Edison Silva

Categoria: Fantasma


10:14 · 31.05.2015 / atualizado às 10:14 · 31.05.2015 por

Está no site da revista Veja, informação dando conta de falsificação de documento da direção nacional do PROS, para beneficiar familiares e amigos do presidente da sigla, Eurípedes Júnior.

Diz a matéria assinada pelo jornalista Gabriel Castro:

Não é novidade que a criação de partidos políticos se tornou um negócio lucrativo para aproveitadores de todo o tipo. Os benefícios incluem o acesso a recursos do fundo partidário, um percentual do salário dos apadrinhados na máquina pública e, sobretudo, a venda do tempo de TV a siglas maiores. Hoje, 28 partidos possuem representação no Congresso. Entre eles, há muitos cujo conteúdo ideológico é o que menos importa. O caso mais representativo talvez seja o do Pros, criado em 2013. A legenda é presidida por Eurípedes Júnior, cuja maior vitória foi a conquista de um lugar na Câmara de Vereadores de Planaltina (GO), no entorno do Distrito Federal. Menos de dois anos depois de fundar o partido, Eurípedes é alvo de graves acusações.

Ao nascer, o Pros atraiu parlamentares e membros de outros partidos. Certamente não por causa das suas bandeiras, genéricas e similares às de outras siglas. As migrações se devem sobretudo à janela aberta a cada vez que nasce uma legenda. É uma das poucas oportunidades que políticos com mandato possuem de trocar de sigla e manter o cargo. Sem qualquer identidade ideológica, o partido tem doze deputados federais e um governador. Chegou a comandar o Ministério da Educação, por meio do destemperado Cid Gomes.

Não demorou muito para que o partido se mostrasse igual aos demais também em outro aspecto. Há indícios de que Eurípedes Júnior fraudou as atas de duas reuniões da legenda: uma para alterar o estatuto e outra para emplacar amigos e parentes na Executiva da sigla.

As assembleias teriam ocorrido em 5 de janeiro de 2014 na casa de João Leite, aliado de Eurípedes e advogado do partido. Houve mudança no estatuto da sigla e eleição de uma nova Executiva, mesmo com os mandatos vigentes até setembro de 2017. A lista de eleitos inclui dois sobrinhos, duas primas, a irmã e a mãe de Eurípedes, além de parentes do próprio Leite.

Nem mesmo o presidente do partido estava presente às reuniões: um cartão de embarque mostra que ele embarcou para São Paulo no dia anterior, com retorno previsto para o fim da tarde do dia 5, já fora do horário para participar das reuniões. O problema é ainda pior: “As assinaturas que acompanham as atas não foram colhidas na ocasião, mas eram assinaturas anteriores realizadas pelo partido”, diz em uma das representações Henrique José Pinto, empresário e antigo braço-direito de Eurípedes no Pros. Outros três integrantes da sigla fizeram queixas semelhantes ao Ministério Público Federal, que apura o caso.

Se a fraude for comprovada, não terá sido a primeira vez em que Eurípedes se envolveu em algo do tipo. O presidente do Pros possui três nomes, três números de RG e três de CPF diferentes. Atende por “Eurípedes Gomes de Macedo Júnior”, filho de Maria Aparecida dos Santos e Eurípedes Gomes de Macedo. Mas também pode ser “Eurípeges George Junior”, filho de maria Aparecida George Gomes e Eurípedes Gomes de Macedo. Ou ainda “Eurípedes George Macedo Júnior”, filho de Maria Aparecida Macedo dos Santos e Eurípedes George Macedo. Um RG foi emitido no Distrito Federal, outro em Goiás e o terceiro em Mato Grosso do Sul.

Eurípedes ainda tem passagem na política pelo crime de receptação de produto roubado. Dentro do Pros, outras denúncias também surgiram. O ex-deputado José Augusto Maia diz que o comando da sigla receberia 6 milhões de reais para integrar a coalizão de Paulo Câmara (PSB) ao governo de Pernambuco em 2014. O próprio Maia receberia 2,5 milhões de reais do acerto. “Eu não aceitei. A proposta era indecorosa, para eu ficar com uma parte do dinheiro e a outra parte com eles”, afirma. Depois disso, ele acabou destituído do comando estadual do partido. Paulo Câmara nega veementemente ter oferecido dinheiro ao Pros.

As denúncias se dão em meio a uma disputa dentro da sigla. O grupo de Cid e Ciro Gomes quer aumentar seu poder sobre o partido. Eurípedes, por sua vez, pediu que o Tribunal Superior Eleitoral bloqueasse todas as senhas estaduais e municipais do partido. Agora, só ele e seus aliados controlam a filiação de novos membros. Concorde ou não com os métodos de Eurípedes Júnior, o contribuinte é quem paga as contas do Pros. Só em 2015,o partido recebeu mais de 7 milhões de reais via fundo partidário. Na última semana, a Câmara dos Deputados perdeu mais uma chance de enfraquecer os partidos de aluguel: bastava extinguir as coligações nas eleições para vereador e deputado. Mas a Casa rejeitou a mudança e manteve o filão tão bem explorado pelo presidente do Pros.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs