Busca

Categoria: Adesões


12:11 · 10.10.2016 / atualizado às 12:11 · 10.10.2016 por

Por Antonio Cardoso

 

Roberto Claudio recebe a adesão de Ronaldo Martins, em evento no seu comitê da campanha, sábado Foto: Kleber A. Gonçalves
Roberto Claudio recebe a adesão de Ronaldo Martins, em evento no seu comitê da campanha, sábado Foto: Kleber A. Gonçalves

Os dois candidatos a prefeito de Fortaleza, neste segundo turno das eleições, cumpriram agenda normal no último fim de semana, em diversos pontos da Capital. Capitão Wagner (PR), foi surpreendido com a decisão do PRB de apoiar o Roberto Cláudio (PDT), pois ainda aguardava uma decisão do deputado federal Ronaldo Martins, um dos candidatos do primeiro turno, sobre apoio à sua candidatura, quando ele apareceu, sábado, ao lado de Roberto Cláudio.
No dia anterior, o candidato do PDT, comemorou, ao lado do governador Camilo Santana (PT), no seu comitê central, a decisão dos petistas da Capital de fechar questão contra a candidatura do Capitão e liberar seus filiados para apoiarem ou não a postulação do prefeito Roberto Cláudio. Antes, em encontro público na Assembleia Legislativa, o candidato Roberto Cláudio recebeu o apoio de um outro candidato derrotado no primeiro turno, deputado Tin Gomes (PHS).
A oficialização do apoio do PRB do deputado Ronaldo Martins a Roberto Cláudio, aconteceu na manhã de sábado. O anúncio contou com a participação do próprio Ronaldo Martins, que disputou a eleição no primeiro turno ficando na quarta colocação, com 51.687 votos, além de outros republicanos como o deputado estadual David Durand, o vereador de Fortaleza, Gelson Ferraz, não reeleito, e o recém-eleito para seu primeiro mandato na Câmara Municipal, radialista Evaldo Costa.
O anúncio da adesão foi feito pelo próprio Roberto e Ronaldo que justificou a aliança dizendo que o postulante pedetista abraçou cinco das suas propostas mais importantes que constavam em seu plano de governo. “Tive uma conversa breve sobre alguns pontos de nosso plano de governo, elaborado junto com as pessoas nos bairros, a quem pudemos ouvir. Uma das coisas que mais me pediram foi uma atenção melhor para os bairros e estou feliz porque o candidato estará absorvendo alguns pontos que foram batalhas nossas nessa campanha”.
Apoio do PT
Sobre a decisão do Partido dos Trabalhadores, na última sexta-feira, de liberar os seus filiados, com a condição de não votarem no Capitão Wagner, o prefeito Roberto Cláudio disse que respeita as decisões partidárias, principalmente as democráticas. “O PT, me parece, fez uma ampla discussão, fez longo debate e saiu com a resolução de liberar seus filiados. Ontem (sexta-feira)a noite tive o privilégio de ter o maior líder do partido, que é o próprio governador Camilo Santana aqui no comitê em seu primeiro ato público de apoio dele a nossa candidatura. Estou muito feliz com o apoio importante, até porque, para se governar bem uma cidade como Fortaleza, precisamos de apoios institucionais”, declarou.
Segundo o candidato, não se governa uma cidade como Fortaleza, em meio a uma crise, sem ter projeto pronto e capacidade de estabelecer parcerias para captar recursos para o município. “E a garantia do apoio do governador do Estado ao nosso projeto é a garantia também de uma afinada parceria administrativa em um segundo governo. A garantia de apoio para realização de obras, projetos sociais, e me dá muita honra em ter apoio do grande líder político”.
Além de Ronaldo Martins e o PRB, Roberto Cláudio já tem ao seu lado Tin Gomes (PHS) e o candidato a vice, na chapa de Heitor Férrer, o advogado Dimas Oliveira, presidente estadual do partido REDE. “Sobre uma possível adesão do PSB, onde já esteve filiado, Roberto disse que preferia falar apenas quando algo de concreto pudesse ser anunciado.
Estiveram presentes à coletiva: deputado federal Ronaldo Martins (PRB), presidente da Câmara Salmito Filho (PDT), deputados estaduais Dr. Sarto (PDT), Ely Aguiar (PSDC) e David Durand (PRB). O deputado federal Odorico Monteiro (PROS) também participou, assim como o vereador Gelson Ferraz, e o eleito no último domingo, Evaldo Costa (PRB).

10:31 · 19.03.2016 / atualizado às 10:31 · 19.03.2016 por

O PDT cearense aumentou os seus quadros, ontem, com as filiações de dois deputados estaduais, Júlio César, saído do PMB, e Walter Cavalcante, egresso do PMDB. Além deles, o partido também recebeu 11 vereadores de Fortaleza, em ato comandado pelo prefeito Roberto Cláudio e o presidente da Câmara Municipal, Salmito Filho. Na Casa, o partido conta, agora, com 18 parlamentares, que visam formar uma chapa fortalecida para a eleição em outubro próximo.
A filiação do deputado Júlio Cesar foi na parte da manhã, na Assembleia Legislativa, com a presença do ex-governador Cid Gomes e do presidente da Casa, Zezinho Albuquerque. Já a filiação de Walter Cavalcante foi reservada, com a ficha sendo entregue na sede do partido no fim da manhã. A alegação para não ter havido solenidade é de que ele participava de eventos religiosos fora da capital cearense.
Na Câmara Municipal, o vereador Salmito Filho adiantou que, na próxima semana, haverá uma reunião para a definição do líder e do vice-líder da bancada, que, segundo ele, é a maior de um único partido na história recente da Casa. “E já quero dizer, claramente, que vamos pedir ao prefeito e defender que ele seja candidato à reeleição”, disse.
Roberto Cláudio, por sua vez, afirmou que, encerrados os prazos de filiação de mandatários, o partido conversa com suplentes de vereador e outros possíveis candidatos pela primeira vez, que têm até o dia 2 de abril para se filiar à sigla pedetista.
Para o prefeito, não há grande mudança na correlação de forças entre governo e oposição, uma vez que, dos 43 vereadores que compõem a Câmara no atual mandato, pelo menos 38 fazem parte da base governista. Ainda assim, segundo ele, as novas filiações demonstram compromisso com o seu projeto de governo e serão importantes para os embates políticos que se aquecem na Casa Legislativa em ano eleitoral.
“É muito importante para, num ano em que a administração é mais criticada, mais observada, a gente ficar atento, junto com a nossa turma nos bairros, para saber o que está errado, fazer a sintonia fina da administração nesse último ano; e certamente será importante no período eleitoral ter uma bancada do partido forte”, pontuou.
Mudanças
Ainda em 2015, Cid e Ciro Gomes ingressaram no PDT, junto com Roberto Cláudio e o presidente da Câmara, Salmito Filho. Além deles, o vereador Adail Júnior também entrou na agremiação no ano passado. No início de março deste ano, os vereadores Antônio Henrique, Elpídio Nogueira, atual secretário municipal de Turismo, e Carlos Dutra também deixaram o PROS para entrarem no PDT.
Ontem, se filiaram à sigla os vereadores Adelmo Martins, antes no PROS; Ziêr Férrer, que deixou o PMN; John Monteiro e Gerôncio Coelho, ambos egressos do PTdoB; Marcus Teixeira, que foi convidado a se desfiliar do PMDB no ano passado; Eulógio Neto, que deixou o PSC; Mairton Félix, egresso do DEM; Joaquim Rocha (ex-PV) e Germana Soares, até então PHS. <MC0>Luciram Girão (sem partido) e Lêda Moreira (ex-PSL) também ingressaram no partido.
Em articulação com o presidente da Câmara, na última semana os vereadores se reuniram com Salmito Filho para debater as possibilidades no pleito com a formação do “blocão”. A ida em conjunto para o PDT surgiu após investidas dos vereadores sem sucesso em partidos pequenos, já que os filiados não aceitaram as filiações de membros com mandatos.
Com o ingresso no PDT, a estimativa é que sejam reeleitos de 11 a 12 vereadores do “blocão”. A expectativa é que, com possível reeleição do prefeito Roberto Cláudio, os eleitos sejam chamados para compor o Governo e abram vagas na Casa Legislativa para os suplentes.
Adelmo Martins aponta ter acompanhado os outros parlamentares do PROS seguindo o partido do prefeito. Além disso, destacou a possibilidade de o PDT fazer de 12 a 14 parlamentares caso não faça coligação. “É bom que fiquem 18, se tiver muito voto de legenda faz 12 e sobre a 14, se coligar com um partido e que venha só um vereador, vão para 10”, avalia.
Apontando o convite do prefeito e a mudança de direção no PTdoB como as motivações para ingresso na sigla pedetista, o vereador John Monteiro salientou que o novo “blocão” permite que mesmo os que não sejam eleitos assumam como suplentes no futuro. Segundo ele, a chapa é mais competitiva.

09:23 · 07.11.2012 / atualizado às 09:23 · 07.11.2012 por

O fisiologismo fica cada vez mais enraizado na política brasileira. Desde a semana passaada, o prefeito Roberto Cláudio tem sido insistentemente procurado por vereadores eleitos no grupo do candidato derrotado Elmano de Freitas, querendo aderir ao futuro Governo, embora tenha recebido quase tudo, para garantirem suas reeleições, do esquema de Elmano, ou mais precisamente da prefeita Luizianne Lins.

Roberto Cláudio tem evitado conversar com os adesistas e aos interlocutores deles, deputados estaduais e federais e outros integrantes da estrutura de poder no Estado, tem dito que tratará de Câmara Municipal posteriormente. Na conversa que ele terá, reservadamente com cada um dos vereadores eleitos, não inclui na pauta tratar de questões políticas, mas por certo todos os adesistas vão lhe dizer que estarão com ele para o que der e vier. Vai ser difícil para o novo prefeito rejeitar o apoio de algumas figuras já deveras execradas, por seus comportamentos político e moral.