Busca

Categoria: Gráfica


08:45 · 09.09.2018 / atualizado às 08:45 · 09.09.2018 por

Na véspera da primeira prestação de contas parcial que deve ser feita à Justiça Eleitoral pelos partidos e candidatos, constando o registro da movimentação financeira desde o início da campanha, nem todos os candidatos a governador do Estado declararam, ainda, os recursos que receberam e os gastos que estão tendo nestas eleições. A legislação eleitoral determina que os partidos e candidatos enviem as informações sobre suas movimentações financeiras até 72 horas após o recebimento do dinheiro. Por outro lado, o maior gasto que se verifica entre os candidatos na disputa estadual até agora é com material gráfico.

Do valor recebido pelo candidato à reeleição, governador Camilo Santana (PT) – um montante de R$ 562.941,50 -, o petista declarou um gasto de R$ 106.177,32. A maior despesa dele até agora, de acordo com o Sistema de divulgação de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (Divulgacand), foi com publicidade por materiais impressos, em que desembolsou R$ 46 mil e 600 reais. Dos recursos recebidos por Camilo, mais da metade – R$ 392.941,50 – veio do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, distribuído pela direção nacional do PT para a sua campanha à reeleição no Estado.

O candidato pelo PSOL, Ailton Lopes, também já gastou mais de R$ 48 mil com material gráfico, segundo a prestação de contas dele disponível no Divulgacand. Ailton informou ter recebido R$ 99.263,80 para a sua campanha a governador do Estado até agora, sendo mais de R$ 91 mil do fundo de financiamento enviado pelo seu partido, mais R$ 6 mil 498 reais do financiamento coletivo na Internet, além de doações de pessoas físicas.

Já o candidato, general Guilherme Theophilo (PSDB) declarou o maior volume de recursos para a campanha estadual – R$ 1,2 milhão -, oriundo, integralmente, do Fundo Especial distribuído pela direção nacional da sigla tucana. De acordo com a prestação de contas feita à Justiça Eleitoral, o general teve uma despesa até o momento de R$ 388 mil 151 reais, quase toda realizada com produção de programas de rádio e televisão, além de gastos com transporte para ele se deslocar nas atividades de campanha.

Por outro lado, o candidato do PSTU, Francisco Gonzaga, declarou ter recebido até a presente data apenas o valor de R$ 800, doados por uma pessoa física, mas ele não prestou conta dos gastos que teve com o recurso recebido. O candidato Hélio Góis (PSL) foi outro que ainda não fez nenhuma prestação de contas da sua movimentação financeira nesse quase um mês de campanha, nem de receitas e despesas. Assim como o candidato do PCO, Mikaelton Carantino.

Vale ressaltar que a partir da obtenção do número de registro de CNPJ do candidato e a abertura de conta bancária específica para movimentação financeira de campanha e emissão de recibos eleitorais, os partidos e candidatos devem enviar à Justiça Eleitoral os dados sobre recursos financeiros para financiamento de campanha até 72 horas após o recebimento do dinheiro. A primeira parcial da prestação de contas, constando o registro da movimentação financeira desde o início da campanha até o dia 8 de setembro, deverá ser enviada à Justiça Eleitoral a partir da próxima segunda-feira (9).