Busca

Tag: ômega 3


16:20 · 09.01.2018 / atualizado às 16:20 · 09.01.2018 por
Em decorrência do melhor descanso, os cientistas mostraram também que crianças com maior ingestão mensal desse tipo de alimento apresentaram melhor desempenho em testes de QI Foto:iStockphoto

Um artigo publicado no periódico científico “Scientific Reports” mostrou que se alimentar de peixes pode ser um dos fatores por trás de uma boa noite de sono.

O estudo de pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, foi feito com crianças chinesas e apresentou uma correlação entre o consumo regular de peixes e um sono de boa qualidade, resultado atribuído à substância Ômega 3, presente nos peixes. Em decorrência do melhor descanso, os cientistas mostraram que essas crianças apresentaram melhor desempenho em testes de QI.

Já se conhecia a relação entre consumo de Ômega 3 e um bom desempenho cognitivo. O artigo mostra que essa associação seria mediada por boas noites de sono. Participaram do estudo 541 crianças chinesas de 9 a 11 anos. Os pesquisadores pediram a elas para descrever seus hábitos alimentares, incluindo a frequência com que consumiam peixes. Os pais das crianças, por sua vez, foram entrevistados acerca dos padrões de sono de seus filhos.

Os cientistas então aplicaram testes de QI quando os jovens completaram 12 anos. Eles encontraram uma ligação entre o consumo regular de peixe e uma melhor noite de sono e notas mais altas no teste de raciocínio. Segundo os pesquisadores, embora o estudo tenha sido feito com crianças, é razoável imaginar que as descobertas também valham para adultos.

De acordo com os autores do estudo, consumir peixe algumas vezes por mês já seria suficiente para melhorar as funções cerebrais.

Com informações: Folhapress

00:05 · 27.03.2012 / atualizado às 00:06 · 27.03.2012 por

Você sabia que nem toda gordura faz mal à saúde?

Pois existe um grupo de gorduras, conhecidas como ômega 3, que não só não prejudica, como ajuda no funcionamento do corpo humano.

O Diário do Nordeste Online, através da TV DN, entrevistou um dos maiores especialistas do País, nesse tipo de composto nutricional.

O farmacêutico paulista Henry Okigami, especialista em farmácia hospitalar, fitoterapia e homeoterapia, visitou Fortaleza na semana passada e passou nos estúdios da nossa webtv para dar também outras dicas sobre alimentação saudável.

Confira entrevista na íntegra

Okigami ressalta que os principais benefícios do consumo do ômega 3 são “para o coração, para o cérebro e para a criança que está em desenvolvimento no útero da mãe.”

Ele destaca ainda que estudos vem demonstrando que o consumo desse tipo de gordura “é associado à perda de peso e à diminuição de risco de morte cardíaca, por exemplo. Então é uma gordura especial que nós sabemos hoje que precisamos ingerir em maior quantidade e armazenar em nosso corpo”.

Outra vantagem do consumo do ômega 3, de acordo com o especialista é o “controle da inflamação. Pessoas que consomem ômega 3 têm menos problemas com inflamação e tem estudos até mostrando benefícios em doenças reumáticas, como a artrite”.

Onde encontrá-lo

Mas o que pode ser feito para aumentar o consumo desse composto? De acordo com o farmacêutico, o ômega 3 está muito concentrado nos vegetais e nos peixes de origem marinha, principalmente os de regiões onde a água é fria e os que vivem em uma zona mais profunda.”

Para Okigami, o problema é que o brasileiro está culturalmente pouco habituado a consumir peixe na quantidade indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 12 quilos por ano, ou pouco mais de 30 gramas por dia.

Colesterol bom e ruim

No entanto, o especialista não recomenda que se deixe de comer carne vermelha, apenas que seja feito um equilíbrio entre o consumo de gorduras saturadas e insaturadas, bem como se busque controlar a proporção dos chamados bom e mau colesterol (HDL e LDL, respectivamente).

“O colesterol é considerado o vilão da doença cardíaca. Só que o mais importante quanto ao colesterol é o que nós produzimos. Nós podemos ter dois tipos de colesterol, o que nós ingerimos e o que nós produzimos no nosso corpo. O mais perigoso é o que nós produzimos”, alerta Okigami.

O farmacêutico destaca que entre os principais riscos da alta concentração do colesterol ruim está a “arteriosclerose, que pode culminar inclusive num infarto.”

Porque estamos engordando tanto?

Henry Okigami também abordou na entrevista à TV DN, o problema da epidemia de obesidade. Para ele, a mistura de fatores biológicos da nossa espécie e fatores culturais estão associados ao aumento no número de pessoas acima do peso. Estima-se que 300 milhões, no mundo, estejam obesas.

“O ser humano foi selecionado para ingerir alimento na medida em que encontra. Antigamente, por exemplo, a gente não encontrava alimento fácil como hoje. Você vai em qualquer lugar e tem um docinho para você consumir e é um carboidrato que é facilmente absorvido e está bem disponível”, explica.

A falta de exercícios também agrava o problema, de acordo com o especialista. “Antigamente para gente comer tinha que correr, cavucar, subir numa árvore e hoje não. Hoje você levanta do sofá vai na prateleira do seu armário e pega alguma coisa para comer.”

Suplementos: separando o joio e o trigo

Outro tema polêmico, abordado pelo farmacêutico, foi a questão dos medicamentos naturais e dos suplementos nutricionais. Para Okigami ainda há muito preconceito por parte da comunidade científica e falta de informação entre o público leigo, mas o importante é ficar atento à origem desse tipo de produto.

“Todo medicamento, todo suplemento tem de ter registro, se você olha o número dele e não tem registro já tem que ficar com o pé atrás. O suplemento tem que ter também o responsável técnico por trás e a empresa tem que ter um SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) para orientar você”, orienta Okigami.

O especialista destacou, por fim, a importância de evitar o excesso de medicação e manter uma alimentação natural. “A minha sugestão é optar por coisa mais naturais. Eu, por exemplo, tento não usar medicamentos, ao máximo. Só uso quando não tenho como não usar. Eu prefiro usar suplementos e controlar a dieta.