Edison Silva

Categoria: PT e PSB


19:42 · 22.09.2013 / atualizado às 19:42 · 22.09.2013 por

por Lorena Alves

Derrotado nas últimas eleições municipais de Fortaleza, o Partido dos Trabalhadores (PT) enfrenta hoje mais uma crise de disputa de poder entre os próprios correligionários, divididos em correntes divergentes e separados por uma aliança com o PSB do governador Cid Gomes. Para cientistas políticos ouvidos pelo Diário do Nordeste, o partido só verá seu destino desenhado no cenário eleitoral de 2014 após as intensas negociações no âmbito nacional, embora reconheçam que o que poderia ser um trunfo para a legenda – uma possível candidatura ao Governo Estadual – tem se mostrado cada dia mais inviável.

De acordo com a professora de ciência política Carla Michelle, da Faculdade Integrada do Ceará (FIC), apesar de a ex-prefeita Luizianne Lins – presidente estadual da legenda até fevereiro próximo – ainda possuir capital político, a inclinação do PT é manter a aliança com o Governo do Estado, mesmo contra a opinião da dirigente. “A tendência é que haja um isolamento da Luizianne. Desde o início, com a candidatura do Elmano, que foi unilateral, que não foi apoiado pelas outras correntes, já se esperava isso. Desagradou muito o partido e fez com que ela se isolasse no PT”, argumenta.

O cientista político Rosendo Amorim, professor da Universidade de Fortaleza, faz coro à hipótese de desgaste da imagem de Luizianne no PT. “Ela quis dar um salto maior do que a perna. Tinha chance de ganhar a eleição, mas quis demonstrar que tinha poder político muito grande – e de fato tinha – mas não levou a eleição”, avalia.

Apesar de algumas lideranças petistas levantarem a possibilidade de candidatura própria ao Governo do Estado, especialistas ressaltam que, pelo momento político, o mais esperado é que eles sigam o candidato do governador Cid Gomes. “Há figuras importantes, não sei se com potencial de concorrer a governador do Estado. Quadros o partido tem, mas não tem interesse. Para eles, é mais interessante manter o apoio ao PSB na condição de ganhar o Senado”, comenta.

Na última sexta-feira, Luizianne Lins declarou que foi convidada pelo PSB a ser candidata a governadora pela sigla no próximo ano e chegou a defender que o PT saia com um postulante ao Governo do Estado. Em entrevista, ela disse que iria conversar com os correligionários sobre o convite e não descartou a adesão ao partido de Cid Gomes.

Senado

Conforme comentários que extrapolam os bastidores, o deputado José Guimarães é um provável nome do PT à vaga no Senado em 2014. O petista tem deixado claro o interesse pelo cargo. Na visita do presidente nacional do partido, Rui Falcão, a Fortaleza, no último dia 12, Guimarães não escondia a satisfação ao ser chamado de senador pelos aliados. Na última visita de Dilma Rousseff ao Ceará, a presidente da República se confundiu e chamou o deputado de senador. Na ocasião, ele foi à rede social Twitter e registrou a gafe.

Para Rosendo Amorim, mesmo com a capilaridade da sigla, o PT não tem condições de lançar candidatura ao Executivo estadual no próximo ano. “A possibilidade de o PT sair com candidato majoritário é despropositada. Nem o Lula consegue eleger alguém aqui. Para o Senado, é mais viável”. E completa: “O fato de o grupo do Cid ter ganhado a Prefeitura (de Fortaleza) e estar no Estado há sete anos dificulta a situação do PT. Acho difícil o PT fazer governador, não vejo nome para eleger governador”.

Se para PT e PSB já é difícil o entendimento – tendo em vista a ala petista que é contra o projeto pessebista – outro fator é determinante no pleito de 2014: o PMDB. Segundo Rosendo Amorim, há especulações de que o candidato a governador do ex-presidente Lula seja o senador peemedebista Eunício Oliveira. Partindo dessa premissa, o PT teria de optar por seguir um possível candidato do PSB ou apoiar o PMDB, que hoje é alvo de controversas no Governo Federal, embora um setor do PT defenda a manutenção da aliança.

“A variável complicadora é o PMDB. Há uma incerteza em relação à manutenção entre PMDB e PT. O PMDB vai de acordo com as arestas de poder. O que vem sendo falado nos bastidores é que o candidato do Lula é o Eunício”, arrisca o especialista. A professora Carla Michele discorda da hipótese: “Eunício é uma figura que tem vida própria. Acredito que o PT se mantenha ligado ao PSB, principalmente se o Eunício for candidato”.

Prejuízo

Para a cientista política Carla Michelle, a divisão vivenciada hoje no partido – o diretório estadual é aliado do PSB e o municipal, não – faz parte da formação da sigla, historicamente composta por inúmeras tendências ideológicas. “O PT sempre apresentou essa característica de divisão e cisão interna. Na primeira eleição da Luizianne, ela não contava com o apoio do PT. O apoiado era o Inácio (Arruda). O prejuízo maior é do ponto de vista ideológico, já que algumas bandeiras foram abandonadas”, pondera.

Já o professor Rosendo Amorim afirma que as diferenças de postura entre os correligionários não podem interferir no projeto político da sigla. “As divergências devem e podem existir, mas as pessoas que fazem os partidos, principalmente os caciques que têm o poder nas legendas, precisariam avaliar com mais acuidade até onde os seus interesses pessoais e objetivos não estão atrapalhando o projeto maior do partido”, declara.

Para o cientista político Hermano Ferreira, docente da Universidade Estadual do Ceará, a instabilidade entre os líderes cearenses pode enfraquecer o poder de barganha do Estado no âmbito nacional. “O receio é de as lideranças se esfacelarem muito e o Estado que acaba perdendo, com a redução da representação no cenário nacional”, destaca.

Rosendo Amorim opina que o governador Cid Gomes deverá ficar ao lado da presidente Dilma Rousseff no pleito de 2014, mesmo com uma provável candidatura do presidente nacional da sigla, Eduardo Campos, à presidência da República. Na última quarta-feira, Cid foi voto vencido na reunião do partido que deliberou pela entrega dos cargos do PSB do Governo Federal.

O especialista acrescenta que a indicação de Ciro Gomes à Secretaria da Saúde é uma sinalização do governador Cid Gomes de apoio à presidente Dilma, através do fortalecimento do programa Mais Médicos. Na avaliação do professor, o incremento de médicos nos municípios deverá ser cabo eleitoral da reeleição de Dilma. Alguns aliados de Cid comentam, nos bastidores da Assembleia Legislativa, que o governador cearense estará ao lado do PT em 2014, mesmo que fazendo “campanha branca”.

11:36 · 08.02.2013 / atualizado às 11:36 · 08.02.2013 por

O encontro nacional do Partido dos Trabalhadores marcado para o último dia deste mês, em Fortaleza, dará espaço para duas lideranças do PSB, o vice-presidente nacional da agremiação e ao governador Cid Gomes. Esta informação abre a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo, edição de hoje. A nota não faz referência à participação da ex-prefeita Luizianne Lins, defensora do rompimento da aliança entre o PT e o PSB cearense.

Textualmente é este o registro na coluna do jornal paulista: “O PT aproveitará as primeiras caravanas de Lula pelo país, com início previsto para o fim do mês, para afagar aliados do ex-presidente que ensaiam voo solo em 2014 e representariam ameaça à coalizão reeleitoral de Dilma Rousseff. O seminário inaugural dos dez anos do partido à frente do governo federal, que deve ocorrer no dia 28, em Fortaleza (CE), terá espaço para dois dos expoentes nacionais do PSB: o vice-presidente da sigla, Roberto Amaral, e o governador Cid Gomes”.

 

17:07 · 09.09.2012 / atualizado às 17:07 · 09.09.2012 por

Os governadores Cid Gomes e Eduardo Campos, abos do PSB, o segundo presidente nacional da sigla, aceitaram o convite do ex-presidente Lula para participarem, em São Paulo, no próximo dia 16, de um comício em apoio à candidatura de Hadda à Prefeitura da Capital paulista, com a finalidade de atraírem os nordestinos, residentes naquela cidade, e incentivá-los   a votar no candidato petista.

Em troca desse apoio, os dois governadores teriam recebido a sinalização de que Lula não iria a Recife, nem veria a Fortaleza, participar da campanha municipal em favor dos candidatos petistas, ficando apenas sua intervenção nas duas campanhas nas gravações que ele já fez.  Tanto em Fortaleza quanto no Recife, a disputa entre PSB e PT tem sido bem acirradas.

Os líderes petistas daqui admitem, em reservado, a existência desse acordo implícito, mas continuam falando para o grande público, gerando expectativas de que Lula virá fazer comício para Elmano de Freitas.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs