Busca

Categoria: Comentários de leitores


11:01 · 16.07.2012 / atualizado às 11:01 · 16.07.2012 por

É gratificante receber comentários de internautas e de leitores do Diário do Nordeste, sobre as notíticas e comentários políticos, principalmente os relacionados à campanha eleitoral em curso. Ainda no domingo, após a circulação do jornal, foram várias as manifestações recebidas em razão da matéria intitulada “Fortaleza precisa bem mais do que prometem” os candidatos a prefeito. Alguns não tão elegantes, mas a quase totalidade muito respeitosos.

Vale reproduzir alguns deles: “Na verdade, não existe um comprometimento em resolver os problemas maiores de Fortaleza – aqueles que mais afligem a população, como saúde, educação, segurança etc. No cômputo geral o interesse maior é com o poder, com a satisfação das suas vaidades e em como usufruir o máximo possível dos ‘benefícios’ oriundos do cargo que vai ocupar. Lamentavelmente, ganha eleição quem mais grita, quem mais mente com promessas mirabolantes, quem mais inundam os cruzamentos de Fortaleza com bandeiras e faixas etc, mas, sobretudo, vencem eleições aqueles que mais sabem usar a linguagem que os eleitores menos informados gostam de ouvir. O pior é que, por incrível que pareça, esse tipo de eleitor ainda é a maioria”.

Este nos foi encaminhado pelo senhor Francisdo de Freitas Santos.

O seguinte veio do Município de  Nova Russas e tem a assinatura do senhor Antônio Scarcela Jorge.

“Os municípios cearenses vivem em situação similar com maior gravidade. Além da falta de conscientência de gestão, os pleitos são “encomendados” no sentido de priorizar ações “eleitoreiras”. Estamos muito distantes em estabelecer o “choque de gestão” que seria necessária e basicamente eficáz para mudanças de todos os conceitos relacionados a seu desenvolvimento. No mérito: Os candidatos a prefeito dos municípios cearenses, geralmente são “figuras” repetitivas e com mensagens de adornos empolados; não mais sensibilizam a sociedade, em consequência deprecia e se deriva para um “balcão de negociações escusas” efetivando o descompromisso de campanhas”.