Diário na Copa

Categoria: Análise


20:17 · 24.06.2013 / atualizado às 20:17 · 24.06.2013 por
Sala lotada minutos antes do início da coletiva. Ainda chegariam umas 15 pessoas. Foto: Marcelo Bloc
Sala lotada minutos antes do início da coletiva. Ainda chegariam umas 15 pessoas. Foto: Marcelo Bloc

Uma sala de cerca de 50 metros quadrados, com 31 cadeiras e cerca de 90 pessoas dentro. Sem falar dos equipamentos das TVs e dos fotógrafos, do ar condicionado único que fora ligado e não dera conta da refrigeração e dos problemas técnicos. Assim ocorreu a primeira entrevista coletiva da seleção italiana na capital cearense.

O técnico Cesare Prandelli conversou com a imprensa, mas apenas ele ficou sentado à vontade. Jornalistas apertados na tentativa de anotar algo, alguns sentados no chão e outros que se recusaram a ficarem apertados num cubículo daqueles e desistiram de cobrir a coletiva, realizada na tarde desta segunda-feira, no Estádio Presidente Vargas.

Para piorar, devido ao aperto, não raramente algum repórter desligava sem querer as luzes do ambiente. Houve ainda algumas falhas de áudio dos microfones.

Na tentativa de amenizar os problemas, o assessor de imprensa da Azzura pediu que os fotógrafos se retirassem, algo que estes não gostaram muito de ter que fazer.

Repercussão negativa

Não demorou para o ‘caos’ ir parar nos principais veículos de imprensa. A ESPN Brasil classificou o ocorrido como uma entrevista marcada pelo ‘calor, caos e expulsão’, algo classificado como ‘longe do padrão Fifa’.

No portal Terra, destaque para o jornalista que cobriu tudo sentado no chão, literalmente. Ainda na matéria, as aspas do secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Fortaleza, Márcio Lopes, admitindo a deficiência estrutural da sala de imprensa para eventos desse porte, mas ponderando que ‘para os campeonatos locais não há problema algum’.

Até o momento, não encontrei sites italianos repercutindo o ocorrido no PV, mas a julgar pelo que vi, acho difícil que não o façam.

17:08 · 29.05.2013 / atualizado às 19:58 · 29.05.2013 por
Foto: Adriano  Queiroz
Foto: Adriano Queiroz

Quarta-feira, dia 29 de maio de 2013. A data marca o início da retirada de ingressos para a Copa das Confederações, nas seis cidades-sedes da competição: Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, e, claro, Fortaleza.

A distribuição estava prevista para começar às 10h da manhã. Agendei com antecedência para retirar os meus ingressos e de minha namorada. Comprei tíquetes dos jogos Brasil x México e Espanha x Nigéria, marcados para o estádio Castelão, respectivamente, nos dias 19 e 23 de junho. Os primeiros foram pagos em novembro do ano passado e os  outros dois em março deste ano.

Mesmo com toda essa antecedência, sofri o mesmo caos que pelo menos outras 500 pessoas no Portão C, do Centro de Eventos do Ceará. Saí às 09h20 da Redação Web do Diário do Nordeste. Cheguei por volta de 09h40. No início tudo parecia que correria bem. Relativamente, pouca gente. Fila bem organizada. Funcionários tirando dúvidas. Até que um deles vê meu crachá do jornal e me avisa:  – Se você é da imprensa eu não posso te dar nenhuma informação.

Atrasos de meia em meia hora

A mudança de tom do funcionário da Match Services (empresa responsável pela distribuição de ingressos), no entanto, era só o começo. Às 10h, nada de começar o atendimento. Só depois de meia hora  e já com os primeiros gritos do público insatisfeito, a organização (será que merece esse nome!?) chama as primeiras pessoas para entrar, supostamente dando preferência aos idosos, deficientes físicos, obesos e estudantes (enquadrados na Categoria 4 durante a venda de ingressos).

Passados mais trinta minutos, chega a vez do meu grupo conseguir entrar. Tudo muito limpo, ar-condicionado bem regulado, teoricamente muito bem organizado. Mas a verdade é que a aparência escondia um problema de bastidor que só cerca de outra meia hora depois começou a ser esclarecido para os torcedores que estavam na fila. Uma falha no sistema teria inviabilizado a impressão de cerca de um terço dos ingressos agendados para serem distribuídos no primeiro dia.

Mas os outros dois terços também não chegariam fáceis às mãos de quem esperava. Os ingressos começaram a ser trazidos a conta-gotas e entregues sem levar em consideração a ordem da fila. Claro, que o público começou a protestar e uma funcionária disse que a empresa “estava atuando em duas frentes”. Ou seja, a fila seguiria e quem chegasse num dos quatro balcões de atendimento seria atendido, mas paralelamente ingressos que “iam sendo encontrados” eram entregues aos poucos sortudos.

Tentativa de invasão…ou quase isso

E aí haja mais protesto.  Enquanto o bate-boca seguia do lado de dentro, um senhor mais exaltado do lado de fora tentou forçar a passagem. Poucos minutos depois, cerca de cinco homens da Polícia Militar chegaram e tentaram acalmar os ânimos. Até megafone foi usado. Pessoas que não tinham agendado a retirada foram informadas de que não receberiam ingressos e muitos foram embora. Mesmo assim, foi preciso mais uma hora para que um grupo de cerca de 100 ou 200 pessoas entrasse e fosse encaminhado a uma fila secundária, em outro canto do recinto.

Enquanto isso, a fila principal seguia confusa. Quando estou quase chegando na minha vez de ser atendido (já que não fui um dos sortudos chamados com antecedência), ouço de um funcionário que quem não teve o ingresso impresso devido os problemas técnicos, teria mesmo de voltar depois. Obviamente, começo a ficar apreensivo de não recebê-los. Chega minha vez e aí um alívio momentâneo: – Seus ingressos foram impressos, senhor.

Espero mais dez minutos e aí chega um funcionário com um envelope, ingressos e o “Guia de Ingressos” da Fifa. Mas para minha surpresa e decepção apenas dois dos quatro ingressos comprados tinham sido impressos.  E o mais curioso (para usar um eufemismo) é que foram justamente os tíquetes do segundo jogo. Os ingressos comprados quatro meses antes dos outros dois não estavam impressos!

Mais três dias de espera

Sou informado de que teria a opção de deixar para receber os quatro ingressos de uma vez, no dia 1º de junho, ou receber os dois logo e pegar os demais depois. Opto pela segunda alternativa. Um pouco antes disso, um torcedor à minha frente tinha passado por uma situação idêntica e na hora de assinar o recebimento parcial dos ingressos perguntou: – E o que me garante que vou receber os próximos? Quero um recibo!

O tal recibo veio da forma mais inusitada possível, um pedaço de papel A4, redigido com caneta, indicando o nome do torcedor, os ingressos faltantes, além das assinaturas do atendente e da gerente de atendimento. Quando me deparo com a mesma situação, não hesito e peço um recibo improvisado também. Para terminar, depois de terem avisado que eu só receberia no dia 1º de junho, dizem que vão me ligar avisando, caso o ingresso seja impresso antes.

recibo2
Foto do “recibo” entregue ao repórter pela organização do Centro de Ingressos. Foto: Adriano Queiroz

Assim está bom! Só que não! (parafraseando a tag famosa).

13:27 · 16.12.2012 / atualizado às 13:27 · 16.12.2012 por

 

 

O Diário na Copa preparou para você uma série de matérias relembrando alguns dos momentos mais especiais, mais engraçados,  mais marcantes da história do Estádio Plácido Aderaldo Castelo, o Castelão. Mergulhe nos nossos posts, comente, dê a sua sugestão. Confira as matérias:

– Os jogos inesquecíveis

– As transformações do Gigante

– Palco que dá sorte à Amarelinha

– Eventos que marcaram

– Polêmicas e lances bizarros

– O dia em que Pelé jogou no Castelão

 

19:33 · 01.12.2012 / atualizado às 19:34 · 01.12.2012 por

A Rfef (Real Federação Espanhola de Futebol) cometeu uma gafe em seu site oficial. Após a definição dos jogos da seleção espanhola na Copa das Confederações de 2013, a Federação trocou o nome estádio Plácido Aderaldo Castelo, o Castelão, e o chamou de “Costelão”.

A Espanha jogará no CASTELÃO no dia 23 de junho do próximo contra uma seleção africana que será conhecida em fevereiro.

A Espanha vai atuar em três estádios diferentes na primeira fase de grupos da Copa das Confederações. Começa sua jornada na Arena Pernambuco, passa pelo Maracanã, no Rio de Janeiro, e encerra em Fortaleza.

Arena Castelão tem nome trocado pela federação espanhola. Clique para ampliar. Foto: Reprodução
16:19 · 14.11.2012 / atualizado às 19:35 · 14.11.2012 por
Chinji Okazaki já marcou 7 gols e se destaca no time japonês. Foto: Divulgação

Sempre velozes e ágeis, os japoneses não querem demorar muito para confirmar a sua 5ª participação seguida na Copa do Mundo da FIFA. Os nipônicos bateram nesta quarta-feira (14) a seleção de Omã por 2 a 1, fora de casa, e dispararam ainda mais no Grupo B das Eliminatórias Asiáticas, com 13 pontos. Com o resultado, os japas podem se classificar até com uma derrota na próxima rodada, caso Omã e Iraque não somem pontos.

Nesta última fase das eliminatórias asiáticas, se classificam automaticamente para a Copa da Mundo do Brasil os dois primeiros de cada grupo e os terceiros se enfrentam em uma repescagem. O vencedor deste confronto de recuperação enfrenta o 5º colocado nas eliminatórias sul-americanas.

Destaque japonês

Com um time bastante habilidoso e de toques rápidos, a seleção japonesa segue o padrão dominante do futebol atual, a escola espanhola. No entanto, apesar de liderar com sobras o torneio asiático (13 pontos, 4 vitórias, 1 empate e 0 derrotas), em amistoso contra o Brasil (principalmente), Espanha e França (venceu, mas com um pouco de sorte) , os nipônicos mostraram que ainda estão vários degraus abaixo das potências mundiais. O destaque do time é o artilheiro da equipe Okazaki e o meia Kagawa, que atua no Manchester United.

Veja classificação das eliminatórias asiáticas

 

Mais eliminatórias

Nesta quarta-feira (14) teve início mais uma rodada de eliminatórias na Ásia, além de dois jogos pelas eliminatórias europeias.

Os principais destaques foram a seleção do Uzbequistão que derrotou o Irã, por 1 a 0, fora de casa, e assumiu a liderança do grupo A  da Ásia e a vitória da seleção de Montenegro contra San Marino, por 3 a 0, e lidera o grupo H da Europa, tendo superado a Inglaterra. 

Confira a relação de jogos e acompanhe os resultados aqui:

Ásia

Catar 1:0 Líbano
Iraque 1:0 Jordânia
Omã 1:2 Japão
Irã 0:1 Uzbequistão

Europa

Irlanda do Norte 1:1 Azerbaijão
Montenegro 3:0 San Marino

15:35 · 17.10.2012 / atualizado às 15:35 · 17.10.2012 por

Na segunda parte da entrevista com secretário especial da Copa do Mundo, Ferruccio Feitosa, o blog Diário na Copa traz detalhes sobre a administração do estádio por parte do consórcio responsável pelas obras antes, durante e após a realização da Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014.

Assim como acontece no Centro de Eventos, a Arena Castelão terá agenda de eventos e a promessa de vários outros momentos além do futebol para que a população usufrua do equipamento.

>Siga o Diário na Copa no twitter

Outro detalhe revelado pelo secretário Ferruccio Feitosa é que o estacionamento do Castelão será cobrado, de forma que o torcedor terá direto a um seguro.

“Como entidade privada tem capacidade de vincular outros eventos, que não só futebol. O estacionamento será pago e ainda tem seguro. Vai ter o shopping center do atacado, tudo isso para dar vida e renda para o equipamento”, explica Ferruccio.

Confira a segunda parte da entrevista:

Opinião

A parceria público-privada  (PPP) que o Governo do Estado realizou com o consórcio responsável pela obra e pela administração do estádio revela características nunca antes aplicadas  a nenhum empreendimento no Ceará. Pela primeira vez, o torcedor cearense terá em um estádio de futebol semelhanças ao que acontece em um shopping center, desde a entrada de forma ordenada, ao estacionamento pago, a possibilidade de restaurantes, cinema, shopping do atacado.

>Veja a primeira parte da entrevista

À primeira vista, alguns torcedores podem estranhar a cobrança do estacionamento, mas basta um leve refresco na memória para recordar que atualmente, para levar o carro a um estádio, o usuário acaba sendo extorquido pelos inúmeros flanelinhas que disputam espaço nos arredores do estádios. Um exemplo claro é no Presidente Vargas, onde uma vaga de estacionamento pode custar R$ 10 sem a menor garantia de segurança.

É óbvio que somente com o pleno funcionamento da Arena Castelão poderemos ter certeza do funcionamento das opções para o torcedor. A única certeza é que a intenção é que o estádio funcione para muito além do futebol e isso vai gerar uma série de mudanças na forma como torcedor cearense utiliza esse tipo de equipamento.

Mas, e aí, torcedor? Qual a sua opinião sobre a cobrança de estacionamento do Castelão? Você é contra ou a favor? Não deixe de comentar

 

11:19 · 11.10.2012 / atualizado às 11:27 · 11.10.2012 por

O Diário na Copa entrevistou nessa semana, no estúdio da TV DN, o secretário especial da Copa do Mundo, Ferruccio Feitosa. Nessa primeira de duas entrevistas que serão veiculadas no blog, Ferruccio abre o jogo sobre o futuro da Arena Castelão após a sua inauguração, tendo em vista não somente a Copa do Mundo, mas a utilização do estádio para os times cearenses, seja no Campeonato Cearense, Campeonato Brasileiro ou Copa do Brasil. Sobre a rivalidade acirrada entre torcedores de Ceará e Fortaleza, em face dos episódios recentes de depredação do patrimônio público no Presidente Vargas, Ferruccio é enfático: “Eu não estou fazendo estádio para bandido”, crava no vídeo.

> Siga o Diário na Copa no Twitter

Além disso, Ferruccio fala que não vai alterar em nada a concepção da Arena para a Copa do Mundo e Copa das Confederações para jogos locais. “Estou fazendo estádio para gente de bem. Então o estádio é mais próximo possível do campo, não vai ter gradil, não vai ter vidro, não vai ter nada disso não”, explica.

A poucos dias da Copa das Confederações de 2013, terminará o Campeonato Cearense, que poderá ter até três Clássicos-Reis até o início da competição. Ferruccio aposta no rigor da fiscalização via Ministério Púlbico e Justiça do Ceará, além do suporte para as Polícias Civil e Militar, além de mais de 200 câmeras de segurança espalhadas dentro e fora do estádio.

Confira a primeira parte da entrevista



Opinião

As palavras de Ferruccio não deixam dúvidas. A Arena Castelão não será apenas um novo espaço para o torcedor, moderno, elegante, bonito, mas provocará uma mudança de cultura do consumidor comum das partidas de futebol, que realmente terá de se adequar a uma série de novas caracaterísticas do estádio. Agora, tudo deverá ser especialmente regulado, principalmente tendo em vista que o estádio terá de ser entregue 100% para a Copa das Confederações, que já está batendo a porta.

O desafio será grande para o poder público, principalmente pela cultura de impunidade que cerca as ações de vândalos, travestidos de torcedores. Nas palavras do secretário, a principal arma será justamente a aplicação severa do estatuto do torcedor e verdadeira punição para estes elementos. Se essas ações realmente funcionarem é possível que o publico dos jogos cearenses retornem ao que era há 30 anos, com maior presença das famílias e convivência pacífica entre os torcedores.

O desafio é grande, mas sem a superação deste tabu, fica difícil imaginar um estádio da magnitude do Castelão nas mãos dos meliantes travestidos dos torcedores. Então, tudo terá de mudar. Seja a forma como se identifica, se pune e se afasta essas pessoas de má índole do estádio. Não existe outra saída, somente a aplicação da lei.

E você, acredita que seja possível essa mudança de cultura a ponto que a Arena Castelão seja conservada pelo torcedor? Não deixe de comentar

10:41 · 21.09.2012 / atualizado às 11:21 · 21.09.2012 por

Vou começar minha exposição com uma volta ao passado: era 31 de maio de 2009. Fortaleza acabara de ser escolhida para ser sede da Copa do Mundo de 2014. Luizianne Lins e Cid Gomes concediam entrevista juntos, lado a lado, para anunciar o conjunto de ações em preparação para o evento, desde as obras de mobilidade urbana, a Arena Castelão, entre outros pontos. Clima de otimismo, de respeito mútuo, as ações do Estado e Prefeitura pareciam iniciar em perfeita sintonia.

Em entrevista ao Diário do Nordeste naquela data, o atual secretário especial da Copa do Mundo, Ferruccio Feitosa, deixou clara a parceria entre o PT e PSB para a realização dos jogos em Fortaleza: ” O empenho do Governo do Estado do Ceará e da Prefeitura Municipal em dotar a cidade de Fortaleza em tudo aquilo que foi necessário e exigido pela Fifa. Foi sem dúvida alguma, o fator preponderante para que nós pudéssemos ser agraciados com a confirmação para sermos uma das 12 cidades sedes da Copa”, disse respondendo sobre as responsabilidades do Estado e  Prefeitura, que segundo ele, foram determinantes para a escolha da capital cearense. Veja aqui

O tempo passou… o globo terrestre girou várias vezes e, tal como um namoro adolescente, a relação entre Luizianne e Cid Gomes azedou de forma crônica. O que parecia união parcial se transformou em um divórcio doloroso, com riscos até de parar na justiça. Os filhos? As várias obras de mobilidade urbana  em Fortaleza para a Copa do Mundo paradas, necessitando atenção e carinho dos entes queridos. Crianças problemáticas, os túneis da Via Expressa ainda esperam definição dos dois para crescerem e se desenvolverem. Mas nesse caso, nenhum dos “pais” quer assumir os filhos, que correm o risco de nem existirem.

E aí nos perguntamos. O que aconteceu? A resposta é simples. No meio da Copa do Mundo tinha uma eleição, que viria a se mostrar bem pior que a pedra de Drummond. A disputa pelo poder se colocou à frente do interesse público e chegou ao cúmulo de terminar ema uma improdutiva e cansativa novela de troca de responsabilidades.  -É seu – É seu -É seu.

Quem não tem nada a ver com isso deve se indagar estarrecido: – quer dizer que o Estado e a Prefeitura brigam para ver quem se livra de uma obra? Que compromisso é esse assumido com as pessoas? O fato que talvez passe ao largo do conhecimento dos comuns é que a famigerada obra dos túneis exige um trabalhinho deveras chato para o momento: as desapropriações. Não existe nada mais impopular do que centenas de pessoas serem retiradas do seu local e serem realocadas em outro, sem o menor consentimento e por um valor  questionável.

O casal sabe que quem admitir essa desapropriação poderá assinar uma carta de rejeição naquela região. E como são adversários políticos neste momento, Cid e Luizianne não querem perder um palmo do eleitorado. Dessa forma, a Copa do Mundo se transformou em um grande abacaxi eleitoral. Agora, pior do que o caminho de Drummond, a Copa do Mundo está no meio das Eleições e até o fim desse processo deve ser jogada, assim como o interesse público, de mãos em mãos, como uma batata quente, fervente, sem esperanças de solução.

12:54 · 27.08.2012 / atualizado às 15:35 · 27.08.2012 por

Detalhe do site da FIFA falando sobre o Estádio CastelãoSeria bom demais para ser verdade, mas no caso, será apenas para inglês ver. O site da FIFA, na versão em língua inglesa, descreve o Castelão de forma ímpar, fala dos principais clubes da Capital (Ceará e Fortaleza) citando-os como um dos principais do País, mas escorrega em um ponto importante: fala de opções que não serão disponibilizadas na Arena Castelão ou que passam a alguns “bons” quilômetros de distância da principal obra do Estado para as competições internacionais e que não terão efeito nenhum na mobilidade para o estádio.

De acordo com o site da FIFA, o VLT (veículo leve sobre trilhos) será uma das soluções viabilizadas para melhorar o acesso ao Castelão. O que o veículo oficial da FIFA não cita, ou mesmo não sabe, é que a linha que ainda está sendo construída em Fortaleza ligará o Porto do Mucuripe, bem ao norte da cidade, ao bairro Parangaba, passando pelo Papicu, Aeroporto Pinto Martins e Montese. Dessa forma, nenhuma estação do VLT ficará próxima o suficiente do estádio para permitir uma locomoção a pé ao descer de uma estação. Isso faz do VLT uma obra importante para Fortaleza, mas que não terá impacto nenhum para quem vai ao Castelão em dias de Copa do Mundo e Copa das Confederações, como em qualquer outro evento futebolístico, como o Clássico-Rei, por exemplo.

Já quanto ao metrô, o escorrego ainda é um pouco maior. O site fala em duas estações de metrô no estádio (oi?). Quem vem de outros países ou de outros estados com esta ilusão é bom logo saber que a Linha Sul, provavelmente a única linha de metrô totalmente concluída em Fortaleza até 2014, liga as cidades de Pacatuba ao Centro de Fortaleza, passando pela Parangaba (talvez o bairro mais próximo do Castelão). Para a população metropolitana, realmente pode ser uma vantagem pegar o metrô descer na Parangaba para então tomar uma outra condução para atravessar os cerca de 10km de distância da estação de metrô ao Castelão. Mas para o resto das pessoas que vão   ao Castelão, sejam turistas ou a população de outros bairros, a Linha Sul não terá nenhum efeito.

Durante a copa, boa parte dos turistas que virão a Fortaleza ficarão em hotéis na Beira-Mar, em cruzeiros no Porto do Mucuripe ou até mesmo em resorts no Porto das Dunas, Cumbuco ou em outras lindas praias cearenses. Infelizmente, em nenhum desses locais, as duas obras que estão sendo realizadas na Capital para mobilidade urbana terão efeitos reais. Durante a competição, o que ocorrerá é que os meios de transporte para a arena serão  as vias terrestres que atualmente existem. Fica a expectativa para que pelo menos esses corredores para carros e ônibus possam ser ampliados ou alargados.

 

19:23 · 25.04.2012 / atualizado às 19:23 · 25.04.2012 por

A segunda Copa do Mundo de futebol profissional no Brasil (a primeira em que o Ceará é sede) ainda não é realidade para a maioria dos brasileiros/cearenses. A ficha ainda não caiu. O que vai acontecer nos dias de julho de 2014 ainda parece distante, até improvável. A grande competição esportiva ainda está longe para a maioria das pessoas, apesar de próxima.

A verdade é que a Copa do Mundo de 2014 ainda está no campo das ideias para o cidadão brasileiro. O foco justo, porém exclusivo, nos estádios tem tirado o destaque para outras questões primordiais, desde como será  o dia-a-dia dos cidadãos nos dias da competição, o que de fato irá ocorrer na cidade, além da questão esportiva propriamente dita. Você sabia que já existem seleções eliminadas do Copa do Mundo do Brasil?

Para colocar você cada vez mais no clima da maior competição esportiva internacional, que vai acontecer praticamente no quintal da sua casa e vai mudar o seu cotidiano, o Diário do Nordeste Online lançou este blog totalmente focado em tudo que envolve a Copa do Mundo em todas as esferas: esportiva, política, econômica e social.

Este é o primeiro veículo cearense totalmente voltado para a Copa do Mundo e com a colaborações de você, leitor, pretende se tornar o principal canal de informações sobre esse grande evento que vai envolver todos nós.

Então, estão preparados?

A bola está rolando para o Diário do Nordeste Online na Copa do Mundo de 2014!

 

Pesquisar

Diário na Copa

Só mais um site WordPress
Posts Recentes

02h09mFinal é reeditada na volta das seleções após a Copa; confira os jogos desta quarta (3)

01h09mDiário na Copa retorna com tudo sobre futebol internacional e preparação para Rússia 2018

11h07mCom quatro brasileiros, Fifa divulga a seleção da Copa na visão da torcida

12h07mConfira quais jogadores estão descartados, as promessas e quem tem boas chances de chegar à Copa 2018

04h07mPesquisa aponta que 92,7% acompanharam a Copa do Mundo pela primeira vez no estádio

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs