Edison Silva

Categoria: Campanhas


09:01 · 18.10.2017 / atualizado às 09:01 · 18.10.2017 por

Por Letícia Lima

A criação de um fundo eleitoral com dinheiro público estimado em, pelo menos, R$ 1,7 bilhão, para bancar as eleições de 2018, entrou em discussão ontem no Plenário 13 de Maio, da Assembleia Legislativa. O deputado Ely Aguiar (PSDC), que se diz contrário ao financiamento por empresas, defendeu o Fundo Partidário como fonte de financiamento para as campanhas e aproveitou para reclamar que o seu partido no Estado nunca recebeu “um centavo” do diretório nacional, desde que ele está na presidência.

Em meio a tantas propostas na Reforma Política, a garantia de verbas para o financiamento das campanhas eleitorais ganhou atenção especial da classe política no Congresso, ao mesmo tempo, foi o ponto que mais causou polêmica na sociedade. Pelo que foi aprovado, o fundo será composto por 30% das emendas impositivas de bancada, gastas com obras de infraestrutura e repasses para os Estados e municípios, e com o fim da propaganda partidária gratuita em rádio e TV, no ano da eleição. Com isso, a compensação fiscal que antes era paga às emissoras será revertida para esse “caixa” eleitoral.

Para Ely Aguiar, não houve Reforma Política que ajudasse a banir do sistema corruptos e lamenta que o fundo eleitoral instituído com dinheiro público vai acabar beneficiando políticos “bons e ruins”. O parlamentar defendeu que os partidos utilizassem o recurso do Fundo Partidário, que todo ano é dividido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entre as legendas, para custear as campanhas. Só para se ter uma ideia, R$ 819 milhões foram colocados para o Fundo Partidário, este ano, e há uma previsão do Governo Federal de aumentar em 8,5% o gasto com esse fundo, no Orçamento de 2018, indo para R$ 888 milhões.

A Reforma Política deveria primeiro primar pela aplicação de modo severo da lei da ficha limpa. Esse seria o ponto inicial para uma reforma política de vergonha, o endurecimento da ficha limpa. Buscar dinheiro para patrocinar campanha política e está tirando dos cofres públicos R$ 2 bilhões para patrocinar campanha dos bons e dos ruins, como se não existisse o fundo partidário? Quer um meio de vida bom? Forme um partido. Olha quanto os partidos recebem”, exclamou.

Em tom de crítica, Ely Aguiar disse, ainda, que a maioria dos partidos que saiu em defesa do fundo público eleitoral, são os mais beneficiados com o fundo partidário. Isso porque, pela proposta que foi aprovada,partidos grandes como o PT, PMDB e PSDB levarão fatias bem maiores que as das demais legendas. A distribuição dos recursos acontecerá da seguinte forma: 2% para todos os partidos; 35% entre os partidos com ao menos um representante na Câmara dos Deputados; 48% entre os partidos na proporção do número de deputados na Câmara em 28 de agosto de 2017 e 15% entre os partidos na proporção do número de senadores em 28 de agosto de 2017.

Esse dinheiro (do fundo partidário) já era suficiente e aí você iria correr atrás de alguém que pudesse lhe ajudar, não as empresas e indústrias. Agora, o partido que eu pertenço e estou há mais de 12 anos, o PSDC, esse partido que eu presido, nunca aqui no Estado chegou um centavo furado do fundo partidário. Aqui, a gente anda com as contribuições de alguns poucos vereadores”, reclamou.

Para Ely Aguiar, a Reforma Política também deveria ter discutido a questão da fidelidade partidária, pois, segundo ele, vários políticos depois de terem sido eleitos no PSDC, migraram para outras siglas. “Tem muito vereador que chegou aqui e pegou o beco. Nós perdemos vários colegas que saíram, porque ouviram o canto da sereia e a fidelidade partidária era pra ser uma obrigação. Quando você é eleito por um partido você tem que ir no seu partido até o fim do seu mandato e aquele que é suplente pelo partido, quando saísse, perdia o direito de assumir, mas a política brasileira é uma esculhambação”.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs