Busca

Categoria: Fisiologismo


10:06 · 25.01.2017 / atualizado às 10:06 · 25.01.2017 por

O deputado federal Rogério Rosso, oficialmente ainda é o líder da bancada do PSD na Câmara dos Deputados. Candidato a presidente da Câmara, pela segunda vez, o deputado, sentido o menosprezo da maioria dos seus colegas de partido resolver , por força das contingências, dizer que liberava a bancada para apoiar qualquer outro candidato na disputa pelo comando da Câmara. Ontem, segundo o registro do jornal Folha de S.Paulo, na edição de hoje, o PSD oficializou apoio á postulação de reeleição do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia.

São comportamentos desse tipo que contribui para cada vez mais afundar a classe política nacional. O fisiologismo está acima de tudo. Leia a íntegra da informação da Folha de S.Paulo:

PSD oficializa apoio à candidatura de Maia à reeleição na Câmara

Pedro Ladeira – 20.dez.16/Folhapress
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que quer se reeleger
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que quer se reeleger

DANIEL CARVALHO
DE BRASÍLIA

Publicidade

O PSD abandonou de vez a candidatura de Rogério Rosso (PSD-DF) à presidência da Câmara e oficializou nesta terça-feira (24) apoio à recondução de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao comando da Casa.

O que já era certo nos bastidores foi confirmado em nota divulgada no final desta tarde. O PSD é a sexta maior bancada da Câmara, com 37 deputados.

“Após vários meses de articulações legítimas e transparentes, a maioria da bancada de deputados federais do Partido Social Democrático (PSD) decidiu apoiar a candidatura à reeleição do atual presidente da Câmara, o democrata fluminense Rodrigo Maia”, diz a nota assinada pelo líder eleito do partido, Marcos Montes (MG).

No texto, o líder eleito lembra mensagem enviada por Rosso na semana passada em que o candidato deixa a bancada livre para analisar outras candidaturas. Montes diz avaliar o recado como “mais uma demonstração de desprendimento por parte do colega”.

“Pesou na decisão uma ampla e profunda variedade de motivos, entre eles, o reconhecimento de que a atuação de Rodrigo Maia no comando da Câmara tem sido de extrema importância para o projeto do governo federal de tirar o país da sua pior crise econômica – que tanto sofrimento tem provocado ao povo brasileiro. O PSD, apoiador deste projeto, se sente à vontade, portanto, para respaldar um novo mandato do atual presidente da Câmara”, afirma o líder eleito na nota.

No comunicado, Marcos Montes elenca ainda 16 pontos que, segundo ele, são da agenda do PSD, abraçada por Maia. Dentre os pontos estão reforma política, “direito à vida”, direito dos trabalhadores, direitos civis e reforma agrária.

Montes, que assume a liderança da legenda na Câmara em substituição a Rosso, passou o dia tentando contato com o candidato do PSD. Rosso, no entanto, ficou incomunicável durante toda a terça-feira. Com o celular desligado, nem os funcionários da liderança do partido conseguiram contatá-lo.

Agora que o desembarque do PSD da candidatura própria é oficial, fica ainda mais forte a expectativa de que Rosso desista da disputa, já que ficou totalmente isolado.

Ele convocou uma entrevista coletiva para a manhã desta quarta-feira (25) para anunciar que destino dará à sua candidatura.

A tendência é que Rosso integre a campanha de Jovair Arantes (PTB-GO). Ambos integram o chamado “centrão”, grupo de deputados controlado até o meio do ano passado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado pelos pares e hoje preso em Curitiba pela Lava Jato.

Na disputa ainda há a candidatura de André Figueiredo (PDT-CE). Único candidato de oposição, ele não tem nem mesmo o apoio de PT e PC do B.

NEGOCIAÇÕES

O acordo entre PSD e Maia envolveu um “pacote” que inclui um lugar na Mesa Diretora, mais espaço físico para a liderança do partido na Câmara e a relatoria de comissões que ainda serão definidas. O PSD tem interesse, por exemplo, na comissão que vai tratar da reforma tributária, uma das principais apostas do governo Temer.

O partido pode entrar ainda na disputa pela indicação para a liderança do governo, responsável pela interlocução entre Planalto e deputados da base governista. Hoje, este posto é ocupado por André Moura (PSC-SE).

FAVORITISMO

Com o apoio oficial do PSD, Rodrigo Maia confirmou seu favoritismo na disputa. Na segunda-feira (23), o PSB, sétima maior bancada com 34 deputados, anunciou oficialmente o voto nele.

Além do PSD, do ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), e do PSB, ele já conta com o apoio dos principais partidos da base do presidente Michel Temer, como PMDB, PSDB e DEM.

Nesta terça-feira, Maia encontrou-se com o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG). O candidato disse que o encontro foi “muito bom”, apesar de os tucanos não terem emitido nenhum documento formalizando o apoio, como fizeram PSD e PSB.

De oposição ao Planalto, PT e PC do B também já manifestaram intenção de reelegê-lo presidente da Câmara, embora não tenham oficializado.