Busca

Categoria: Presidência do Senado


10:29 · 28.01.2017 / atualizado às 10:29 · 28.01.2017 por

O senador cearense Eunício Oliveira é destaque, neste sábado, na Revista Veja, edição da próxima semana, mas já em circulação, assim como na edição do jornal Folha de S.Paulo, sobre sua eleição para a presidência do Senado, no início da próxima semana, porém já considerada certa, em razão dos acordos firmados.

O site da revista Veja destaca apenas a chamada da matéria. O site da Folha tem a íntegra da entrevista do senador ao jornal:

Eunício Oliveira: “Sei o que fiz e não fiz”

O virtual presidente do Senado diz que não se sente constrangido em assumir o cargo apesar de seu nome constar no rol de investigados da Operação Lava Jato

Se tudo transcorrer como combinado, Eunício Oliveira (PMDB-­CE) será eleito nesta quarta-feira para comandar o Congresso pelos próximos dois anos. O senador é um político que se pode chamar de “tradicional”, sucessor de um projeto de poder também tradicional e conhecido. Ele se elegeu deputado federal em 1998 e, desde 2011, ocupa uma das cadeiras do Senado. Nesse período, aproximou-se de dois exponentes do partido, o senador Renan Calheiros e o ex-senador José Sarney. Junto com o também senador Romero Jucá, Eunício, Renan e Sarney são conhecidos como os “caciques do PMDB” – um grupo que, pela capilaridade e influência, tem o condão de ditar para que lado os ventos da política devem soprar. Em entrevista a VEJA, o senador disse que não teme o fato de seu nome ter sido citado na Lava Jato e que nunca recebeu dinheiro ilegal. Diz que, caso seja eleito, vai ter uma atuação discreta, dedicar-se aos projetos que tratam das reformas econômicas e recuperar a imagem do Parlamento. Disse, ainda, que vai recolocar em discussão o projeto de abuso de autoridade, mas que a anistia ao caixa dois não está na pauta. Afirmou também que o presidente Michel Temer, do seu partido, não lhe pediu nada e que tanto na reforma trabalhista quanto da Previdência conversará com o governo e com as entidades de classe e que fará a reforma possível. “Nada entra no Congresso e sai como entrou”.

Na Folha de S.Paulo

‘No desespero, delatores inventam’, diz Eunício, favorito para Senado

Pedro Ladeira/Folhapress
Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que costurou aliança ampla respeitando o tamanho das bancadas
Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que costurou aliança ampla respeitando o tamanho das bancadas

DÉBORA ÁLVARES
MARINA DIAS
DE BRASÍLIA

Favorito para assumir a presidência do Senado pelos próximos dois anos, Eunício Oliveira (PMDB-CE), 64, avalia que a Operação Lava Jato criou uma prerrogativa de culpa sobre os políticos antes mesmo que se prove o conteúdo das delações premiadas.

Em entrevista à Folha, diz que, em momentos de “desespero”, delatores “criam, inventam e até mentem” para conseguir o benefício ao fechar acordo de colaboração.

Citado pelo ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que o acusa de ter recebido propina, Eunício nega: “sei o que não fiz”.

Folha – O sr. construiu ampla aliança. Como atender a partidos tão antagônicos, como PT e PSDB?
Eunício Oliveira – A costura foi feita com cada partido, respeitando o espaço e o direito adquirido nas urnas: a proporcionalidade. Se tiver essa compreensão de que a regra é para todos, pode não agradar a todos, mas você aceita.

O sr. participou do acordão que fatiou o julgamento do impeachment e permitiu que Dilma Rousseff mantivesse seus direitos políticos. Isso foi negociado para que o PT apoiasse a sua eleição?
Isso nunca foi tratado, nem com o presidente Lula. Conversei com o líder do PT [Humberto Costa], com Jorge Viana (PT-AC), Paulo Rocha (PT-BA), inclusive com Lindbergh (PT-RJ), dizendo: “não misturem as coisas. Aqui é o espaço que vocês conquistaram nas ruas e quero preservar”.

Se isso não estava na negociação e Temer não concordava com o fatiamento, porque o sr. participou do acordo?
Temer poderia ter um ponto de vista diferente do meu. A disputa política é uma posição do PT. Quem está no governo é o meu partido. Não há nenhum compromisso de silêncio, de votação de matéria. Não vou pedir a eles e eles não me devem nada.

O sr. faz parte de um grupo que controla o Senado há anos, com Renan Calheiros, José Sarney e Romero Jucá. Propõe alguma mudança?
Se eu tivesse que ser de algum grupo [no PMDB], seria da Câmara. O presidente Renan tem um estilo. O meu jeito já foi demonstrado por onde passei. O Senado não pode ficar batendo carimbo. Durante cinco anos, não houve diálogo com a Câmara.

Esse ano haverá muitos projetos e decisões polêmicas, por exemplo, o de abuso de autoridade. O sr. concorda?
Presidente não vota. Mas quem vai defender abuso de autoridade? Aquele momento era adequado, a discussão era aquela, houve diálogo com outro Poder? Não tenho nenhum problema em procurar o procurador-geral da República [Rodrigo Janot], a associação de procuradores, o STF para dialogar.

O sr. defende qual perfil para o novo ministro do STF, no lugar de Teori Zavascki?
O momento exige um nome que tenha o perfil parecido daquele que não está mais entre nós [Teori Zavascki], mas que se notabilizou exatamente pelo respeito ao Direito e à Constituição.

Renan defendeu a indicação do ministro Alexandre de Moraes (Justiça) para a vaga de Teori Zavascki.
Renan tem a opinião dele. Prefiro não me manifestar porque a escolha é prerrogativa do presidente Temer.

Moraes tem perfil político, é filiado ao PSDB, integrante do governo e apoiado por partidos.
Ele também é um perfil técnico, não é? A Justiça é um ministério técnico.

Há divergências sobre o processo de escolha do novo relator da Lava Jato. Como o sr. acha que a presidente da Corte, Cármen Lúcia, deve proceder?
Não conheço o regimento do STF. O fato de Temer achar que tem que escolher [o novo ministro] depois da escolha do relator, é posição dele. O meu compromisso é com a celeridade.

O sr. teme se tornar réu na Lava Jato e o STF decidir que, por isso, não poderá ocupar a linha sucessória da Presidência da República?
Não sou investigado. Sei o que fiz e o que não fiz. Tenho tranquilidade em relação a qualquer citação [a meu nome na Lava Jato]. Porque as pessoas, numa hora dessas de desespero, falam e ninguém pode impedir.

Para conseguir o benefício da delação premiada elas precisam provar o que falam.
Mas isso é lá na frente. As pessoas criam, inventam e até mentem para poder ter o benefício da delação. Não posso impedir que a pessoa fale ou cite nada.

O sr. é acusado pelo ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho de ter recebido R$ 2,1 milhões em propina para aprovar MP de interesse da empreiteira. Recebeu esse dinheiro?
A MP 613. Não fui presidente da MP, não fui líder, vice-presidente, relator, não fiz uma emenda supressiva ou aditiva…

Mas ele alega que a influência que o sr. tinha ajudava.
Raciocine um pouquinho: você não me conhece, nunca me viu, como eu te estuprei?

O sr. não conhece Cláudio Melo Filho?
Conheço porque moro em Brasília, de encontrar em avião e restaurante. Não é relação de amizade. Uma história qualquer um conta. Quero provas de que recebi o dinheiro.

Cláudio Melo Filho diz que Ricardo Augusto, seu sobrinho, foi ao escritório da Odebrecht para entregar “a senha e o local” onde os pagamentos seriam realizados.
Isso não aconteceu. Ir em empresas para pedir contribuições era regra. Cadê a entrega desse dinheiro? Quem recebeu? Quero que alguém diga ‘entreguei para o Eunício’. Sei o que não fiz e quero tranquilizar meus pares em relação a isso.