Busca

Categoria: Mais Médicos


09:40 · 05.08.2016 / atualizado às 09:40 · 05.08.2016 por

Por Antônio Cardoso

Em discurso, ontem, na Assembleia Legislativa a deputada Rachel Marques (PT) alertou para o risco de o Programa Mais Médicos, criado no governo de Dilma Rousseff, ser extinto. Ela apontou que há uma forte preocupação por parte dos profissionais que atuam no programa, diante do atual momento político, quando a presidente eleita está afastada e comanda o interino Michel Temer.
Rachel chamou atenção para o número de atendimentos realizados a partir da iniciativa do Governo Federal. “São mais de 60 milhões de brasileiros beneficiados, em mais de 70% dos municípios. Essa população conquistou algo muito importante que foi o atendimento médico”, relatou. “Não se pode pensar em acabar com o programa, tão importante, que já alcançou grandes conquistas”.
A parlamentar leu uma carta aberta à população, onde tutores e supervisores do Programa Mais Médicos se dizem extremamente preocupados com o atual momento político no país e as consequências que as medidas anunciadas pelo governo interino podem ter para o programa. “O Programa Mais Médicos para o Brasil surgiu em 2013 como proposta de qualificação e ampliação da assistência do Sistema Único de Saúde. Com seus eixos de melhora e ampliação da infraestrutura da assistência em saúde, promoção do crescimento e qualificação da formação em saúde e provimento emergencial de profissionais médicos, o Mais Médicos fez parte de melhorias importantes para a população”, disse Rachel.
Entre as principais reivindicações, ela afirmou apontou o retorno dos trabalhos dos tutores. “O trabalho dos Tutores e Supervisores de Instituições de Ensino participantes, ou Instituições Supervisoras, possibilita a execução do projeto de qualificação e ampliação da formação de médicos, possibilitando fóruns de atualização e debates sobre a atenção básica que queremos e que também desejam os cidadãos brasileiros: a garantia do direito à Saúde”.
Mas, de acordo com a petista, esses tutores e supervisores estão, no momento, impossibilitados de realizarem o trabalho, colocando uma “ameaça real” de suspensão do programa. “Entende-se a importância do Programa mais Médicos para a formação de profissionais mais voltados para as necessidades de saúde da população brasileira quando um dos eixos prioritários trata de aumento de vagas na graduação médica em locais onde não existiam faculdades de medicina, na ampliação e criação de vagas de residência com ênfase na Residência de Medicina de Família e Comunidade, desta forma cobrindo lacunas seculares e sendo coerente com o princípio da equidade do SUS”, extraiu da carta.
Ao ceder aparte à deputada Silvana Oliveira, Rachel ouviu críticas da peemedebista ao programa. “Sei que o seu pronunciamento é feito mantendo todo o cuidado para que as pessoas tenham acesso a médicos. Mas tenho posicionamento e ele é um pouco diferente, foge dessa visão do que realmente o Mais Médicos levou para nossa população”.
Médica, a deputada afirmou ter ouvido “vários testemunhos gritantes” em suas visitas ao Interior. “Tem médico cubano passando chazinho para as pessoas”. Ela afirmou que, querer enganar a população, entregando um médico completamente desqualificado, que não faz o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira) é o que torna o projeto passível de ser revisto. “Precisa mesmo ser avaliado, assim como precisamos estimular a criação de mais faculdades de medicina e apontar que estavam oferecendo falsos médicos para enganar a população. Nesse sentido eu sou crítica ferrenha ao Programa Mais Médicos, mas do jeito que foi instituído pelo governo do PT”.
Para Silvana há a necessidade real de que o programa seja mantido, mas oferecendo médicos de qualidade, brasileiros qualificados. “Esse também é o desejo quando se estimula a abertura de novas faculdades, mas do jeito que estava, precisa passar por uma série de reestruturação, para que a população não continue sendo enganada por um médico que vai auscultar o coração e coloca o estetoscópio no abdômen. Precisamos desmascarar esse falso programa que o Pt criou e vinha tocando”.
De volta com a palavra, Rachel disse que no parlamento precisa ser assegurado o contraditório e reforçou que são milhões de brasileiros atendidos e que “a voz geral da população é que os profissionais são médicos comprometidos e humanizados”.

09:58 · 13.02.2014 / atualizado às 09:58 · 13.02.2014 por

A deputada Rachel Marques (PT) foi a primeira oradora da sessão ordinária desta manhã da Assembleia Legislativa. Ela retomou a discussão, que ontem foi acalorada, sobre o programa do Governo Federal Mais Médicos. Se3gundo ela, o programa tem o apoio da maioria da população brasileira.

Logo após o discurso de Rachel, foi a vez do deputado Ely Aguiar (PSDC) falar sobre o mesmo tema, mas para fazer críticas ao programa. O deputado aproveitou, sem citar o nome dele, para fazer condenar o comportamento do deputado Professor Pinheiro (PT), aliado do governador Cid Gomes. Ontem, Professor Pinheiro foi duro nas críticas ao comportamento de Ely Aguiar, na Assembleia.