Busca

Categoria: Pobreza


09:40 · 05.09.2018 / atualizado às 09:40 · 05.09.2018 por
Por Letícia Lima
O deputado Roberto Mesquita (PROS) chamou atenção, na tribuna da Assembleia Legislativa, ontem, para os mais de R$ 4 bilhões arrecadados para o Fundo Estadual de Combate à Pobreza (FECOP), nos últimos 10 anos, e questionou o uso desse recurso.
O parlamentar frisou que dos mais de 8 milhões de habitantes no Ceará, mais da metade ainda vive em situação de pobreza. Mesquita criticou a maneira como é gerido esse recurso, que é “diluído” entre as secretarias de Estado. Com uma sessão esvaziada, não havia parlamentares da base aliada para responder aos questionamentos dele.
Mesquita levou para a tribuna dados do FECOP referentes ao primeiro semestre de 2018. O FECOP trata-se de um Fundo Especial de Gestão que, de acordo com o Governo do Estado, tem a função de “viabilizar, para a população pobre, e extremamente pobre do Estado do Ceará, acesso a níveis dignos de subsistência, mediante a aplicação de recursos em ações suplementares de nutrição, habitação, educação, saúde, saneamento básico, reforço da renda familiar, combate à seca, e outros programas de relevante interesse social, de modo a promover a melhoria da qualidade de vida”. O fundo é constituído do dinheiro arrecaddo com o acréscimo de 2% do ICMS sobre os produtos comercializados no Estado.
Segundo Mesquita, só neste ano, o Estado vai arrecadar R$ 500 milhões para o FECOP, mas, nos últimos 10 anos, o governo cearense já apurou R$ 4 bilhões e 400 milhões. O parlamentar criticou a maneira que o recurso do FECOP é “diluído” entre as secretarias estaduais.
14:07 · 15.05.2018 / atualizado às 14:07 · 15.05.2018 por

O deputado Heitor Ferrer (SD) voltou a lamentar, na tribuna da Assembleia Legislativa, hoje, os índices de pobreza no Ceará e questionar o esforço do Governo do Estado em atrair investimentos na área econômica.

O parlamentar frisou que 1 milhão e 100 mil famílias no Estado são beneficiárias do Bolsa Família, representando metade da população cearense – 4 milhões e meio – na linha de extrema pobreza.

“Ao lado de cada um de nós tem um pobre, que não estuda, não trabalha, a desesperança levou a droga e a droga à criminalidade, criminalidade essa que tem o pior perfil que é o crime de homicídio. Está no IBGE, o Ceará tem 61% da população de 0 a 14 anos na linha de pobreza. Isso é de uma gravidade, isso é uma sociedade sem rumo, sem futuro estabelecida”, alertou.