Edison Silva

Categoria: Promiscuidade


11:57 · 21.10.2017 / atualizado às 11:57 · 21.10.2017 por

É um verdadeiro libelo a entrevista concedida ontem à Folha de S.Paulo, o ex-governador daquele Estado, em que diz ser a Praça dos 3 Poderes, em Brasília, a Praça da “promiscuidade”.

Leia a matéria:

Praça dos 3 Poderes se tornou ágora da promiscuidade, diz Cláudio Lembo

Avener Prado – 23.mar.2016/Folhapress
SAO PAULO, SP, BRASIL, 23-03-2016: Claudio Lembo, governador do Estado de São Paulo na época dos ataques de 2006. PCC 10 ANOS. (Foto: Avener Prado/Folhapress, COTIDIANO) Código do Fotógrafo: 20516 ***EXCLUSIVO FOLHA***
O ex-governador Cláudio Lembo em seu escritório de advocacia, na região da avenida Paulista

JOELMIR TAVARES
DE SÃO PAULO

 
Distante da política, o ex-governador de São Paulo Cláudio Lembo, 83, se vê como um observador neutro da vida pública nacional. Um dos fundadores do PFL (atual DEM) e filiado desde o início ao PSD, o advogado e professor universitário diz estar “isolado do mundo”.

Mas os olhos sob as espessas sobrancelhas dele seguem acompanhando fatos como o impeachment de Dilma Rousseff (do qual discordou) e a nova aventura eleitoral de Geraldo Alckmin (de quem foi vice). Em 2006, Lembo assumiu o governo após o tucano renunciar para tentar a Presidência. O ex-político falou à Folha em seu escritório, na região da avenida Paulista.

*

Folha – Como o sr. vê o Brasil?

Cláudio Lembo – Perdeu-se a compostura. Nós, eleitores, votamos mal e os políticos se portam mal. Ninguém mais tem honra, respeito a si próprio, à imagem na sociedade.

Como se chegou a esse ponto?

É um processo histórico. Nossos políticos sempre foram corruptos, as eleições são muito caras. Quem deformou a eleição foram os marqueteiros. Com as montagens cinematográficas de TV, veio a corrupção generalizada. E os empresários são corruptos tradicionalmente. Desde Mauá.

E a corrupção permanece depois da campanha?

Sim. Depois vem o vício. Antigamente o político abria mão do patrimônio para construir a carreira. Hoje ele se torna rico na política. Tudo isso é parte da deformação brasileira.

Quando concorreu a vice, o sr. identificava isso?

Não, porque eu vim por um caminho externo. Fui indicado para o Geraldo.

O sr. participou dessas conversas de campanha?

Não, nada, nada, nada. O Geraldo é muito fechado. [Ficava tudo centralizado] nele. O tucanato que fez tudo.

Algum partido está a salvo?

Não, ninguém. É um inferno generalizado. Você vê: o PT veio como um partido para salvar. Não há nada mais salvático que o PT, na origem. Uma busca da pureza, unindo a Igreja Católica da Teologia da Libertação, os intelectuais da USP, o operário lutador. E deu nisso que está aí.

O ex-ministro Antonio Palocci comparou o PT a uma seita.

Pode ser uma máfia, mas não uma seita. Seitas têm um líder religioso. Ali tem uma máfia com um líder mafioso.

Que seria quem? Lula?

É Lula. Simpático, porém mafioso. Dominou um grupo.

A pesquisa Datafolha mostra o petista em primeiro lugar na intenção de voto em 2018.

Mas no dia seguinte a pesquisa mostrou que o povo quer ele preso! O Brasil é um país muito incongruente [risos], não “fecha”. É louco.

O que o próximo presidente precisaria fazer?

Primeiro, um grande ministério. Mas aí ele não consegue apoio no Congresso. É aquilo: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. E o Congresso está acostumado ao estilo Temer e ao estilo Lula. Com estilo Dilma, cai! [risos]

O Niemeyer construiu um monstro. A praça dos Três Poderes é a ágora da promiscuidade. O Supremo, o Legislativo e o Executivo, tudo juntinho, todo mundo conversa. O Temer vai falar com o Gilmar [Mendes]. Para quê? Ele é ministro do Supremo, tem que manter imparcialidade total.

Fala-se que o Judiciário age como um ator político e que o Supremo está politizado.

Tem agido muito mal, entrando em assuntos que não são da sua competência. O Supremo está fraco, virou uma casa de surpresas.

O sr. conviveu com Alckmin. De que forma avalia a situação delena disputa presidencial?

Difícil. Ele parte de um Estado que não tem penetração no país. São Paulo é muito paulista. Alckmin precisa conquistar o Brasil profundo.

Como vê as disputas e trocas de farpas dentro do PSDB?

É próprio do partido. É partido de intelectual, falso intelectual, entende? Eles criam conflitos artificiais e vaidades pessoais muito grandes.

O sr. já disse que estamos na mãos de “uma burguesia má, uma minoria branca perversa”.

E continuamos. Tudo igual. Uma parte dela foi para a cadeia e a outra parte continua no comando. A elite branca é a dona do Brasil. É hegemônica, é o vértice da sociedade.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs