Busca

Categoria: Petista


09:25 · 06.09.2018 / atualizado às 09:25 · 06.09.2018 por

Por Renato Sousa

O vereador Acrísio Sena (PT), ex-presidente municipal do partido, declarou ontem, 5, na tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), que chegou o momento de o seu partido substituir o ex-presidente Lula da Silva (PT), que cumpre mais de 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pelo ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como candidato do partido para a Presidência da República, com a deputada estadual gaúcha Manuela d’Ávila (PCdoB) como sua vice. “Chegou o momento de começarmos a construir, nesses 30 dias (até a o primeiro turno da eleição, que acontece no dia 7 de outubro), os nomes do Haddad e da Manuela como as grandes alternativas para o Brasil voltar a crescer”, declara o parlamentar. Lula teve sua candidatura vetada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na madrugada de sábado, 1º, com base na Lei da Ficha Limpa.

De acordo com Sena, o partido já começa essa semana a sinalizar a mudança da função de Lula de candidato para cabo eleitoral. O parlamentar confia na capacidade de Lula, que lidera as pesquisas eleitorais nas quais seu nome é testado, de transferir votos para Haddad, que originalmente era candidato a vice-presidente. “Chegou a hora de mostrarmos que houve um período neste País, quando o PT e o Lula governaram, em que esse povo sorria, comia, trabalhava, tinha reajuste digno de salário mínimo e estudava em escolas e universidades públicas. E o povo sabe disso”, diz.

O parlamentar também destaca o currículo de Haddad. “Quando o presidente Lula chegar e dizer ao povo brasileiro que o seu representante, que quem vai substituí-lo é o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação que teve a capacidade de junto com Lula, construir mais de 400 escolas técnicas, 18 novas universidades, de ter a política do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), da escola profissionalizante, do tempo integral, a memória do nosso povo não vai deixar de reconhecer esse período”, explica. De acordo com ele, Lula e Haddad foram fundamentais para que o Ceará avançasse nos indicadores de educação.

Sena, entretanto, aponta que o partido não abandonou a defesa de Lula. Ele lembra que a sigla já recorreu ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) contra a decisão do TSE. Ele critica a decisão do tribunal de impugnar a candidatura, mesmo quando o órgão internacional havia apresentado pedidos de medidas cautelares para que a postulação fosse garantida. “Não é correto um País signatário de acordos e tratados internacionais desrespeitar um acordo e os direitos legítimos da candidatura do Lula”, declara.

Já Luciram Girão (PDT) fez críticas não só a Lula, como também a Haddad. O ex-presidente, segundo ele, é um “presidiário que está em Curitiba e que vai continuar preso”. Haddad, por outro lado, é chamado de “poste”. Segundo ele, a estratégia de Lula, agora, é “empurrar um poste, mas ele não vai vingar”. O trabalhista também atacou a decisão do Senado Federal que, ao julgar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), decidiu destituí-la, mas manter seus direitos políticos, o que permite que hoje ela concorra ao Senado por Minas Gerais. “Em canto nenhum, impeachment mantém direito político. Você os perde. São oito anos sem poder candidatar-se”, explica.