Busca

Categoria: Comentário


15:13 · 10.02.2014 / atualizado às 15:13 · 10.02.2014 por

Danilo-ForteO deputado federal Danilo Forte (PMDB) criticou o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de Fortaleza. Segundo ele, “com toda certeza”, o PMDB não apoiaria o aumento do IPTU como foi feito na Câmara, pois se trata, em sua opinião, de uma ação “extorsiva”, onde a população não pode ser surpreendida com um aumento de mais de 100% do imposto cobrado.

Conforme salientou, caso os vereadores governistas tenham se sentido enganados pela gestão, que reconheça que houve tal engano e que façam a revisão da proposta. Segundo disse,o prefeito Roberto Cláudio também deve reconhecer que o processo é legal, mas em sua visão, é imoral.

“Precisa encontrar um denominador comum para resolver esse problema. Essa é a maior cidade em concentração do Bolsa Família no Brasil, e não podemos condenar essa população a contribuir dessa forma, porque vai gerar o maior calote fiscal da história do Ceará”, atentou.

O serviço prestado pela Prefeitura é o mesmo, é a mesma segurança que não tem, o mesmo bairro, o mesmo ônibus. A única diferença é por causa da ventilação, é isso? Isso foi falta de debate, tinha que chamar os setores ligados à área para discutir”, disparou.

Conforme disse, a cidade não comporta o aumento da forma como foi feito. “Se estava defasado, vamos estudar. Não pode é de uma hora apara outra fazer isso daí, porque isso pode ser o prenúncio do maior calote da história da Prefeitura de Fortaleza”, atentou. Ele afirmou que a aprovação da matéria como se sucedeu pode até ser legal, mas não é moral.

5645d7538dc8772e53cf636be97a3394“Você não pode conduzir a pessoa para marginalidade, porque isso é abuso de poder. Não posso pagar R$ 90 e no seguinte pagar R$1200. Isso é uma aberração. A Prefeitura precisa de mais diálogo com a sociedade. Tem coisas positivas, mas muitas coisas deixam a desejar. Quer dizer que o cara não me paga mas eu mato ele nos juros. Isso é a visão do agiota”, disparou.

O peemedebista ressaltou ainda que parte do diálogo não está sendo cumprida. Segundo informou, nem CDL, sindicato dos postos de gasolina, hotéis, nenhum setor foi consultado. “Estamos criando um caos com essa situação. Os vereadores não podiam ter votado dessa forma. Eles têm que aprofundar o debate e fazer o questionamento”, analisou.

 

12:28 · 08.02.2013 / atualizado às 12:55 · 08.02.2013 por

O leitor Dante Mendes Almeida  encaminhou este comentário sobre a mudança no calendário das escolas públicas de Fortaleza, anunciado ontem pelo secretário municipal de Educação, Ivo Gomes, que deve interessar a muitos dos que acompanham este blog: “Bom, minha preocupação quanto à proposta apresentada pelo secretário Ivo Gomes,de unificação do calendário escolar (com redução do ano letivo de 2012), aumentando, em contrapartida, a carga horária para 2013, diz respeito ao não cumprimento da lei 11.738, que trata da implantação do piso nacional da categoria, uma vez que, para aumentar a quantidade de aulas para os alunos necessitará de mais professores, que substituiriam os que estarão planejando, caso contrário, mantendo-se o mesmo quadro, haverá transgressão à lei. Além do mais, muitos professores trabalham nas duas redes públicas do estado, o que ficaria muito difícil conciliar os horários de trabalho sem incorrer em concomitância, inviabilizando o efetivo exercício de suas funções. Quanto à preocupação do vereador Guilherme Sampaio, o qual alega ferimento do artigo 24 da LDB, ele deveria ter pensado, no quanto as sucessivas greves municipais do setor, acabaram por levar os nossos alunos a uma situação de evasão e às nossas escolas de sucateamento e privação de recursos, em função de uma gestão que jamais priorizou a meritocracia em gestão escolar, e sim, usou de clientelismo e nepotismo para fazer valer a vontade do poder público”.