Edison Silva

Categoria: Presidência do Senado


15:56 · 06.07.2017 / atualizado às 16:42 · 06.07.2017 por

Por Adriano Queiroz

Eunício comandará o Brasil, enquanto o presidente da República, Michel Temer (os dois aparecem na foto acima), e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) estiverem cumprindo agenda no Exterior Foto: AFP

Ao assumir a Presidência da República na tarde desta quinta-feira (6), o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (PMDB-CE), passou a ser o quinto cearense na história republicana brasileira a ocupar o posto máximo do Poder Executivo do País.

Eunício é atualmente o terceiro na linha sucessória presidencial e comandará o Brasil, enquanto o presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) estiverem cumprindo agenda no Exterior.

>Eunício será o 4º a ocupar a Presidência da República em 14 meses

Temer viajou nesta quinta para Hamburgo, na Alemanha, onde participa, até sábado (8) da reunião de cúpula do G-20, grupo das 20 maiores economias mundiais. Já Maia tem compromissos na Argentina e só deve retornar ao País no domingo (9).

Antes de Eunício, outros quatro cearenses ocuparam a Presidência da República Foto: Beto Barata/PR/FotosPúblicas

Antes de Eunício, os outros cearenses que ocuparam a Presidência da República, foram: José Linhares, que governou interinamente entre outubro de 1945 e janeiro de 1946; Humberto Castelo Branco, primeiro presidente do regime militar, e que governou entre abril de 1964 e março de 1967 (ele viria a falecer cerca de 4 meses depois em um acidente aéreo); Paes de Andrade, que na qualidade de presidente da Câmara,assumiu o comando interino do País, por 11 vezes, entre os governos de José Sarney e Fernando Collor; e, mais recentemente, Mauro Benevides, que, assim como Eunício, era presidente do Senado quando precisou ocupar a chefia do Executivo em dezembro de 1992.

Eunício Oliveira é natural de Lavras da Mangabeira, tem 64 anos, e está na presidência do Senado desde 1º de fevereiro deste ano. Ele ocupa mandato na Casa Legislativa desde 1º de fevereiro de 2011. Antes, Eunício já foi deputado federal (1999-2011) e Ministro das Comunicações (2004-2005), do governo Lula.

Saindo do país em viagem a Hamburgo, na Alemanha, para participar da Cúpula do G20, Michel Temer passou o comando da Presidência da República interinamente ao presidente do Senado Eunício Oliveira (PMDB-CE). As informações da assessoria do Planalto são de que Temer transmitiu o cargo temporariamente logo antes de embarcar, por volta das 13h, no entanto, Eunício só passa a ser presidente oficialmente entre 15h e 16h. Rodrigo Maia, presidente da Câmara, que é o primeiro na linha sucessória, iria assumir o cargo, mas está em viagem na Argentina. Veja no vídeo o momento em que Temer passa o cargo a Eunício. #presidencia #temporaria #viagem #temer #eunicio #brasil #planalto #diariodonordeste #dn

Uma publicação compartilhada por Diário do Nordeste (@diariodonordeste) em

10:29 · 28.01.2017 / atualizado às 10:29 · 28.01.2017 por

O senador cearense Eunício Oliveira é destaque, neste sábado, na Revista Veja, edição da próxima semana, mas já em circulação, assim como na edição do jornal Folha de S.Paulo, sobre sua eleição para a presidência do Senado, no início da próxima semana, porém já considerada certa, em razão dos acordos firmados.

O site da revista Veja destaca apenas a chamada da matéria. O site da Folha tem a íntegra da entrevista do senador ao jornal:

Eunício Oliveira: “Sei o que fiz e não fiz”

O virtual presidente do Senado diz que não se sente constrangido em assumir o cargo apesar de seu nome constar no rol de investigados da Operação Lava Jato

Se tudo transcorrer como combinado, Eunício Oliveira (PMDB-­CE) será eleito nesta quarta-feira para comandar o Congresso pelos próximos dois anos. O senador é um político que se pode chamar de “tradicional”, sucessor de um projeto de poder também tradicional e conhecido. Ele se elegeu deputado federal em 1998 e, desde 2011, ocupa uma das cadeiras do Senado. Nesse período, aproximou-se de dois exponentes do partido, o senador Renan Calheiros e o ex-senador José Sarney. Junto com o também senador Romero Jucá, Eunício, Renan e Sarney são conhecidos como os “caciques do PMDB” – um grupo que, pela capilaridade e influência, tem o condão de ditar para que lado os ventos da política devem soprar. Em entrevista a VEJA, o senador disse que não teme o fato de seu nome ter sido citado na Lava Jato e que nunca recebeu dinheiro ilegal. Diz que, caso seja eleito, vai ter uma atuação discreta, dedicar-se aos projetos que tratam das reformas econômicas e recuperar a imagem do Parlamento. Disse, ainda, que vai recolocar em discussão o projeto de abuso de autoridade, mas que a anistia ao caixa dois não está na pauta. Afirmou também que o presidente Michel Temer, do seu partido, não lhe pediu nada e que tanto na reforma trabalhista quanto da Previdência conversará com o governo e com as entidades de classe e que fará a reforma possível. “Nada entra no Congresso e sai como entrou”.

Na Folha de S.Paulo

‘No desespero, delatores inventam’, diz Eunício, favorito para Senado

Pedro Ladeira/Folhapress
Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que costurou aliança ampla respeitando o tamanho das bancadas
Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que costurou aliança ampla respeitando o tamanho das bancadas

DÉBORA ÁLVARES
MARINA DIAS
DE BRASÍLIA

Favorito para assumir a presidência do Senado pelos próximos dois anos, Eunício Oliveira (PMDB-CE), 64, avalia que a Operação Lava Jato criou uma prerrogativa de culpa sobre os políticos antes mesmo que se prove o conteúdo das delações premiadas.

Em entrevista à Folha, diz que, em momentos de “desespero”, delatores “criam, inventam e até mentem” para conseguir o benefício ao fechar acordo de colaboração.

Citado pelo ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que o acusa de ter recebido propina, Eunício nega: “sei o que não fiz”.

Folha – O sr. construiu ampla aliança. Como atender a partidos tão antagônicos, como PT e PSDB?
Eunício Oliveira – A costura foi feita com cada partido, respeitando o espaço e o direito adquirido nas urnas: a proporcionalidade. Se tiver essa compreensão de que a regra é para todos, pode não agradar a todos, mas você aceita.

O sr. participou do acordão que fatiou o julgamento do impeachment e permitiu que Dilma Rousseff mantivesse seus direitos políticos. Isso foi negociado para que o PT apoiasse a sua eleição?
Isso nunca foi tratado, nem com o presidente Lula. Conversei com o líder do PT [Humberto Costa], com Jorge Viana (PT-AC), Paulo Rocha (PT-BA), inclusive com Lindbergh (PT-RJ), dizendo: “não misturem as coisas. Aqui é o espaço que vocês conquistaram nas ruas e quero preservar”.

Se isso não estava na negociação e Temer não concordava com o fatiamento, porque o sr. participou do acordo?
Temer poderia ter um ponto de vista diferente do meu. A disputa política é uma posição do PT. Quem está no governo é o meu partido. Não há nenhum compromisso de silêncio, de votação de matéria. Não vou pedir a eles e eles não me devem nada.

O sr. faz parte de um grupo que controla o Senado há anos, com Renan Calheiros, José Sarney e Romero Jucá. Propõe alguma mudança?
Se eu tivesse que ser de algum grupo [no PMDB], seria da Câmara. O presidente Renan tem um estilo. O meu jeito já foi demonstrado por onde passei. O Senado não pode ficar batendo carimbo. Durante cinco anos, não houve diálogo com a Câmara.

Esse ano haverá muitos projetos e decisões polêmicas, por exemplo, o de abuso de autoridade. O sr. concorda?
Presidente não vota. Mas quem vai defender abuso de autoridade? Aquele momento era adequado, a discussão era aquela, houve diálogo com outro Poder? Não tenho nenhum problema em procurar o procurador-geral da República [Rodrigo Janot], a associação de procuradores, o STF para dialogar.

O sr. defende qual perfil para o novo ministro do STF, no lugar de Teori Zavascki?
O momento exige um nome que tenha o perfil parecido daquele que não está mais entre nós [Teori Zavascki], mas que se notabilizou exatamente pelo respeito ao Direito e à Constituição.

Renan defendeu a indicação do ministro Alexandre de Moraes (Justiça) para a vaga de Teori Zavascki.
Renan tem a opinião dele. Prefiro não me manifestar porque a escolha é prerrogativa do presidente Temer.

Moraes tem perfil político, é filiado ao PSDB, integrante do governo e apoiado por partidos.
Ele também é um perfil técnico, não é? A Justiça é um ministério técnico.

Há divergências sobre o processo de escolha do novo relator da Lava Jato. Como o sr. acha que a presidente da Corte, Cármen Lúcia, deve proceder?
Não conheço o regimento do STF. O fato de Temer achar que tem que escolher [o novo ministro] depois da escolha do relator, é posição dele. O meu compromisso é com a celeridade.

O sr. teme se tornar réu na Lava Jato e o STF decidir que, por isso, não poderá ocupar a linha sucessória da Presidência da República?
Não sou investigado. Sei o que fiz e o que não fiz. Tenho tranquilidade em relação a qualquer citação [a meu nome na Lava Jato]. Porque as pessoas, numa hora dessas de desespero, falam e ninguém pode impedir.

Para conseguir o benefício da delação premiada elas precisam provar o que falam.
Mas isso é lá na frente. As pessoas criam, inventam e até mentem para poder ter o benefício da delação. Não posso impedir que a pessoa fale ou cite nada.

O sr. é acusado pelo ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho de ter recebido R$ 2,1 milhões em propina para aprovar MP de interesse da empreiteira. Recebeu esse dinheiro?
A MP 613. Não fui presidente da MP, não fui líder, vice-presidente, relator, não fiz uma emenda supressiva ou aditiva…

Mas ele alega que a influência que o sr. tinha ajudava.
Raciocine um pouquinho: você não me conhece, nunca me viu, como eu te estuprei?

O sr. não conhece Cláudio Melo Filho?
Conheço porque moro em Brasília, de encontrar em avião e restaurante. Não é relação de amizade. Uma história qualquer um conta. Quero provas de que recebi o dinheiro.

Cláudio Melo Filho diz que Ricardo Augusto, seu sobrinho, foi ao escritório da Odebrecht para entregar “a senha e o local” onde os pagamentos seriam realizados.
Isso não aconteceu. Ir em empresas para pedir contribuições era regra. Cadê a entrega desse dinheiro? Quem recebeu? Quero que alguém diga ‘entreguei para o Eunício’. Sei o que não fiz e quero tranquilizar meus pares em relação a isso.

 

 

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs