, eles migram todos os anos do rio Daugava, que nasce próximo à fronteira com a Rússia e corta todo o país, durante a temporada de acasalamento.

Com informações: Estadão Conteúdo

19:56 · 04.07.2018 / atualizado às 19:58 · 04.07.2018 por
O último macho de rinoceronte-branco do norte, faleceu em março aos 45 anos em uma reserva queniana Foto: Anadolu Agency

Cientistas deram um primeiro passo promissor para garantir a sobrevivência do rinoceronte-branco do norte, uma subespécie praticamente extinta, ao criar in vitro os primeiros embriões do paquiderme.

Sudão, o último macho de rinoceronte-branco do norte, faleceu em março aos 45 anos na reserva queniana de Ol Pejeta. Sua filha e sua neta, Najin e Fatu, se tornaram assim os últimos exemplares vivos desta subespécie originária da África Central, dizimada pela caça ilegal. Para garantir sua sobrevivência, muitos haviam confiado na ciência. Com um procedimento de procriação assistida inédito em rinocerontes, foi concluída “a primeira etapa essencial para salvar esta subespécie”, explicou uma equipe internacional de pesquisadores na revista científica Nature Communications. Os especialistas coletaram em zoológicos europeus mais de 80 ovócitos de fêmeas de rinocerontes-brancos do sul, dos que restam cerca de 20.000 exemplares selvagens no sul da África.

Os óvulos foram fecundados in vitro, alguns com esperma congelado de rinocerontes-brancos do norte e outros com esperma de seu primo do sul, nos laboratórios da sociedade italiana Avantea.

O resultado: sete embriões, dos quais três (um sul-sul e dois sul-norte) foram congelados.

Objetivo: três anos

Mas este é só o início para conseguir o nascimento do primeiro rinoceronte-branco do norte “puro”, em um prazo de “três anos”, afirmou Thomas Hildebrandt, do Instituto Leibniz de pesquisa zoológica e animal de Berlim.

Para isso, os pesquisadores esperam coletar ovócitos das duas fêmeas, Najin e Fatu, nascidas em 1989 e 2000, respectivamente, no zoológico checo de Dvur Kralove. “Esperamos fazer isso até o fim do ano”, diz Jan Stejskal, um responsável deste zoológico, que tentou em vão uma inseminação artificial antes de enviá-las ao Quênia com a esperança – também frustrada – de uma reprodução natural.

Os cientistas criaram os embriões híbridos, em vez de extrair diretamente os ovócitos das duas fêmeas, porque esta intervenção requer a autorização das autoridades quenianas. Além disso, tiveram de inventar uma técnica e um utensílio de dois metros de comprimento para extrair os ovócitos dos rinocerontes-brancos. “Tendo em conta os 16 meses de gravidez, temos pouco mais de um ano para conseguir uma implantação” em uma mãe portadora de rinoceronte-branco do sul, dado que nem Najin nem Fatu podem desenvolver uma gravidez, segundo Hildebrant.

Este especialista ressaltou que as duas fêmeas são as únicas capazes de “ensinar a vida social a um rinoceronte-branco do norte”, de modo que espera que o pequeno poderá crescer com elas. Caso não seja possível retirar os ovócitos de Najin nem Fatu, estão sendo realizados outros experimentos para tentar produzir gametas (ovócitos e esperma) de rinocerontes-brancos do norte graças às células-tronco pluripotentes induzidas, que têm o potencial de se tornar qualquer tipo de célula.

Mas os especialistas advertem da “improbabilidade de restaurar uma população viável de rinocerontes-brancos do norte”, segundo Terri Roth e William Swanson, do centro de pesquisa do zoológico de Cincinnati, que não participaram do estudo. Os autores preveem que a iniciativa gerará críticas do mundo da conservação, em alguns casos hostil ao uso de biotecnologias.

“Já nos criticaram por gastar o dinheiro desta forma”, segundo Jan Stejskal. Mas para este especialista, a luta deve ser realizada em todas as frentes: “conservação sobre o terreno, luta contra a demanda (de chifres) na Ásia e apoio à ciência”.

Com informações: AFP

22:01 · 01.07.2018 / atualizado às 22:01 · 01.07.2018 por
A organização Alnitak, que gravou imagens do tubarão próximo à ilha de Cabrera, disse em postagem no Facebook que o animal media 5 metros de comprimento Foto: Taringa

Um grupo de conservação do ambiente marinho anunciou ter avistado um exemplar de tubarão branco nesta semana em frente às Ilhas Baleares, a primeira descoberta desta espécie em águas espanholas em pelo menos 30 anos.

A organização Alnitak, que gravou imagens do tubarão próximo à ilha de Cabrera, disse em postagem no Facebook que o seguiu por mais de uma hora e que o animal media 5 metros de comprimento.

“Nos últimos anos, houve possíveis aparições não confirmadas e diversos rumores, mas essa é a primeira constatação científica da presença do Carcharodon (gênero do tubarão branco) em águas espanholas em ao menos 30 anos”, escreveu.

Missão científica

A Alnitak disse que o tubarão foi localizado durante uma missão para coletar informação sobre tartarugas marinhas, cachalotes, golfinhos, arraias e atuns vermelhos. A equipe também trabalha na localização de pequenos pedaços de resíduos plásticos no mar.

20:24 · 26.06.2018 / atualizado às 20:27 · 26.06.2018 por
Os novos seres encontrados eram em sua maioria sapos e lagartos. Uma coruja sem descrição científica também foi encontrada pelos pesquisadores Foto: Fapesp

Em duas expedições à Amazônia, pesquisadores de São Paulo coletaram animais de pelo menos 12 espécies ainda não catalogadas de sapos e lagartos, além de uma coruja sem descrição científica. Ao todo, o grupo liderado pelo zoólogo da Universidade de São Paulo (USP) Miguel Trefaut Rodrigues trouxe para análise mais de 1,7 mil exemplares de mais de 200 espécies diferentes de animais e plantas.

A última viagem ocorreu de abril a maio, quando o grupo viajou cerca de 80 quilômetros a partir de Manaus (AM) pelo Rio Negro até o município de Santa Isabel, próximo à região onde ocorre o encontro com o Rio Branco. “Passamos um mês dormindo em redes dentro do barco, onde também fazíamos todas as refeições e montamos nosso laboratório. Em cada ponto diferente do rio era necessário contratar um guia local. O Rio Negro é cheio de pedras e é muito fácil acontecer um acidente”, contou Rodrigues.

Segundo o pesquisador, por ter águas muito ácidas, o Rio Negro não abriga tantas espécies de animais, como outras partes da floresta. Por isso, o grupo se aproximou do afluente. “Queríamos estudar a influência das águas do Rio Branco na diversidade e abundância de espécies”, enfatizou o pesquisador. A expedição também recolheu dados para avaliar a influência do Rio Negro como barreira para o trânsito de espécies. “Por isso coletamos em ambas as margens”.

Foram usadas armadilhas com baldes e lonas de plástico para capturar principalmente répteis e anfíbios. Nessa viagem foram coletados mais de mil animais, um número necessário para atender a demanda da pesquisa que busca entender a origem dos lagartos do gênero Loxopholis que se reproduzem assexuadamente. Algumas espécies desse tipo são formadas apenas por fêmeas.

Pico da Neblina

A primeira expedição foi realizada entre outubro e novembro de 2017, na região do Pico da Neblina, na fronteira com a Venezuela. Como parte da montanha está em território indígena Yanomami, os trabalhos tiveram autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai) e apoio do Exército.

A biodiversidade da região é muito diferente da encontrada em outras partes da floresta, se aproximando até das plantas e dos animais encontrados na Cordilheira dos Andes. “Sabemos que em altitudes superiores a 1,7 mil metros prevalecem paisagens que não têm absolutamente nada a ver com a Amazônia atual: são campos abertos e com clima muito mais frio que o da floresta”, explicou Rodrigues. Foi entre os espécimes coletados nessa ocasião que foram identificadas as 12 espécies sem descrição científica e uma nova variedade vegetal. O conjunto de plantas ainda está, no entanto, sob análise de especialistas.

Relações evolutivas

Além da descrição dos novos animais, o material obtido será usado para analisar os padrões evolutivos da fauna da América do Sul.

“Vários grupos de animais estão sendo estudados sob o ponto de vista genético, morfológico e fisiológico. Alguns desses estudos ajudarão a avaliar o risco de extinção dessas espécies caso a temperatura desses locais se eleve nos próximos anos”, ressaltou o líder das expedições.

Cada uma das viagens durou cerca de um mês, com o envolvimento de pelo menos dez pesquisadores. Os trabalhos foram financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Com informações: Agência Brasil

16:44 · 30.05.2018 / atualizado às 16:44 · 30.05.2018 por
Concepção artística da espécie Megachirella wachtleri, que pode ter sido o primeiro réptil escamado do mundo Imagem: Davide Bonadonna

Por Reinaldo José Lopes

Há 240 milhões de anos, antes que os dinossauros iniciassem sua escalada rumo à dominação planetária, viveu um pequeno réptil que deixou uma herança de respeito: as cerca de 10 mil espécies atuais de lagartos, serpentes e anfisbenas (também conhecidas como cobras-de-duas-cabeças).

Um novo estudo mostra que o bicho, achado no norte da Itália, é o exemplar mais antigo desse grupo, o dos Squamata (“escamados”). O Megachirella wachtleri, como foi batizado pelos cientistas, ganhou esse status especial ao ser reexaminado por meio de uma técnica de tomografia computadorizada conhecida como micro-CT.

“O espécime foi preservado de forma que somente a parte dorsal do corpo ficou exposta, com toda a parte ventral embutida no pedaço de rocha”, explicou à reportagem o paleontólogo brasileiro Tiago Simões, coordenador do estudo. “A micro-CT nos permitiu ver pela primeira vez como era a anatomia do ventre do fóssil, incluindo dados que foram essenciais para reconhecer essa espécie como um lagarto.”

Simões, que trabalha na Universidade de Alberta, no Canadá, assina o artigo na revista científica “Nature” detalhando as descobertas, junto com colegas de instituições da Europa, da Austrália e dos EUA. Algumas das características exclusivas de lagartos que aparecem no bichinho italiano são a forma da clavícula, com uma curvatura secundária, e o fato de que um dos ossos do pulso se funde ao primeiro metacarpal (equivalente a um dos ossos da mão, logo abaixo dos dedos, em humanos).

Por outro lado, como o animal é muito primitivo, ele ainda retém traços que não existem em cobras e lagartos atuais, como a presença das chamadas gastrália, ou costelas na região da barriga.

Estudo comparativo

A descoberta da nova cara do fóssil foi só parte do trabalho, porém.

A equipe fez ainda um monumental estudo comparativo, cotejando as características do Megachirella wachtleri com uma grande variedade de répteis extintos e modernos. No caso das espécies atuais, eles também fizeram uma análise comparativa de variantes de DNA. Esse caminhão de dados foi usado para montar um mapa da diversificação dessas espécies ao longo de milhões de anos, confirmando a posição do bicho de 240 milhões de anos como o mais antigo dos Squamata.

E bota mais antigo nisso, aliás -ele é 70 milhões de anos mais velho que os fósseis antes apontados como os primeiros representantes do grupo. Há, portanto, um buraco grande a ser preenchido na história evolutiva de lagartos, serpentes e companhia, o que na verdade seria de se esperar mesmo, segundo Simões.”Pequenos vertebrados são mais difíceis de serem preservados como fósseis do que os grandes”, explica. “Além disso, há muito menos pesquisadores trabalhando com Squamata fósseis do que com dinossauros ou mamíferos. Também pode ser que existam lagartos fósseis que ninguém notou até agora em coleções de museus mundo afora.”A idade do Megachirella wachtleri também sugere que os ancestrais de lagartos surgiram um pouco antes da maior extinção em massa da história da Terra, a do Permiano-Triássico.

Na época, outros grupos de vertebrados terrestres dominavam o planeta, mas extinções em massa costumam deixar uma grande quantidade de nichos ecológicos vagos -ou seja, fazem com que diferentes estilos de vida fiquem disponíveis para os poucos sobreviventes da catástrofe.

Como eram de pequeno porte e comedores de insetos, que estão sempre disponíveis mesmo em ambientes mais pobres, os ancestrais dos Squamata conseguiram passar pelo gargalo da megaextinção e se diversificar paulatinamente nos períodos seguintes.

Com informações: Folhapress

09:06 · 19.05.2018 / atualizado às 09:44 · 19.05.2018 por
A Human Guides conta com cinco videoaulas apresentadas pelo veterinário Pedro Guedes, especialista em cegueira canina e aborda questões como passeios com segurança, desenvolvimento da memória e formas de brincar Foto: Pedigree Human Guides

Ao perder a visão, uma pessoa tem a opção de contar com um cão-guia para auxiliá-la no dia a dia. Mas quando um animal fica cego ele, muitas vezes, fica abandonado ou é exposto a perigos desnecessários.

Pensando nisso, a marca de comida para animais Pedigree lançou uma plataforma educacional na internet para formar humanos-guias para cães cegos. Segundo dados da Ampara Animal (Associação das Mulheres Protetoras dos Animais Rejeitados e Abandonados), 10% dos cachorros que vão a abrigos têm alguma necessidade especial -incluindo a deficiência visual.

Criada pela agência AlmapBBDO, a plataforma Human Guides é grátis e conta com cinco videoaulas apresentadas pelo veterinário Pedro Guedes, especialista em cegueira canina. Entre os temas abordados para capacitação dos humanos estão alimentação, passeios com segurança, desenvolvimento da memória do animal e formas de brincar. “Todos os dias os cães fazem muito por nós e quando eles chegam à velhice uma série de dificuldades podem surgir.

Por isso, é importante entender suas necessidades, adaptar as interações e rotinas que temos com eles”, afirma Valdir Nascimento, gerente de marketing da categoria cães da Mars Petcare, dona da Pedigree. Os interessados também encontram no site uma cartilha com 12 lições que ilustram o conteúdo das videoaulas. Para viralizar nas redes sociais, também ficam disponíveis pôsteres da campanha. Para a dupla de diretores de criação da AlmapBBDO, Pernil e André Gola, é um modo de divulgar um problema real e muito mais presente do que se imagina. “Com isso é possível mostrar soluções simples e práticas que fazem a diferença na vida de um pet”, dizem.

Com informações: Folhapress

Pesquisar

Diário Científico

Jornalismo científico produzido no Ceará de olho nas grandes descobertas que a Ciência faz em qualquer lugar do mundo.
Posts Recentes

06h09mEstudo mostra que pintor Caravaggio morreu de infecção bacteriana por Staphylococcus

06h09mEquipe brasileira identifica fóssil de crocodilo que viveu há 85 milhões de anos, em MG

05h09mArarinha-azul, espécie que inspirou animação, está provavelmente extinta na natureza, revela estudo

09h09mEstudo aponta que instalar parques eólicos e solares poderia aumentar quantidade de chuva no Saara

05h09mBotsuana registra matança de 90 elefantes em menos de dois meses

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs