Busca

Categoria: Onda amarela


14:13 · 21.10.2016 / atualizado às 14:13 · 21.10.2016 por

Por Miguel Martins

 

O prefeito Roberto Cláudio, segundo sua assessoria, terá mais tempo de campanha nas ruas da Capital Foto: Thiago Gadelha
O prefeito Roberto Cláudio, segundo sua assessoria, terá mais tempo de campanha nas ruas da Capital Foto: Thiago Gadelha

O prefeito Roberto Cláudio (PDT), que tenta reeleição, pretende realizar 42 carreatas até o sábado antes do dia do pleito naquela em que está sendo denominada de “onda amarela”. Parlamentares, lideranças políticas e prefeitos eleitos também participarão do chamado “Dia D”, 30 de outubro, quando estarão presentes na Capital em apoio à candidatura do pedetista.
Roberto Cláudio inovou em 2012, quando convocou diversos aliados do Interior para fazerem campanha em Fortaleza em prol de sua candidatura. O resultado foi a vitória no segundo turno contra o candidato do PT, Elmano de Freitas.
O evento deste ano foi oficializado na semana passada, no Comitê Central, e contou com a presença de diversas lideranças, inclusive do governador do Estado, Camilo Santana, e do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.
O prefeito pretende realizar 42 carreatas por todas as regionais da cidade; além de 73 caminhadas divididas entre ele, o candidato a vice, Moroni Torgan, o comitê de mulheres e o da juventude. Serão feitas ainda 60 atividades diárias organizadas pelos vereadores em parceria com os 30 comitês regionais, entre caminhadas, bandeiraços e adesivaços nas mais diversas áreas de Fortaleza.
De acordo com o deputado Júlio César Filho (PDT), essas movimentações entre as duas candidaturas dão o tom da disputa nesta reta final. Segundo ele, é natural que os dois queiram ocupar toda a cidade, dar maior volume à campanha e utilizar essa estratégia.
“Vamos ocupar toda a cidade com amarelo, e as pessoas serão bem vindas. Estamos conversando com amigos, familiares e avisando às colônias que moram aqui para fazer uma onda amarela”, disse. Segundo informou Júlio César, há diversas estratégias sendo adotadas, o que pode ampliar ainda mais a diferença entre os dois candidatos. Para o parlamentar, é importante animar a militância e por isso se faz necessária tal estratégia.
Com votos na Região Metropolitana de Fortaleza e no Cariri, o deputado Ely Aguiar (PSDC), afirmou que seus conterrâneos, que votam na Capital, estão sendo convidados a votar no prefeito. “É um projeto que não pode parar”, disse.
Conforme informou, a estratégia dos dois lados, com onda azul e outra amarela, é válida. No entanto, ele ressaltou que tem por maiores acirramentos entre os militantes. “Se houver respeito mútuo e respeito ao eleitorado, está valendo. Agora a gente fica preocupado é com o nível dos programas políticos”, apontou. Roberto Mesquita (PSD) disse que há um acirramento natural na cidade, onde duas jovens lideranças se apresentam com propostas distintas.
“Onda amarela e onda azul e vinda de aliados do Interior para pedirem votos para um e para outro é tão óbvio que fico imaginando o que pode acontecer. Vou trabalhar em minha região pedindo votos para o prefeito Roberto Cláudio, dentro da legalidade. Agora fico apreensivo e imaginando o que pode ocorrer de novidade nesses dias que antecedem a eleição”, disse.
A petista Rachel Marques afirmou que já está trabalhando no sentido de conversar com suas lideranças e pedindo votos para aqueles filiados do PT que votaram no primeiro turno em Luizianne Lins.
Aliada de Roberto Cláudio, ela afirmou que quixadaenses que moram e votam em Fortaleza também estão sendo chamados para apoiarem o candidato. Segundo ela, a polarização entre as duas cores é saudável na medida em que não se tenha difamação ou atos que denigrem a imagem dos postulantes.
Walter Cavalcante (PMDB) afirmou que está na onda amarela, inclusive, indo para eventos com roupas dessa cor. Segundo ele, sua aliança vai até o dia 30 de outubro e depois zeraria. “Só tenho um lado até o dia 30 de outubro. Eu saí do PMDB porque tinha compromissos com o Roberto Cláudio. Mas depois do dia 30, não tenho mais compromisso com Governo, com mais ninguém”, relatou.