Busca

Categoria: Adail Carneiro


08:58 · 25.07.2016 / atualizado às 08:58 · 25.07.2016 por

Por    Miguel Martins

 

Deputado Adail Carneiro reassume a presidência estadual do PP, após decisão judicial. Ele diz que quer manter todos os acordos que foram firmados na sua ausência do comando partidário Foto: Alex Costa
Deputado Adail Carneiro reassume a presidência estadual do PP, após decisão judicial. Ele diz que quer manter todos os acordos que foram firmados na sua ausência do comando partidário Foto: Alex Costa

Depois da decisão monocrática da desembargadora Vera Lúcia Correia Lima, que autorizou o retorno da direção do Partido Progressista (PP) para o deputado federal Adail Carneiro, no Ceará, alguns membros da sigla ameaçam deixar os quadros do grêmio por não reconhecerem a presidência. No entanto, conforme informou o agora dirigente, nenhuma das pré-candidaturas oficializadas até aqui serão alteradas, desde que visem melhorar a agremiação.
Adail Carneiro foi conduzido à presidência do PP Ceará pela executiva nacional após votar favorável ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, em maio passado, contrariando orientações da base governista do governador Camilo Santana. Na ocasião, o parlamentar se disse pressionado pela direção nacional a votar a favor do processo de impedimento do mandato da petista, ainda que horas antes tivesse afirmado que estaria do lado da presidente.
Logo em seguida, a presidência atual, formada pelo ex-deputado federal, José Linhares, e pelo prefeito de Massapê, Antônio José, entrou com recurso na Justiça contrário à decisão da executiva nacional da legenda. Na Assembleia Legislativa do Ceará o PP tem a segunda maior bancada da Casa com seis parlamentares, a maioria ingressa durante a abertura de janela partidária ocorrida no início desse ano. São eles: Bruno Pedrosa, Fernando Hugo, Zé Ailton Brasil, Walter Cavalcante, Leonardo Pinheiro e Lucílvio Girão.
Na decisão da desembargadora, ela diz que o funcionamento do PP no Estado “seguirá normalmente seu curso, mantendo-se aptas a deliberarem acerca de atos políticos que lhes sejam pertinentes, seja de qual natureza for”. Ela ressalta ainda que “a hipótese em debate reporta-se somente ao afastamento provisório dos integrantes do diretório destituído até o julgamento do mérito”.
Adail disse ao <CF61>Diário do Nordeste </CF>que a decisão da desembargadora em reconsiderar a situação através de uma medida cautelar fará com que ele assuma a direção partidária do PP logo que os atuais dirigentes sejam noticiados. Segundo ele, a partir do recebimento da notificação por parte dos presidentes do partido, ele vai agir de acordo com o estatuto do grêmio, procurando ouvir todos os presidentes de diretórios e comissões provisórias.
Disse ainda que não vai tolher as decisões feitas em torno das pré-candidaturas até aqui postas, independente de o postulante ser seu aliado ou adversário. “No decorrer dessa semana eu vou aproveitar para conversar com todos eles para que possamos fazer a finalização de todas as convenções a contento. A única diferença que acontecerá é que eu vou querer que o PP tenha espaço nos projetos para participação das administrações municipais. Quero compromisso para as eleições futuras do partido”, disse.
O objetivo dele, conforme informou, é ampliar a quantidade de filiados para as disputas eleitorais de 2018. Carneiro disse ainda não estar constrangido com o ex-governador Cid Gomes ou com o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque (PDT), que ajudaram no crescimento do PP no Ceará. “As decisões tomadas até aqui serão mantidas, pois eu jamais iria tolher o que decidiram essas pessoas. Mas vou buscar saber o tamanho do compromisso dos candidatos com o partido”.
Em Fortaleza, o PP além de ser aliado do prefeito Roberto Cláudio faz parte da gestão atual, inclusive, comandando a Secretaria Municipal de Educação (SME). Adail Carneiro afirmou que aguarda o chefe do Poder Executivo Municipal para uma conversa, visto que Roberto Cláudio é pré-candidato à reeleição e conta com o PP no seu arco de aliança. “Espero que ele venha conversar comigo. Espero que ele me procure”.
Quando informações davam conta de que o PP poderia ir para as mãos de Carneiro, a bancada do PP na Assembleia Legislativa se reuniu e ficou acertado entre os presentes que eles sairiam da sigla caso isso fosse confirmado. “Eu tachei e repito que o ato político durante o impeachment foi calhorda e não posso conviver com quem faz política atacando a presidência de um partido por um voto, enganando muitas personalidades políticas brasileiras”, disse o deputado Fernando Hugo.
Segundo ele, se confirmando a permanência de Adail Carneiro na presidência do PP, ele e outros parlamentares podem deixar a sigla. “Não posso concordar com o modo como o PP foi surrupiado das mãos do presidente José Linhares, e jogado, de forma vil para o deputado Adail Carneiro. Jamais poderei aceitar uma ação calhorda como essa”, frisou o parlamentar.
O deputado Bruno Pedrosa, que está viajando, disse que ao chegar em Fortaleza procurará a presidência afastada do PP para saber como se comportar. Ele conseguiu atrair para a legenda um prefeito e outros pré-candidatos a prefeito, e teme que essa decisão da Justiça prejudique as postulações postas. “Acredito que o diálogo é a melhor opção”, disse o parlamentar.
Walter Cavalcante estava em um retiro neste fim de semana, e disse que a decisão sobre permanecer ou não na legenda com uma nova presidência deve ser formalizada em conjunto por todos os quadros do partido. No entanto, em recente entrevista ao Diário do Nordeste, o parlamentar, que entrou no PP em março passado, defendeu que os membros que se sentirem ofendidos com a troca de dirigentes saiam do grupo, o que ele também poderia fazer.