Busca

Categoria: Posse do Lula


09:49 · 18.03.2016 / atualizado às 09:49 · 18.03.2016 por

Por Suzane Saldanha

O cenário político nacional conturbado com denúncias, posse como chefe da Casa Civil do ex-presidente Lula e o vazamento de áudio entre Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) motivou pronunciamentos na Câmara Municipal, ontem, contrários e a favor ao Governo e ao ex-presidente.
Robert Burns (PTC) apontou que o brasileiro teve mais uma decepção que motivou brigas nas ruas e muita emoção com as últimas informações veiculadas na imprensa. Segundo ele, a solução para o Brasil não é um impeachment e sim uma nova eleição para presidente. “Temos que construir um novo país, todo mundo tem que participar de uma nova eleição”, defendeu.
Segundo Pedro Matos (PSDB), a convocação do ex-presidente para ser ministro da Casa Civil e os áudios dele com a ex-presidente fazem o brasileiro a questionar o futuro do país. O vereador afirmou não ser possível se calar diante dos acontecimentos. “O brasileiro está de luto, o Brasil está de luto e venho como cidadão e no meu legítimo papel de vereador de Fortaleza convocar todos os brasileiros e juventude para se manifestar com todo o desgoverno do PT”, conclamou.
Matos defendeu que os brasileiros querem novas lideranças e pensamentos. “O brasileiro precisa saber o que está acontecendo, por isso estou de luto e o brasileiro precisar ir às ruas e buscar um novo rumo”, salientou.
Vicente Pinto (PT) defendeu o Partido dos Trabalhadores e a política adotada por Lula desde 2002. Segundo ele, é graças ao ex-presidente que os brasileiros passaram a ter melhor qualidade de vida. “Sempre esteve do lado das pessoas mais pobres. Eu acho injusto o que estão fazendo com nosso ex-presidente, porque se o Lula tivesse alguma culpa já estaria na cadeia, não tenho a menor dúvida”, disse.
O vereador ainda afirmou que o Brasil está dividido entre a direita e a esquerda, o rico e o pobre. “Fiquei doente e decepcionado com aquela manifestação, um homem que melhorou a vida do povo e é lamentável que existem trabalhadores que sejam contra o homem que lutou por melhores salários”, desabafou.
Vicente Pinto ainda argumentou que Lula é um homem experiente e vai ajudar no Governo a presidente Dilma a melhorar o país. “A Dilma precisa de apoio, precisa que esses outros partidos parem de fazer oposição o tempo todo. Não podemos aceitar o que acontecendo com nossa presidente e nosso guerreiro Lula”, ressaltou.
Vicente convidou os fortalezenses a participarem da manifestação no dia 18 em favor do ex-presidente.
Ronivaldo Maia (PT) argumentou que a democracia é o maior patrimônio do Brasil e precisa ser preservada. O vereador classificou como irresponsabilidade a divulgação dos áudios dos líderes petistas afirmando que o juiz Sérgio Moro age de maneira passional. Ele defendeu ainda que o envio do termo de posse não assinado por Dilma seria um ato legítimo.
“É lamentável a maneira passional que ele joga o povo em enfrentando desnecessário. Quem for podre que se quebre, agora vamos zelar pela tranquilidade nas ruas. Se chegou ao limite da irresponsabilidade do ‘juiz Lava Jato’ movido pela parcialidade”, finalizou.
Toinha Rocha (Rede) afirmou que seria uma ilegalidade o ato do juiz Sérgio Moro de divulgar áudios da presidenta Dilma com o ex-presidente Lula. A parlamentar salientou que o país passa por uma crise política séria e a população deve ficar alerta aos aproveitadores do momento.
Ela ainda questionou o pronunciamento de Pedro Matos, apontando que o parlamentar seria muito jovem para saber sobre democracia. “É importante a luta pelos salários, mas cabe ao povo lutar pela democracia. Pedro Matos é muito novo e não sabe o que é isso. Não sabe o que é viver em um regime militar”, afirmou.
Para ela, o PT estaria pagando o preço por ter se aliado ao PMDB. A vereadora também pediu novas eleições.
O posicionamento de Toinha de se referir a Pedro Matos como inexperiente foi criticado por Adail Júnior, que presidia a sessão no momento. O parlamentar defendeu que o tucano tem legitimidade para expor seus pensamentos.