Edison Silva

Categoria: Delegados


10:27 · 31.10.2013 / atualizado às 10:27 · 31.10.2013 por

Por Alan Barros

O deputado Delegado Cavalcante (PDT) afirmou que o problema da segurança pública no Ceará é provocado por falhas na estratégia de investimentos do Governo do Estado.
Para o parlamentar, é necessário que seja dada uma atenção maior para as políticas de formação dos policiais, pois acredita que a Academia Estadual de Segurança Pública do Ceará (Aesp) não tem desempenhado o papel que deveria ter.
“O governador Cid Gomes tem investido, mas não está resolvendo o problema da violência, porque não adianta você colocar cinco mil policiais sem qualificar ou treinar. Tem a Academia, mas ela não está qualificando como tem que qualificar o policial. O problema da segurança pública não é culpa da população, mas de um sistema envelhecido e materialista”, criticou o parlamentar.
Delegado Cavalcante sugere que seja feito um diagnóstico mais detalhado para compreender em quais setores há uma carência de investimento.
“Tem que fazer um diagnóstico para saber onde tem que investir. O problema da violência está extrapolando todas as situações de convivência. E de quem é a culpa? É da falta de investimento? Não. O governo triplicou o número de policiais, de delegacias, mas os problemas continuam. O investimento existe em algumas situações, mas falta em outras”, ressaltou.
O parlamentar ainda criticou a estrutura das delegacias da Polícia Civil e reclamou do Governo do Estado por não dar prioridade ao investimento pessoal. “O problema nas delegacias é poque falta pessoal. O governador construiu 50 delegacias, mas não tem ninguém para trabalhar. A polícia tinha cerca de 4 mil funcionários em 1980. Hoje, esse número caiu para 2 mil”, destacou.
PEC do Executivo
O deputado também voltou a cobrar o andamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Executivo, que reconhece as funções dos delegados da Polícia Civil como sendo atividades jurídicas. No entanto, um aditivo proposto pelo Delegado Cavalcante, que coloca a categoria como membros das carreiras jurídicas, tem impedido o avanço no processo de tramitação.
Em resposta ao pedetista, o líder do Governo, José Sarto (PROS), convidou o parlamentar para uma reunião com o Procuradoria Geral do Estado na próxima segunda-feira na intenção de achar uma solução para o impasse. Os representantes da categoria de delegados também serão convidados.

10:13 · 04.06.2012 / atualizado às 10:13 · 04.06.2012 por

O grupo político do deputado estadual Professor Pinheiro, no PT de Fortaleza, não queria que o candidato do partido fosse escolhido ontem. Por não ter sua tese aprovada, Pinheiro anunciou que se absteria da votação. Já o grupo do deputado Artur Bruno não concordava com a escolha de Elmano de Freitas, por isso manteve sua postulação no encontro. Os dois grupos, no entanto, representam pouco menos de 30% dos 300 delegados da agremiação

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs