Edison Silva

Categoria: Isolado


10:18 · 08.07.2018 / atualizado às 10:18 · 08.07.2018 por
A pré-candidata a presidente, Vera Lúcia, participou do evento. FOTO: FABIANE DE PAULA

O Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) lançou, no último sábado, a pré-candidatura do operário Francisco Gonzaga ao Governo do Estado. Com isso, o Ceará passa a ter, até o momento, cinco postulantes ao Palácio da Abolição. O socialista, que vai para a segunda disputa majoritária, defende uma revolução na sociedade cearense com o apoio da classe operária e o fim da estrutura política atual.

A legenda ainda não sabe quando realizará a convenção partidária que homologará as chapas majoritárias e proporcionais, o que só deve acontecer no prazo final, no início de agosto. A pré-candidatura de Francisco Gonzaga soma-se a outras quatro já apresentadas: do atual governador do Estado, Camilo Santana (PT), do general Guilherme Theophilo (PSDB), do bancário Ailton Lopes (PSOL) e do advogado Hélio Gois (PSL).

A pré-candidata à Presidência da República pelo PSTU, Vera Lúcia, prestigiou o evento de lançamento da pré-candidatura de Gonzaga. Já candidato em outros pleitos, o operário segue para a segunda disputa majoritária no Estado. Segundo ele, as eleições são apenas parte do movimento de rebeldia do partido que também é apresentado no dia a dia “das lutas dos trabalhadores”.

“A conjuntura política atual é mais desfavorável para a classe trabalhadora. Nesse sentido, o PSTU apresenta, com suas pré-candidaturas, um programa chamando os trabalhadores para a rebelião em que os de baixo derrubem os de cima”, defendeu.

Ele destacou que suas principais bandeiras na campanha serão a luta contra o desemprego e os altos índices de violência no Estado. “O Governo atual apresenta como solução para a violência mais policial. Nosso programa vai contra isso. O Gonzaga de hoje vê a necessidade de uma rebelião para fazermos uma transformação em nosso Estado e nesse País, para que o desempregado tenha mais emprego. É preciso reduzir a jornada de trabalho, e queremos também mudar a política de segurança”.

Em pleitos passados, o PSTU sempre esteve ao lado de PSOL e PCB, mas na disputa deste ano os dois estarão em palanques opostos, visto o fim da aliança entre as legendas durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do PT.

De acordo com Gonzaga, “o outro lado, que vai do PT até o PSOL, apresenta um projeto que se diz de esquerda, mas eles querem fazer uma reforma por dentro do capital. O Governo do Camilo, a gente vê no que deu. E o Lula saiu como operário, mas se juntou com a burguesia”.

Para ele, o caminho é a luta com a participação da juventude, dos trabalhadores e da população mais pobre. “As eleições são um momento, mas não existe outra saída que não a revolução”, defendeu. Ele criticou uma parte da esquerda, que em sua avaliação, defende programas da burguesia. “O nosso programa é revolucionário. É isso que vai resolver o problema da insegurança, da falta de moradia, do desemprego”.

O partido não tem como meta fundamental o fortalecimento de candidaturas a deputado estadual e federal, que são postos fundamentais para uma administração sólida. Questionado sobre como governará, visto que o PSTU nunca teve um representante nas casas legislativas pelo Estado, o pré-candidato disse que é preciso mudar a estrutura política do País, e para isso vai focar nos chamados “conselhos populares”.

“Queremos que os mandatos desses representantes sejam revogados. Os conselhos populares seriam uma alternativa para essa estrutura atual”, concluiu.

09:16 · 01.03.2013 / atualizado às 09:16 · 01.03.2013 por

Dois requerimentos do deputado Antônio Carlos foram rejeitados pela maioria dos parlamentares presentes, inclusive, seus correligionários petistas. Um solicitava a ida do secretário de Saúde do Estado, Arruda Bastos, para explicar o cronograma de funcionamento do Hospital Regional Norte e outro pedia a presença do superintendente do Departamento de Arquitetura e Engenharia (DAE), Francisco Quintino Vieira Neto, para informar os motivos da queda de marquise do equipamento de saúde.
O líder do Governo, deputado José Sarto, chegou a pedir que ele retirasse sua proposta de pauta, pois o Tribunal de Contas do Estado (TCE) já havia apresentado relatório sobre a inspetoria ocorrida no prédio. No entanto, o petista afirmou que os requerimentos eram de solicitações simples, mas importantes pois serviriam para esclarecimentos da queda da marquise.

Antônio Carlos quando foi líder do Governo, até o ano passado, impediu que secretários fossem prestar esclarecimentos aos deputados, pois comandava a derrubada de requerimentos dos colegas. Ele chegou até a comandar a derrubada de requerimento pedindo informações ao Tribunal de Contas dos Municípios e também do Tribunal de Contas do Estado, cerceando o direito de os deputados conseguirem informações oficiais

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs