Busca

Categoria: Protesto


11:28 · 30.07.2018 / atualizado às 11:28 · 30.07.2018 por

Os vereadores compareceram à convocação para a sessão extraordinária desta manhã, embora estivessem gozando o recesso de meio do ano que vai até amanhã, 31 de julho, mas  há dificuldade para a votação da matéria que trata do estabelecimento de um parcelamento de até cinco vezes, para os empreendedores pagarem o valor do alvará de funcionamento do seu estabelecimento.

Um grupo de pessoas, pouco menos de 100, aproximadamente, protesta nas galerias e fora delas, inclusive na avenida em frente ao prédio da Câmara. Dentro eles gritam palavas de ordem e na rua distribuem panfletos aos motoristas e acompanhantes, além de proferirem discursos contra o prefeito e vereadores.

Um dos manifestantes, mais entusiasmado, dizia em sua fala que no plenário da Câmara. naquele momento, tinha “vereador que tem cabeça apenas para dividir as orelhas”. Os manifestantes não querem o parcelamento. Eles querem é a redução do valor que atualmente está sendo cobrado pelo documento.

 

08:50 · 15.03.2018 / atualizado às 08:50 · 15.03.2018 por

Por Renato Sousa

A decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (AL-CE)  de arquivar o pedido de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o narcotráfico no Estado. De acordo com os parlamentares, o colegiado seria importante para identificar os responsáveis por trazerem armas e drogas para ao Estado.

O primeiro a tocar no assunto foi o vereador Daniel Borges (PR). “Isso aqui não é uma questão política. Esse assunto é importante, e não pode ser tratada como um tema do partido de fulano. É importante ser debatido isso”, diz. O parlamentar declara que há a ideia de que a CPI teria fins eleitoreiros, mas ele lembra que ela não foi protocolada este ano. “Foi pedida bem antes. Mas se foi levando, levando e levando. Agora, está aí”, apontou.

O republicano criticou a decisão do presidente da AL-CE, Zezinho Albuquerque (PDT), de realizar seminário sobre o tema no lugar de instalar o colegiado. “Vamos voltar para a mesma coisa, sem ações mais concretas?”, questiona. Ele também afirma que o Estado ainda investe pouco no enfrentamento ao crime, citando levantamento do jornal O Globo que aponta o Ceará como o 25º Estado do País em investimento por habitante na área.

O primeiro secretário da Casa, Idalmir Feitosa (PR), também lamentou a decisão, que ele classificou como “nefasto comportamento dos líderes partidários da AL-CE”. O republicano declarou não crer que esse fosse o desejo de Zezinho. Entretanto, ele teria sido obrigado a aceitar a decisão da maioria dos líderes partidários. “Mas o povo vai acordar. O dia 15 de outubro está chegando”, disse, aludindo ao dia da eleição.

Outro parlamentar que também tocou no assunto foi Luiz Gadelha (PPS). “Será que as famílias que tiveram seus filhos mortos no Forró do Gago não merecem uma CPI?”, questiona, relembrando a Chacina das Cajazeiras, ocorrida no começo do ano. O parlamentar fez alusão à fala do líder do governo da AL-CE, Evandro Leitão (PDT), que disse temer retaliações do crime e que, por isso, não apoiaria a criação do colegiado. “Quando a gente vira homem público, não tem só bônus”, diz. Segundo ele, os riscos de assinar o pedido de CPI faria parte do ônus.

 

15:11 · 21.02.2018 / atualizado às 15:11 · 21.02.2018 por

O deputado Heitor Férrer (PSB) ressaltou, hoje, da tribuna da Assembleia, cortes feitos pelo Governo Federal nos recursos que seriam enviados para o Ceará, principalmente, na área da Segurança. O contingenciamento ocorreu após o presidente Michel Temer (MDB) ter enviado uma força-tarefa para ajudar o Estado a combater a criminalidade.

“O corte de R$ 18 milhões na Segurança não fica só nesses valores, entre os cortes no Ceará, o mais significativo, é o da Universidade Federal do Ceará que perdeu R$ 36 milhões, é como se fosse um assassinato da nossa universidade pública. A construção da Fiocruz, cantado em verso pelo Governo do Estado, também teve cancelamento da verba de R$ 13,8 milhões. Onde estão nossas lideranças? Estou cobrando dos senadores”

12:19 · 18.02.2018 / atualizado às 12:19 · 18.02.2018 por

Registra a coluna Política do jornal paulista Estadão, deste domingo, que o senador Eunício Oliveira, presidente do  Congresso Nacional, declinou de convites do presidente Michel Temer, para participar de dois eventos relacionados ao episódio da intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro, também como forma de protesto pelo fato de o Governo Federal não ter mandado a força tarefa de inteligência da Polícia Federal ao Ceará, como Temer havia prometido a ele e ao governador Camilo Santana, logo após as chacinas do fim de janeiro que mataram 24 pessoas no Ceará.

09:49 · 04.10.2017 / atualizado às 09:49 · 04.10.2017 por

Por Letícia Lima

O Plano Estratégico de Desenvolvimento de Longo Prazo – Ceará 2050, lançado pelo Governo do Estado, nesta semana, cujo objetivo é traçar metas com foco no desenvolvimento econômico e na melhoria da prestação de serviços para a população, entrou na pauta de discussão de alguns deputados ontem, na Assembleia Legislativa. De um lado, aliados do governador Camilo Santana (PT) exaltaram que esse projeto será o pontapé de uma “fase de prosperidade” para o Ceará, do outro, a oposição questionou quais são as ações planejadas para o Estado em 2017, diante de problemas nas áreas da saúde e da segurança pública.

Cumprindo promessa de campanha, o projeto Ceará 2050, que ficará sob a coordenação da Universidade Federal do Ceará (UFC) e de outros centros acadêmicos, realizará nessa primeira etapa um diagnóstico sobre o Estado nas dimensões social, econômica, ambiental, territorial e de governança. A ideia do governador Camilo Santana é deixar um legado para as futuras administrações.

Em seu pronunciamento, o deputado Doutor Santana (PT) destacou que, para elaborar um planejamento a curto, médio e longo prazo, é preciso o Estado analisar os resultados alcançados pelos programas e projetos realizados no passado, “independente do governante”. Santana acredita que o projeto “servirá para dar condições ao Estado de entrar numa fase de prosperidade mais acelerada à luz de uma realidade bem estudada”, em prol do crescimento do estado.

É um grande equívoco você querer fazer a discussão do desenvolvimento do Estado sem ter o conhecimento de tudo o que já foi feito de bom no nosso Estado e, obviamente, que tem que identificar as dificuldades que tivemos no passado e que foram empecilhos para a realização de determinadas políticas públicas. O Complexo Portuário do Pecém, por exemplo, que foi pensado no passado pelo governador Tasso Jereissati e muito criticado na época, hoje é capaz de fazer com que o Ceará saia de um estado precário e se coloque como um estado que vai ter uma indústria de grande porte. Então quando a gente vai debater um projeto estratégico, a gente tem que ter a capacidade de enxergar aquilo que foi feito independente do governo que estava na época”.

Por outro lado, o deputado Heitor Ferrer (PSB) chamou a atenção de seus pares na tribuna da Casa para a situação do Ceará de hoje e cobrou do governador ações urgentes. Na avaliação do parlamentar, o projeto, que é inspirado no Fortaleza 2040, idealizado pelo prefeito Roberto Cláudio (PDT), é uma estratégia para “tentar ao final de quatro anos mostrar ao povo cearense a que veio”.

A taxa de homicídios no Ceará cresceu 87% em julho, com 479 cearenses assassinados. Nós não temos condições de sair de um quarteirão pro outro sem medo de morrer e estamos idealizando o Ceará pra 2050? O Ceará acumula 60% dos casos de chikungunya. Governador, é importante linha área pra Paris e pra Amsterdãm, voo pra Jericoacoara, mas a Santa Casa de Misericórdia perdeu repasses de R$ 360 mil. Sabe quanto o Ceará gasta só com energia, com o Centro de Formação Olímpica? Gasta R$ 130 mil pra nada, não se formou um atleta lá”.

Em seguida, o líder do governo na Casa, deputado Evandro Leitão (PDT) subiu à tribuna e chamou de “pequenez de pensamento” a fala do colega. Para ele, não tem como falar do hoje sem saber como será o futuro e justificou dizendo que, muitos dos problemas enfrentados no Estado, ocorreram, justamente, por falta de planejamento no passado.

Nós devemos fazer política com o ‘p’ maiúsculo, criticando sim, o homem público tem que aceitar as críticas, mas criticar um planejamento que está se querendo fazer? Isso eu estou vendo pela primeira vez nesse pouco tempo de mandato. Isso se chama política de estado, não de governo. A saúde do nosso País está como está hoje, porque não houve planejamento. Temos que melhorar muito na área da saúde, mas para isso precisamos fazer o básico, que é educar. Através do planejamento teremos um estado desigual, com políticas públicas voltadas para diminuir a desigualdade”, defendeu.

10:49 · 27.09.2017 / atualizado às 11:03 · 27.09.2017 por

A deputada Silvana Oliveira (PMDB), que faz parte da bancada evangélica da Assembleia Legislativa, subiu à tribuna na manhã de hoje (27), para rebater críticas em relação à participação de evangélicos na Política.

Apesar de saber que existem parlamentares que, mesmo sendo praticantes da religião, são a “favor da corrupção”, Silvana afirmou que, “felizmente existem na Câmara Federal aqueles que lutam bravamente” pelas investigações.

A peemedebista faz referência à segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e ministros do governo federal, enviada à Câmara dos Deputados, e rechaça acordos entre os deputados para “proteger” suspeitos por envolvimento em corrupção, mesmo que sejam do seu partido.

“Meu inimigo é aquele que de forma perversa procura disseminar uma fama, má fama de todos os parlamentares evangélicos a fim de que nenhum de nós consiga chegar até aqui. Abro a boca e digo que tem federal lá que não sujou suas vestes, que dissera continuem sim a investigação, como o pastor Sóstenes.”

07:54 · 07.10.2016 / atualizado às 07:54 · 07.10.2016 por

Por Suzane Saldanha

Na véspera da reunião do Partido dos Trabalhadores, marcada para hoje, que irá decidir sobre o posicionamento da sigla no segundo turno da Capital, ontem, vereadores petistas criticaram os políticos que não fazem questão do apoio do PT. As declarações foram feitas um dia após Roberto Cláudio (PDT), que tenta reeleição, chamar de “especulações” qualquer notícia antecipada sobre apoio do PT à sua candidatura.
Na quarta-feira, o pedetista salientou ainda não ter ocorrido conversa entre a sigla petista e o PDT ou entre seus assessores de campanha e o partido da candidata derrotada Luizianne Lins. Na quarta, na Câmara Municipal, Acrísio Sena se antecipou dizendo que votaria em Roberto Cláudio.
Ontem, por sua vez, Guilherme Sampaio, um membros da sigla que defende a responsabilidade do PT em se posicionar e critica a candidatura de Capitão Wagner (PR), apontou o “fenômeno” de alguns candidatos não fazerem questão do apoio do PT neste segundo turno. Segundo ele, o partido também não faz questão de estar ao lado “de certas candidaturas” e avalia a “menor desgraça”.
“Eu estou assistindo um fenômeno nesse segundo turno, alguns candidatos dizendo que não querem foto com Lula, que não querem estar ao lado do PT e o PT também não faz questão nenhuma de estar ao lado de alguns candidatos”, destacou.
Ele lembrou que há alguns meses alguns políticos imploravam para fazer “selfie” com Lula e insistiam para deputado federal José Guimarães (PT) os receberem para tratar de assuntos de interesse do Ceará nos ministérios.
De acordo com Guilherme, o Partido dos Trabalhadores tem a responsabilidade política de avaliar o posicionamento no segundo turno para escolher a “menor desgraça” no processo eleitoral. O parlamentar ressaltou que o apoio não está ligado a interesses políticos.
“Se a gente achar que uma desgraça é maior que a outra, vamos escolher a menor desgraça. Quem estiver achando que o PT quer apoiar A ou B, porque quer ser secretário de alguém ou estar a base, se dependesse da nossa intenção a gente não votava em ninguém, mas a gente tem responsabilidade e nós faz escolher a desgraça menor, se for preciso”, declarou.
Reforçando a fala de Guilherme, Ronivaldo Maia, líder da oposição, afirmou que os “concorrentes” precisam pensar bem em como tratar o Partido dos Trabalhadores neste momento. Ele salientou os 15% de votos na cidade alcançados pela candidata Luizianne Lins (PT).
“Se há algo que o PT tem ao longo de uma construção de mais de 30 anos é senso de responsabilidade, orgulho dos seus posicionamentos e a certeza que nós não devemos nada a ninguém”, afirmou.
Ronivaldo ainda destacou que o partido não tem pressa para escolher seu posicionamento de apoio no segundo turno, e, por isso, adiou a reunião de quarta-feira para hoje. “O PT vai deliberar na sua hora”, disse.
O parlamentar garantiu que o partido compartilha da opinião que nenhum voto deve ser para o Capitão Wagner (PR).

09:23 · 18.05.2016 / atualizado às 09:23 · 18.05.2016 por

 

Por Suzane Saldanha

 

Vereadora Toinha Rocha critica a escolha do ministério de Temer FOTO: Fabiane de Paula
Vereadora Toinha Rocha critica a escolha do ministério de Temer FOTO: Fabiane de Paula

Em pronunciamento na Câmara Municipal de Fortaleza, ontem, a vereadora Toinha Rocha (Rede) analisou as primeiras ações do governo do presidente interino Michel Temer, como a reforma ministerial e medidas relacionadas a possíveis elevações de impostos.
Toinha criticou que dos 23 ministros escolhidos pelo menos sete contam seus nomes ligados à Operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na Petrobras, citando Romero Jucá (PMDB-RR), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), Eliseu Padilha e Moreira Franco.
Ela ainda lamentou a exclusão de mulheres para assumir cargos do primeiro escalão, o que mostraria claramente que na visão do governo a mulher teria que ser bela, recatada e do lar. “Passado quase uma semana da posse de Michel Temer já vemos com bastante clareza a face desse governo interino e o que não será prioridade nessa gestão. Isso me causa uma inquietação preocupante”, afirmou.
Além da reforma ministerial, Toinha apontou como preocupante a clara sinalização do aumento de impostos e mudanças no regime da previdência social. “Lutamos por igualdade de gênero no dia a dia, pois se na sociedade injusta em que vivemos um trabalhador homem, ao sair da casa, mata um leão por dia, a mulher tem que matar dois leões, pois além das dificuldades cotidianas, nós mulheres temos que lidar com o machismo enraizado na sociedade. E isso se refletiu nas indicações do novo governo”, declarou.
Toinha Rocha finalizou repudiando o governo Temer por suas primeiras ações e apontando que apenas 4% da população apoia o governo interino. Ela salientou ainda que 96% dos brasileiros não se sentem representados pelo governo comandado por Michel Temer.

07:56 · 27.04.2016 / atualizado às 07:56 · 27.04.2016 por

Por Suzane Saldanha

 

O vereador Guilherme Sampaio criticou os deputados federais que votaram a favor do impeachment
O vereador Guilherme Sampaio criticou os deputados federais que votaram a favor do impeachment

Os desdobramentos e a repercussão negativa da votação na Câmara dos Deputados na abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) foram observados, ontem, pelo vereador Guilherme Sampaio (PT). Segundo ele, a sociedade brasileira conseguiu distinguir o gesto irresponsável praticado pelos deputados federais no último dia 17.
De acordo com Guilherme Sampaio, o comportamento dos deputados federais causou uma desmoralização da Câmara dos Deputados com uma repercussão negativa para os representantes. O parlamentar apontou ser praticamente consensual a repercussão negativa da atitude dos parlamentares que votaram sem fazer referência aos objetos submetidos a julgamento.
“A sociedade brasileira começa a distinguir claramente as consequências do gesto irresponsável praticado pelas forças políticas que no Congresso Nacional tentam acobertar os crimes praticados por Eduardo Cunha”, afirmou.
O parlamentar apontou que a sociedade brasileira assistiu, no último dia 17, justificativas estapafúrdias que geraram vergonha em razão do nível dos argumentos utilizados pelos deputados federais. Sampaio atestou que eles deveriam ter agido como juízes na ocasião.
“A primeira é a desmoralização da Câmara dos Deputados, é quase consensual a imensa repercussão negativa o posicionamento dos parlamentares”, disse.
Guilherme alertou ainda que a votação para a abertura do processo de impeachment gerou um outro aspecto a ser observado que é a abertura de espaço para o fascismo, a opressão e a violência na sociedade. Para ele, o comportamento dos deputados federais alimenta esse aspecto.
Reforçando o posicionamento, o vereador voltou a criticar a justificativa de voto do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que homenageou um torturador da ditadura militar durante a votação. “A sociedade brasileira sentiu vergonha do nível e dos argumentos utilizados dos deputados que ali deveriam agir como juízes”, apontou.

09:34 · 21.12.2015 / atualizado às 09:34 · 21.12.2015 por

Por Miguel Martins

Representantes da Associação de Médicos Residentes do Ceará estiveram, na última semana, na sede da Assembleia Legislativa para pedir apoio aos deputados, visando à melhoria dos profissionais de Saúde no Estado. Depois de reunião com parlamentares, a categoria foi informada que o secretário da Saúde, Henrique Javi, será convocado para prestar esclarecimentos sobre a situação de equipamentos públicos com falta de material básico para funcionamento.
 
De acordo com Clara Saker, médica residente de pediatria do Hospital Walter Cantídio, no momento, insumos básicos, como gases, vacinas e esparadrapos, estariam em falta em algumas unidades de Saúde. “Tem pessoal, tem equipamento, mas falta um tubo ou reagente. Dessa forma, não tem como a gente fazer uma saúde de qualidade”.
 
No dia 26 de novembro, residentes paralisaram atividades. O deputado Bruno Gonçalves (PEN), que é médico e participou do encontro com outros nove parlamentares, diz que a reclamação dos profissionais não é por melhoria salarial, alegando que o pagamento dos residentes chega a R$ 2.600 mensais.
 
“Eles querem ter direito aos insumos para praticar melhor a medicina. Querem que não falte gases, luvas, anestésicos e médico para operar o paciente. Todo médico concursado vai sair e o serviço ambulatorial vai parar. Já avisei ao Javi e já levei essa demanda para o secretário Élcio Batista”, ressaltou.
 
Diálogo
 
O secretário estadual de Relações Institucionais, Nelson Martins, relatou que desconhecia a paralisação das atividades dos residentes e disse que entraria em contato com os secretários Élcio Batista e Henrique Javi para que os profissionais de Saúde sejam ouvidos pela gestão. “Vou conversar com os secretários para que eles tenham um diálogo com a categoria”, ressaltou.
 
Johann Vargas, que representou a Associação no encontro, afirmou que a situação da Saúde é crônica, citando denúncias de casos de mortes no Hospital Geral de Fortaleza por falta de material básico para procedimentos. “Somos 500 médicos residentes e nós, do movimento local, entramos em paralisação no dia 26 de novembro e, em nível nacional, no dia 8 de dezembro. Todos os médicos residentes no Ceará estão envolvidos”, assegurou.
 
Os representantes da Associação dos Médicos Residentes entregaram aos deputados uma cópia de um documento denominado Carta Ceará, em que citam a pauta de reivindicações e as unidades que estão passando por necessidades estruturais.