Busca

Categoria: Crianças


09:59 · 11.10.2017 / atualizado às 09:59 · 11.10.2017 por

Por Letícia Lima

Na semana em que é comemorado o dia da criança, a deputada Rachel Marques (PT) foi à tribuna da Assembleia ontem ressaltar a importância da brincadeira para o desenvolvimento emocional da criança. Ela afirma ser preocupante ver os “meninos e meninas só em celulares e tablets” e destacou a implementação de brinquedopraças no Estado, como forma de estímulo à brincadeira.

A questão central é a importância do brincar, que isso elabora seus conflitos, isso faz a criança ter um desenvolvimento saudável e quero ressaltar que o brincar é o exercício próprio da infância. Brincar é uma forma da criança conhecer o mundo, a realidade que a rodeia, é através da brincadeira que ela observa, imita, explora. Brincar também é cura e não tenho dúvida de que o brincar deve ser também estimulado por políticas públicas, deve ser garantido pelo poder público esses espaços de lazer”.

Formada em Psicologia, Rachel Marques afirma que a brincadeira é fundamental à criança, para que ela possa se desenvolver. Ela parabeniza o Estado pela idealização do Programa Mais Infância Ceará que prevê a instalação de brinquedopraças, espaços voltado para crianças de dois a doze anos.

É fundamental para que ela possa ter a oportunidade de brincar, que não esteja confinada em ambientes fechados, sem a relação com as outras crianças, sem essa interação que se dá através das brincadeiras, por isso a importância de se resgatar através das políticas públicas o espaço coletivo das praças, das ruas”.

Durante pronunciamento da colega, o deputado Leonardo Pinheiro (PP) destacou que a crise maior da segurança pública é a desestruturação das famílias, que podem levar os jovens à criminalidade. “Quando se faz política voltada para as crianças, voltadas ao lazer, isso é importante para combater a violência no nosso Estado”.

09:16 · 28.02.2013 / atualizado às 09:16 · 28.02.2013 por

Por Georgea Veras

A vereadora Leda Moreira (PSL) pediu a união dos governos Municipal, Estadual e Federal para a adoção de políticas pública para jovens e crianças. A parlamentar alertou, durante pronunciamento na Câmara Municipal de Fortaleza, que crianças entre 12 e 17 anos estão sendo assassinadas por envolvimento com o crime. Ela acredita que se existissem ações que despertassem o interesse desses jovens para as escolas e os programas sociais, diminuiria o número de adolescentes envolvidos no mundo do crime.
Conforme Leda Moreira, atos criminosos praticados por menores de idade aumentaram 50% no último ano. Os motivos para esse aumento, aponta, são diversos, como a extrema pobreza, o aliciamento de grandes traficantes e um dos principais, ressalta, é a ociosidade dos jovens, que, conforme atesta, passam a maior parte do tempo sem ter nenhuma atividade ocupacional.
“Os tipos de atos infracionais cometidos por adolescentes vão desde estupro de vulneráveis até assaltos, ou seja, crimes bastante graves que no caso de um adulto seriam considerados crimes hediondos”, pontuou, afirmando que o fato que mais lhe preocupa é de que crianças entre 12 e 17 anos estão sendo assassinadas por envolvimento em crimes, quando deveriam estar sendo preparadas para exercerem uma profissão.
“Em minha concepção, pessoas dessa idade são ainda crianças, e, de certa forma, não têm responsabilidade direta pelos atos que praticam”, opina. Conforme Leda Moreira, esses jovens são aliciados pelos grandes traficantes para cometerem crimes e acabam iludidos com essa vida, quando veem a possibilidade de ganhar “dinheiro fácil e ter certo status perante a sua comunidade”.
A vereadora avalia que Município, Estado e União deveriam garantir o ingresso e permanência desse jovens nas escolas. “Daí vem alguém e indaga, ‘mas o Estado oferece estudo, algumas entidades oferecem programas sociais’. O problema é que estes próprios não querem os benefícios a eles oferecidos”, ponderou.
Leda Moreira considera que, além da oferta, deve haver uma política para erradicar a evasão escolar, criando mecanismos que despertem o interesse dos jovens e fazendo com que a escola seja um lugar prazeroso. “Temos que trabalhar em conjunto com o Executivo, claro que mantendo nossa independência para que não percamos nossas crianças para o crime, criando oportunidades para que eles possam crescer na vida honestamente”, defendeu.
A parlamentar reconhece que existem programas governamentais na área da Educação advindos do Estado, dos municípios e da União, porém atenta para o fato de que os vereadores podem contribuir para que essas ações tenham efeito positivo, cabendo ao Legislativo fiscalizar a execução desses programas e exigir a implantação dos mesmos.