Edison Silva

Categoria: Orçamento impositivo


09:44 · 14.11.2013 / atualizado às 09:44 · 14.11.2013 por

O Senado federal aprovou, à noite da última terça-feira, a proposta de emenda à Constituição para tornar “impositiva” a liberação dos recursos das emendas individuais apresentadas pelos deputados e senadores, uma das bandeiras da eleição do atual presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves. É uma emenda casuística, com uma elevada dose de estímulo à corrupção nas gestões municipais pelas relações, muitas vezes espúrias, entre autor e receptor da emenda.
A proposta aprovada, com algumas alterações, tramita no Congresso Nacional desde 2000, apresentada à época pelo então senador Antônio Carlos Magalhães. Ela também fixa os percentuais mínimos obrigatórios para o Governo Federal aplicar, anualmente, em saúde. Em 2018 a União estará obrigada a gastar 15% da sua Receita Corrente Líquida com a saúde pública, percentuais idêntico aos despendidos pelos estados atualmente.
O Orçamento dos governos Federal, estaduais e municipais no Brasil, sempre foi considerado peça de ficção, tanto por falhar quanto à arrecadação como nas programações dos gastos, principalmente os relacionados a investimentos. São exemplos disso as muitas obras chamadas de intermináveis, mantidas pela União, como as de interesse do Ceará: transposição de águas do Rio São Francisco, Transnordestina, Metrofor, para citarmos apenas essas.
A emenda à Constituição aprovada na terça-feira, não altera essa situação. Daí podermos chamá-la de casuística. Só as emendas apresentadas individualmente pelos 513 deputados e os 81 senadores é que terão de ser liberadas. E mais ainda, com algumas facilidades, dentre as quais a de não levar em consideração a inadimplência dos entes públicos a que forem destinadas. Os outros tipos de emendas ao Orçamento: as de bancadas, de comissão e de relatoria, não terão a obrigação de serem liberadas, ficando à mercê dos tais contingenciamentos.
O Congresso perde uma oportunidade ímpar de realmente tornar impositivo o Orçamento, obrigando a que todos os governantes sejam realistas nas propostas feitas à população, e assim, tornem as obras públicas mais transparentes e com prazo de conclusão determinado.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs