Busca

Autor: Letícia Lima


10:48 · 23.02.2018 / atualizado às 10:48 · 23.02.2018 por

Voltamos ao que já virou, praticamente, rotina na Assembleia Legislativa. Hoje, em mais uma sexta-feira, o plenário ficou vazio, porque os deputados faltaram. São necessários, no mínimo, 16 deputados presentes na Casa para abrir os trabalhos no Plenário, no entanto, 12 parlamentares marcava presença no painel desta sexta, apesar de que apenas os deputados Tin Gomes (PHS) e Ely Aguiar (PSDC) estavam no Plenário. Os deputados Tomaz Holanda (PHS), Agenor Neto (MDB) e Carlos Matos (PSDB) apareceram depois que Tin anunciou o cancelamento da sessão.

Este mês de fevereiro, embora seja mais curto, vai terminar com apenas uma sexta-feira, a passada, 16, em que houve atividade no plenário da Assembleia. No dia 2, foi a abertura do ano legislativo, com a presença do governador do Estado. Já no dia 9, a sessão foi suspensa por falta de quórum. Na última sexta, 16, porém, a sessão aconteceu. Nesta sexta, a sessão voltou a ser suspensa, de novo.

E a tendência é que, neste ano de eleição, as sessões às sextas-feiras fiquem cada vez mais esvaziadas, tendo em vista que os deputados intensificam as visitas às suas bases eleitorais, em busca da reeleição.

16:44 · 22.02.2018 / atualizado às 16:44 · 22.02.2018 por

Tomou posse, na manhã de hoje, no lugar do deputado Renato Roseno (PSOL),  licenciado das atividades na Assembleia Legislativa por 120 dias, para tratar de assuntos pessoais,  o operário da construção civil, Nestor Bezerra. Sindicalistas militantes do PSOL  e representantes de movimentos sociais ocuparam as galerias da Casa para prestigiar a posse do “novo” deputado. Nestor, antes de entrar no PSOL era filiado ao PSTU, companheiro de Raimundão, conhecido líder operário que disputou várias eleições majoritárias no Ceará.

Ao adentrar no Plenário 13 de Maio e também durante o primeiro discurso, na tribuna, Nestor usou um capacete de operário, como símbolo de sua profissão. Ele prometeu que estará “à disposição de todas as lutas da cidade, dos movimentos sociais, dos sindicatos e associações de moradores”, enquanto estiver nesse período de 120 dias no Legislativo cearense.

14:49 · 22.02.2018 / atualizado às 14:49 · 22.02.2018 por

Em ano de eleição, é comum ver, na Assembleia Legislativa, os embates se acirrarem ainda mais entre deputados que disputam eleitores nos mesmos municípios, Hoje, o deputado Agenor Neto (MDB) e a deputada Miriam Sobreira (PDT), ambos representantes de Iguatu, trocaram farpas no Plenário 13 de Maio. Desta vez, foi em razão do impasse em torno da instalação de uma Faculdade de Medicina na cidade.

Agenor, que subiu à tribuna, primeiro criticou a atual gestão do município, da base de apoio de sua adversária, Miriam Sobreira, por não ter investido, por exemplo, na ampliação do número de leitos no Hospital Regional de Iguatu, o que, segundo ele, teria contribuído para desclassificação da cidade pelo Ministério da Educação, recentemente, na avaliação da instalação da Faculdade.

Em seguida, a deputada Miriam Sobreira foi à tribuna rebatê-lo, dizendo que a UTI do hospital está judicializada, porque, segundo ela, os recursos recebidos pela gestão do ex-prefeito, aliado de Agenor, não foram aplicados. A pedetista defendeu, ainda, que a Faculdade de Medicina “irá sim para Iguatu, para a sua tristeza (de Agenor|)”, disse, apontando para Agenor. O deputado, por sua vez, interrompeu o discurso e pediu que a deputada lhe respeitasse.

12:27 · 22.02.2018 / atualizado às 12:27 · 22.02.2018 por

Enquanto o Governo Federal promove cortes nos recursos enviados para os estados – só na área da Segurança o Ceará perdeu R$ 18 milhões -, o deputado Manoel Santana (PT) enfatizou, hoje, na Assembleia Legislativa, os investimentos que o Estado do Ceará vem realizando. O parlamentar citou o programa Águas do Sertão, cujo objetivo é fortalecer o abastecimento das comunidades no Interior do Estado.

“São R$ 50 milhões de euros que serão utilizados nesse projeto do saneamento rural, em algumas comunidades o abastecimento da água passa a ser um problema muito sério, então essa ação do Governo é extremamente importante e necessária e oportuna e vem para tirar desse risco as comunidades e garantir a água com qualidade o seu destino”.

12:24 · 22.02.2018 / atualizado às 12:25 · 22.02.2018 por

Na despedida do plenário, em razão da licença das atividades na Assembleia Legislativa, para tratar de assuntos pessoais, o deputado Renato Roseno (PSOL) usou a tribuna, na manhã de hoje, para enfatizar o significado da posse que tomou, momentos depois, o trabalhador da construção civil, Nestor Bezerra, suplente do partido, para assumir o seu lugar, nos próximos quatro meses.

Para o socialista, Nestor Bezerra dará “energia à política”, porque, segundo Roseno, “a política não pode ser uma instância de acordos dos gabinetes” e defende maior ocupação do parlamento pela classe trabalhadora.

“Nós compreendemos que as mudanças da história só podem ser efetivadas pelos sujeitos sociais, que se transformam auto organizadamente em sujeitos políticos. A mulher trabalhadora, o camponês, o sem-terra, o sem-teto, o indígenas, o LGBT, o trabalhador industrial, aqueles que constroem a riqueza deste País quando tomam consciência da sua condição resolvem adentrar a política, fazem história”, acredita.

15:11 · 21.02.2018 / atualizado às 15:11 · 21.02.2018 por

O deputado Heitor Férrer (PSB) ressaltou, hoje, da tribuna da Assembleia, cortes feitos pelo Governo Federal nos recursos que seriam enviados para o Ceará, principalmente, na área da Segurança. O contingenciamento ocorreu após o presidente Michel Temer (MDB) ter enviado uma força-tarefa para ajudar o Estado a combater a criminalidade.

“O corte de R$ 18 milhões na Segurança não fica só nesses valores, entre os cortes no Ceará, o mais significativo, é o da Universidade Federal do Ceará que perdeu R$ 36 milhões, é como se fosse um assassinato da nossa universidade pública. A construção da Fiocruz, cantado em verso pelo Governo do Estado, também teve cancelamento da verba de R$ 13,8 milhões. Onde estão nossas lideranças? Estou cobrando dos senadores”

12:39 · 21.02.2018 / atualizado às 12:39 · 21.02.2018 por

Em discurso na manhã de hoje, na Assembleia, o deputado Carlos Matos (PSDB) avaliou que seria mais “inteligente” o Governo do Estado assumir uma “mea culpa” e reconhecer que cometeu “erros” na gestão da Segurança. Apesar disso, o tucano minimizou o “peso” sobre o governador Camilo Santana (PT) e disse que os erros não são dele, mas do sistema. Ele sugeriu que, diante do grave cenário de violência, situação e oposição devem se unir em prol do Estado.

“Acho que o momento é de cooperação, não dá para tapar o sol com a peneira, que nós possamos, juntos, reconhecer que os erros não são desse governador, é importante reconhecer que os erros são deste sistema. Fazer mais do mesmo tem sido a insistência governamental, mais policial, mais carros e não surge algo novo que possa gerar confiança de que os resultados possam se transformar”, cobrou.

17:22 · 20.02.2018 / atualizado às 17:22 · 20.02.2018 por

A reunião ocorrida, ontem, no Palácio do Abolição, com os deputados aliados do Governo do Estado, para “alinhar os discursos e posicionamentos” na questão da Segurança, parece ter surtido efeito. Isso porque governistas estavam em peso, hoje, na Assembleia Legislativa, muito embora seja dia de votação, porém, a maioria deles demonstrou maior atenção aos pronunciamentos de deputados da oposição. Também foi possível ver alguns deputados, que pouco se vê fazendo discursos, subirem à tribuna, dada a gravidade da situação, para defender as ações do Governo.

Um exemplo foi o deputado José Sarto (PDT) que foi à tribuna, hoje, enfatizar que o governador Camilo Santana (PT) tem investido em inteligência – uma das principais cobranças da oposição – e dizer que “todas” as sugestões apresentadas pela oposição, para combater a criminalidade, foram “incorporadas” por ele.

Sarto foi o último a discursar no Primeiro Expediente, logo após o deputado Capitão Wagner. “Qualquer governante tem que ter, para além da coragem, equilíbrio, vocação, competência, sensibilidade e, acima de tudo, tem que entender e ter projetos, para muitas áreas”, disse, em tom irônico.

17:18 · 20.02.2018 / atualizado às 17:18 · 20.02.2018 por

Para a deputada Fernanda Pessoa (PR), é insuficiente a equipe de 36 homens, entre agentes da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança, enviada pelo Governo Federal ao Ceará, ontem, para ajudar no combate combate às organizações criminosas.

“Teria que ter vindo mais para dar suporte ao nosso Estado, nada mais que tapar o sol com a peneira, vai ser paliativo, se nada for feito de fato. O combate à violência deve ter um foco nas leis mais rígidas, combate às drogas e às armas, a droga virou epidemia no nosso País. Há brechas de mais, é preciso endurecer o cumprimento das penas”, cobrou, hoje, em discurso, na tribuna da Assembleia Legislativa.

15:06 · 20.02.2018 / atualizado às 15:06 · 20.02.2018 por

Dada a importância de se debater a questão da Segurança no momento, o deputado Renato Roseno (Psol) abordou, durante discurso, hoje, na Assembleia Legislativa, a intervenção militar no Rio de Janeiro. Para o parlamentar, a decisão do Governo Federal de enviar as tropas não passa de “marketing” e tem sido banalizada.

“Ele (presidente Temer) está querendo fazer da intervenção uma obra de marketing, para sair da agenda negativa. Queria, portanto, concordar com os generais que foram ao Senado no ano passado e disseram que a utilização quanto mais bana que já está virando das Forças Armadas em matéria de Segurança Pública urbana é equívoco, é cara, inócua e ineficiente. A questão da Segurança deveria ser, primeiro, o tráfico ilícito de armas multimilionário”, observou.