Edison Silva

Categoria: Governo do Ceará


15:07 · 06.11.2017 / atualizado às 15:07 · 06.11.2017 por
Ferramenta só estará disponível, em um primeiro momento, para mulheres que tenham medida protetiva aplicada pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Foto: Kleber A. Gonçalves

As mulheres de Fortaleza terão acesso a uma nova ferramenta para combater a violência doméstica. Segundo informa o site do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), o Amigavv (Aplicativo de Monitoramento Intensivo , Guarnição e Acompanhamento a Vítimas da Violência), será lançado nesta terça-feira (7), na sede do Tribunal, localizada no bairro Cambeba, em Fortaleza.

De acordo com o TJCE, o Amigavv foi criado pelo Governo do Estado em parceria com o Judiciário permitirá acionar o número 190 e pedir socorro contra agressão, fazendo apenas alguns cliques. A medida agilizará a comunicação da ocorrência policial junto à Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), pois não há necessidade de falar com atendente, basta que a vítima registre o caso”.

Contudo, o aplicativo só estará disponível, em um primeiro momento, para mulheres que tenham medida protetiva aplicada pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O site do TJCE explica que para usar a ferramenta “a usuária deve ir à unidade judiciária, fazer cadastro prévio e instalar o aplicativo, que possui item fixo na barra de notificações para maior rapidez da ação de abrir o chamado”.

O Tribunal acrescenta que “quando diante de situação real de perigo, ela (a mulher que precisar de atendimento) pode pressionar o “botão do pânico” por três segundos. Com isso, o pedido de socorro é enviado à Ciops. O projeto-piloto se dará na Unidade Integrada de Segurança do bairro Vicente Pizon (Uniseg I), que abrange ainda o Mucuripe e o Cais do Porto e, posteriormente, será ampliado.

O aplicativo desenvolvido pelas áreas de tecnologia da informação do Gabinete da Vice-Governadoria e da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, dentro do programa “Ceará Pacífico” estará disponível para aparelhos com plataforma Android, além de recursos como acesso às tecnologias 3G, wi-fi e GPS.

12:25 · 17.01.2016 / atualizado às 12:25 · 17.01.2016 por

A coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, de ontem, registrou a disputa pela presidência nacional do PMDB, em março próximo, destacando o interesse dos senadores em tirar o comando do partido das mãos do vice-presidente da República, Michel Temer. Essa indisposição a nota não explicita, mas ela se ampliou depois dos desentendimentos públicos entre o vice-presidente e o senador Renan Calheiros, presidente do Senado e do Congresso Nacional.

Antes, porém, o projeto de senadores em disputar governos estaduais, como no caso do Ceará com o senador Eunício Oliveira, já incluía a presidência nacional do PMDB como uma das posições de negociação para a eleição do novo presidente do Senado, e, consequentemente, muito prestígio para quem sair candidato a governador do seu Estado.

O senador Eunício Oliveira quer ser presidente do Senado, substituindo Renan Calheiros, para mais fortalecido estar na disputa de governador em 2018. Para ele, o ideal é que o senador Romero Jucá seja eleito presidente nacional do PMDB. Jucá é um forte candidato à sucessão de Renan. Ficando no lugar de Temer o caminho para a presidência do Senado estaria livre para Eunício.

Leia o registro feito pela coluna Painel da Folha de S.Paulo:

 Cem graus Celsius A cúpula do PMDB do Senado aceita apoiar a reeleição de Michel Temer à presidência do partido desde que ele renuncie ao comando nacional da sigla logo depois da votação, marcada para março. Temer, porém, propõe acerto diferente: ser reconduzido e se licenciar depois, abrindo espaço para que o vice, um senador, assuma o cargo apenas interinamente. O conflito entre os dois lados amplia o racha na legenda, tornando a atmosfera do impeachment mais e mais rarefeita.

Nem pensar “Esse acordo não passa sem nosso aval. Só se ele abdicar e der a presidência ao Romerinho em caráter definitivo”, desafia um cacique, referindo-se à proposta aventada por Temer de ter o senador Romero Jucá (RR) como presidente provisório.

Nem morto Mas o vice-presidente da República refuta a ideia de renúncia. “Que montem uma chapa e disputem voto a voto”, afirma um interlocutor.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs