Busca

Categoria: Ressarcimento


13:55 · 16.02.2016 / atualizado às 13:59 · 16.02.2016 por
Leonelzinho Alencar, antes desse caso, já foi acusado de vários outros, inclusive com pedido de abertura de inquérito na Câmara Municipal Foto: JL Rosa
Leonelzinho Alencar renunciou em junho do ano passado após ser investigado pelo Ministério Público do EstadoFoto: JL Rosa

O Ministério Público do Estado do Ceará entrou com uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o ex-vereador Leonelzinho Alencar para ressarcir danos causados ao patrimônio público. Segundo a ação, o ex-vereador deve devolver um valor superior a R$ 1 milhão, recebido por indevidas contratações ou contribuído para sua assunção.

O promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público da Comarca de Fortaleza, Ricardo Rocha, oficializou uma representação contra Leonelzinho Alencar, junto ao Procurador Regional Eleitoral no Estado do Ceará, Marcelo Mesquita Monte, por considerar que todos os crimes e atos de improbidade administrativa praticados visaram “única e exclusivamente” o enriquecimento ilícito e a formação de Caixa 2 para uso em suas campanhas eleitorais.

Segundo Ricardo Rocha, há algum tempo o ex-vereador é acusado de práticas criminosas e atos de improbidade administrativa, todos praticados visando motivos eleitorais.

Na ocasião, também foram indiciados a irmã de Leonelzinho, Leonella Alencar Damasceno, e os assessores Solinésio Fernandes Alencar, Gutemberg dos Santos Castro, Adefábio Dayson Andrade Gomes, Elma Maria Correia Alves, Arthur Adnam Moura Freitas, Luiz Gonzaga Nunes Filho, Francisca Irismar Balduino de Queiroz, Jorgeany de Oliveira Silva, Maria Helena da Silva Abreu, Nayara Silva dos Santos Queiroz, Maria Lucídia da Silva, Daniel Serpa Cláudio, Priscilla Morais Nogueira Serpa, Maria Evanizia Lourenço da Silva, Francisco Addler Pinheiro Gomes, Camila Otoch Pinheiro e Cynthia Lourinho Sales.

Renúncia da Câmara Municipal

Em junho do ano passado, Leonelzinho Alencar renunciou ao mandato de vereador após ser alvo de investigação do Ministério Público do Estado por desvio de recursos públicos. Na época, ele já estava afastado da Casa por decisão judicial.

Leonelzinho é acusado pelo Ministério Público de cometer alguns crimes, dentre eles o de se apropriar de dinheiro que assessores do seu gabinete que recebiam da Câmara, como pagamento mensal de seus serviços.

Em maio passado, o ex-vereador Aonde É também renunciou, acusado de um dos crimes atribuído a Leonelzinho Alencar de receber de assessores verba remuneratória pelo trabalho deles,.

Com informações da assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado