Edison Silva

Categoria: Temporarios


11:00 · 12.06.2016 / atualizado às 11:00 · 12.06.2016 por

Os ministros do Supremo Tribunal Federal entenderam, na última semana, que a Lei do Estado do Ceará, feita para permitir a contratação de professores temporários, é parcialmente inconstitucional, mas ainda terá vigência por ano, a partir de agora.

Leia a informação que está no site da Suprema Corte:

STF declara parcialmente inconstitucional lei do CE que permite contratação temporária de professores

Na sessão desta quinta-feira (9), o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional dispositivo da Lei Complementar 22/2000, do Estado do Ceará, que autoriza a Secretaria de Educação Básica (Seduc) a contratar professores em caráter temporário para a implementação de projetos educacionais voltados para a erradicação do analfabetismo, correção do fluxo escolar e qualificação da população. Por maioria, foi julgada parcialmente procedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3271, ajuizada pela Procuradoria Geral da República (PGR). A Corte também modulou os efeitos da decisão para que surta efeitos um ano após a publicação da ata do julgamento.

O artigo 3º da lei cearense prevê a contratação de docentes por prazo determinado para suprir carências relativas a licenças (para tratamento de saúde, gestante, por motivo de doença na família, para cursos de capacitação e para trato de interesses particulares) e outros afastamentos que impliquem carência temporária. O parágrafo único trata dos projetos governamentais na área de educação.

Segundo a PGR, o regime de contratação temporária deve se limitar aos casos de excepcional interesse público, de acordo com ao artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal. A lei estadual, a seu ver, não atende a esse requisito, por autorizar a contratação sem concurso para o exercício regular da atividade docente.

Relator

O relator da ADI, ministro Teori Zavascki, observou que há jurisprudência formada no STF no sentido de que o artigo 37, inciso IX, da Constituição exige complementação normativa criteriosa para a contratação sem concurso. “Embora admissível em tese, o legislador fica sujeito ao ônus de demonstrar os traços de excepcionalidade”, afirmou.

Em seu voto, o ministro entendeu que os casos de licença (alíneas “a” a “e” do artigo 3º da Lei Complementar estadual 22/2000) representam situações que estão fora do controle do administração pública, caracterizando a emergencialidade. Considerou, porém, que a alínea “f” (“outros afastamentos que repercutam em carência de natureza temporária”) “é de generalidade manifesta”. As previsões contidas no parágrafo único, por sua vez, correspondem a objetivos corriqueiros das políticas públicas de educação. “Diante de sua imprescindibilidade, ações deste tipo não podem ficar à mercê de programas de governo casuísticos”, afirmou.

A maioria dos ministros seguiu o voto do relator, declarando inconstitucionais a alínea “f” e o parágrafo único do artigo 3º da lei, com efeitos modulados. Ficou vencido o ministro Marco Aurélio, que julgava o pedido integralmente procedente e sem acolher modulação.

10:43 · 04.02.2016 / atualizado às 10:43 · 04.02.2016 por
Renato Roseno criticou a portaria do Governo do Estado que estabelece as normas para a lotação de professores nas escolas públicas estaduais para o ano de 2016 FOTO: José Leomar
Renato Roseno criticou a portaria do Governo do Estado que estabelece as normas para a lotação de professores nas escolas públicas estaduais para o ano de 2016 FOTO: José Leomar

Por Antônio Cardoso

O deputado estadual Renato Roseno (PSOL) disse, ontem, na Assembleia, que passaria a assumir posição ainda mais fiscalizadora do mandato do governador Camilo Santana. Em seu primeiro discurso após a volta dos trabalhos na Casa, o parlamentar criticou a portaria 1.169, lançada pelo governo no último dia 30 de dezembro, que estabelece as normas para a lotação de professores nas escolas públicas estaduais para o ano de 2016.

A portaria, segundo o parlamentar, reduz e inviabiliza o funcionamento de aparelhos pedagógicos nas escolas e reduz o número de professores na rede. Ele assegurou que a medida vai ter impacto negativo na qualidade da educação, pois precariza a função do professor no ambiente de aprendizagem como laboratórios de informática e ciências existentes dentro das escolas. “Educação não se faz só na sala de aula, daí a necessidade dos ambientes de aprendizagem com profissionais nesses locais”.

O líder do governo, Evandro Leitão, rebateu a informação, uma vez que o professor temporário tem contrato anual com início e fim. “Isso não significa dizer que anualmente seja renovado”, ponderou. A respeito da interrupção dos projetos, o líder disse ter recebido outro comunicado da Secretaria da Educação. “Fui informado que todos os projetos estão mantidos em todas as secretarias e colégios”, atestou.

Pesquisar

Edison Silva

Blog da editoria Política, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

09h09mBardawil recorre ao TSE por candidatura ao Senado

09h09mVereador diz que acidentes de trânsito retiram recursos de outras áreas

09h09mEunício e Girão são os candidatos ao Senado que mais gastaram em campanha

09h09mNomes de profissões, apelidos e animais no apelo de candidatos por votos

09h09mParlamentares criticam o general Mourão

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs