Edison Silva

Categoria: Contas de prefeituras


08:03 · 15.02.2013 / atualizado às 08:03 · 15.02.2013 por

Por Josafá Venâncio

Técnicos do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) preparam uma proposta de projeto de lei para ser encaminhada à Assembleia Legislativa adequando as normas daquela corte de contas a emenda constitucional que trata da prescrição, em cinco anos, dos processos que tratam sobre as prestações de contas. A questão foi levantada na sessão do pleno, ontem, durante o julgamento de uma denúncia de supostas irregularidades na Sumov, no exercício de 1997.
No fim do ano passado a Assembleia Legislativa aprovou uma emenda constitucional, apresentada pelo deputado Tin Gomes, estabelecendo em cinco anos a prescrição dos processos referentes a contas. A emenda estabelece um prazo de 180 dias para o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) se adequarem à nova realidade estabelecida na constituição.
O presidente do TCM, Francisco Aguiar, informou que até o fim deste mês recebe um estudo técnico sobre as mudanças a serem feitas na Lei Orgânica do TCM e no Regimento Interno. A proposta será discutida e votada em plenário antes de ser encaminhada ao Legislativo.
Como o estudo ainda está sendo elaborado Francisco Aguiar prefere não antecipar informações até porque quando a proposta for discutida em plenário pode sofrer alterações. No entanto, faz questão de esclarecer que os cinco anos estabelecidos para prescrição não se refere a um tempo corrido e contado a partir do momento em que o processo é formado. O objetivo do estudo que está sendo feito diz respeito ao estabelecimento de prazos, ou seja, ao rito dos processos porque é preciso observar algumas questões como interrupção e suspensão.
O assunto foi levantado pelo conselheiro Hélio Parente ao pedir vistas de um processo relatado pelo conselheiro Pedro Ângelo. Trata-se de um pedido de reexame em um processo referente a uma denúncia feitas pelos vereadores de então, Heitor Férrer, Durval Ferraz, Almeida de Jesus, Patrícia Saboya e Luizianne Lins contra Pedro Wilton Clares, superintendente da Sumov e os integrantes da comissão de licitação do órgão, em função de supostas irregularidades, no exercício de 1997.
O voto do relator, Pedro Ângelo, apontava para a procedência da denúncia com aplicação de multa, débito e aplicação, em tese, de nota de improbidade administrativa para Pedro Wilton Clares. Hélio Parente pediu vistas justificando o seu posicionamento ao que determina a emenda constitucional que trata da prescrição de processos naquele Tribunal. Lembrou o sentido prático de uma decisão daquela natureza, a não ser em relação a aplicação da multa, porque o Ministério Público não podia, sequer, ajuizar uma ação de improbidade administrativa por causa da prescrição.
Pedro Ângelo informou que estava “louco” para aplicar a prescrição, mas o mais complicado é a questão da interrupção e da suspensão. Como a emenda não regulamentou nada, na sua avaliação, o TCM deve dar um balizamento. O conselheiro Ernesto Saboia informou que tem vários processos supostamente prescritos e com o prazo estabelecido pela emenda constitucional não vai colocar nenhum deles em julgamento, no aguardo de uma posição do TCM. O presidente Francisco Aguiar explicou que a Lei Orgânica e o Regimento Interno do TCM terão de ser alterados e já solicitou um estudo para apresentá-lo ao pleno e encaminhar à Assembleia Legislativa as alterações necessárias.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs