Busca

11:29 · 17.08.2018 / atualizado às 11:29 · 17.08.2018 por
Nesta pesquisa, o IBOPE Inteligência testou dois possíveis cenários para a eleição presidencial, sendo o primeiro deles com Lula e o outro com Fernando Haddad como opções de candidatos do PT ao cargo. No cenário em que o ex-presidente figura como candidato do PT, Lula é mencionado por 56% dos eleitores do Ceará. Em outro patamar aparecem Ciro Gomes (PDT) com 15% e Jair Bolsonaro, do PSL, com 9%. A candidata da REDE, Marina Silva, tem 5% das menções; Geraldo Alckmin (PSDB) tem 2%, ao passo que Alvaro Dias, do PODEMOS; João Amoêdo (NOVO); Cabo Daciolo, do Patriotas; Eymael (DC); o psolista Guilherme Boulos; Henrique Meirelles (MDB); Vera (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) têm até 1% das citações cada um. Cearenses que declaram intenção de votar em branco ou anular o voto são 6% e 4% não sabem ou não opinam.
Quando Fernando Haddad é apresentado como candidato petista, Ciro Gomes aparece à frente com 39% das menções. Em outro patamar, estão Jair Bolsonaro e Marina Silva, empatados tecnicamente com 14% e 11% das intenções de voto, respectivamente. Ainda, Geraldo Alckmin tem 5%; Fernando Haddad tem 2% e Alvaro Dias, Cabo Daciolo, Vera e João Goulart Filho apresentam 1% das menções, cada um. Os candidatos Eymael, Guilherme Boulos, Henrique Meirelles e João Amoêdo não alcançam 1% das intenções de voto, cada. Aqueles que pretendem votar em branco ou nulo são 17% e os que não sabem ou não respondem somam 7%. Para cada um dos cenários propostos, um disco com o nome dos candidatos é apresentado ao entrevistado.
11:28 · 17.08.2018 / atualizado às 11:28 · 17.08.2018 por

Na disputa pelas duas vagas do Senado Federal pelo Ceará, considerando a soma das duas menções, o pedetista Cid Gomes tem 55% das intenções, seguido pelo emedebista Eunício, que é mencionado por 37% do eleitorado cearense. O candidato do PROS, Eduardo Girão tem 9%; Pastor Pedro Ribeiro (PSL) tem 7%; Dra. Mayra, do PSDB, tem 6%; Anna Karina (PSOL), João Saraiva (REDE), Pastor Simões (PSOL) aparecem com 4%, cada um. Citados por 3% do eleitorado aparecem Alexandre Barroso, do PCO; Magela, do PSTU e Dr. Márcio Pinheiro, do PSL e o candidato Robert Burns (PTC) tem 2%. No total, intenções de voto em branco ou nulo somam 37%, sendo 15% para a primeira vaga ao Senado e 22% para a segunda. Aqueles que não sabem ou preferem não opinar totalizam 27%. Considerando que nesta eleição existem duas vagas para o senado, nesta pergunta a soma dos percentuais atinge 200%, uma vez que as pessoas entrevistadas têm a possibilidade de escolher dois nomes.

O candidato Bardawil (PCO) não consta neste levantamento pois, no momento do registro da pesquisa, não havia informações suficientes sobre a oficialização de sua candidatura.

11:27 · 17.08.2018 / atualizado às 11:27 · 17.08.2018 por

No primeiro levantamento sobre intenção de voto realizado pelo IBOPE Inteligência no Ceará a pedido da TV Verdes Mares, feito antes do prazo final de oficialização de candidaturas no TSE, o atual governador, Camilo (PT) aparece à frente, com 64% das intenções de voto. Em um segundo patamar, estão o peessedebista General Theophilo, com 4%, Ailton Lopes (PSOL), Hélio Góis (PSL) e Gonzaga, do PSTU, com 2% das menções cada um, ao passo que Mikaelton Carantino (PCO) é citado por menos de 1% dos eleitores. Cearenses que têm intenção de votar em branco ou nulo são 17%, enquanto os que não sabem ou não opinam somam 9%.

DESTAQUES POR SEGMENTOS • A intenções de voto do atual governador Camilo são maiores entre os eleitores que têm de 16 a 24 anos (71%), entre quem mora no interior (70%) e entre aqueles que têm idades de 25 a 34 anos (68%). • General Theophilo, por sua vez, tem menções mais expressivas entre os mais escolarizados e entre aqueles que possuem renda familiar mensal acima de 2 salários mínimos (8% em cada segmento). • Os demais candidatos apresentam intenções de voto distribuídas de maneira homogênea nos segmentos analisados.
09:50 · 17.08.2018 / atualizado às 09:50 · 17.08.2018 por

A Legislação Eleitoral vem sendo reformada, constantemente, ao longo dos anos, sempre às vésperas de cada pleito. As restrições e permissões para os candidatos a cargos majoritários ou proporcionais são alteradas à medida em que novas reformas são aprovadas pelo Congresso. Nas eleições gerais de 2018, os postulantes precisarão ficar atentos a limitações antigas e novas, sob o risco de multas ou até mesmo a cassação do mandato se eleitos.

Velhos hábitos de candidatos, sobretudo no interior do Estado, seguem proibidos, como a confeccionar, utilizar e distribuir camisetas, chaveiros, bonés, canetas, cestas básicas ou outros brindes que proporcionem qualquer tipo de vantagem. O mesmo vale para os showmícios com a presença de artistas, ainda que voluntários.

Fazer propaganda ou pedir votos por meio de telemarketing segue proibido, bem como jogar ou autorizar derrame de propaganda no local de votação ou nas vias próxima, inclusive na véspera da votação. Estão vedados, também, propaganda em bens particulares por pintura em fachadas ou muros, e propaganda em bens públicos, a exemplo de viadutos, passarelas ou paradas de ônibus.

Internet

Muitos candidatos estão fazendo uso do crowdfunding, a conhecida vaquinha virtual. Segundo a Justiça Eleitoral, os postulantes podem divulgar o financiamento coletivo para arrecadação de recursos para a campanha, mas o ato não pode conter informação que caracterize pedido explícito de voto.

As propagandas na internet devem ficar restritas ao impulsionamento nas redes sociais, assim como não são permitidas publicações que afetem a imagem de outros candidatos. A Procuradoria Regional Eleitoral ficará atenta também aos casos de propagandas no ambiente virtual que atribuam indevidamente a autoria a outra pessoa, candidato, partido ou coligação. É o mesmo entendimento para agressão à honra de candidatos na internet e nas redes sociais.

Outras proibições abordam propaganda de guerra, violência, subversão do regime, com preconceito de raça ou classe, com desrespeito a símbolos nacionais; usar símbolos semelhantes a oficiais de governo, empresa pública ou estatal; alterar qualquer forma de propaganda ou impedir conteúdo de outro candidato; e sites oficiais ou hospedados em órgãos da administração pública também não podem ser usados para divulgação de conteúdo de campanha.

09:45 · 17.08.2018 / atualizado às 09:45 · 17.08.2018 por
Em Sobral, Camilo Santana (PT) fez caminhada no Becco do Cotovelo com Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (MDB), dando início a uma campanha conjunta. Na foto, Eunício registra a troca de apoio com os ex-adversários Foto: Karison Mesquita

No primeiro dia da campanha eleitoral no Ceará, quatro dos seis postulantes ao Governo do Estado fizeram valer o que já permite a legislação eleitoral e foram às ruas da Capital e de municípios do Interior em busca de votos do eleitorado. Em maior ou menor número, eles estiveram acompanhados por apoiadores e alguns até chegaram a ocupar, ao mesmo tempo, diferentes pontos de um mesmo bairro – o Centro de Fortaleza. Nenhum outro candidato, contudo, teve mais atividades no primeiro dia da campanha do que o governador Camilo Santana (PT), que tenta reeleição.

Um dos compromissos do petista no dia de ontem, aliás, foi marcado pela reunião que confirma a campanha conjunta das duas chapas governistas, quando o chefe do Executivo esteve com seus dois candidatos ao Senado – o ex-governador Cid Gomes (PDT) e o senador Eunício Oliveira (MDB) – em Sobral, reduto eleitoral dos padrinhos políticos, os irmãos Ferreira Gomes. Adversários na eleição passada, eles ontem distribuíram demonstrações de apoio mútuo no Centro de Sobral, com direito a caminhada, parada para um tradicional café no Becco do Cotovelo, um dos pontos históricos do Município, e incontáveis registros para as redes sociais.

Os candidatos chegaram ao Aeroporto Coronel Virgílio Távora, em Sobral, por volta das 12h30 e, de lá, seguiram até a Praça da Coluna da Hora, onde eram aguardados por apoiadores. Em caminhada no Becco do Cotovelo, Eunício Oliveira disse, em referência à divisão de chapas governistas, que não dá muita importância à ausência de “formalidade” da aliança.

“O importante não é a formalidade da aliança, o que é importante é a intensificação daqueles que querem um Ceará melhor, um Ceará de todos, que avance, que gere emprego, renda e oportunidade para as pessoas”, argumentou. Questionado sobre quem é seu candidato a presidente, o emedebista, que já havia declarado voto no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), caso este, preso, consiga ser candidato, afirmou enquanto caminhava: “Você já sabe a minha posição. Eu estou na terra dele, estou em Sobral”.

Dia cheio

Camilo Santana, por sua vez, ressaltou que, na campanha deste ano, buscará destacar “avanços” do primeiro mandato em educação, infraestrutura, geração de emprego e segurança, além de mostrar em que áreas pretende “avançar” caso seja reeleito. “Vamos mostrar o que foi feito, o que está sendo feito, corrigir aquilo que ainda não está bom para podermos garantir que o Ceará não pare, criando oportunidade para o povo cearense”, declarou o governador.

Antes de ir a Sobral, o petista teve como primeira atividade de campanha, pela manhã, uma visita ao Mercado Central, em Fortaleza. Já na tarde e na noite de ontem, Camilo também cumpriu agenda em Quixeramobim, Barbalha e Crato. Hoje, ele faz campanha no Horto do Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, e à noite tem comício em Caucaia.

O Centro de Fortaleza também foi o local escolhido por Ailton Lopes, candidato do PSOL, para iniciar a campanha. Pela manhã, ele participou com a candidata a vice, Raquel Lima (PCB), e outros candidatos da Frente de Esquerda Socialista, formada por PSOL e PCB, de café da manhã no Mercado São Sebastião e, depois, de caminhada no Centro. No fim da tarde, o postulante fez bandeiraço com apoiadores no cruzamento das avenidas 13 de maio e Universidade, seguido de caminhada pelo Benfica. Hoje, Ailton Lopes tem atividades em Morada Nova e Senador Pompeu.

Propaganda

Desde ontem, a Lei das Eleições permite a realização de propaganda eleitoral. A legislação autoriza, por exemplo, a realização de comícios, a utilização de alto-falantes ou amplificadores de som nas sedes dos partidos ou em veículos, além da distribuição de material gráfico, caminhadas, carreatas e passeatas. A propaganda na internet também já pode ser feita.

Dos seis candidatos a governador, dois, no primeiro dia de campanha, dedicaram-se mais a atividades reservadas. Hélio Góis (PSL) teve reunião com a assessoria de campanha e encontro fechado com lideranças evangélicas. Já Mikaelton Carantino (PCO) participou de reunião fechada com uma emissora de TV local para debater a participação em uma sabatina.

09:45 · 17.08.2018 / atualizado às 09:45 · 17.08.2018 por

Por Márcio Dornelles

Em caminhada no Centro, o candidato do PSDB, General Theophilo, cumprimenta eleitor com a candidata a vice, Emília Pessoa, e o senador Tasso Jereissati Foto: Helene Santos

Duas chapas de oposição com alinhamentos ideológicos diferentes iniciaram a campanha, na tarde de ontem, separadas por poucos quarteirões no Centro de Fortaleza. O candidato do PSDB ao Governo do Estado, General Theophilo, participou de caminhada com concentração na Praça José de Alencar, enquanto Francisco Gonzaga (PSTU) fez panfletagem com uso de carro de som na Praça da Estação.

Na caminhada que inaugurou a campanha da chapa PSDB-PROS para o Governo do Estado, General Theophilo estava acompanhado da candidata a vice, Emília Pessoa (PSDB), dos candidatos ao Senado, Mayra Pinheiro (PSDB) e Luís Eduardo Girão (PROS), e do candidato a deputado federal Capitão Wagner (PROS), além do senador Tasso Jereissati (PSDB).

A caminhada começou às 16h20, após concentração em frente ao Theatro José de Alencar. Da Rua Liberato Barroso até a Praça do Ferreira, o grupo conversou com comerciantes, vendedores ambulantes, pedestres e pessoas em situação de rua. Tasso Jereissati abria caminho para o postulante. “Este é o General Theophilo, meu candidato ao Governo do Estado”, repetia o senador em diferentes abordagens. Com a apresentação, o candidato dava um passo à frente para cumprimentar o eleitor.

“Estamos acreditando na vitória, ou não estaríamos aqui. Não importa que seja essa luta de Davi contra Golias, mas estamos esperançosos. Sabemos que estamos muito bem apoiados pelo senador Tasso e pelo Capitão Wagner. São duas lideranças no Ceará que trazem muitos votos e que têm a confiança de toda a população”, disse Theophilo.

Para o candidato, geração de emprego, saúde e segurança são áreas que devem ser priorizadas em eventual gestão. “A segurança é o prato do dia, onde tem a prioridade maior. Nessa área temos conhecimento muito grande. Tem tudo para dar certo”, completou. O plano de governo será apresentado pela chapa na segunda-feira (20).

Tasso Jereissati reforçou que uma das principais estratégias de campanha será o corpo a corpo com o eleitor, para combater o que chamou de “quase nova oligarquia no Ceará”. “Vamos priorizar todas as áreas, trabalhar bastante na Região Metropolitana, mas direto com o povo, através de corpo a corpo”.

Panfletagem

Francisco Gonzaga, candidato do PSTU, distribuiu panfletos na Praça da Estação, onde abordava eleitores com um “chamado à rebelião” Foto: Helene Santos

A três quarteirões do Theatro José de Alencar, na Praça da Estação, quem se apresentava ao eleitor era o candidato do PSTU, Francisco Gonzaga. O operário da construção civil entregava panfletos a trabalhadores com “um chamado à rebelião”.

Ao contrário do evento do PSDB, que reuniu dezenas de pessoas, Gonzaga era acompanhado apenas pelo candidato ao Senado, Geraldo Magela, alguns postulantes a vagas proporcionais e filiados. Um carro de som e bandeiras completavam o ato.

“Nosso corpo a corpo vai ser com os trabalhadores, os estudantes, a mulher negra, as pessoas mais exploradas da nossa sociedade. Esse chamado à rebelião se materializa nisso. Sabemos que as eleições passam, mas o nosso sofrimento continua do mesmo jeito”, disse.

09:44 · 17.08.2018 / atualizado às 09:44 · 17.08.2018 por

O governador Camilo Santana (PT), se as eleições fossem hoje, seria reeleito no primeiro turno da disputa, cuja votação acontece no dia 7 de outubro próximo. A afirmação está nos números apresentados pelo Ibope, na primeira pesquisa sobre a sucessão estadual, a eleição de dois senadores pelo Ceará, assim como a manifestação dos eleitores cearenses sobre os candidatos à Presidência da República. A pesquisa foi contratada pela TV Verdes Mares, que, como o Diário do Nordeste, integra o Sistema Verdes Mares. Foram entrevistados 1.204 eleitores entre os dias 13 e 15 últimos.

Na disputa pela Presidência da República, o Ibope fez um cenário com Lula sendo o nome do PT e outro com Fernando Haddad. Os percentuais que surgem nos dois momentos são bem diferentes em relação a Ciro Gomes (PDT). Lula teria uma expressiva votação no Ceará, ficando Ciro em segundo lugar com uma grande diferença. Com Haddad, Ciro assume a liderança, ficando Jair Bolsonaro (PSL) na segunda posição. Quanto ao Senado, Cid Gomes (PDT) tem 55% das intenções e Eunício Oliveira (MDB), 37%. Os demais estão em posições bem inferiores (veja tabelas abaixo).

Na primeira pergunta feita sobre os candidatos a governador, os entrevistadores do Ibope não indicaram nomes e perguntaram em quem os eleitores votariam para governador, a chamada “espontânea”. O nome do governador Camilo foi citado por 22% dos entrevistados. 1% dos eleitores apontaram o nome do General Theophilo (PSDB). Nenhum outro nome foi lembrado.

Na segunda indagação, quando aos eleitores é apresentada a relação de candidatos “estimulada” e perguntado em quem eles votariam, a primeira tabela desta página registra Camilo Santana (PT) com 64% das intenções de voto, contra 4% do General Theophilo (PSDB), 2% para Ailton Lopes (PSOL), Dr. Hélio Góis (PSL) e Francisco Gonzaga (PSTU). Mikaelton Carantino (PCO) não teve pontuação.

Camilo Santana é o menos rejeitado de todos os candidatos ao Governo do Ceará. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral e no Tribunal Superior Eleitoral. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, com o nível de confiança de 95%.

Votos perdidos para senador

Pela apuração do Ibope, os percentuais de votos nulos e os dos eleitores que não sabem ou não responderam são maiores que os apontados para governador e presidente da República. Depois de Cid e Eunício, o candidato do PROS, Eduardo Girão, foi o que melhor pontuou. Ele alcança 9%, contra 6% da companheira de coligação, Dra. Mayra (PSDB), a quinta colocada, pois o candidato do PSL, Pastor Pedro Ribeiro, obteve 7% das intenções de votos.

Neste ano, todos os estados e o Distrito Federal elegerão dois senadores, renovando em dois terços o Senado. Diferentemente da eleição para deputado, a de senador é majoritária, vencendo os dois mais votados, da mesma coligação ou não. Dos dois senadores que terminam mandato, só Eunício é candidato. José Pimentel (PT), o outro, desistiu.

15:37 · 16.08.2018 / atualizado às 15:37 · 16.08.2018 por
O PDT pediu o registro do nome de Mirian Sobreira como candidata a deputada federal. FOTO: DIVULGAÇÃO/ Divulgacandcontas

A deputada Mirian Sobreira (PDT), no início do mês passado, anunciou sua desistência da disputa à reeleição e informou à imprensa do Ceará que não iria concorrer a nenhum cargo político neste ano, por problemas de saúde. Na ocasião, ela disse que iria apoiar candidatura do filho, Marcos Sobreira,  a deputado estadual.

No entanto, o nome da parlamentar, com o seu consentimento,  foi encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Ceará como candidata a deputada federal. Mirian Sobreira, porém, afirmou que ainda está definindo com a família se realmente iria para a disputa a deputada federal. “Não está nada decidido ainda, estou conversando com correligionários e meus familiares”, disse.

Atualmente, ao menos quatro deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Ceará disputam  vagas da Câmara Federal. São eles: Capitão Wagner (PROS), Rachel Marques (PT), Robério Monteiro (PDT) e Tomaz Holanda (PPS).

 

15:34 · 16.08.2018 / atualizado às 15:34 · 16.08.2018 por

O vereador Guilherme Sampaio (PT) foi à tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) na manhã desta quinta-feira, 16, para defender a candidatura do ex-presidente Lula da Silva (PT) como candidato do seu partido ao Palácio do Planalto.

Para o vereador, a situação na qual o candidato encontra-se – ele cumpre mais de 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro -, é injusta, pois não há provas razoáveis para a condenação. “Talvez a grande tarefa da sociedade brasileira nesse período eleitoral seja discutir e trazer de volta a normalidade democrática”, declara.

Segundo disse, a parcialidade contra o ex-presidente é evidenciada pela celeridade da Justiça contra ele, destacando que a Procuradoria-Geral da República (PGR) já pediu a impugnação da candidatura pouco tempo após o pedido de registro. De acordo com o petista, todos os processos envolvendo Lula tramitam “muito mais rápido do que processos relativos a situações do mesmo gênero”.

O parlamentar avalia que o País passa por um golpe – que é como ele caracteriza o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). “Tenho a expectativa de que a sociedade brasileira vai discernir o que é justo e o que é certo e o saldo será a derrota desse golpe”, diz.

09:33 · 16.08.2018 / atualizado às 09:33 · 16.08.2018 por

Todos os pedidos de registro de candidatura cadastrados no DivulgaCand, no Ceará, estão “aguardando julgamento” da Justiça Eleitoral. Os dados disponíveis no sistema mostram o predomínio de postulantes nas faixas etárias entre 35 e 59 anos, somando 530, ou pouco mais de 70,39% do total.

Entre os mais jovens, dos 21 aos 34 anos, são pouco mais de uma centena de candidatos ( mais ou menos 15%). Se o recorte for feito até 29 anos, a participação cai para 45 nomes. Os dois postulantes mais novos, até agora conhecidos  são do Partido Social Liberal: André Fernandes, que completará 21 anos em dezembro, e Andreia Moura, 21.

A partir dos 60 anos, são 111 concorrentes. O candidato mais velho é Vicente Arruda (PR), com 89 anos. Em seguida, Carlos Alberto (PATRI), com 80 anos. Entre 75 e 79 anos, aparecem Chico Lopes (PCdoB), 78; Professor Demétrio (PPS), 77; Duquinha (PDT), 76; Raimundo (MDB) 75; Roberto Pessoa (PSDB), 75; e Evanio Guedes (PR), com 75 anos.