Busca

Categoria: Cid Gomes


09:57 · 25.01.2015 / atualizado às 09:58 · 25.01.2015 por

por Edison Silva

O ministro Cid Gomes (PROS) não será liderado do seu colega de ministério, Gilberto Kassab (PSD), garantem aliados mais próximos do ex-governador cearense, carente de uma agremiação onde possa exercer seu projeto político sem as amarras até aqui impostas pelos dirigentes de partidos por onde ele, o irmão Ciro, e alguns correligionários cearenses passaram nas duas últimas décadas. Sua relação com o PROS é difícil, embora, recentemente, ele tenha conversado com o presidente da sigla, Eurípedes Júnior, e alguma abertura tenha sido vislumbrada por correligionários de Cid.
As investidas de Cid serão no sentido de ser líder de uma agremiação. Hoje, políticos a ele ligados, filiados ao PSD, estão ajudando a conseguir assinaturas de eleitores do Ceará para permitir que Kassab alcance o seu desiderato de fundar um novo partido, o PL, que, numa segunda etapa, fundido ao PSD, permita ao ex-prefeito de São Paulo comandar, pela adesão de deputados e senadores, uma das maiores forças políticas no Congresso Nacional, comprometida com o governo da presidente Dilma Rousseff, buscando nocautear o PMDB, hoje um dos pilares de sustentação do governo, com força para cobrar caro esse apoio.
Cid é defensor dessa ideia de Kassab, mas não tem o propósito de acompanhá-lo filiando-se ao PL. Terminada a eleição de outubro passado, o ex-governador cearense já dava declarações na direção desse objetivo de fragilizar o PMDB, embora por caminho diferente: a de fusão de partidos como do PDT com o PCdoB, e outros mais à esquerda do projeto de Kassab. Não parece ter avançado muito a sua pretensão, embora a partir de fevereiro, ele possa perseguir mais intensamente esse caminho.
Agora, bem no centro dos principais acontecimentos da política nacional, ocupando gabinete na Esplanada dos Ministérios, espaço facilitador de contatos, não apenas com parlamentares, mas com governadores e prefeitos pela importância do Ministério da Educação sob seu comando, são maiores as chances de alcançar o objetivo.
Ademais, no próximo mês, logo após a disputa, sobretudo pela presidência da Câmara dos Deputados (no Senado há menos tensão), pelas sequelas remanescentes do fato, haverá melhores condições de tratativas dessa espécie. Insatisfeitos existirão, com o processo ou o resultado da disputa e aproveitarão o momento como um pretexto para se aproximarem do governo.
Seguidores políticos do ex-governador têm pressa de saber por qual grêmio poderão disputar as eleições municipais do próximo ano. Até o fim de setembro de 2015, para cumprirem determinação quanto à filiação partidária. Só pode ser candidato, em 2016, quem, no dia da eleição, 2 de outubro, tiver o mínimo de um ano como filiado ao partido.
Eles não gostariam de experimentar o sufoco dos postulantes do último pleito, obrigados a se filiarem ao PROS, recém-criado em setembro de 2013, sem conhecerem sequer os fundadores do novo grêmio.

09:48 · 25.01.2015 / atualizado às 09:48 · 25.01.2015 por

“Os servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) realizarão nesta segunda-feira, 26/1, às 9h, no Município de Itapipoca, um ato público em defesa da Educação de qualidade, contra a precarização nos Institutos Federais e a favor do atendimento de reivindicações dos servidores do IFCE, pendentes de resposta pela Reitoria do Instituto.

Na ocasião, será inaugurado mais um campus do IFCE, em Itapipoca, com uma solenidade para a qual está prevista a presença do reitor do Instituto, Virgílio Araripe, do governador do Estado, Camilo Santana, e do ministro da educação, Cid Gomes.

Os servidores do IFCE denunciam descompasso entre a expansão do Instituto, que inaugura mais uma unidade, e as dificuldades de estrutura, pessoal e recursos vivenciadas no cotidiano da instituição, por servidores e estudantes. “Os servidores não são contra a expansão, o acesso de mais pessoas, em mais cidades, aos cursos do Instituto, mas há uma posição crítica devido à realidade e à forma como essa ampliação vem sendo feita, sem os necessários investimentos em estrutura, pessoal, valorização dos servidores, democratização da gestão do Instituto”, aponta o professor Diego Gadelha, integrante da Diretoria Colegiada do Sindicato dos Servidores do IFCE (SINDSIFCE).”

da assessoria

09:43 · 25.12.2014 / atualizado às 09:43 · 25.12.2014 por
Cid Gomes estava na nona colocação entre os assuntos mais comentados do Twitter, na manhã desta quarta-feira.
Cid Gomes estava na nona colocação entre os assuntos mais comentados do Twitter, na manhã desta quarta-feira.

A presidente Dilma Rousseff anunciou na tarde da última terça-feira 13 nomes que farão parte da nova composição de seu Ministério, e incluiu o atual governador do Ceará, Cid Gomes, no Ministério da Educação. A informação, embora estivesse sendo especulada desde a semana passada, pegou algumas pessoas de surpresa, e com isso, o chefe do Poder Executivo do Estado ficou entre os assuntos mais comentados das redes sociais.

Políticos também relataram a indicação de Cid Gomes para a pasta, inclusive, lembrando o histórico polemico do governador com professores da rede estadual de ensino, como a agressão que educadores sofreram durante greve em 2012, ocupação por estudantes universitários na Assembleia Legislativa, e até uma frase do governador, em que ele defendia que os professores trabalhassem por amor.
Em seu discurso na Assembleia Legislativa, no fim da tarde da sexta-feira passada, o governador agradeceu ao apoio dado pela Casa, e, citando os pontos positivos de sua gestão, deu atenção especial para a área da Educação, inclusive, lembrando o Programa de Alfabetização na Idade Certa, o Paic, que foi absorvido pelo Governo Federal, quando foi criado o PNAIC, o Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa.
Em grupos da Universidade Estadual do Ceará (UECE) nas redes sociais, estudantes e professores criticavam a indicação, reclamando, inclusive, daqueles que votaram em Dilma Rousseff. O candidato pelo PSOL, derrotado nas eleições desse ano, Ailton Lopes, foi um dos que criticou a indicação do governador ao cargo.

Segundo ele, “o Governo do PT da presidente Dilma Rousseff escolheu dar uma bomba de presente de Natal para a educação brasileira” por nomear Cid Gomes para o Ministério, visto que, na opinião do socialista, o governador “permitiu a agressão a professoras e professores”, e “não cumpre acordos com docentes e estudantes das universidades estaduais e estende uma greve na educação pública superior por mais de três meses sem qualquer resolução, com dezenas de milhares de estudantes sem aula em todo o estado”.

Ailton Lopes disse ainda que Cid Gomes sequer sabe o que significa a educação “ao propor que professores das universidades utilizassem toda a sua carga didática apenas para dar e preparar aulas, deixando de lado atividades de pesquisa e extensão. Se essa compreensão tivesse permeado a constituição das universidades estaduais, elas sequer teriam conseguido manter-se, menos ainda tornar-se referência nacional e internacional em vários cursos”.

10863524_861735267191384_1418479188_n
Já o senador Cristovam Buarque (PDT) partiu em defesa do governador. Conforme disse, “apesar de suas frases no passado dizendo que professor é profissão para quem não quer ganhar dinheiro, ele ainda não tomou posse. Quem sabe ele não reconhece que errou e ao saber das dificuldades financeiras dos estados e municípios ele não começa a defender a Federalização do salário do professor?”.

Segundo ele, o “grave” na nomeação de Cid Gomes foi o fato de o Governo Dilma ter colocado o Ministério da Educação entre pastas irrelevantes, “sem importância estratégica, área de manobra política entre os partidos. Esta é a tragédia, não o nome do ministro”. De acordo com o senador, “o nome do ministro pode ser apenas um erro”.

Aliados de Cid Gomes, por outro lado, comemoraram a indicação do chefe do Poder Executivo. José Nobre Guimarães (PT) foi o primeiro a citar “novidades” na indicação de Cid, isso logo que o governador foi convidado por Dilma Rousseff a Brasília. João Ananias (PCdoB) também comemorou, e disse que “Como Cearense e conhecedor do Governador Cid Gomes há muitos anos, destaco a grande escolha da Presidente Dilma. Aguardem os resultados.”

Um grupo chamado “Cid Gomes na Educação, não” também foi criado logo que o nome de Cid Gomes foi anunciado, e na manhã de quarta-feira já tinha 143 integrantes. A ideia da página é criticar a escolha de Dilma Rousseff para o Ministério. Na manhã de ontem, a palavra “Cid Gomes” estava em nono lugar entre os assuntos mais comentados do Twitter. A maioria dos comentários criticava a escolha. Jornais de todo o País também comentaram a escolha do governador.

10:01 · 23.06.2014 / atualizado às 10:10 · 23.06.2014 por
image
Governador teve que ser amparado no último domingo após queda de pressão Foto: Alex Costa

Após passar mal e desmaiar durante a convenção estadual do PDT no último domingo, o governador Cid Gomes (PROS) passa bem e mantém a viagem a Brasília, amanhã,  terça-feira (24),  para a convenção nacional do PROS. O evento oficializará o apoio do partido à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). Hoje, Cid Gomes não tem agenda oficial no Palácio da Abolição, devendo permanecer o dia na residência oficial, em repouso.

A assessoria ratificou que Cid está bem e que, após ser atendido no Hospital Geral de Fortaleza (HGF), deixou o local caminhando. O governador teve uma queda de pressão, segundo o boletim médico.

No domingo, Cid relatou à imprensa que na terça-feira aconteceria uma reunião entre os 23 partidos, que compõe a base aliada do seu Governo juntamente com a presença do novo aliado, o PRB. Entretanto, a assessoria do governador não confirma o evento por não constar em sua agenda.

A convenção estadual do PROS em Fortaleza, onde será anunciado o candidato do governador, acontece no próximo domingo (29).

15:07 · 23.09.2013 / atualizado às 15:07 · 23.09.2013 por
A entrevista de Cid Gomes deve acontecer na próxima segunda-feira (29) Foto: Agência Diário
A entrevista de Cid Gomes deve acontecer na próxima segunda-feira (29) Foto: Agência Diário

A participação do governador Cid Gomes (PSB) no programa Roda Viva, da TV Cultura, não será mais nesta segunda-feira (23), como previsto no convite inicial. De acordo com a assessoria de imprensa do pessebista, a produção do programa teria transferido a entrevista para a próxima segunda-feira (29), para que pudesse sabatinar alguém sobre o “Mensalão”. No lugar de Cid, será entrevistado o jurista e ex-ministro do STF José Francisco Rezek.

Antes de confirmar a participação do jurista, o programa teria convidado o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), réu do Mensalão. Apesar de ter aceitado o convite, segundo informações da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, o petista foi “desconvidado” pela produção, sob a justificativa de que o “momento era mais oportuno para se marcar entrevista com um ministro do Supremo Tribunal Federal”.

Na noite desta segunda-feira (23), Cid Gomes deve participar de reunião do diretório estadual do PSB, do qual é presidente. Na ocasião, o governador deve fazer uma explanação minuciosa dos últimos acontecimentos envolvendo o PSB e discutir a estratégia a ser adotada pelo partido no Ceará, já que ele foi o único do diretório nacional que votou contra o partido entregar os cargos ocupados por seus filiados no Governo da presidente Dilma Rousseff.

 

12:29 · 14.09.2013 / atualizado às 12:29 · 14.09.2013 por

O jornal Folha de S. Paulo destacou, em reportagem publicada na edição deste sábado (14), que o governador Cid Gomes (PSB) já contratou empréstimos que somam R$ 7 bilhões, autorizados desde 2012, para manter os gastos públicos aquecidos. Segundo a matéria, o pessebista recorreu aos bancos após “perder o fôlego para novas obras”, atribuindo a culpa pela freada à queda nos repasses.

Veja a matéria na íntegra:

“Após atingir nível recorde de investimentos em 2010, o governo Cid Gomes (PSB-CE) perdeu o fôlego para novas obras e culpa a queda nos repasses federais pela freada.

Para tentar manter os gastos públicos aquecidos, a gestão tem recorrido a empréstimos. Já são R$ 7 bilhões autorizados desde 2012, dinheiro contratado gradativamente pelas pastas do governo.

No pacote, estão previstas, por exemplo, obras de saneamento básico em praias e de pavimentação de rodovias.

O nível de investimentos do Ceará chegou a 20,4% das despesas do Estado em 2010. Em 2011, com 16,2%, foi o maior do Brasil. Neste ano, até junho, estava em 10,6%.

Mesmo com a queda, o atual nível é o décimo maior entre os Estados e permitiu a Cid, em segundo mandato, realizar ou iniciar obras que prometera na campanha.

A lista inclui de delegacias e hospitais a obras criticadas pela dimensão exagerada, como um centro de eventos de R$ 467 milhões e um aquário turístico de R$ 270 milhões.

São obras que o governo vê como trunfo, mas a oposição usa como mote para ataques, ao apontar atrasos nas entregas e no funcionamento.

Outro alvo dos críticos são gastos do governo para “bater bumbo” na entrega das obras –a cantora Ivete Sangalo (cachê de R$ 650 mil) e o tenor espanhol Placido Domingo (R$ 3,1 milhões) estrelaram duas inaugurações.

Para o diretor da associação dos auditores fiscais do Estado, Amarílio Santana, a gestão vai bem financeiramente, mas precisa ficar atenta à “qualidade do gasto”.

O governo Cid diz que atrasos em algumas obras decorrem de “burocracia” em licitações, contratações e entrega de material. A previsão é que, até dezembro, todas as obras concluídas estejam funcionando.

Sobre a contratação de Ivete, o governo diz que o gasto foi parte ínfima (0,2%) do investimento no hospital inaugurado e que o valor pago ao tenor foi direcionado a “um público de empresários”, que trouxe retorno ao agendar feiras e seminários no centro de eventos.

PIB

A queda dos investimentos no Ceará acompanha o ritmo de desaceleração da economia local. O PIB estadual cresceu 7,9% em 2010, desempenho que caiu para 3,6% em 2012 –ainda assim, quatro vezes acima do avanço da economia nacional no ano.

A gestão Cid culpa a diminuição das transferências federais pela desaceleração no ritmo de crescimento. Dos repasses prometidos ao Ceará pela União em 2012 e em 2013, a Secretaria da Fazenda contabiliza uma frustração de cerca de R$ 1,2 bilhão. O governo federal não comentou.

“Isso afeta a capacidade de investimento, por isso defendo o aumento do endividamento, já que nossa dívida está muito baixa”, disse o deputado estadual Mauro Filho (PSB), que comandou a Secretaria de Fazenda de 2007 até a semana passada.

Ele deixou a pasta para se preparar para a eleição de 2014 –cogita-se que possa ser o candidato de Cid à sucessão, vaga que disputa com o ministro dos Portos, Leônidas Cristino (PSB), e com o vice-governador Domingos Filho (PMDB).

O Estado gasta hoje cerca de 6% da receita com juros e amortização da dívida. Com os novos financiamentos, esse valor subirá para 9%, ainda abaixo do limite de 11,5% exigido em lei.

O Estado quitou a dívida com a União e o endividamento atual está em 24% da receita líquida, segundo dados de abril. Em 2006, o endividamento era de 60%.”

10:09 · 08.09.2013 / atualizado às 10:09 · 08.09.2013 por

zzcid

O governador Cid Gomes (PSB) deve voltar aos métodos convencionais de divulgação para anunciar os novos secretários que assumirão as pastas deixadas pelos seus titulares na sexta-feira passada. O anúncio deve ser feito através de entrevista coletiva à imprensa na próxima segunda-feira no Palácio da Abolição.

Desde a quinta-feira passada, o chefe do Poder Executivo do Ceará, tem deixado redações e, principalmente, a classe política em polvorosa, quando passou a divulgar em sua página na rede social Facebook, os gestores que iriam deixar suas respectivas secretarias.

Depois das especulações quanto às motivações que teriam levado Cid a fazer tais exonerações, a informação extraoficial é a de que esses secretários, pretensos candidatos à uma vaga nas casas legislativas no ano que vem, já estariam fazendo suas campanhas nos municípios do Interior.

Cid Gomes, porém, anunciou apenas que eles queriam se dedicar às eleições e, como ele, Cid Gomes, pretende ficar até o fim de seu mandato, em dezembro de 2014, pretende ficar somente com aqueles que não irão disputar eleições. Nelson Martins (Desenvolvimento Agrário), que foi por diversas vezes criticado por deputados na Assembleia, por estar supostamente fazendo campanha antecipada, foi um dos que permaneceu no Governo. Ele diz que não pretende ser candidato.

Deixaram suas pastas Mauro Filho (Fazenda), Camilo Santana (Cidades), Professor Pinheiro (Cultura), Gony Arruda (Esportes), Paulo Henrique Lustosa (Conpam), Arruda Bastos (Saúde), Evandro Leitão (Trabalho e Desenvolvimento Social) e Francisco Bezerra (SSPDS).

09:24 · 21.05.2013 / atualizado às 09:24 · 21.05.2013 por
Questionado sobre uma possível paralisação da Polícia Militar, Ciro foi enfático: “cabeças rolarão”. FOTO: NATINHO RODRIGUES
Questionado sobre uma possível paralisação da Polícia Militar, Ciro foi enfático: “cabeças rolarão”. FOTO: NATINHO RODRIGUES

O ex-deputado federal, Ciro Gomes, denunciou a existência de uma “milícia” ligada ao narcotráfico dentro da Polícia Militar do Ceará e disse que esta é comandada pelo vereador Wagner Sousa (PR). De acordo com ele, medidas estão sendo tomadas para impedir o prosseguimento desse grupo e que para a Segurança Pública, pelo menos 25 pontos estratégicos estão sendo elaborados para diminuir os altos índices de violência no Estado.

Ciro Gomes admitiu que o aparato que o governador Cid Gomes montou para a Segurança Pública não tem surtido o efeito desejado e não foi suficiente para diminuir os números da violência. Por isso alguns quadros foram chamados para apresentarem novas ideias, principalmente, na Capital, que tem os maiores casos de homicídios, latrocínios e roubos do Estado.

Dentre esses nomes, Moroni Torgan, que foi chamado por Roberto Cláudio para dar uma consultoria na área da Segurança Pública de Fortaleza. “Ele de fato está sendo chamado como assessor de segurança e isso é muito bom porque o problema está sendo grave no Ceará. Estamos enfrentando uma onda de homicídios nos bairros mais pobres e roubo de pessoas e é preciso que encontremos novas fórmulas para enfrentar isso”, disse Ciro.

O ex-deputado federal ainda está atendendo a um chamado do governador, que solicitou que ele usasse sua experiência para conversar com setores da segurança pública, e, principalmente, com policiais militares nas ruas, para saber da opinião dos profissionais sobre o trabalho e medidas de melhoria da situação. De acordo com Ciro Gomes, já foi articulado pelo governador Cid Gomes e pelo secretário de Segurança Pública, Francisco Bezerra, um conjunto de 25 pontos considerados por eles para incrementar a política de Segurança Pública no Ceará. No entanto, Ciro não quis adiantar que medidas serão essas.

Milícia

Segundo denunciou, existe dentro da Polícia Militar, uma milícia atuando em afinidade com o narcotráfico “e com bandidos”. Há, inclusive, conforme disse, listas de pessoas “assaltáveis” para causar comoção na cidade. “Estamos achando um a um dessa milícia e vamos cortar a cabeça dessa cobra”, acusou Ciro Gomes que ainda emendou. “O chefe da milícia é esse Wagner. Esse vereador picareta”, disparou ele, contra o vereador Wagner Sousa, que tem atuado como um dos principais opositores de Cid Gomes.

Questionado sobre uma possível paralisação da Polícia Militar, Ciro foi enfático: “cabeças rolarão”.

10:29 · 08.10.2012 / atualizado às 10:29 · 08.10.2012 por

O governador Cid Gomes (PSB) e o ex-ministro Ciro Gomes (PSB) consideram remota a possibilidade de as eleições deste ano influenciarem na disputa presidencial de 2014. Embora Ciro considere um erro o fato de seu partido não ter disputado o Planalto em 2010, avalia que o cenário atual é diferente porque o PSB faz parte de um governo que pode ter continuidade. Enquanto isso, Cid admite que o PSB tem pretensão de disputar a presidência a médio prazo, mas não a curto prazo.

“Quem conduziu a campanha da Dilma aqui no Ceará fomos nós do PSB. O natural é que o PSB acompanhe a reeleição da presidenta”, garante Cid Gomes. Por outro lado, o governador afirma que o PSB tem propostas e soluções para os problemas das cidades, dos estados e do País. “Então, no médio prazo, o PSB quer ocupar a presidência. Mas no curto prazo, considerando 2014, o projeto é apoiar a reeleição da presidenta Dilma”, afirma.

O ex-ministro Ciro Gomes disse que a vocação do PSB é participar do debate em todos os planos, inclusive o nacional. Porém, diante da nova conjuntura política, acha difícil de disputar em 2014. “Na (eleição) passada, era o Lula que encerrava um ciclo, a Dilma era uma pessoa que não tinha trânsito certo. (…) Agora nós participamos do Governo Dilma. Eu tenho entusiasmo em apoiá-la e fica contraditório, por oportunismo de qualquer natureza, não apoiar a reeleição”, justifica.

 

19:23 · 14.06.2012 / atualizado às 19:23 · 14.06.2012 por
Eduardo Diogo diz que não há novidade sobre o caso e, portanto, não acha oportuno se pronunciar no momento (FOTO: Rodrigo Carvalho)

O secretário de planejamento do Estado, Eduardo Diogo, não falará sobre os empréstimos consignados sem antes conversar com o governador Cid Gomes (PSB). Através da assessoria de imprensa da Seplag, ele disse que está sendo analisado e estudado um novo modelo para os consignados, mas que não há novidade sobre o caso e, por isso, não acha oportuno se pronunciar sobre o assunto no momento.

Após denúncias de tráfico de influência e enriquecimento ilícito sobre os consignados, o Governo do Estado decidiu rescindir o contrato com a empresa ABC, que mediava os empréstimos junto ao Bradesco e à Caixa Econômica. Na ocasião, foi estabelecido o período de 90 dias para transição e discussão de um novo modelo para os consignados. Esse prazo se encerra em julho.

Hoje pela manhã, o assunto foi debatido na Assembleia Legislativa. O deputado Heitor Férrer (PDT) voltou a cobrar uma visita do secretário Eduardo Diogo à Casa para prestar esclarecimentos, já que, segundo o parlamentar, não houve mudanças na operação dos consignados.

10:05 · 21.05.2012 / atualizado às 10:47 · 21.05.2012 por

Além das homenagens a dois dos políticos que se apresentam como pré-candidatos à Prefeitura da Capital, os vereadores de Fortaleza também vão homenagear, no fim deste mês, com o título de Cidadão de Fortaleza, o deputado estadual Ivo Gomes, atual chefe de Gabinete do governador Cid Gomes. A homenagem estava marcada para amanhã, mas foi adiada. Ivo, como o irmão governador, nasceu em Sobral, na Zona Norte do Estado. Já o irmão mais velho, Ciro Gomes, ex-governador, ex-ministro, ex-prefeito de Fortaleza e ex-deputado federal nasceu em Pindamanhangaba, São Paulo.