Busca

Categoria: Propaganda


09:21 · 22.09.2016 / atualizado às 09:21 · 22.09.2016 por

Por Adriano Queiroz

Assim como já havia acontecido na tarde de terça-feira (20), apenas os candidatos a prefeito Capitão Wagner (PR) e Ronaldo Martins (PRB) trouxeram novas propostas na propaganda eleitoral exibida na televisão ontem. Os dois, respectivamente o quinto e o último a se apresentarem, abordaram temas ainda pouco explorados por seus adversários ao longo da campanha.

No caso de Capitão Wagner, contudo, ele começou tratando de um dos temas prioritários na pauta dos candidatos, que é a questão da saúde. O postulante ao Paço Municipal falou, principalmente, sobre a falta de medicamentos nos postos de saúde da Capital e da demora para a marcação de exames.

No entanto, o republicano acrescentou às discussões mais frequentes sobre saúde a relação do debate com as áreas do saneamento básico e da saúde animal. “A nossa ideia é investir em saneamento básico porque a cada R$ 1 investido em saneamento básico eu economizo R$ 4 em saúde, e a cada R$ 1 que você investe em saúde animal, eu economizo R$ 27 de saúde humana e algumas pessoas não entendem isso. O que a gente está querendo dizer? Se o animal está na rua e está doente, ele está infestando aquele ambiente”.

Já Ronaldo Martins, que encerrou os dois blocos de ontem, conversou com um repórter de televisão, com vendedores ambulantes e clientes de feiras populares, assumindo o compromisso de apoiar tal tipo de comércio e citou especificamente a Feira da José Avelino, no Centro. “A José Avelino, todo sábado e domingo, nós vamos fechar para vocês terem a garantia e o apoio da prefeitura para vocês trabalharem e sustentar a família de vocês”, garantiu.

Outros

Todos os outros seis candidatos repetiram programas exibidos anteriormente. João Alfredo (PSOL) abriu as apresentações repetindo fala sobre a necessidade da implantação de uma nova política cultural. Na sequência, Luizianne Lins (PT) veiculou o mesmo programa da noite de terça, em que citou a própria família e criticou Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner, que lideram as pesquisas.

O atual prefeito destacou a política de habitação implantada na gestão dele, valorizando suas iniciativas para regularização fundiária e o sistema de sorteio para distribuição de novas moradias na Capital.

Gonzaga (PSTU) e Tin Gomes (PHS) repetiram, respectivamente, pela oitava e pela sétima vez seus programas eleitorais. Os dois candidatos estão entre os três que menos arrecadaram até o momento para a campanha. Penúltimo a se apresentar, Heitor Férrer (PSB) exibiu programa que já havia veiculado, no qual fala da trajetória política.

09:05 · 21.07.2014 / atualizado às 09:05 · 21.07.2014 por

As divergências entre lideranças estaduais dos partidos aliados nacionalmente preocupam agora em relação à propaganda eleitoral. O jornal Folha de S.Paulo desta segunda-feira, trás uma informação dos questionamentos levantados em vários estados, inclusive o Ceará, quanto ao entendimento dos candidatos em relação à utilização da imagem dos candidatos à Presidência da República, nas propagandas no horário eleitoral gratuito e nas demais. No Ceará, segundo a matéria do jornal paulista, Eunício acredita que não poderá utilizar a imagem de Aécio Neves na sua campanha, embora aqui esteja aliado ao PSDB de Aécio.

Leia a matéria da Folha de S.Paulo:

 

Alianças nacionais podem travar palanques estaduais

Sem regra clara, exibição de apoio a presidenciável é tema de desavença

Fim da verticalização não deixa claro se candidato pode mostrar na TV e no rádio apoio diverso do plano federal

DIÓGENES CAMPANHA PATRÍCIA BRITTO DE SÃO PAULO

Candidatos a governador que divergem das alianças nacionais de seus partidos ainda não sabem se poderão usar imagens e declarações dos presidenciáveis que apoiam em seus programas eleitorais no rádio e na TV.

Um exemplo prático: um candidato a governador do PTB, partido nacionalmente fechado com Aécio Neves (PSDB), pode usar imagens da presidente Dilma na TV se petebistas e petistas estiverem coligados neste Estado?

Ninguém tem certeza das respostas. As regras não são claras, e políticos, coordenadores de campanha, especialistas e decisões do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) se contradizem sobre o tema.

A dúvida é se o fim da verticalização, regra de 2002 que obrigou partidos a repetirem nos Estados as alianças nacionais, liberou ou não o uso de candidatos a presidente de coligações diferentes nas propagandas estaduais.

O questionamento, hoje, ocorre em ao menos seis Estados. Neles, legendas que integram a coligação de Dilma querem abrir espaço para rivais da petista, como Aécio e Eduardo Campos (PSB).

É o caso, por exemplo, de peemedebistas que já declararam apoio a Aécio no Espírito Santo e no Piauí, e a Campos no Rio Grande do Sul e em Mato Grosso do Sul.

Apesar de seus partidos estarem aliados a Dilma no plano nacional, eles pretendem expor rivais da petista em seus programas eleitorais.

Candidata ao governo gaúcho, a senadora Ana Amélia Lemos, do PP, partido aliado a Dilma, já afirmou que poderá “pintar na testa” o nome de Aécio, se for proibida de usar o tucano em seu programa.

O presidente do PP-RS, Celso Bernardi, diz que consultará a Justiça Eleitoral para saber se é possível divulgar o tucano no rádio e na TV, mas a campanha da senadora usará a imagem dele em panfletos e redes sociais.

A primeira edição de material impresso, no entanto, foi feita sem o tucano. Bernardi afirma que houve atraso no envio de imagens de Aécio, e que as próximas versões terão o presidenciável.

Existe ainda um exemplo inverso. Em Pernambuco, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) teve a candidatura a governador costurada para criar um palanque para Dilma, mas seu partido acabou se aliando a Aécio.

Monteiro Neto invoca o fim da verticalização para dizer que poderá contar com Dilma em seu programa.

Já o presidente nacional do PTB, Benito Gama, mentor do apoio a Aécio, promete confrontar o senador se ele insistir em exibir a petista.

“Se eles botarem o Aécio, não tem problema, mas se botarem a Dilma, sim”, afirma.

DIVERGÊNCIAS

A maioria dos candidatos interessados no tema argumenta que poderá contar com a participação de presidenciáveis rivais de seu partido por estarem coligados a essas siglas em seus Estados.

As exceções são Ivo Sartori (PMDB-RS) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), que acreditam que a Lei Eleitoral não permite que exibam rivais de Dilma.

“Quebraram a verticalização do ponto de vista das alianças, mas não no rádio e na televisão”, diz Eunício.

Mas até especialistas e ministros do TSE divergem.

Em agosto de 2010, o então presidente da corte, Ricardo Lewandowski, liberou a participação de presidenciáveis em programas de candidatos estaduais coligados no plano local, mas rivais no nacional.

“A autonomia assegurada na formação das coligações deve se estender às escolhas para realização da propaganda eleitoral”, disse em seu voto, seguido pela maioria.

Menos de dois meses antes, a corte havia decidido que isso não era permitido.

Agora, o TSE informa que questões sobre o uso de presidenciáveis nas propagandas eleitorais deste ano serão analisadas caso a caso.

“A segurança jurídica em legislação eleitoral é bastante frágil. Se muda a composição do plenário do TSE, muda o entendimento”, diz o advogado Newton Cava, que assessora a campanha de Ivo Sartori no Rio Grande do Sul.

09:25 · 29.01.2013 / atualizado às 09:25 · 29.01.2013 por

As consequências da campanha eleitoral de 2012, em Fortaleza, estão atingindo vários candidatos. Embora o processo de captação de votos tenha sido concluído em outubro do ano passado e a maioria das prestações de contas estejam julgadas, os gastos da campanha continuam aparecendo por intermédio da aplicação de multas eleitorais.
Vários políticos já foram condenados ao pagamento de multa, sendo as sentenças publicadas no Diário Oficial Eletrônico do Tribunal Regional Eleitoral. A edição de ontem, por exemplo, apresenta a intimação do juiz da 82ª zona, Antônio Pádua Silva, para quatro  condenados ao pagamento de multa por propaganda irregular. Cada multa é de apenas R$ 2.000,00 (dois mil reais), mas os processos já transitaram em julgado e se o recolhimento não for efetuado a cobrança a cobrança será feita pela Receita Federal.
O vereador Leonel Alencar Júnior é um dos candidatos intimados. Ele deverá pagar R$ 4.000,00 porque foi condenado em dois processos que tratam de representação interposta pelo Ministério Público Eleitoral. Contra o candidato tramitam outras ações por propaganda irregular. Leonel Alencar pertence aos quadros do Partido Trabalhista do Brasil (PT do B) e foi o 4º candidato mais votado na capital com 14.486 votos.
Benzaliel Constant do Nascimento (Irmão Leo) também foi condenado em dois processos e terá de pagar duas multas no valor de R$ 2.000,00 cada. Ele disputou a reeleição como candidato pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS) e obteve 5.719 votos.
Os outros dois suplentes de vereador, condenados ao pagamento de multa, no valor de R$ 2.000,00 cada, por propaganda irregular, são: Plácido Sobreira Filho que obteve 5.918 sufrágios como postulante pela legenda do Partido Democrático Trabalhista (PDT) e Francisco Valdete Vasconcelos de Araújo que conseguiu 6.497 votos pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

09:27 · 23.11.2012 / atualizado às 09:27 · 23.11.2012 por

Terminou ontem à noite as audiências do prefeito eleito Roberto Cláudio com  vereadores que comporão a Câmara Municipal de Fortaleza na próxima legislatura a ter início no dia 1º de janeiro do próximo ano. Até agora, nenhum dos que conversaram com Roberto Cláudio divulgaram o conteúdo do diálogo que tiveram, mas o vereador Márcio Cruz quebrou esse silêncio e mandou informação sobre a parte da conversa que lohe rende politicamente.

O que o vereador escreveu para os jornalistas:

A NOVA GESTÃO E OS RUMOS DA GUARDA MUNICIPAL DE FORTALEZA 

             O interesse em dialogar com a Câmara de Vereadores e os compromissos com a Guarda Municipal de Fortaleza é pauta da reunião entre o prefeito eleito Roberto Cláudio e o vereador Márcio Cruz

            Em continuidade ao ciclo de conversas com os próximos vereadores de Fortaleza, o prefeito eleito Roberto Cláudio (PSB) recebeu na tarde desta quinta-feira, 22, o vereador Márcio Cruz (PR). Na pauta da reunião o prefeito ressaltou o interesse em manter o diálogo com a Casa Legislativa e os rumos da Guarda Municipal de Fortaleza durante a próxima gestão. 

            Segundo o novo prefeito, logo nos três primeiros meses da futura gestão serão avaliados o aumento salarial da categoria e o concurso para contratação de novos guardas municipais. O armamento do contingente e a reestruturação da Guarda foram outros pontos citados por Roberto Claudio como compromisso para sua administração. Na ocasião o vereador Márcio Cruz entregou ao novo gestor documento com as reinvindicações da categoria, aprovadas em assembleia realizada no último dia 12. Dentre as solicitações, o reajuste de salários e auxílio refeição, além da construção da sede própria da Guarda Municipal de Fortaleza, dentre outras reinvindicações. O prefeito eleito se comprometeu em analisar os pontos sugeridos pela categoria. 

            Márcio Cruz solicitou, ainda, uma intermediação junto à administração estadual para o cumprimento dos acordos entre Estado e militares. Roberto Cláudio se comprometeu em abrir um canal de dialogo entre a categoria e o Governo do Ceará. 

 

21:11 · 24.10.2012 / atualizado às 21:11 · 24.10.2012 por

A emissora geradora da propaganda eleitoral gratuita atualmente é a TV Cidade. Ontem, a estação recebeu uma ordem judicial para suspender a propaganda eleitoral do candidato Roberto Cláudio que contivesse alusão ao ex-presidente Lula e a atual presidente, Dilma Rousseff, atendendo reclamação da coligação do candidato Elmano de Freitas e acabou não veiculando a propaganda em bloco, de dez minutos de duração, gerando uma grande confusão em todo o meio político.

Uma nota da assessoria do candidato Roberto Cláudio disse que a estação interpretou equivocadamente a decisão judicial. Oficialmente, a emissora ainda não se pronunciou. O departamento jurídico do candidato Roberto Cláudio ainda está estudando uma medida judicial para reparar o prejuízo que sua campanha sofreu.

Até agora, está sendo ventilada a ideia de recorrer à Justiça para determinar a transmissão do programa, em cadeia, com todas as outras emissoras de TV de Fortaleza. Outros falam em reparar o prejuízo aumentando o número de inserções publicitárias do candidato.

09:40 · 24.09.2012 / atualizado às 09:40 · 24.09.2012 por

As equipes de fiscalização da campanha eleitoral, em Fortaleza, tiveram um plantão movimentado no último fim de semana. Além das denúncias de supostas irregularidades promovidas por candidatos, partidos políticos, coligações, e até mesmo por cidadãos dando ciência de ilícitos eleitorais, a promotora de justiça da 2ª zona, Valeska Nedehf, deu entrada ontem em um pedido de busca e apreensão de placas, e displays com propaganda eleitoral em praças e ao longo de avenidas, que forem encontradas após às 22 horas.
Esse tipo de propaganda é permitida, mas não deve ser permanente, devendo ser retirada todos os dias, à noite e reposta no dia seguinte, se o candidato desejar. Essa é uma maneira de tornar o espaço disponível a todos, sendo cada local assegurado a quem primeiro chegar.
O juiz coordenador da propaganda, Sérgio Luiz Arruda Parente, informou que ia se reunir com os outros dois juízes que cuidam da propaganda para tratar dessa questão, mas garantiu que providências serão adotadas.
Na Praça Portugal, ontem, foi constatada a existência de algumas peças de propaganda tendo como suporte para resistir a ação do vento, pedras (paralelepípedo) utilizadas na pavimentação do entorno da Praça. Os buracos chegam a prejudicar o fluxo de veículos e, embora não se possa assegurar a causa deles o fato é que alguns paralelepípedos estavam sendo utilizados.
O cartório eleitoral da 2ª zona, onde são processados todos casos de propaganda irregular, recebeu, ontem, várias denúncias. Algumas foram constatadas como é o caso da concentração de eleitores no Colégio Christus e outras não, como uma carreata de táxis, na Rua Frei Mansueto, supostamente promovida pela Candidata Magaly Marques. Embora uma equipe de fiscalização tenha sido deslocada àquela via a carreata não foi encontrada, mas foram apreendidos dois veículos com  som muito elevado. Na Av. Leste Oeste também um “paredão” de som foi encontrado. No sábado vários veículos foram apreendidos com propaganda de candidatos a cargos majoritários e proporcionais. Durante a campanha eleitoral deste ano foram apreendidos vários veículos porque faziam propaganda irregular, sendo a maioria automóveis, mas também foram apreendidos ônibus, paredões de som, um carrinho de mão de reciclador, bicicleta e até um automóvel que será recolhido ao Detran por estar com a documentação irregular e suspeita de ter sido roubado.

18:21 · 24.08.2012 / atualizado às 18:21 · 24.08.2012 por

A juiza Maria das Graças de Almeida Quental, acatou a representação feita pela coligação que apoia a candidatura de Roberto Cláudio (PSB) e mandou tirar do ar a propaganda do candidato Elmano de Freitas (PT), por estar em desacordo com a lei. A decisão já foi encaminhadas às estações de televisão de Fortaleza. Em um determinado trecho diz a magistrada que determina “a retirada da propaganda eleitoral em inser~ção veiculada pelos Representados, com infração às normas em comento, bem como a substituição das midias por outras que veicule propaganda eleitoral em conformidade à legislação eleitoral”.