Edison Silva

Categoria: Pedofilia


09:13 · 15.06.2018 / atualizado às 09:13 · 15.06.2018 por

Por Letícia Lima

O estupro de um menino de 6 anos, por um funcionário da Escola Patronato São José, em Itapajé, a 125 quilômetros de Fortaleza, que veio à tona na última semana, foi repercutido, ontem, pelo deputado Ely Aguiar (PSDC), na Assembleia Legislativa. O parlamentar cobrou a discussão dos crimes de pedofilia no Parlamento cearense e chamou atenção para os investimentos do Estado em políticas de combate à violência.

O deputado disse que, quando a criança contou sobre a violência sexual que sofreu na escola, a mãe tentou fazer a denúncia na delegacia de Itapajé, mas por encerrar cedo o seu expediente, o caso teve que ser transferido para Itapipoca. “É por isso que eu digo que não existe investimento, o que existe é gasto e o nosso Estado aí com todo tipo de crime acontecendo. Já são mais de 200 mulheres assassinadas e eu não vejo a bancada governista nem as mulheres falarem sobre isso, se o governo fosse de outro partido, todo dia tinha mulheres ali chorando pelo canto, mas, não, ficam caladas, não abrem a boca”.

Ainda segundo Ely, a população está cobrando providências das forças de segurança, principalmente, porque há suspeita de que outras crianças da cidade tenham sido violentadas na escola. Presente na sessão durante o discurso do parlamentar, a deputada Rachel Marques (PT) rebateu a fala do colega e disse que já tratou em outras ocasiões sobre o assassinato de mulheres e que a Secretaria de Segurança está dando respostas para o caso.

“Quero esclarecer que os agressores já foram identificados, eles já estão presos. Houve, imediatamente, uma ação do delegado do município e os dois não estão mais convivendo dentro da escola e a escola já fez reuniões, está dando toda a retaguarda, esse amparo psicológico para as famílias, o apoio. É um fato muito grave, que a gente só pode repudiar, porque não podemos aceitar que as crianças possam sofrer esse tipo de violência”, frisou.

08:54 · 19.05.2016 / atualizado às 08:54 · 19.05.2016 por

Por Suzane Saldanha

 

 

Vereador Eulógio Neto cobra mais investimentos em políticas públicas para combater a exploração sexual Foto: Érika Fonseca
Vereador Eulógio Neto cobra mais investimentos em políticas públicas para combater a exploração sexual Foto: Érika Fonseca

Em pronunciamentos, ontem, vereadores da Capital destacaram o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Criança e Adolescente e apontaram a necessidade de mais investimentos em políticas públicas, além de uma fiscalização mais intensa para combater o crime no país. Os parlamentares lembraram de casos que chocaram a cidade e o país, como o das crianças Alanis, no bairro Conjunto Ceará, e Araceli, no Espírito Santo.
Eulógio Neto (PDT)  ressaltou que o tema da exploração sexual deve ser mais discutido pelos vereadores, pois todos os dias são registrados diversos abusos de crianças e adolescentes pelo país. Segundo ele, a Câmara Municipal precisa discutir os crimes de abusos e exploração sexual na cidade e, apesar da delicadeza do tema de reeducação sexual, ele deveria estar na pauta de discussão para conscientizar a população.
“Temos que combater dentro de casa, em todos os lugares. Vou continuar persistindo. Vou trazer essa reflexão todos os dias. Essa Casa e a Prefeitura tem que discutir mais esse problema”, disse o vereador.
O vereador lembrou do caso da criança Alanis Maria Laurino, de 5 anos, sequestrada, estuprada e morta, no bairro Conjunto Ceará. “A data de hoje traz uma lembrança da pequena Araceli que foi vítima com um caso parecido com a da pequena Alanis. Quantas Alanis tem que surgir? O crime não é só tocar, é ter a malícia, tirar o respeito e muitos desses casos é um homem que atenta contra as adolescentes e os meninos também”, afirmou.
Eulógio Neto também apontou a preocupação com diversos cartazes espalhados na cidade que divulgam sites de exploração sexual que podem ser acessados por adolescentes e crianças. Ele apelou a Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente para fazer uma notificação e fiscalização desses cartazes.
“É um site que qualquer adolescente pode acessar basta ter internet. Nossa preocupação como militante dessa causa é que leva a pedofilia. Será que todas essas mulheres são adultas? Será que o Ministério Público não investiga isso?”, questionou.
O vereador criticou a ausência de desenvolvimento da CPI de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes da Câmara Municipal de Fortaleza. Requerimento de sua autoria, a CPI chegou a ser criada pelo então presidente, o ex-vereador Walter Cavalcante. Segundo Eulógio, Walter teria engavetado a Comissão Parlamentar de Inquérito apesar do seu pedido para ser relator e com o desejo de prosseguir os trabalhos.
João Alfredo (PSOL) lembrou o caso da menina Ariceli,  raptada e morta em 1973 no Espírito Santo, que motivou a criação do Dia de Combate a Exploração Sexual de Crianças. Segundo ele, a lembrança é uma forma de se solidarizar com todas as crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, um dos mais cruéis e desumanos.
“Há 38 anos, em plena ditadura militar, ela era sequestrada, estuprada e assassinada. Um dos acusados era filho de um Ministro da Justiça e esse crime permaneceu impune”, destacou.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs