Busca

Categoria: Guarda escolar


10:02 · 16.07.2013 / atualizado às 10:02 · 16.07.2013 por

Por Georgea Veras

As escolas da rede pública de Fortaleza irão contar com a segurança de um batalhão da Guarda Municipal. Segundo o líder do governo na Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Evaldo Lima (PCdoB), o prefeito Roberto Cláudio anunciou ontem, durante a Conferência Municipal da Educação, o programa Segurança Municipal Escolar. Conforme o parlamentar, não será necessário o envio de projeto ao Legislativo para que projeto inicie.
De acordo com Evaldo Lima, como se trata de ato discricionário de gestão, será necessária apenas uma portaria para implantar o projeto. O parlamentar pontuou que ontem foi assinado um convênio entre as Secretarias de Educação e de Segurança Cidadã para colocar em prática o programa, que trata de um batalhão específico para dar segurança aos alunos e escolas municipais. O vereador explica que os guardas terão um fardamento especial para a função.
Na avaliação do vereador, a iniciativa trará resultados positivos para a segurança das unidades escolares. “Infelizmente a violência nas escolas ainda é uma realidade na educação de Fortaleza, talvez seja porque boa parte das escolas estão em áreas de risco social e vulnerabilidade”, observa, entendendo que a atuação da Guarda proporcionará tranquilidade aos pais, professores e alunos.
Evaldo Lima acredita que os guardas que farão parte do batalhão da Segurança Municipal Escolar passarão por um treinamento específico, pois a ideia é estabelecer um perfil de policiamento comunitário, cidadão, de diálogo e preparação para o convívio com o ambiente escolar.
O vereador Márcio Cruz (PR), representante da Guarda Municipal na Câmara, destaca que esse tipo de batalhão não é uma novidade, pois já existia na gestão passada, segundo o vereador. De acordo com ele, o batalhão funcionava com duas equipes, uma que atuava das 6 horas às 14 horas e outra que começava às 14 horas e encerrava às 22 horas.
Na gestão passada, detalha, o programa contava com duas viaturas, cada uma com quatro guardas municipais, para cada regional. Márcio Cruz diz que é a favor do programa e que ele tem de voltar, mas para o batalhão ter sucesso, na sua opinião, é necessário aumentar o efetivo da Guarda e dar condições de trabalho.
Segundo o vereador, foram entregues, recentemente, 35 novas viaturas à Guarda Municipal, mas pelo menos 10 não estão funcionando por falta de motoristas. O parlamentar disse que conversou com o prefeito sobre a volta desse batalhão específico para dar segurança aos alunos e escolas municipais, segundo ele, a ideia do gestor é colocar apenas dois guardas por viatura, o que na avaliação do republicano não será o suficiente.
Para o parlamentar, no mínimo, o batalhão precisa de três guardas em cada viatura. O ideal para o programa, avalia, seriam 200 guardas municipais, lembrando que na gestão passada eram 90 profissionais. Márcio Cruz também defende que sejam, pelo menos, cinco viaturas por regional, lembrando que Fortaleza possui 400 escolas municipais.
Já para o vereador João Alfredo (PSOL), para que o programa funcione dependerá muito do treinamento e qualificação que os guardas vão receber. “Ter segurança é importante para os estudantes, mas é preciso que essas pessoas tenham um bom treinamento para não parecer algo agressivo e invasivo”, pontua, entendendo que também seria interessante se os guardas tivessem referências da própria comunidade onde as escolas estão situadas.
A Câmara de Fortaleza aprovou um projeto de indicação que sugere a criação de “áreas escolares de segurança e cidadania”. A proposta foi assinada por cinco vereadores e propõem uma série de iniciativas para diminuir os índices de violência dentro das escolas e nos seus arredores, como melhoria na iluminação pública; fiscalização do comércio existente, principalmente dos ambulantes; repressão de jogos de azar, dentre outros.
O vereador Gelson Ferraz (PRB), coautor da proposta, acredita que o batalhão de segurança para as escolas irá melhorar significativamente a segurança próximo as unidades de ensino da Prefeitura. Todavia, ele avalia que é necessário também observar o que ocorre perto das escolas. Ele chama a atenção para as praças localizadas vizinhas as escolas e que possuem quiosques vendendo bebida alcoólica, pois muitas vezes, alerta, acabam atraindo os estudantes para o consumo de drogas.
Segundo o vice-líder do governo, vereador Didi Mangueira (PDT), a cobrança de uma segurança específica para as escolas não é recente. O pedetista entende que a questão da violência hoje é séria e também está próxima das escolas, por isso a necessidade de bem protegê-las e proteger também quem as frequentam.