Edison Silva

Categoria: Sistema


09:04 · 22.02.2018 / atualizado às 09:04 · 22.02.2018 por

Por Letícia Lima

O problema na Segurança que o Ceará atravessa tem provocado debates, diariamente, entre os deputados estaduais, na Assembleia Legislativa. Ontem, o deputado Carlos Matos (PSDB), ao discursar na tribuna, criticou a “insistência governamental” de “fazer mais do mesmo” nas políticas de combate à violência, que, na sua avaliação, não dão resultados efetivos. Para ele, seria mais “inteligente” o governo estadual assumir uma “mea culpa” pelos erros cometidos e sugeriu a criação de um “gabinete de crise”. Por sua vez, o deputado, Osmar Baquit (PSD), perguntou pela ajuda que o tucano poderia dar junto ao Governo Federal, já que é de um partido aliado do presidente Michel Temer (MDB). Baquit enfatizou os resultados obtidos pelo Estado na área da Educação.

O deputado Carlos Matos lembrou que, no início do Governo Camilo Santana, o relatório da Secretaria de Segurança Pública divulgava que o Estado havia “salvado” mil vidas, ao contrário, do que se constata hoje, em que cinco mil vidas já foram perdidas (de acordo com os dados da Secretaria de Segurança coletados em 2017). Para ele, o governo estadual tem feito “mais do mesmo”, com “mais policial, mais carro e não surge algo novo que possa gerar confiança de que os resultados possam se transformar”. Ele avalia que é preciso mais investimentos para reduzir a evasão escolar, ocupar a juventude, combater as drogas e reduzir a pobreza.

“De cada 100 jovens no Ensino Médio, 46 não estão na escola, 26 nem estudam e nem trabalham, são filhos de miseráveis, porque o Estado carrega um grande passivo social. Vimos o líder do Governo anunciar 100 areninhas, quantas estão prontas? Não dá pra ficarmos com uma carta de intenção de futuro, estamos vindo com uma situação grave na Segurança desde o Governo Cid Gomes. Quem foi eleito governa e quem governa toma uma atitude para resolver logo e a sociedade cearense aguarda há trê anos por essa atitude”.

Embora Carlos Matos tenha minimizado as críticas ao dizer que seria “tremendamente injusto” culpar o governador pela crise, uma vez que ele acha que o “sistema vem se degenerando ao longo dos anos”, o parlamentar acredita que o Estado poderia assumir uma “mea culpa”, corrigir os erros e buscar dar respostas imediatas.

“Ter a humildade de reconhecer que aconteceram erros e, ao mesmo tempo, corrigir, eu acho que é uma atitude inteligente. Eu sugiro que o Governo do Estado crie um gabinete de crise, que possa dar uma resposta imediata para os graves problemas, em um horizonte de 90 dias. Acho que nesse momento não há oposição, nem situação, nesse momento, há deputados com elevado espírito público, com capacidade de dar resposta, que sabe ouvir a sociedade. Negar a realidade e dizer que está tudo certo é antecipar 2018, é hora de colocar a verdade sobre a mesa e sermos humildes pra termos as melhores respostas”, apontou.

Em seguida, o deputado da base aliada, Osmar Baquit (PSD), subiu à tribuna e disse que, ao contrário do colega, vê por parte da oposição a tentativa de “carimbar no colo do governador uma coisa que vem de muito tempo”. O parlamentar disse que muitas das sugestões dadas pelos oposicionistas, inclusive por Carlos Matos, já estão sendo colocadas em prática pelo governador Camilo Santana (PT). “As areninhas, é fácil o deputado ir nos bairros e ver. Para as areninhas existe um processo licitatório, muitas delas vão começar a ser inauguradas. A primeira dama com o programa (Mais Infância) para tirar as pessoas abaixo da linha da pobreza, com o cartão, em parceria com os municípios. Não existia Raio, hoje, existe”, pontuou.

Por outro lado, Baquit questionou o tucano, que é de um partido aliado ao presidente Michel Temer (MDB), sobre a ajuda que ele pode dar, junto ao Governo Federal, no combate à criminalidade no Estado. E defendeu que, mesmo sem a participação federal, o Ceará tem dado resultados. “Seu partido é parceiro do Temer, do Vampirão. Vossa Excelência podia pedir uma reunião com o doutor Tasso e pedir pro Temer não cortar recurso pro Ceará, mas nessa hora não existe Temer, o PSDB, existe o Ceará, existe o Camilo que, sim, tem dado resultado na Educação. (O Ceará) É o que mais fez investimentos públicos. A Polícia (força-tarefa) está aqui, porque entende que o Estado é prioridade para os traficantes estarem aqui, e não porque é fraco”, defendeu.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs