Busca

Categoria: Derrota


14:45 · 10.04.2017 / atualizado às 14:45 · 10.04.2017 por

 

O vereador Acrísio Sena fez um grande trabalho de convencimento aos filiados petistas. Teve sim, a simpatia e ajuda dos adversários de Luizianne, dentro e fora do PT

A eleição para as novas direções do Partido dos Trabalhadores em Fortaleza, realizadas ontem, 9, terminaram sem um resultado oficial. Integrantes da legenda apresentaram recurso pedindo a impugnação de uma urna na Barra do Ceará, alegando interferência de militantes de outros partidos na votação. De acordo com o vice-presidente da agremiação, Raimundo Ângelo, “eles estavam interferindo diretamente na eleição do PT”. O recurso será levado à reunião extraordinária da Executiva estadual do partido, que deve ser realizada na terça-feira.

O candidato Deodato Ramalho era apontado como favorito absoluto por ter o apoio da ex-prefeita e deputada federal Luizianne Lins, do senador José Pimentel, e do atual presidente do diretório municipal do PT, deputado Elmano de Freitas.

Luizianne tinha o controle absoluto do PT desde quando disputou a Prefeitura de Fortaleza pela primeira vez, em 2004. Naquele ano ela derrotou, inclusive, o Lula, que tinha compromisso com Inácio Arruda de levar o PT a apoiar sua candidatura à Prefeitura da Capital. O todo poderoso na época, José Dirceu veio a Fortaleza para demover Luizianne de ser candidata e apoiar Inácio. Não conseguiu. O diretório municipal do partido a indicou para ser a candidata.  Inácio também foi candidato, mas tendo a oposição do PT.

Até domingo passado a ideia que a classe política tinha era a de que Luizianne continuava mandando no diretório municipal do PT. Perdeu a eleição nas urnas. Se ganhar no tapetão, continuará sendo derrotada politicamente, pois já não poderá dizer que controla o PT de Fortaleza.

As alegações para o recurso da urna que recebeu os votos na Barra do Ceará são fracos.  Pode ser considerado um daqueles recursos de candidato derrotado, apenas para ter argumento de falar que teve a eleição tomada.

Alegar que forças externas, ou mesmo auxiliares da Prefeitura de Fortaleza, trabalharam para derrotar o candidato da situação é primarismo. Perde eleição quem tem menos votos que o adversário.