Edison Silva

Categoria: Espionagem


10:52 · 02.04.2017 / atualizado às 10:52 · 02.04.2017 por

Está na Folha de S. Paulo, edição deste domingo, uma matéria sobre a questão envolvendo os ex-governadores Cid e Ciro Gomes, o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, e o ex-deputado federal petista Eudes Xavier, em denúncia de espionagem, motivo de várias manchetes no noticiário político e policial cearenses, em 2013, atualmente esquecido de boa parte dos cearenses.

O caso está bem relatado na informação da Folha de S. Paulo, assinada pelo jornalista José Marques, com o título “Investigação sobre Ciro, suspeito de espionagem, se arrasta há quatro anos.

Leia o texto completo que está na Folha de S.Paulo:

 

Um episódio que envolve trocas de acusações sobre espionagem, hackers e uso de influência política entre pessoas ligadas ao ex-ministro Ciro Gomes (PDT) está sem solução há quatro anos, mesmo depois de ter sido investigado no âmbito de três tribunais diferentes.

A apuração foi aberta após declarações de um ex-deputado e, por meio de sindicância, tenta descobrir se o ex-governador do Ceará, Cid Gomes (à época no PSB, hoje no PDT) contratou, ou ajudou a contratar, a empresa de investigação Kroll para espionar um desafeto político de Ciro.

O procedimento tramitou no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Supremo Tribunal Federal) até chegar à Justiça do Ceará, onde aguarda conclusão desde 2015.

Em abril de 2013, Eudes Xavier (PT-CE) subiu ao plenário da Câmara e leu e-mails que dizia serem de Ciro, Cid e agentes públicos do governo. Os textos falavam em espionar o ex-deputado e adversário Roberto Pessoa (PR).

“Nos próximos dias o Ciro deve lhe procurar para pedir algumas orientações, eu soube (…) que ele esteve em São Paulo com executivos da Kroll para tratar do assunto Roberto Pessoa, já tentamos fazê-lo recuar, mas sem sucesso, então peço-lhe que ajude na medida do possível sem envolver o governo nesse assunto”, dizia suposto e-mail atribuído a Cid Gomes.

Em nota, a Kroll “nega a veracidade das alegações”.

Cid confirma que teve seu e-mail hackeado, mas tanto ele como Ciro dizem que o conteúdo dos textos exibidos por Xavier é “absolutamente fantasioso”. À época, o ex-governador pediu ao Ministério da Justiça “rigorosa investigação em torno das alegações apresentadas pelo deputado”.

Porém, ao ser chamado para prestar esclarecimentos sobre a investigação, tocadas pela Polícia Federal e Ministério Público Federal com autorização do STJ, Cid Gomes não respondeu aos órgãos.

“Não obstante o aviso de recebimento [de intimação] juntado à f. 104, o governador Cid Ferreira Gomes não apresentou as informações solicitadas”, disse a vice-procuradora-geral de Justiça Ela Wiecko em ofício.

MUDANÇA DE FORO

Em 2015, o mandato de Cid terminou e ele se tornou ministro da Educação do governo Dilma. Os autos, que até então estavam em sigilo, saíram do STJ, foro responsável por processos que envolvem governadores, e foram para o STF.

O novo relator, ministro Celso de Mello, levantou o segredo de Justiça.

Cid Gomes deixou o Ministério da Educação em março de 2015, após um bate-boca na Câmara dos Deputados. Com a nova mudança de foro, os autos seguiram do STF para a 8ª Vara Criminal de Fortaleza e a investigação passou a ser conduzida pelo Ministério Público do Ceará.

Embora tenha sido enviado de forma pública e não haja despacho para colocá-lo novamente em sigilo, o processo atualmente corre na Justiça do Ceará sob segredo.

OPERAÇÃO POLICIAL

Cid Gomes diz que já sabia que tinha sido hackeado quando Xavier fez o pronunciamento em plenário. Ele diz que informou à Casa Militar, que identificou interceptação de seus e-mails por um IP (espécie de identificação digital) que vinha da casa de Roberto Pessoa. Em maio de 2013, a Polícia Civil fez busca e apreensão em computadores da casa do ex-deputado.

Desde a época, uma ação penal contra Pessoa corre em sigilo na Justiça do Ceará e também não foi concluída.

A Folha apurou que o caso inicialmente tramitou no Juizado Especial Criminal (de pequenas causas), mas foi transferido para a 8ª Vara Criminal de Fortaleza após pedido do Ministério Público.

A ação aguarda o juiz decidir se as provas coletadas anteriormente continuam válidas ou se terão que ser produzidas novamente.

Os irmãos Gomes têm forte influência na política cearense, e apadrinharam o atual governador do Estado, Camilo Santana (PT), e o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT). Ciro, que também é ex-governador, é um dos presidenciáveis para 2018.

OUTRO LADO

Por meio da assessoria, o ex-governador Cid Gomes diz que não teve conhecimento do pedido de informações do Ministério Público Federal.

Ele e seu irmão, o ex-ministro Ciro Gomes, dizem que o texto dos e-mails atribuídos a ele são “absolutamente fantasiosos” e “invencionices” dos adversários. Ambos negam ter espionado ou tentado espionar adversários.

Cid afirma que, antes do ex-deputado Eudes Xavier fazer seu discurso em plenário, outros políticos do Ceará já haviam afirmado que tiveram acesso aos seus e-mails. Por isso, pediu a instalação de um dispositivo que detectava se as mensagens foram interceptadas por hackers. Segundo ele, foi descoberto que três pessoas tiveram acesso aos documentos –e o endereço virtual de uma delas vinha da casa de Roberto Pessoa.

O ex-deputado Roberto Pessoa diz que não irá comentar o processo, porque está em segredo de Justiça, mas diz que “tem certeza que houve perseguição” de Cid Gomes contra ele. “Quem tem que comprovar alguma coisa –no caso, a veracidade desses e-mails– é ele”, diz.

Sobre os autos que saíram do STF, o Tribunal de Justiça do Ceará diz que “o processo já chegou à Vara nessas condições (sigiloso) e que o juiz só vai se manifestar, se continuará ou não em segredo de Justiça, após o parecer do Ministério Público do Ceará”.

Procurado, o Ministério Público do Estado afirma que “a promotora de Justiça responsável deverá emitir manifestação sobre o processo até o final da próxima semana”.

A reportagem não conseguiu localizar o ex-deputado petista Eudes Xavier.

18:55 · 03.09.2013 / atualizado às 18:55 · 03.09.2013 por

Por Miguel Martins

O esquema de espionagem direta de atos da presidente Dilma Rousseff por parte do Governo Norte Americano repercutiu negativamente,  na Assembleia Legislativa. O deputado Lula Morais (PCdoB) criticou as ações do Governo de Barack Obama e ressaltou ser necessário que se acabe com o “ciclo de invasão” dos Estados Unidos no cotidiano dos demais países do mundo.
A reportagem sobre a espionagem foi divulgada no último domingo no programa Fantástico da TV Globo, e conforme ressaltou Morais, a matéria causou perplexidade nas pessoas que assistiram as imagens. O governo brasileiro chegou a dar um prazo de até uma semana para que o governo dos Estados Unidos esclareça as denúncias de espionagem feitas de atos da Agência de Segurança Nacional. A cobrança pelo monitoramento, que teria atingido a presidente foi feita pelo ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, em reunião com o embaixador dos EUA, Thomas Shannon, na manhã da última segunda-feira.
Após a reunião de emergência convocada pela presidente, também na segunda-feira, o Itamaraty deu início a uma série de conversas com outros países com o objetivo, segundo o ministro, de buscar uma regulamentação no âmbito mundial para proibir divulgação de dados de cidadãos e de governantes. “É importante que tenhamos provedores que possam arquivar nossas informações, para tirar da supremacia e da exclusividade dos Estados Unidos de terem essas informações”, ressaltou Lula Morais.
Ele lembrou ainda da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) proposta no Senado Federal para discorrer sobre o tema, visto que as denúncias agravaram mais ainda as relações entre Brasil e Estados Unidos. Segundo ele, o Governo brasileiro cogita levar a discussão sobre espionagem à fóruns internacionais para debater o que ele denominou de “crime contra os direitos humanos”.
“Precisamos acabar com o ciclo do que está acontecendo, pois essa é uma nova denúncia de espionagem dos Estados Unidos ao Brasil. A presidente Dilma inclusive cogita o cancelamento de viagem de estado em outubro ao País, caso o presidente Barack Obama não esclareça essa situação”, afirmou. O parlamentar le lembrou, no entanto, que o Palácio do Planalto descartou essa possibilidade de cancelamento de viagem da presidente.
“O Brasil não tem características de presença terrorista e mantemos boas relações políticas e comerciais com todos os países, principalmente com os Estados Unidos. Então por que se interessam em fazer uma investigação desse tipo? O Governo americano vai precisar se pronunciar”, afirmou. Morais reclamou ainda da tentativa dos Estados Unidos em invadir a Síria, visto que a opinião pública e até políticos em todos os países de mundo se mostram contrários à tal invasão. “Esse momento é de reflexão, porque fatos como esses podem desencadear uma guerra mundial”, apontou o comunista.

09:24 · 05.04.2013 / atualizado às 09:24 · 05.04.2013 por

Está no jornal Folha de S. Paulo de hoje, notícia relatando um pronunciamento do deputado federal Eudes Xavier, na Câmara Federal, denunciando a existência de uma rede de espionagem, no Ceará, montada pelo governador Cid Gomes e pelo ex-ministro Ciro Gomes.  Leia a íntegra da informação:

Deputado acusa irmãos Gomes de montar rede de espionagem no CE

Governador classifica como ‘disparate’ a acusação e diz que vai processar petista

DE BRASÍLIA

Em discurso no plenário da Câmara, o deputado Eudes Xavier (PT-CE) pediu ontem a investigação de uma suposta rede de espionagem de adversários montada pelos irmãos Cid Gomes (PSB), governador do Ceará, e Ciro Gomes, ex-ministro.

Xavier disse que recebeu “de uma fonte” cópia de e-mails trocados entre eles e secretários de Estado que provaria o esquema.

Em nota, o governador do Ceará classificou as acusações como disparatadas e mentirosas, disse que os e-mails são todos falsos e que ele e o irmão irão processar o petista na Justiça.

Os e-mails apresentados por Xavier têm a data de 2011 e se referem a uma suposta ação de Ciro Gomes contra o ex-prefeito de Maracanaú Roberto Pessoa (PR), um dos poucos adversários dos Gomes no Estado.

Em uma das supostas troca de e-mails, Ciro falaria a Cid que estaria disposto a tornar pública uma fita em que Pessoa achacaria empresários em Maracanaú.

ARAPONGAS

De acordo com os papéis apresentados por Xavier, Cid teria acionado secretários para conversar com Ciro e para ajudá-lo.

O ex-ministro também, afirma o petista, teria procurado a empresa de investigação Kroll.

O ex-prefeito Roberto Pessoa disse que os e-mails demonstram que os Gomes “inauguraram a primeira PPP de segurança pública do Ceará coordenada por Ciro, Cid e pela Kroll.”

A Folha não conseguiu contato com a Kroll.

(ANDREZA MATAIS E MARCIO FALCÃO)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs