Busca

Tag: câmara


09:52 · 11.10.2017 / atualizado às 09:52 · 11.10.2017 por

Por falta de quórum, a Ordem do Dia caiu na manhã de ontem, 10, na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor). Os parlamentares votavam projeto de Lei Complementar do vereador Célio Studart (SD) vetando que logradouros públicos – como ruas, praças ou escolas – sejam batizados com nomes de pessoas com condenação transitada em julgado pelo crime de corrupção. Eram necessários, pelo menos, 22 votos para que a sessão continuasse. Entretanto, ao fim da votação, apenas 18 parlamentares haviam votados, sendo 17 favoráveis ao projeto e uma abstenção. O texto deve ser incluído na Ordem do Dia da sessão de hoje.

Ainda na sessão de ontem, o presidente da Casa, Salmito Filho (PDT), usou a tribuna para defender o respeito ao Regimento Interno. De acordo com ele, ocorreram casos ao longo do ano de vereadores que gostariam que a Câmara oferecesse homenagens que, oficialmente, não existem. “Não é correto politicamente e juridicamente que nós inventemos homenagens que essa Casa não tem”. Ele lembra que os vereadores podem apresentar propostas para criar comendas, por exemplo.

O parlamentar declarou também que teve conhecimento de casos de audiências públicas que foram divulgadas sem que tivessem sido devidamente aprovadas pelo plenário, o que, de acordo com ele, vai contra o Regimento. “Estou fazendo esse apelo porque a disputa, a correlação de forças, fazem parte do Parlamento. Mas o que vai conduzir-nos é o Regimento Interno”, diz.

Antes do levantamento das votações, ontem, a Casa aprovou, em segundo turno, proposta de autoria do prefeito Roberto Cláudio alterando o Código Tributário do Município. Pelo texto, quem estiver inadimplente com o fisco pode ter seu nome inscrito em serviços de proteção ao crédito e ser alvo de protesto de Certidão de Dívida Ativa, independente do valor devido.

Contrário à matéria, Guilherme Sampaio (PT) disse que os valores originais devidos são, via de regra, de umas poucas centenas de reais, crescendo em razão de multas e juros. O líder do Governo, Ésio Feitosa (PPL), destacou que o projeto trata-se apenas da “correção de uma distorção”. A proposta adequa a legislação da cidade ao que já é adotado em outras capitais.

09:20 · 29.09.2017 / atualizado às 09:20 · 29.09.2017 por

por Renato Sousa

A Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) aprovou, ontem, mensagem da Prefeitura instituindo o Fundo Garantidor das Parcerias Público-Privadas (PPPs). O texto é uma das três mensagem do Paço Municipal enviados à Casa como parte do programa Fortaleza Competitiva, que visa melhorar o ambiente de negócios na Capital. Foram 23 votos favoráveis à matéria e uma abstenção.

De acordo com a apresentação da proposta, o dispositivo servirá como segurança ao investidor privado, de maneira a atrair recursos para a Capital. “Não há como negar que se trata de importante ferramenta em relação ao aspecto de segurança e mitigação de riscos contra inadimplência”, diz.

O Fundo será abastecido com fontes variadas de recursos, como os provenientes do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), em um limite de até 6% do que foi transferido no ano anterior, bens móveis e imóveis e recursos provenientes de aplicações financeiras do próprio instrumento, entre outros. Segundo a apresentação da mensagem, os recursos serão utilizados como um seguro aos parceiros privados.

“Considerando a natureza do Fundo e suas características, não há como negar que se trata de importante ferramenta em relação ao aspecto de segurança e mitigação de riscos contra inadimplência requerida pelos investidores privados”, registra o texto.

Outras duas mensagens do Fortaleza Competitiva aguardam votação. Uma delas foi votada em primeiro turno na manhã de quarta, 27, precisando ser votado uma segunda vez. O texto reestrutura o Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico (CMDE). Para o prefeito, esta “propositura representa um avanço na modernização”.

09:13 · 28.09.2017 / atualizado às 09:13 · 28.09.2017 por

por Renato Sousa

A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou, em primeiro turno, ontem, a reestruturação do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico (CMDE). A Prefeitura encaminhou para a Casa proposta de reforma do colegiado, que foi criado em 2014, e faz parte do pacote “Fortaleza Competitiva”, que tem intenção de melhorar o ambiente de negócios na cidade. O texto precisa passar por segunda votação.

Uma emenda, de autoria do presidente da Casa, Salmito Filho (PDT), também foi aprovada. De acordo com a sugestão, a Câmara passa a também contar com representação no colegiado reformado. Na justificativa, ele também destaca o papel que os parlamentares exercem como “representantes do povo”. Para o pedetista, “a Câmara Municipal é um dos poderes do Município de Fortaleza, tendo legitimidade para representar a população, acompanhar, debater e deliberar sobre os inúmeros temas que envolvem a cidade, motivo pelo qual consideramos imprescindível assegurar uma vaga”.

Outras três emendas foram apresentadas, mas foram rejeitadas ainda na Comissão Conjunta de Legislação, Justiça e Orçamento. Duas das sugestões eram de autoria de Julierme Sena (PR). Ele solicitava que o órgão passasse a ter composição paritária, com representantes de entidades civis, federações, associações, sindicatos de servidores e governo. Na justificativa da emenda, o parlamentar alega que, com isso estará-se “inserido o povo de forma direta no processo de implementação de Parceria Público-Privada (PPP)”.

Na justificativa do texto aprovado, ontem, o prefeito Roberto Cláudio afirma que “propositura representa um avanço na modernização da máquina administrativa, e propiciará um alavancamento no desenvolvimento econômico do Município, que passará a ter, de forma atuante e multissetorial, um órgão colegiado que irá direcionar e deliberar sobre as ações do desenvolvimento econômico”.

10:11 · 28.08.2017 / atualizado às 10:11 · 28.08.2017 por

Uma série de parlamentares da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) estuda disputar a eleição do ano que vem, seja para a Câmara dos Deputados seja para a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (AL-CE). Apesar de apontarem que a discussão sobre 2018 ainda é preliminar e precisa ser amadurecida com os respectivos partidos políticos e apoiadores, eles demonstram o desejo de tentar um novo cargo em outubro do ano que vem.

Um desses parlamentares é Célio Studart (SD). O vereador pode tentar chegar a Brasília: ele estuda uma candidatura a deputado federal. “Se percebermos que há uma condição, uma necessidade nesse sentido, poderemos ir”, diz. Studart afirma que, no momento, a sua prioridade é fazer um bom mandato na CMFor, mas que existe a necessidade de uma renovação na bancada cearense. “Essa situação do Brasil pede que o Ceará tenha bons representantes”, declara.

O PR, maior partido de oposição ao prefeito Roberto Cláudio (PDT), também avalia lançar parte de sua bancada. De acordo com Julierme Sena, se o partido escolher nomes entre os parlamentares, serão o dele e o do terceiro vice-presidente da Casa, Idalmir Feitosa. Este afirma que pode concorrer a deputado federal, enquanto aquele avalia tentar chegar à AL-CE. Os dois, porém, afirma que as candidaturas precisam ser negociadas com o partido.

O presidente da Casa, Salmito Filho (PDT), é outro que deve disputar a eleição do ano que vem. O trabalhista, em entrevista, confirmou o desejo de deixar a CMFor e tornar-se um deputado estadual. “Tanto a equipe do nosso mandato quanto os líderes do nosso grupo político (referindo-se ao prefeito Roberto Cláudio e aos ex-governadores Cid e Ciro Gomes, todos do PDT) entenderam que pode ser um bom momento de eu continuar trabalhando pela população de Fortaleza e também pelo Ceará”, declara. Salmito deixou claro que a iniciativa partiu dele.

O parlamentar, ao defender sua candidatura, faz também uma defesa da vida pública. “O Brasil está enfrentando uma grave crise política. Mas não há saída, na vida em sociedade, que não seja pela política”, explica. De acordo com o postulante à AL-CE, “não se pode matar a vaca por causa do carrapato”. Ele declara que é preciso aperfeiçoar os processo políticos, e isso é feito através “de militância política, transparência, regras claras…”.

No PDT, maior partido da Casa, pelo menos dois outros legisladores municipais demonstram interesse em participar da disputa do próximo ano. Um deles é Ziêr Férrer. De acordo com o vereador, ainda não há conversas dentro do PDT sobre a formação da chapa proporcional. Entretanto, ele gostaria de apresentar seu nome, pautando-se, principalmente, pela busca de recursos para a Saúde e para obras de saneamento básico.

Já o primeiro vice-presidente da Casa, Adail Jr. (PDT), pretende disputar vaga para deputado estadual. “Como em toda profissão, o político não quer ficar parado”, explica. O trabalhista afirma que é “apaixonado pela Câmara”. Entretanto, gostaria de chegar à AL-CE para também poder ajudar a população de sua cidade natal, Saboeiro. “Acho que esse é o momento”, diz.

O PPL também já iniciou as discussões sobre 2018. Dos três vereadores que o partido têm em sua bancada municipal, pelo menos dois são sondados para a disputa do ano que vem: a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Larissa Gaspar, e o líder da bancada e presidente da Comissão de Legislação e Justiça, Gardel Rolim. Larissa afirma que ela e Gardel podem concorrer ou à Assembleia ou à Câmara dos Deputados, sendo a segunda a mais provável. “Acho que seria importante para o partido ter um deputado federal, até pela conjuntura política”, explica. Larissa, entretanto, diz que as conversas são preliminares, e que a legenda aguarda a votação da reforma política para traçar uma estratégia.

Gardel Rolim, entretanto, não demonstra interesse. Segundo ele, seu nome foi sondado pelo partido para disputar não o posto de deputado federal ou estadual, mas de senador. Entretanto, no que depender de sua vontade, ele deve encerrar seu mandato na CMFor. Em junho, ele não excluiu a possibilidade de concorrer na disputa do ano que vem. Entretanto, afirmou que o faria como uma determinação partidária. “Se for uma determinação do grupo, do partido, eu posso até encarar a missão”, declarou. Agora, porém, ele diz que sua candidatura só aconteceria “em última instância”.

Já o Partido dos Trabalhadores planeja transferir toda a bancada do partido da Câmara para a Assembleia. De acordo com Acrísio Sena (PT), vereador e presidente municipal do partido, tanto ele quanto Guilherme Sampaio devem tentar chegar ao Legislativo estadual. “A intenção é manter a bancada que nós temos hoje na Assembleia”, declara, destacando que a meta é que todos sejam eleitos como titulares da vaga. Dos cinco membros da bancada do partido na Casa, apenas dois – Elmano de Freitas e Moisés Braz – foram conseguiram o feito, com os outros três – Dr. Santana, Raquel Marques e Dedé Teixeira – assumindo inicialmente como suplentes. Após as eleições de 2016, os dois últimos foram efetivados no lugar de parlamentares que se elegeram prefeitos.

O próprio Acrísio já fez um evento de pré-lançamento de seu nome para deputado estadual. No dia 1 de julho, a pré-candidatura do petista foi lançada, em ato na sede da Federação dos Trabalhadores do Comércio no Estado do Ceará (Fetrace), por sua corrente interna dentro do PT, o Movimento Socialista. “Acredito que nossa candidatura possa dialogar e aglutinar setores importantes e históricos na reconstrução do PT, como os movimentos sindical, popular e estudantil”, afirmou o vereador na ocasião.

Sampaio, por sua vez, deve deliberar sobre sua candidatura apenas em outubro. Mas ele diz que vem discutindo isso com sua corrente interna, a Casa Vermelha. “Já fizemos essa avaliação de que deveríamos considerar a nossa candidatura à deputado estadual”, explica. O parlamentar afirma que cogita lançar-se em uma “dobradinha” com a deputada federal Luizianne Lins (PT), que deve buscar a reeleição. Procurada por telefone, Lins não atendeu às ligações da reportagem.

Nas eleições de quatro anos atrás, também diversos parlamentares tentaram trocar de Casa Legislativa. Três conseguiram: Vitor Valim (PMDB) chegou ao posto de deputado federal, enquanto Walter Cavalcante (então no PMDB; hoje no PP) e Capitão Wagner tornaram-se legisladores estaduais.

12:13 · 02.08.2017 / atualizado às 12:13 · 02.08.2017 por

O deputado estadual Fernando Hugo (PP) ressaltou em discurso que hoje o Brasil vive dia histórico pelo fato de estar para ser decidido pela Câmara dar ou não continuidade na denúncia contra o presidente Michel Temer.

Hugo citou frase de Clodoaldo Pinto, onde diz que “homem sem audácia não vive”. O parlamentar opinou que administrativamente “Temer é bom”. “Pasmem, mas é bom. Pegou um defunto em estado necrotizado e está tentando reavivá-lo. Esse defunto se chama Brasil”. Como ações audaciosas, apontou as reformas no ensino médio, contenção de gastos, a reforma trabalhista e a previdenciária. “Não se pode, nesse momento, só ouvir a quem insanamente deixou o Brasil na situação caótica em que está. Michel Temer é um bandido que chegou legalmente à presidência e teve a audácia de ofertar isso”, destacou.

10:06 · 25.01.2017 / atualizado às 10:06 · 25.01.2017 por

O deputado federal Rogério Rosso, oficialmente ainda é o líder da bancada do PSD na Câmara dos Deputados. Candidato a presidente da Câmara, pela segunda vez, o deputado, sentido o menosprezo da maioria dos seus colegas de partido resolver , por força das contingências, dizer que liberava a bancada para apoiar qualquer outro candidato na disputa pelo comando da Câmara. Ontem, segundo o registro do jornal Folha de S.Paulo, na edição de hoje, o PSD oficializou apoio á postulação de reeleição do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia.

São comportamentos desse tipo que contribui para cada vez mais afundar a classe política nacional. O fisiologismo está acima de tudo. Leia a íntegra da informação da Folha de S.Paulo:

PSD oficializa apoio à candidatura de Maia à reeleição na Câmara

Pedro Ladeira – 20.dez.16/Folhapress
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que quer se reeleger
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que quer se reeleger

DANIEL CARVALHO
DE BRASÍLIA

Publicidade

O PSD abandonou de vez a candidatura de Rogério Rosso (PSD-DF) à presidência da Câmara e oficializou nesta terça-feira (24) apoio à recondução de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao comando da Casa.

O que já era certo nos bastidores foi confirmado em nota divulgada no final desta tarde. O PSD é a sexta maior bancada da Câmara, com 37 deputados.

“Após vários meses de articulações legítimas e transparentes, a maioria da bancada de deputados federais do Partido Social Democrático (PSD) decidiu apoiar a candidatura à reeleição do atual presidente da Câmara, o democrata fluminense Rodrigo Maia”, diz a nota assinada pelo líder eleito do partido, Marcos Montes (MG).

No texto, o líder eleito lembra mensagem enviada por Rosso na semana passada em que o candidato deixa a bancada livre para analisar outras candidaturas. Montes diz avaliar o recado como “mais uma demonstração de desprendimento por parte do colega”.

“Pesou na decisão uma ampla e profunda variedade de motivos, entre eles, o reconhecimento de que a atuação de Rodrigo Maia no comando da Câmara tem sido de extrema importância para o projeto do governo federal de tirar o país da sua pior crise econômica – que tanto sofrimento tem provocado ao povo brasileiro. O PSD, apoiador deste projeto, se sente à vontade, portanto, para respaldar um novo mandato do atual presidente da Câmara”, afirma o líder eleito na nota.

No comunicado, Marcos Montes elenca ainda 16 pontos que, segundo ele, são da agenda do PSD, abraçada por Maia. Dentre os pontos estão reforma política, “direito à vida”, direito dos trabalhadores, direitos civis e reforma agrária.

Montes, que assume a liderança da legenda na Câmara em substituição a Rosso, passou o dia tentando contato com o candidato do PSD. Rosso, no entanto, ficou incomunicável durante toda a terça-feira. Com o celular desligado, nem os funcionários da liderança do partido conseguiram contatá-lo.

Agora que o desembarque do PSD da candidatura própria é oficial, fica ainda mais forte a expectativa de que Rosso desista da disputa, já que ficou totalmente isolado.

Ele convocou uma entrevista coletiva para a manhã desta quarta-feira (25) para anunciar que destino dará à sua candidatura.

A tendência é que Rosso integre a campanha de Jovair Arantes (PTB-GO). Ambos integram o chamado “centrão”, grupo de deputados controlado até o meio do ano passado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado pelos pares e hoje preso em Curitiba pela Lava Jato.

Na disputa ainda há a candidatura de André Figueiredo (PDT-CE). Único candidato de oposição, ele não tem nem mesmo o apoio de PT e PC do B.

NEGOCIAÇÕES

O acordo entre PSD e Maia envolveu um “pacote” que inclui um lugar na Mesa Diretora, mais espaço físico para a liderança do partido na Câmara e a relatoria de comissões que ainda serão definidas. O PSD tem interesse, por exemplo, na comissão que vai tratar da reforma tributária, uma das principais apostas do governo Temer.

O partido pode entrar ainda na disputa pela indicação para a liderança do governo, responsável pela interlocução entre Planalto e deputados da base governista. Hoje, este posto é ocupado por André Moura (PSC-SE).

FAVORITISMO

Com o apoio oficial do PSD, Rodrigo Maia confirmou seu favoritismo na disputa. Na segunda-feira (23), o PSB, sétima maior bancada com 34 deputados, anunciou oficialmente o voto nele.

Além do PSD, do ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), e do PSB, ele já conta com o apoio dos principais partidos da base do presidente Michel Temer, como PMDB, PSDB e DEM.

Nesta terça-feira, Maia encontrou-se com o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG). O candidato disse que o encontro foi “muito bom”, apesar de os tucanos não terem emitido nenhum documento formalizando o apoio, como fizeram PSD e PSB.

De oposição ao Planalto, PT e PC do B também já manifestaram intenção de reelegê-lo presidente da Câmara, embora não tenham oficializado.

15:44 · 04.01.2017 / atualizado às 15:44 · 04.01.2017 por
O vereador defende oposição a Roberto Cláudio, enquanto Acrísio pensa diferente. FOTO: JOSE LEOMAR
O vereador defende oposição a Roberto Cláudio, enquanto Acrísio pensa diferente. FOTO: JOSE LEOMAR

Ex-secretário de Cultura do governador Camilo Santana, o vereador Guilherme Sampaio atuará como o líder do Partido dos Trabalhadores na Câmara Municipal de Fortaleza para o período legislativo que se inicia. Na função, o parlamentar reafirma o papel de oposição do PT à gestão municipal e explica que o partido não comporá com o bloco de oposição formado por PR e PSDB no Legislativo.

Apesar de Acrísio Sena, do PT, defender uma postura mais independente ao lado da gestão Roberto Cláudio, Sampaio defende “uma oposição forte, combativa, consistente e qualificada ao prefeito, mas pela via da esquerda”. O vereador não pretende compor com as bancadas de oposição do PSDB e PR, que deram sustentação à candidatura de Capitão Wagner (PR), no pleito passado.

“Esse grupo político faz oposição ao governador Camilo Santana e, nacionalmente, sustenta o golpe contra a presidente eleita Dilma Rousseff”, ressalta ele. “Com a redução das bancadas de esquerda temos a imensa responsabilidade de sermos porta-vozes dos movimentos sociais e populares e do pensamento progressista na Câmara”.

com  assessoria

10:25 · 27.12.2016 / atualizado às 10:25 · 27.12.2016 por

08:07 · 29.11.2016 / atualizado às 08:07 · 29.11.2016 por

Por Renato Sousa

Vereadores eleitos para a próxima Legislatura na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), a começar em fevereiro de 2017, participaram de um evento, no plenário daquela Casa, na manhã de ontem, quando o presidente do Legislativo Municipal, Salmito Filho, apresentou a eles a estrutura administrativa da Casa, assim como os trâmites do processo legislativo. Mesmo as sessões sendo iniciadas em fevereiro, os novos vereadores assumem seus mandatos no dia 1º de janeiro à tarde.
De acordo com o presidente da Câmara, Salmito Filho (PDT), o encontro é realizado, primeiramente, por “uma razão republicana”. Ele diz que, sem orientação, pode ser difícil ao parlamentar conseguir informações. “Quem tem uma relação de amizade (dentro da Câmara) consegue tirar dúvidas com facilidade. Quem não tem precisa ficar ligando, mandando e-mail…”, explica. Apesar do evento ter sido organizado visando todos os vereadores, o presidente crê que ele será especialmente útil para os de primeira viagem.
Proposições
Salmito afirma que, antes de assumir seu primeiro mandato, em 2005, houve um encontro semelhante a esse “e foi muito bom”. Mas admite que, durante sua primeira passagem pela presidência da Câmara, no biênio 2009-2010, um início de legislatura, ele acabou não mantendo a prática. O trabalhista atribui o problema à polêmica durante a sua eleição para a chefia do Legislativo municipal.
Salmito, então filiado ao PT, lançou-se candidato contra a vontade da então prefeita e correligionária, Luizianne Lins, que apoiava a candidatura Elpídio Nogueira, então no PSB. A disputa acabou levando a prefeita a romper com seu vice, Tin Gomes (PHS), que trabalhou contra o candidato dela.
No encontro de ontem, os novos vereadores foram apresentados aos tipos de projeto que podem ser propostos e sobre o que eles podem versar. Também foram apresentados à ouvidoria, à estrutura de tecnologia da informação da Casa e aos veículos de comunicação institucional, além de regras para o uso da Verba de Desempenho Parlamentar (VDP). Há expectativa de que um segundo encontro seja realizado, mas voltado para a assessoria dos parlamentares.
Outro novos parlamentares ressaltaram a importância do evento. Para o Soldado Noélio (PR): “Isso aqui é uma grande aula”, declarou. Entretanto, ele afirma que é preciso ter ciência de que apenas aquele encontro não basta. “Da minha parte, eu ainda preciso estudar bastante para fazer um bom trabalho aqui na Câmara municipal”, diz.
Ele defende que, por mais que os vereadores contem com sua assessoria, é preciso que cada um tenha bases sólidas nos regulamentos que dizem respeito à atividade legislativa. “Daí você evita, por exemplo, apresentar um projeto de lei sobre matéria que vereador não pode propor”, declara. Cada vereador de logo vai receber um exemplar do Regimento Interno da Câmara.

09:12 · 17.11.2016 / atualizado às 09:12 · 17.11.2016 por

 

Vereador Salmito Filho recebeu ontem o apoio de 33 vereadores para continuar como presidente da Câmara, a partir de 2017 Foto: Kid Júnior
Vereador Salmito Filho recebeu ontem o apoio de 33 vereadores para continuar como presidente da Câmara, a partir de 2017 Foto: Kid Júnior

O vereador Salmito Filho (PDT), presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, recebeu ontem o apoio de 33 vereadores para ser reeleito para mais um mandato de dois anos à frente do Legislativo da Capital cearense. A eleição dos novos dirigentes da Câmara acontecerá no dia 1° de janeiro, à tarde, momentos após a posse dos vereadores eleitos no pleito do último dia 2 de outubro. Salmito foi o coordenador político do prefeito Roberto Cláudio (PDT) junto aos candidatos a vereador neste ano.
Os 33 apoiadores da postulação de Salmito, atuais e novos vereadores, representam quase todas as bancadas partidárias que integrarão a Câmara a partir do próximo ano. Todos eles assinaram um documento comprometendo-se a votar no presidente Salmito, e ajudar na formação de uma chapa eclética para a composição do restante da Mesa Diretora.
Os vereadores e o prefeito reeleito, Roberto Cláudio, serão diplomados pela Justiça Eleitoral no dia 19 de dezembro, no Centro de Eventos de Fortaleza. A posse acontecerá no dia 1º de janeiro, no fim da tarde, diferentemente dos anos anteriores em que ela acontecia nas primeiras horas da manhã.
Após a posse dos vereadores, às 16 horas, acontecerá a eleição dos integrantes da nova Mesa Diretora. Só depois é que acontecerá, no mesmo plenário da Câmara Municipal, a posse do prefeito. Os mandatos dos vereadores e do prefeito são de 4 anos.
Consenso
Antes do atual mandato, Salmito Filho já foi presidente da Câmara Municipal, no início do segundo mandato da prefeita Luizianne Lins. Ele derrotou o candidato da prefeita, no dia da posse dela. Depois, no início do mandato do prefeito Roberto Cláudio, Salmito assumiu a Secretaria de Turismo da Prefeitura.
De lá ele saiu para ser eleito novamente presidente da Câmara, dessa vez sem disputa. Na bancada do seu partido, agora, é praticamente unanimidade para continuar como presidente. A partir de hoje, segundo ele, novos contatos serão mantidos com os demais vereadores de modo a permitir que a chapa a ser apresentada no dia da votação seja realmente de consenso.
A grande maioria dos vereadores que participaram do encontro de ontem oficializando apoio à candidatura de Salmito, é da base aliada do prefeito Roberto Cláudio. Alguns outros, mesmo formando do bloco de oposição, acordaram em reeleger o presidente da Câmara, na busca de evitar qualquer movimento de formação de outra chapa que possa dividir a Casa.
Antes da posse Salmito Filho ainda deve reunir todos os vereadores eleitos em outubro passado para transmitir informações sobre o funcionamento da Câmara, a documentação necessária para a posse, além de instruções sobre o Regimento Interno e a estrutura de funcionamento dos respectivos gabinetes já a partir de janeiro, embora as sessões só aconteçam a partir de fevereiro.