Busca

Categoria: Governador


15:01 · 06.05.2017 / atualizado às 15:01 · 06.05.2017 por

O governador Camilo Santana relatou, na manhã deste sábado durante o 6º Congresso Estadual do PT, que o país vive momento de extrema intolerância à política. “É um momento que exige de cada militante se contrapor a esta tentativa de desqualificar a política e, principalmente tentar desqualificar o maior partido do país que é o Partido dos Trabalhadores”.

Camilo reforçou que o cenário exige de cada petista enfrentar e se contrapor, fazendo oposição ao Governo Federal que em suas palavras, não representa o povo brasileiro. “O PT tem papel muito importante no enfrentamento”. O gestor falou ainda que não se tem na história, nas últimas décadas, uma recessão tão forte como a vivida atualmente. “E estamos sem perspectivas. Economistas falam que vamos levar dez anos para recuperar. Só nos últimos dois anos retrocedemos sete anos do ponto de vista das conquistas econômicas que tivemos no país. Isso é muito grave porque afeta os trabalhadores, a sociedade e, principalmente os governos estaduais e municipais que precisam reinventar e com muita dificuldade superar esse momento difícil da economia que o país vive hoje”.

Aqui no Ceará, ele disse ser pior a situação diante dos seguidos anos de seca. “Vocês não têm ideia do quanto eu estava rezando para a gente ter bom inverno esse ano, mas infelizmente, vamos focar ainda abaixo da média de chuva nesse ano”.

19:58 · 31.05.2015 / atualizado às 19:58 · 31.05.2015 por

O governador Camilo Santana participa, na manhã desta terça-feira  (2), de reunião de monitoramento realizada pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Na ocasião, Camilo Santana divulgará os dados referentes aos Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLI) no Estado do Ceará no mês de maio.

Mensalmente, o governador participa das reuniões de monitoramento envolvendo o comando da segurança pública do Estado, com a cúpula da Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. Os CVLIs englobam os crimes de homicídio, latrocínio e lesões corporais seguidas de morte.

Quando visitou a Assembleia Legislativa do Ceará para apresentar mensagem que trata do reajuste salarial dos professores do Estado, Camilo Santana disse que dados daquele dia mostravam que até ali havia uma redução de até 30% nos homicídios cometidos no Ceará em relação ao mesmo período do ano passado. Ao longo dos últimos meses, o número de assassinatos vem diminuindo no Estado, conforme dados da SSPDS, o que é contestado por deputados de oposição na Casa.

14:15 · 06.04.2015 / atualizado às 14:15 · 06.04.2015 por
FOTO: DIVULGAÇÂO
FOTO: DIVULGAÇÃO

A presidente Dilma Rousseff, durante assinatura do termo de posse do novo ministro da Educação, Renato Janine, agradeceu ao ex-ministro  Cid Gomes, antecessor de Janine pela dedicação que teve nos dois meses que foi ministro da Educação.  “Queria agradecer Cid Gomes por ter cancelado seus projetos pessoais, muito tempo acalentados, para aceitar o desafio de assumir o MEC”, disse a chefe do Poder Executivo.

Cid Gomes pediu demissão do cargo há quase vinte dias, depois de ter dito na tribuna da Câmara Federal que havia na Casa “achacadores”, repetindo afirmação que tinha feito em uma universidade no Pará. A presidente Dilma Rousseff ainda desejou “sucesso” a Cid Gomes em seus novos projetos pessoais. “Desejo a Cid todo o sucesso em seus novos projetos pessoais”, disse.

O ex-ministro reapareceu nas redes sociais, ontem, quando postou uma foto em sua página no Facebook de um arco-íris. “Foto tirada ontem na estrada Coreaú – Alcântaras. Boa Páscoa para todos!”, escreveu.  Cid Gomes também teria participado de evento com políticos do Interior, que contou com a participação do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Zezinho Albuquerque (PROS). 

arcoiriso
FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK

 

09:33 · 09.03.2015 / atualizado às 09:33 · 09.03.2015 por
Camilo Santana disse que os prejuízos são imensuráveis. FOTO: JOSE LEOMAR
Camilo Santana disse que os prejuízos são imensuráveis. FOTO: JOSE LEOMAR

O governador Camilo Santana disse que poderá cobrar na Justiça os prejuízos que o Estado teve com a suspensão dos projetos da Refinaria Premium II. Segundo ele, em entrevista ao Estadão, caso a estatal não reverta a decisão de encerrar os investimentos no equipamento ou o Governo Estadual não encontre alternativa para viabilizar o projeto, a Justiça poderá ser acionada pelo Governo do Ceará.

A estatal é alvo de ações judiciais de investidores insatisfeitos nos Estados Unidos, e poderá ter o processo judicial, conforme informou o chefe do Poder Executivo. “Primeiro queremos que seja revista essa posição, (…) mas, caso a Petrobras não reveja e a gente não consiga encontrar alternativas, claro que vamos judicializar o processo”, disse ele.

Santana afirmou ainda que vai “cobrar todo centavo de prejuízo que o Estado do Ceará teve”, ressaltando ainda que as perdas ainda não foram calculadas, até porque mesmo, em sua opinião, há “custos imensuráveis”, como a instalação de cursos na Universidade Federal do Ceará (UFC) na área petroquímica e a construção de centros de capacitação de trabalhadores.

O petista ainda fez críticas ao PMDB, a quem ele disse que faz parte da base aliada, mas muitas vezes não se comporta como tal. Na avaliação dele, o PMDB pensa muito mais no espaço que ocupa no governo federal do que no projeto para o Brasil. Santana avaliou ainda que a crise pela qual a presidente Dilma Rousseff passa hoje é fruto de uma oposição muito mais acirrada e de uma tentativa que há de desestabilizar o governo dela.

“O PMDB faz parte da base aliada, mas muitas vezes não se comporta como base aliada. Essa é que é a grande verdade. A política é feita para que tenhamos o olhar republicano, para que olhemos para o Brasil. Mas o PMDB muitas vezes está pensando mais no espaço que ocupa do que no projeto nacional do Brasil”.

