Edison Silva

Categoria: Gráfica


08:45 · 09.09.2018 / atualizado às 08:45 · 09.09.2018 por

Na véspera da primeira prestação de contas parcial que deve ser feita à Justiça Eleitoral pelos partidos e candidatos, constando o registro da movimentação financeira desde o início da campanha, nem todos os candidatos a governador do Estado declararam, ainda, os recursos que receberam e os gastos que estão tendo nestas eleições. A legislação eleitoral determina que os partidos e candidatos enviem as informações sobre suas movimentações financeiras até 72 horas após o recebimento do dinheiro. Por outro lado, o maior gasto que se verifica entre os candidatos na disputa estadual até agora é com material gráfico.

Do valor recebido pelo candidato à reeleição, governador Camilo Santana (PT) – um montante de R$ 562.941,50 -, o petista declarou um gasto de R$ 106.177,32. A maior despesa dele até agora, de acordo com o Sistema de divulgação de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (Divulgacand), foi com publicidade por materiais impressos, em que desembolsou R$ 46 mil e 600 reais. Dos recursos recebidos por Camilo, mais da metade – R$ 392.941,50 – veio do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, distribuído pela direção nacional do PT para a sua campanha à reeleição no Estado.

O candidato pelo PSOL, Ailton Lopes, também já gastou mais de R$ 48 mil com material gráfico, segundo a prestação de contas dele disponível no Divulgacand. Ailton informou ter recebido R$ 99.263,80 para a sua campanha a governador do Estado até agora, sendo mais de R$ 91 mil do fundo de financiamento enviado pelo seu partido, mais R$ 6 mil 498 reais do financiamento coletivo na Internet, além de doações de pessoas físicas.

Já o candidato, general Guilherme Theophilo (PSDB) declarou o maior volume de recursos para a campanha estadual – R$ 1,2 milhão -, oriundo, integralmente, do Fundo Especial distribuído pela direção nacional da sigla tucana. De acordo com a prestação de contas feita à Justiça Eleitoral, o general teve uma despesa até o momento de R$ 388 mil 151 reais, quase toda realizada com produção de programas de rádio e televisão, além de gastos com transporte para ele se deslocar nas atividades de campanha.

Por outro lado, o candidato do PSTU, Francisco Gonzaga, declarou ter recebido até a presente data apenas o valor de R$ 800, doados por uma pessoa física, mas ele não prestou conta dos gastos que teve com o recurso recebido. O candidato Hélio Góis (PSL) foi outro que ainda não fez nenhuma prestação de contas da sua movimentação financeira nesse quase um mês de campanha, nem de receitas e despesas. Assim como o candidato do PCO, Mikaelton Carantino.

Vale ressaltar que a partir da obtenção do número de registro de CNPJ do candidato e a abertura de conta bancária específica para movimentação financeira de campanha e emissão de recibos eleitorais, os partidos e candidatos devem enviar à Justiça Eleitoral os dados sobre recursos financeiros para financiamento de campanha até 72 horas após o recebimento do dinheiro. A primeira parcial da prestação de contas, constando o registro da movimentação financeira desde o início da campanha até o dia 8 de setembro, deverá ser enviada à Justiça Eleitoral a partir da próxima segunda-feira (9).

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs