Edison Silva

Categoria: Judiciário


09:51 · 28.10.2017 / atualizado às 09:51 · 28.10.2017 por

Por Letícia Lima

O deputado Ely Aguiar (PSDC) voltou a criticar ontem, na Assembleia Legislativa, um ponto da proposta de Organização Judiciária do Estado, que será votada em Plenário na próxima terça-feira (31), que trata sobre as Unidades de Juizado Especial Criminal existentes em Fortaleza. Segundo informações da Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará (OAB-CE) encaminhadas ao parlamentar, elas serão reduzidas para apenas duas. O parlamentar cobrou que o Tribunal de Justiça do Estado (TJCE) reestude o projeto, pois se assim for mantido, ele votará contra.

O parlamentar criticou a primeira Mensagem enviada pelo Judiciário, no semestre passado, que previa a extinção de comarcas no Interior do Estado, cenário que ele reconhece que mudou, após a proposta ter causado polêmicas e, com isso, o Tribunal ter reenviado novo projeto. No entanto, Ely Aguiar cobra explicações do TJCE sobre a situação das Unidades de Juizado Especial Criminal em Fortaleza que, segundo ele, serão reduzidas e poderão prejudicar a população mais pobre.

“Em Fortaleza, uma das cidades mais violentas do mundo, a OAB diz que o plano do Tribunal em relação à mensagem que tramita nesta Casa é a redução das 26 unidades que são espalhadas na periferia para atender, principalmente, a população mais sofrida, para duas. Tem gente que não tem dinheiro nem pra passagem. Você, por exemplo, que mora na Barra do Ceará e tem lá o juizado pra resolver pequenos atritos, vamos fechar. Vai aumentar a sobrecarga, não vai atender a demanda, não reduz um centavo”.

Ely cobrou também a implantação de distritos judiciários na Capital. “Nós temos quatro distritos judiciários: Antônio Bezerra, Messejana, Mucuripe e Parangaba. O Centro de Fortaleza deveria ser um distrito judiciário, todo tipo de confusão acontece no Centro, tivemos agora vários casos envolvendo flanelinhas. Eu sugiro que isso seja reestudado. A Justiça é, principalmente, para atender a população pobre”.

O Projeto da nova Lei de Organização Judiciária do Estado do Ceará trata prevê a criação de comarcas em municípios do Estado e a transformação de algumas delas em comarcas vinculadas a outras localizadas em municípios vizinhos. O projeto recebeu 131 emendas de deputados, sendo que 30 foram aprovadas. A maioria preserva as comarcas nos seus municípios, cria novas Varas Judiciais ou muda a classificação da entrância das comarcas. A matéria é polêmica, porque pode dificultar o acesso da população à Justiça.

09:35 · 30.05.2016 / atualizado às 09:35 · 30.05.2016 por

Nesta  segunda-feira (30), a Associação Cearense de Magistrados (ACM) inicia uma campanha para divulgar o acesso da população à Justiça e com a intenção de valorizar o trabalho do juiz, expondo deficiências estruturais do Poder Judiciário cearense que refletem na qualidade dos serviços, anuncia a assessoria da entidade.

De acordo com a ACM, em torno de 1,5 milhão de processos tramitam na Justiça Estadual do Ceará contando com 458 juízes com para julgá-los. “Dados oficiais mais recentes do Conselho Nacional de Justiça (Justiça em Números 2015) mostram que cada juiz da Justiça Estadual do Ceará julga, em média, 1.245 processos por ano, o que significa 5,1 processos julgados por dia útil”, aponta em nota.

A Associação destaca que o volume de processos dos juízes no Ceará é quase o dobro dos juízes pelo mundo, que contam com uma média de 736 processos julgados por juiz ao ano, conforme pesquisa do CNJ de 2011, realizada em 42 países.

A ACM ainda detalha que há uma despesa total do Judiciário por habitante de R$ 120,26 enquanto a média da Justiça Estadual de todo o Brasil é R$ 185,44. A maior do país chega a R$ 693,74, no Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Salienta ainda que o Ceará possui o menor índice de servidores por 100.000 habitantes do país com 60 servidores enquanto a média nacional é 134.

A campanha da Associação dos Magistrados no rádio, televisão, mídia digital exterior (terminais de ônibus e edifícios comerciais), busdoor e internet começa a ser veiculada no dia 30 de maio. Entre as ações em rádio estão programetes em que juízes de Direito do Ceará dão informações e dicas sobre o acesso à justiça, além de esclarecer discursos equivocados, como o de que “a Polícia prende e a Justiça solta”.

O lançamento será na próxima segunda-feira, 30 de maio, às 9h, no salão de convenções do hotel Luzeiros.

As informações são da assessoria da ACM

10:35 · 12.07.2015 / atualizado às 10:35 · 12.07.2015 por

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa cearense, na última semana, em Regime de Urgência, duas matérias de interesse do Poder Judiciário estadual. A primeira dispõe sobre a Organização Administrativa daquele Poder. A segunda cuida das novas custas judiciais, com valores atrelados à Unidade Fiscal de Referência do Estado do Ceará – Ufirce, hoje correspondente a pouco mais de R$ 3,30. Pela proposta, o menor custo inicial de um processo será de 26,35 Ufirce, e o maior chega a 23.599,88 Ufirce.

Em relação a causas de valor superior a R$ 84.000,01, as custas equivalerão a 2% do seu total. Diz a mensagem assinada pela desembargadora Iracema do Vale, que os novos valores visam “superar desvantagens do sistema atual relacionadas principalmente ao comprometimento da justiça fiscal e à defasagem de valores. Para tanto, destaca-se a implementação de um sistema de fixação de percentuais para as causas de valores mais elevados, como é adotado em diversos estados e sugerido pelo Conselho Nacional de Justiça”.

Na Reforma Administrativa, a mensagem diz que não haverá aumento de despesas, mas na mesma matéria está uma modificação no Código de Divisão e de Organização Judiciária. E nesta parte trata da “ajuda de custo para moradia (dos magistrados), disciplinada nos termos da Resolução aprovada pelo Pleno do Tribunal de Justiça” e outras vantagens, inclusive para servidores “em exercício nas Comarcas situadas em localidades inóspitas”. As matérias vão suscitar um bom debate no plenário daquela Casa, antes de votadas.

10:06 · 12.11.2012 / atualizado às 10:06 · 12.11.2012 por

Avotação será no fim da tarde desta segunda-feira, mas agora, para vários desembargadores ainda não se pode dizer quem será o novo presidente do Tribunal de Justiça do Ceará, tão acirrada está a disputa entre os deputados Gerardo Brígido, atual vice-presidente da Côrte e Rômulo Moreira. 42 desembargadores formam o Colégio Eleitoral, visto que o Tribunal está desfalcado de um membro, em razão da recente aposentadoria do desembargador Ernani Barreira Porto.

 

12:06 · 11.11.2012 / atualizado às 12:06 · 11.11.2012 por

Está marcada para amanhã a eleição dos novos dirigentes do Tribunal de Justiça do Ceará, para os próximos dois anos. A cha oficial é encabeçada pelo desembargador Gerardo Brígido e a de oposição é liderada pelo desembargador Rõmulo. Os dois nomes sofrem restrições de alguns desembargadores, tanto que é possível aparecer, inclusive, voto em branco, num colegio eleitoral de pouco mais de 40 votantes. Brígido é atualmente o vice-presidente do Tribunal. Rômulo já participou de outras disputas pela presidência da Corte estadual.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs