Edison Silva

Categoria: Segmentos


10:12 · 15.07.2018 / atualizado às 10:12 · 15.07.2018 por

Enquanto as coligações não são formalizadas e as alianças com vistas à eleição não são conhecidas, deputados estaduais vão aproveitar o recesso de 15 dias, da Assembleia Legislativa, para intensificar a corrida em busca dos votos que lhes garantam a reeleição, em outubro próximo. Parlamentares entrevistados pelo Diário do Nordeste disseram que já estão com a agenda programada, neste mês de julho. Alguns vão mirar esforços para conquistar o apoio de determinados segmentos da sociedade.

Como o deputado Bruno Pedrosa (PP), eleito, em 2014, com 27.793 votos, que, neste ano, trabalha para atrair o voto da categoria do transporte complementar de Fortaleza, da Região Metropolitana e do Interior. Ele disse que não teve o apoio do segmento nas eleições passadas, mas acredita ter conquistado representação entre eles, a partir de benefícios obtidos junto ao Governo do Estado durante o mandato.

“No geral, são mais de 1.500 (pessoas que trabalham no serviço de Transporte Complementar). Na eleição passada, eles não me apoiaram, aí nessa eleição, a gente encampou diversas pautas e conseguimos várias conquistas, como a isenção do IPVA na Capital, a bilhetagem no Interior”, citou.

Já o deputado Carlos Felipe (PCdoB), disse vai tentar conciliar o trabalho de médico com as atividades políticas nos municípios que representa. O parlamentar obteve pouco mais de 28.800 votos, em 2014, e vai dar ênfase ao trabalho realizado junto aos agentes de saúde do Estado, para a aprovação da gratificação por insalubridade, e também junto aos servidores públicos na área da Saúde, para a reestruturação do Instituto de Saúde dos Servidores do Estado (ISSEC).

Uma das representantes da bancada evangélica na Assembleia, a deputada Silvana Oliveira (PR), também diz que o voto dado a ela por seguidores da sua religião é “pulverizado” e que nem mesmo na sua Igreja, a Assembleia de Deus, ela é tida como candidata “oficial”. Mas afirma que trabalhará entre os “irmãos” para atrair o apoio deles em torno da sua reeleição.

“As igrejas não fecham mais em torno de um candidato. Durante o mandato, tivemos a simpatia de uma grande quantidade de irmãos, mas não posso dizer que sou (candidata) oficial de quem quer que seja. Eu vou manter o que eu vinha fazendo, visitando os meus irmãos, explicando que vai ter perseguição, entre aspas, dentro da Igreja e ir até as pessoas por redes sociais, por voluntários dentro do nosso próprio corpo de irmãos”.

 

 

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs