Busca

Categoria: Prejuízo


09:51 · 03.06.2018 / atualizado às 09:51 · 03.06.2018 por

Aumentou em pouco mais de 8%  o déficit da Previdência do Estado do Ceará no ano de 2017, em relação ao ano de 2016, segundo apuração do Tribunal de Contas do Estado (TCE), destacado no relatório do conselheiro Ernesto Saboia, aprovado pelos demais conselheiros, recomendando à Assembleia Legislativa a aprovar as Contas de Governo de 2017, com ressalvas.

O déficit da Previdência somou um total pouco superior a R$ 1,5 bilhão. O Governo, no início deste ano, encaminhou para a Assembleia três projetos promovendo modificações na previdência estadual, inclusive criando a Previdência Complementar e fixando um teto de pouco mais de R$ 5 mil, igual ao do INSS,  para todas as aposentadorias de servidores civis que ingressem no serviço público estadual a partir de agora. As matérias estão engavetadas na Assembleia e só deverão ser examinadas depois das eleições deste ano.

Leia o que diz o relatório do TCE:

“Em relação às Receitas e Despesas Previdenciárias do Regime Próprio de Previdência dos Servidores, o Estado do Ceará realizou aporte no valor de R$ 1.547.174.328,91 para cobertura de insuficiência financeira, sendo R$ 1.306.320.086,70 destinados ao FUNAPREV e R$ 240.854.242,21 ao PREVMILITAR, representando um aumento de 8,03% em relação ao exercício anterior, em termos nominais”.

16:13 · 29.05.2018 / atualizado às 16:13 · 29.05.2018 por

No relatório feito pelo conselheiro Ernesto Saboia, Relator das contas do Governo do Estado do Ceará, referentes a 2017, aprovado pelo Tribunal de Contas do Estado, com recomendações à Assembleia Legislativa, para aprovar referidas contas com ressalvas, está a observação sobre o prejuízo causado ao Estado, em 2017, pelo Metrofor (Companhia Cearense de Transportes Metropolitano), pouco superior a  R$ 167 milhões.

Leia o que escreveu Ernesto Saboia, no seu relatório aprovado pelo TCE, para ser encaminhado para a Assembleia Legislativa, a quem cabe, de fato, julgar as contas do governador:

“O METROFOR, que recebeu R$ 132.545.486 para fins de constituição ou aumento de capital, apresentou um prejuízo de R$ 167.341.305,36 no exercício. A demonstração dos fluxos de caixa da empresa demonstram que o repasse do Tesouro, principal componente do fluxo das atividades de financiamento (R$ 146.445.407,52), suportou as atividades operacionais (R$ -87.851.358,78) e de investimento (R$ -59.300.543,23). Tal comportamento tem se repetido ao longo dos anos, caracterizando a dependência da estatal nos termos da LRF”.