Busca

Categoria: Cultura


09:19 · 27.11.2017 / atualizado às 09:19 · 27.11.2017 por

Por Renato Sousa

 

Vereador Márcio Martins, presidente da Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Fortaleza, é o idealizador da Frente Nacional de Cultura Foto: José Leomar

O presidente da Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Márcio Martins (PR), afirma que a principal intenção de sua proposta de articulação de uma frente nacional de vereadores em defesa da cultura é “arrancar do Ministério da Cultura alguns compromissos”. Segundo o parlamentar, o fato de haver a intenção de lançar-se à frente oficialmente no próximo ano, quando haverá disputa eleitoral, é propício para que o grupo consiga concessões.

Até mesmo as eleições presidenciais de 2018 estão na pauta de discussão. Segundo ele, o grupo também pode tentar obter compromissos com a área dos candidatos à Presidência da República. “(Queremos que) dentro dos planos de governo, veja-se que a cultura lá da ponta sofre muito”, explica o republicano.

A proposta do parlamentar de criar uma frente foi anunciada na última semana no plenário da CMFor. De acordo com o republicano, a proposta surgiu após ele perceber que os defensores da causa enfrentam problemas semelhantes por todo o Brasil. “São dificuldades de orçamento, de falta de prioridade para a Cultura. E o pouco que vem nem sempre é empregado em ações de impacto, em especial para a cultura popular”, diz o vereador.

Há ainda, de acordo com o parlamentar, um problema na execução. Segundo ele, em muitos casos, diante da falta de recursos municipais, os vereadores articulam emendas junto a deputados federais. A questão é que, de acordo com o republicano, mesmo as impositivas, muitas vezes, não são executadas a tempo pelo Ministério da Cultura. No dia 21, quando ele anunciou a articulação em torno da frente, o vereador afirmou que isso ocorria por desorganização da Pasta.

E é justamente na cultura popular que Martins gostaria de ver o colegiado focando seus esforços. De acordo com ele, ela é a que mais costuma sofrer com cortes de gastos nas pastas de Cultura. Outras modalidades, segundo o vereador, costumam contar com um relacionamento melhor com o setor político e mais facilidade de obter patrocínios privados.

O parlamentar tem viajados por diversas capitais para articular o grupo que, segundo ele, até o momento, conta com um pouco mais de 20 integrantes. Ele já em Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Maceió (AL) e deve ir a Teresina (PI) no próximo dia 30. Em sua primeira entrevista sobre o assunto, o parlamentar declarou que as viagens eram financiadas por recursos próprios, do seu partido e de filiados que ele preferia não identificar. Agora, ele afirma que esses recursos são utilizados em gastos como hospedagem. As passagens, de acordo com o vereador, são pagos com recursos da CMFor.

Segundo o republicano, a receptividade nas casas legislativas tem sido muito grande. Ele, entretanto, declara que não pode conseguir reunir a quantidade de parlamentares que ele gostaria para ir a Brasília dialogar com o Ministro da Cultura, Sérgio Leitão. Originalmente, o vereador queria levar, ao menos, uma centena de legisladores municipais. “Minha meta eram cinco vereadores (de cada capital). Mas eu já vi que isso é muito”, diz. De acordo com Martins, cada casa legislativa costuma ter, aproximadamente, dois parlamentares que tem na causa sua principal bandeira de atuação. O republicano já começa a considerar a possibilidade de estender as viagens para grandes municípios do interior dos Estados.

12:34 · 24.10.2017 / atualizado às 12:34 · 24.10.2017 por

O presidente da Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Márcio Martins (PR), foi à tribuna da Casa na manhã desta terça, 24, para anunciar a realização, no dia seis de novembro, de uma audiência pública em conjunto com a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (AL-CE) para, segundo ele, “enfrentarmos a grande crise que a cultura passa no Município e no Estado”.

O parlamentar, que costuma criticar a pasta municipal da Cultura, focou suas críticas na Culrua estadual. Segundo ele, participantes de editais estão sendo negativados injustamente, já que o motivo não seriam problemas nas prestações de contas, mas a falta de servidores na pasta em número suficiente para fazer a análise dos documentos de forma adequada. “O que está vendo-se ali, na prática, é a criminalização dos artistas”, declara.

11:19 · 02.03.2016 / atualizado às 11:19 · 02.03.2016 por

Após pedir exoneração da Secretaria de Cultura do Estado depois de 11 meses comandando a pasta, o vereador Guilherme Sampaio (PT) retornou à Câmara Municipal de Fortaleza, ontem, com um discurso incisivo em defesa da candidatura própria do Partido dos Trabalhadores à Prefeitura de Fortaleza e com críticas ao governo municipal. Segundo ele, a decisão de sair do Governo foi como militante da sigla por entender que se impõe ao Partido dos Trabalhadores uma candidatura enraizada nos movimentos populares.
Destacando a necessidade de proteger o legado do partido com a bandeira das lutas sociais, Guilherme também apontou que vai contribuir para denunciar “retrocessos nas políticas sociais e na política” da administração do prefeito Roberto Cláudio (PDT) que estaria sem credibilidade junto a parte da população. “No meu retorno à Câmara Municipal eu me esforçarei para fortalecer muito a consistência política, programática em um momento muito especial da história do Partido dos Trabalhadores em que todo o legado de décadas de lutas populares estão sob ataque. O meu retorno foi precipitado também por outras questões, mas voltado também a responsabilidade que eu tenho como representante do povo de Fortaleza”, apontou.
Guilherme ainda atestou que o PT em Fortaleza acumulou nos últimos quatro anos discussões que resultam na tese de candidatura própria, colocação que deve se aplicar a todos os militantes. O vereador afirmou ter apenas reuniões administrativas com o governador Camilo Santana (PT) não tendo conversado sobre definições e posicionamentos eleitorais. Segundo ele, agora esse diálogo com Camilo deve acontecer em âmbito partidário. “Nossa estratégia política não pode ser submetida a outras forças contras quais nós nos insurgirmos fortemente e esperamos que o governador Camilo Santana represente uma evolução política e não uma reprodução de modelos administrativas que nós condenamos publicamente”, salientou.
Guilherme Sampaio ainda ressaltou ter zelo pelas definições partidárias e que suas posições são construídas em uma tradição forte que faz a agremiação ser diferenciada pelo debate coletivo e tomada de decisões democráticas. “O governador Camilo é filiado ao Partido dos Trabalhadores, assim como eu sou, tenho um zelo muito grande pelas definições partidárias, sou um militante do PT, eu não estou no PT nem de passagem nem por achar que serve para eu ser candidato ao cargo A, B ou C”, disse.
O parlamentar afirmou ainda que a temporada na Secretaria de Cultura o mostrou sua vocação para o Poder Executivo, mas que sua decisão de antecipar em um mês o retorno reconheceu os limites da cultura do Governo e ocorreu com a intenção de ajudar o projeto político liderado pelo PT. “Com a militância e a lealdade que eu devo a quem me convidou, sou grato ao companheiro de partido, mas essa deferência inclui respeito, lealdade e franqueza, e para ser franco não poderia ficar na Secretaria de Cultura”, afirmou.
Questionado sobre ser pré-candidato pelo partido, Guilherme Sampaio destacou que seria um grande privilégio, mas que o momento é de se constituir uma candidatura que fala em nomes dos trabalhadores e atualiza o programa do Partido dos Trabalhadores ouvindo demandas da população. “Se isso evoluir com a força necessária dentro do PT para legitimar essa possibilidade será um grande privilégio, no entanto o principal não é o nome. Voto em qualquer dos nomes e faço campanha, se evoluir para o meu nome vamos discutir no momento oportuno”, disse.
Segundo ele, a bancada do PT deve se reunir nesta semana para definir como ficará a liderança do partido, hoje com Deodato Ramalho e já comandada por ele. Com o retorno de Guilherme, o segundo suplente do PT, Jovanil Oliveira, deixou a Casa Legislativa.

12:12 · 05.11.2013 / atualizado às 12:12 · 05.11.2013 por

A sessão da Assembleia Legislativa cearense desta manhã foi suspensa às 11 horas, para que acontecesse, no plenário do Legislativo estadual, uma solenidade em comemoração ao Dia Nacional da Cultura. Alguns contratempo ocasionaram o atraso no início dos trabalhos do evento comemorativo e, por fim, quando foi começar, era  muito pequeno o número de pessoas presentes no plenário da Assembleia.

11:06 · 07.06.2012 / atualizado às 11:06 · 07.06.2012 por

Está em vigor, no Estado do Ceará, desde a última quarta-feira, a Lei Nº 15.168, aprovada pela Assembleia Legislativa em maio passado, de iniciativa da deputada Dra. Silvana, reconhecendo a música Gospel e os eventos a ela relacionados como manifestação cultural, o que lhes permitirá “os benefícios legais previstos na legislação estadual de incentivo à Cultura”.