Edison Silva

Categoria: Casamento


08:59 · 22.06.2015 / atualizado às 08:59 · 22.06.2015 por

Ontem, domingo, o registro do casamento de uma filha do senador Eunício Oliveira, no sábado, em Brasília, foi registrado pelo Estadão. Hoje, a notícia do mesmo casamento está nas páginas da Folha de S.Paulo, também com o registro de uma nova invasão de uma das propriedades do senador.

Leia o que está na Folha de S. Paulo desta segunda-feira:

Dilma vai a casamento de filha de senador do PMDB, mas sai antes da festa

Presidente chegou acompanhada pelo ministro da Justiça; para justificar saída, disse: ‘Amanhã tenho que andar de bicicleta’

GABRIEL MASCARENHAS VALDO CRUZ DE BRASÍLIA

Com a popularidade baixa e precisando do apoio do PMDB para aprovar projetos no Congresso, a presidente Dilma Rousseff foi na noite de sábado (20) à celebração do casamento da filha do senador Eunício Oliveira (CE), líder da bancada da sigla.

Acompanhada do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), Dilma chegou às 20h30, assistiu à cerimônia e saiu às 22h, antes de a festa começar. Indagada sobre o motivo de estar indo embora tão cedo, respondeu: “Amanhã eu tenho que andar de bicicleta”.

De vestido preto rendado e colar de pérolas, a presidente aguardou o início da cerimônia numa sala reservada a autoridades, padrinhos e parentes dos noivos.

O evento, com mais de mil convidados, foi realizado na residência do senador, uma mansão no Lago Sul.

Estavam presentes o vice-presidente Michel Temer, os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia), o ex-presidente José Sarney, além de diversos deputados e senadores, como José Serra (PSDB-SP).

Os políticos comentavam a desenvoltura de Joaquim Levy, que circulou pelas mesas de convidados –segundo comentários, aparentemente em busca de votos para aprovar a desoneração da folha, última medida do ajuste fiscal.

Parte das autoridades usou carro oficial para ir à festa. Foi o caso do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes e da senadora Marta Suplicy (sem partido-SP).

INVASÃO

Na manhã deste domingo (21), integrantes do MST (Movimento Sem Terra) invadiram uma fazenda de Eunício no interior de Goiás. O peemedebista havia sido informado horas antes de que a propriedade seria ocupada.

Na noite anterior, enquanto o casamento ocorria, o senador chegou a avisar Mercadante do que iria ocorrer, segundo a Folha apurou. O ministro sinalizou que o governo tomaria providênc

08:50 · 24.05.2013 / atualizado às 08:50 · 24.05.2013 por

Por Igor Gadelha

O vereador Marcos Aurélio (PSC) afirmou, ontem, durante pronunciamento na Câmara Municipal de Fortaleza, ser totalmente contra o casamento homoafetivo, o aborto e a legalização das drogas. De acordo com ele, essas bandeiras estão sendo defendidas por minorias do País, que estão querendo naturalizar esses temas, e refletem a tentativa de destruir a família.
O discurso dele acontece uma semana após o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovar resolução que obriga os cartórios de todo o país a registrar o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. A medida provocou reação do partido do parlamentar (PSC), que entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a resolução.
Na avaliação de Marcos Aurélio, é inaceitável que pessoas do mesmo sexo se casem, pois, segundo ele, Deus criou a família para ser formada por um homem e uma mulher. “Acreditamos em família entre homem e mulher, não machos e fêmeas que não têm norte. Precisamos resgatar esses irmãos perdidos, defender a vida pelo que é correto, e não o que o mundo está criando”, comentou.
Durante seu pronunciamento, ele atribuiu ainda a defesa desses posicionamentos a favor do casamento homoafetivo, do aborto e da legalização das drogas à falta da família. “A indústria do sexo está tentando acabar com as famílias e não podemos deixar”, alertou, justificando: “Temos que ter posições e ter coragem de mostrar nossa cara e nossas razões”.
Sobre a legalização da maconha, defendida pelos vereadores João Alfredo (PSOL) e Ronivaldo Maia (PT), ele avaliou que legalizar o uso dela não vai resolver o problema da droga. “Liberar a maconha não vai resolver coisa alguma, não resolve, não minimiza. O que resolve é educar nossos jovens e crianças. Temos que defender é a família”, declarou.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs