Busca

Categoria: Incêndio


09:24 · 06.09.2018 / atualizado às 09:24 · 06.09.2018 por

Por Renato Sousa

O incêndio que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, ocorrido na noite do último domingo, 2, foi lamentado por vereadores da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor). Para eles, perdeu-se parte importante da cultura nacional. É o argumento do presidente da Casa, Salmito Filho (PDT). O trabalhista diz que lá estava grande parte da História do País. “É lamentável que o nosso principal museu, o mais antigo do Brasil, de repente, pegue fogo”, diz. Ele pediu que União e governos estadual e municipal do Rio de Janeiro somem esforços para reconstruir o equipamento. “Falo isso pensando na nossa História, mas também na nossa economia, uma vez que o Rio de Janeiro é o principal destino do turismo internacional no nosso País”, declara. Ele também aponta a importância científica do espaço. “(O Museu Nacional) possuía em seu acervo grande parte da nossa História, da nossa memória, inclusive peças raríssimas, que serviam para o estudo de antropólogos, historiadores, para a produção científica nacional e internacional”, explica.

O trabalhista declara que a experiência dos países desenvolvidos aponta para importância de equipamentos do gênero, não só para a preservação da História, mas também como uma importante fonte de recursos através da atração de turistas. “O (Museu do) Louvre (em Paris), além de um equipamento cultural, serve para fortalecer a economia da França, do povo francês, através do turismo histórico-cultural, que é o vetor que mais agrega recursos financeiros”, diz. Segundo ele, dados da Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) apontam que o turista que procura esse tipo de equipamento é justamente aquele com mais recursos.

Pedro Matos (PSDB), também lamentou o ocorrido, o qual ele classificou como “tragédia”. Ele apresentou um requerimento para que a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) faça um “pente-fino” nos equipamentos desse tipo na Capital para evitar que algo semelhante aconteça. “Precisamos estar atentos à cultura cearense e da nossa cidade”, diz o parlamentar, destacando equipamentos como o Museu do Ceará, no Centro, a Casa de José de Alencar, em Messejana, o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (Mauc), no Benfica, e o Planetário Rubens de Azevedo, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, como exemplos de locais que precisam ser vistoriados.

O tucano declara que, no período em que foi trabalho na Secretaria de Governo da Presidência da República, vínculo que se encerrou no começo de julho, percebeu a falta de prioridade que é dada para a Cultura no País. “A gente vê as dificuldades que se têm para a obtenção de recursos para a cultura no Brasil”, diz o vereador. De acordo com ele, os titulares do Ministério da Cultura enfrentam uma escassez crônica de recursos.

Matos destaca que ainda não se sabe qual foi a razão objetiva do incêndio. O vereador Luciram Girão (PDT), entretanto, culpa os presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff (ambos do PT) pelo desastre. “É simples: desde a gestão do sr. Luiz Inácio Lula da Silva e da sra. Dilma que não temos as verbas necessárias para reformas”, declara. Para ele, a causa foi “falta de interesse”, apontando ainda a existência de um “Brasil atrasado, sem comando e sem interesse, que começou com esse presidiário que está lá em Curitiba preso”, referindo-se a Lula, que cumpre mais de 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.