11:58 · 16.03.2013 / atualizado às 11:58 · 16.03.2013 por

Por Josafá Venâncio

A maioria das correntes políticas que compõem o Partido dos Trabalhadores (PT) no Ceará não defende o lançamento de uma candidatura própria ao governo do Estado nas eleições do próximo ano. A informação é do vereador de Fortaleza, Deodato Ramalho, que se coloca no rol dos que entendem que o partido tem condições de lançar um candidato a governador, sem prejuízo da aliança nacional, pois tem nomes bons para a disputa e é a legenda com melhor aceitação popular no Estado.
Para ele não é apenas no Ceará que existem problemas na base aliada do governo federal para a disputa pelo governo do Estado. “Não sei por que o Estado do Ceará tem que, necessariamente, estar sendo tratado de outra forma. E acho que aqui no Estado do Ceará é muito ruim essa posição que hoje é majoritária”. Confessa que tem consciência do interesse do PT querer manter essa aliança com o PSB, não por conta do PSB porque o PSB no Estado do Ceará, não tem as mesmas características do PSB no plano nacional”.
Deodato Ramalho faz questão de esclarecer que há uma dificuldade aqui de quem comanda o PSB, no caso a família Ferreira Gomes, de conviver em uma aliança onde sejam respeitados os espaços dos parceiros. “É uma atuação de uma hegemonia construída a partir de uma cooptação dessas forças. Então, continuando nisso o partido acaba perdendo a identidade e, de certo modo, decepcionando a militância e o eleitorado petista que é grande no Estado”. Ressalta o parlamentar que além de uma candidatura própria para o governo do Estado também defende que não seja avaliada apenas a possibilidade de aliança com o PSB.
Ele faz questão de lembrar que existem outras forças políticas no arco de alianças que apoia o governo da presidente Dilma Rousseff que podem se unir ao PT nessa disputa como é o caso do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e do Partido da República (PR), entre outros. Mas, não nega que dentro do seu partido hoje é clara a ideia de ceder mão da cabeça da chapa, embora, pessoalmente, seja contra esse entendimento.
Quanto ao posicionamento do partido para as eleições do próximo ano acha que houve avanço na reunião do diretório estadual, no último fim de semana, em relação ao que a executiva estadual havia manifestado anteriormente em relação a manutenção da aliança com o PSB para 2014. Para ele a decisão do diretório é mais prudente porque diz que vai aguardar o momento adequado e vai construir uma aliança para as eleições de 2014, mas de acordo com o que for definido no âmbito nacional. Entre os aliados no plano nacional, argumenta, várias forças políticas podem ter candidatos ao governo estadual e o PT pode se aliar a uma delas como é o caso do PMDB e não necessariamente o PSB.
Sobre os nomes que o PT poderá apresentar para o governo estadual aponta os do senador José Pimentel, com experiência e trabalhos comprovados; da ex-prefeita de Fortaleza Luizianne Lins e do deputado federal José Nobre Guimarães. Questionado sobre o desgaste político dos dois últimos perante a opinião pública e as críticas que poderiam aflorar em uma disputa majoritária, disse que o deputado José Guimarães até agora foi absolvido de todas as acusações que fizeram contra ele.
Observa ainda que se formos nos pautar pelo maniqueísmo que impera na política brasileira não teremos candidato a governador no Ceará em 2014. Quanto a ex-prefeita Luizianne Lins reconhece a existência de desgaste político, mas considera extraordinária a atuação do PT na disputa pela prefeitura de Fortaleza em 2012 porque foi uma eleição dura, com a administração mal avaliada em alguns aspectos, mas o resultado da eleição desmontou a ideia de que o PT está fraco na capital porque teve quase a metade dos votos. Além disso, em 2012, Fortaleza enfrentou uma das eleições mais inusitadas da sua história, no sentido da intimidação, do uso da força política e econômica com fatos comprovados de verdadeiro sítio que aconteceu em Fortaleza no dia da eleição.
Argumenta também que em todas as pesquisas de opinião pública o PT é o partido mais querido no Brasil e no Ceará com uma aceitação variando em torno de 26% a 27% enquanto todas as outras legendas juntas somam 10%. Portanto, é um partido que tem uma forte inserção na sociedade cearense, podendo apresentar um candidato a governador com um dos nomes citados ou outros companheiros que também reúnem qualidades para ocupar o cargo.

15:04 · 06.11.2012 / atualizado às 15:06 · 06.11.2012 por

 

Governador Cid Gomes e a governador Rosenane Sarney, do Maranão, no plenário do Congresso Nacional, nesta tarde

Governadores nordestinos estão em Brasília, hoje, arregimentando os senadores dos seus respectivos estados para garantir a distribuição dos recursos que são imprescindíveis às suas administrações que é o chamado Fundo de Participação dos Estados – FPE, uma distribuição feita pelo Governo Federal, segundo a Constituição brasileira. E esses recursos garantem o funcionamento da máquina pública exatamente pelo fato de a quase totalidade dos estados da Região nordestina não ter arrecadação própria.

O Supremo Tribunal Federal determinou que o Senado votasse uma nova Lei do  Fundo de Participação dos Estados até o mês de dezembro próximo, sob pena de a União ter que suspender a liberação dos recursos. Assim, os governador nordestinos que logo mais à noite estarão reunidos na sede da representação do Ceará, em Brasília, estão agora à tarde no Senado, motivando os senadores dos seus estados a votar a matéria ainda hoje.

No encontro da noite, na representação do Ceará, os governadores do Nordeste vão discutir uma posição para levar ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, quinta-feira, sobre o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o chamado ICMS