Busca

Categoria: Retrospectiva dos números


13:55 · 13.09.2012 / atualizado às 13:55 · 13.09.2012 por

As três últimas pesquisas de intenção de votos realizadas pelo Ibope e publicadas pelo Diário do Nordeste, antes da que foi publicada no jornal de hoje,  mostram mudanças no cenário eleitoral da Capital. Os candidatos Elmano de Freitas (PT) e Roberto Cláudio (PSB), apoiados respectivamente pela prefeita Luizianne Lins e pelo governador Cid Gomes, são os que mais vêm crescendo nas pesquisas estimuladas. Enquanto isso, os prefeituráveis Moroni Torgan (DEM) e Inácio Arruda (PCdoB), que inicialmente lideravam as pesquisas, são os que mais têm caído. Embora o número de pessoas muito interessadas no pleito não seja expressivo, foram reduzidos os índices daquelas que não tem nenhum interesse na disputa.
As referidas pesquisas foram veiculadas nos dias 31 de julho, 13 de agosto e 31 de agosto. O candidato Moroni Torgan (DEM), embora tenha caído oito pontos percentuais entre o primeiro e o terceiro levantamento Ibope, ainda vem mantendo a liderança na disputa. Os índices de rejeição do democrata têm se estabilizado em torno de 33% e 34%. Na primeira pesquisa estimulada, Moroni obteve 32%, caiu para 31% na segunda e, na terceira, apareceu com 24% das intenções de voto.
Nos dois primeiros estudos, Inácio Arruda (PCdoB) vinha se mantendo em segundo lugar, perdendo a posição no terceiro levantamento. Nas três pesquisas estimuladas, o comunista obteve, respectivamente, 15%, 13% e 10% das intenções de voto. Outros três candidatos conseguiram pontuação maior na pesquisa divulgada no dia 31 de agosto: Elmano de Freitas (PT), Roberto Cláudio (PSB) e Heitor Férrer (PDT). Por outro lado, a rejeição de Inácio diminui de 27% para 24% e, em seguida, para 22%.
Os dois candidatos que mais têm crescido nas pesquisas Ibope são aqueles apoiados pela prefeita ou pelo governador. Elmano de Freitas, postulante pelo partido de Luizianne Lins, cresceu dez pontos percentuais entre a primeira e a terceira pesquisa Ibope. Com 4% das intenções de voto na primeira estimulada, Elmano passou para 6% na segunda e, na terceira, atingiu a marca de 14%. Já os índices de rejeição do petista foram, respectivamente 22%, 20% e novamente 20%.
O segundo que mais tem crescido nas pesquisas é Roberto Cláudio, candidato pelo partido do governador Cid Gomes. Ele cresceu 8% nos levantamentos do Ibope. Tendo iniciado a disputa com 8%, manteve o mesmo percentual no segundo estudo e, no terceiro, atingiu 16% das intenções de voto. A rejeição do candidato do PSB era, inicialmente, de 15% e depois caiu para 13%.
Heitor Férrer (PDT) também tem crescido nas intenções de voto. Com 11% na primeira pesquisa estimulada realizada pelo Ibope, ele cresceu mais 1% na segunda e manteve os 12% na terceira. Heitor é o que vem mantendo os menores índices de rejeição, tendo apresentando, nas três pesquisas, 12%, 8% e 8%, respectivamente.
O candidato a prefeito pelo PSOL, Renato Roseno, tem caído nas pesquisas, mas se mantem entre as rejeições mais baixas. Isso porque, na primeira pesquisa, Roseno obteve 10% das intenções de voto, passando, em seguida, para 8% e 7%. No que se refere à rejeição, o socialista tinha 14% no primeiro estudo, passou para 10% no segundo e 9% no terceiro.
Marcos Cals (PSDB) tem variado pouco seu percentual nas pesquisas. O tucano obteve 6% na primeira estimulada, manteve o mesmo índice na segunda e caiu para 5% na terceira. A rejeição dele também vem diminuindo de 16% na primeira para 13% na segunda e na terceira. Já Francisco Gonzaga (PSTU), Valdeci Cunha (PRTB) e André Ramos (PPL) tem variado entre 1% e 0% nas intenções de voto. Nas três últimas pesquisas feitas pelo Ibope, a rejeição de Gonzaga foi de 21%, 13% e 12%, respectivamente. A de Valdeci foi de 15% na primeira, passando para 10% nas duas seguintes. Já a rejeição de André Ramos variou de 13% para 11% e depois para 10%.
Interesse
Uma parcela maior do eleitorado tem mostrado algum, pelas eleições deste ano. Dados das pesquisas Ibope indicam que, no primeiro levantamento realizado, em julho, 14% dos eleitores demonstraram muito interesse no pleito, 22% indicaram interesse médio, 34% disseram ter pouco interesse e 29% não demonstrava qualquer interesse.
No segundo estudo, veiculado no dia 13 de agosto, 12% apresentaram muito interesse na eleição, 22% médio, 34% pouco e 29% afirmaram não ter nenhum interesse na disputa deste ano. Já na terceira pesquisa, o interesse aumentou, embora ainda seja bastante expressiva a parcela da população indiferente ao momento eleitoral. Isso porque 18% afirmaram ter muito interesse no pleito, 26% médio interesse, 34% pouco interesse e 21% nenhum interesse. Nas três pesquisas, 1% do eleitorado não soube dizer qual o seu interesse na eleição.