Busca

Tag: campanha


09:28 · 20.09.2018 / atualizado às 09:28 · 20.09.2018 por
Candidatos ao Senado, Eunício (MDB) e Girão (PROS) lideram gastos em campanha. Imagem: TSE/Reprodução

Os candidatos ao Senado Eunício Oliveira (MDB), à reeleição, e Luis Eduardo Girão (PROS) são os que mais gastaram na disputa por vaga na Câmara Alta. Juntos, somam quase R$ 4 milhões em despesas de campanha. As informações constam no sistema de Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais (DivulgaCandContas).

O empresário Luis Eduardo Girão já gastou R$ 2,1 milhões, acima do valor arrecadado até agora, de  R$ 1,85 mi. De todo o valor em caixa, Girão doou R$ 1,65 mi do próprio bolso. O segundo na lista é o também empresário Eunício Oliveira, atualmente presidente do Senado. O emedebista usou R$ 1,839 mi dos R$ 3,3 mi que dispõe, sendo R$ 2 mi do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e R$ 1,3 mi do Fundo Partidário.

Ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PDT) concorre ao Senado com R$ 1,89 mi de doações, até agora. Do valor, gastou 33%, ou R$ 628 mil. Em quarto na lista, mas com valor gasto aproximado está a candidata do PSDB, Mayra Pinheiro, com R$ 547 mil. Sobram, ainda, R$ 253 mil dos R$ 800 mil doados pelo partido. Anna Karina, candidata pelo PSOL, gastou apenas R$ 5 mil, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

09:19 · 18.09.2018 / atualizado às 09:19 · 18.09.2018 por
Segundo Cleiton Monte, Ailton Lopes tem discurso coerente, mas pouca articulação no Estado Foto: José Leomar

Na reta final, a disputa pelo Governo do Estado ainda é marcada por uma campanha morna, que, por diversos fatores, parece não abrir espaços para reviravoltas até o dia 7 de outubro. A avaliação é de cientistas políticos entrevistados pelo Diário do Nordeste, que, ao analisarem a primeira metade da campanha, consideram que, por esta ser uma disputa de baixa competitividade, não tem empolgado o eleitor. Tal cenário, conforme analisam, é fruto da estrutura da candidatura governista, fortalecida por diversos elementos, mas também de erros de estratégia dos partidos de oposição.

Pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Política, Eleições e Mídia (Lepem) da Universidade Federal do Ceará (UFC), o cientista político Cleiton Monte observa que, por um lado, o governador Camilo Santana (PT) “largou com uma vantagem extraordinária” em busca da reeleição, por ter uma base de apoio de 24 partidos e “boa aceitação por parte da população”, segundo pesquisas de avaliação do governo, enquanto, por outro, conforme avalia, este seria o pleito em que a oposição demonstrou estar mais enfraquecida no Estado desde a redemocratização. Segundo ele, nos últimos anos, o governo esteve “desarmando” a oposição, que não se organizou em torno de uma “agenda alternativa”.

“É uma campanha que, devido a ser de baixa competitividade, não empolgou o eleitor. Por exemplo: mesmo aquele que não pensa em votar no Camilo Santana não consegue visualizar uma outra opção, então é possível que a gente tenha um número muito grande de votos brancos e nulos aqui no Ceará”.

Para ele, professor do Centro Universitário Unichristus, a tendência é que, no fim da campanha, “Camilo se fortaleça ainda mais na liderança da disputa”. Já General Theophilo (PSDB), conforme aponta, pode ter “certo crescimento” ao tornar-se mais conhecido, mas isso não deve ser suficiente para levá-lo ao segundo turno.

Quanto aos outros candidatos, Cleiton Monte analisa que a candidatura de Ailton Lopes (PSOL), embora tenha “um discurso articulado e coerente, não tem um discurso voltado para as camadas populares, para o Interior do Estado, não tem uma rede de lideranças políticas, não tem recurso, e tudo isso dificulta a campanha”. Já Hélio Góis (PSL) e Francisco Gonzaga (PSTU), segundo ele, “têm uma pauta”, mas, sem recursos, estrutura e capilaridade, não conseguem fortalecer as campanhas.

Propaganda negativa

A cientista política Carla Michele Quaresma, professora do Centro Universitário Estácio do Ceará, faz avaliação semelhante ao expressar que “a impressão que temos é que não tem eleição no Estado do Ceará”. Para ela, isso é consequência da estrutura de campanha do petista e da dificuldade de organização da oposição ao longo dos últimos anos, que culminou no lançamento de um candidato desconhecido.

Além disso, a cientista política considera que a turbulenta disputa presidencial tem deixado a campanha estadual em segundo plano. “Parece que a situação do Ceará é de um referendo”, analisa. “Agora, é muito provável que haja, nessa reta final da campanha, uma intensificação da propaganda negativa, porque esses candidatos que estão no pleito não têm mais nada a perder”, afirma Quaresma.

09:19 · 06.09.2018 / atualizado às 09:19 · 06.09.2018 por

Por Miguel Martins

A candidatura do governador Camilo Santana (PT) à reeleição ainda não deu o auxílio que alguns candidatos em disputa proporcional esperavam ter no pleito deste ano. A participação do petista nas campanhas de aliados tem se limitado, até agora, à presença em palanques durante visitas dele a municípios em busca de voto. No entanto, há quem tenha tido apoio financeiro para a propaganda.

É o caso do deputado estadual Carlos Felipe (PCdoB), candidato à reeleição, que tem recebido apoio da campanha majoritária e das candidaturas a deputado federal do bloco governista do qual participa. “A filmagem que fizemos foi oriunda de recursos da campanha ao Governo. A minha fotografia também não fui eu quem pagou”, disse.

O parlamentar afirmou, porém, que ainda não dividiu palanque com o governador. Segundo Felipe, em Crateús, que é seu colégio eleitoral, há uma questão problemática: tanto a Prefeitura quanto os opositores da gestão local são aliados de Camilo. “É bom para o governador, mas para quem tem postura de mais coerência fica muito complicado”, argumentou.

Candidato a deputado federal, Tomaz Holanda (PPS) afirmou que faz campanha solitária. “Não tive nada (de apoio), por enquanto, infelizmente. Nos resta esperar, mas estamos nessa luta praticamente sozinhos”. Sérgio Aguiar (PDT), por sua vez, informou que, até o momento, produz, por conta própria, material associando seu nome ao do governador. Ele, porém, ressaltou que tem participado de agendas do chefe do Executivo que convêm à candidatura.

Material

Candidata a deputada federal pelo PT, Rachel Marques disse que tem participado de atividades da campanha de Camilo Santana, como o comício realizado na última sexta-feira (31) na Praça do Ferreira, com a presença de Fernando Haddad (PT). No entanto, ela afirmou que ainda não recebeu apoio para a produção de material de campanha.

O governador recebeu, até agora, R$ 392,9 mil da direção nacional do PT, um dos menores valores disponibilizados para uma candidatura majoritária da legenda. No entanto, há compromisso do PT nacional de destinar mais recursos à campanha.

09:57 · 25.08.2018 / atualizado às 09:57 · 25.08.2018 por

Por Miguel Martins

Deputados que tentam reeleição para a Assembleia Legislativa sentiram o desgaste da classe política nos primeiros dias de campanha eleitoral. De acordo com eles, apesar de uma apatia de parte do eleitorado, a população tem cobrado cada vez mais empenho dos representantes, visto o descrédito que o homem público vem acumulando ao longo dos últimos anos.

A campanha teve início, oficialmente, no último dia 16 de agosto e segue até 4 de outubro, três dias antes do pleito deste ano. Para Osmar Baquit (PDT), a disputa tem sido marcada por uma apatia do eleitorado, que não demonstra interesse pelas candidaturas. “Esta é uma campanha com menos tempo nas ruas, mas não pegou para ninguém. Não tem grandes mobilizações, e acredito que isso vai acontecer só para o final, com pouca participação do eleitor”.

O deputado João Jaime (DEM), por sua vez, acredita que há uma resistência maior aos deputados federais que tentarão reeleição, visto o desgaste que tiveram com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e com ações impopulares do Governo Temer (MDB). “Tenho visto um desgaste bem maior para os deputados federais, e não tenho encontrado resistência à minha pessoa ou a do governador e senadores”, disse.

Já Renato Roseno (PSOL) afirmou ter verificado que há um descrédito generalizado da classe política, que, conforme avalia, leva ao crescimento “de um populismo autoritário, que é perigoso para a democracia”. Ele tem buscado mostrar o que fez no atual mandato, defendendo a necessidade de uma “oposição programática” no Legislativo.

Outro deputado, que preferiu não se identificar, reclamou dos pedidos de dinheiro feitos por eleitores que se aproveitam do descrédito da classe política para aumentar o valor do voto vendido. “A faca está grande”, ironizou o parlamentar. Heitor Férrer (SD), por outro lado, disse que não ouviu críticas ou decepção do eleitorado. “Estou surpreendido com o carinho com que recebem e pedem ‘santinhos’, dizendo conhecer meu trabalho. A decepção existe, sim, mas achava que seria pior”.

09:45 · 17.08.2018 / atualizado às 09:45 · 17.08.2018 por
Em Sobral, Camilo Santana (PT) fez caminhada no Becco do Cotovelo com Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (MDB), dando início a uma campanha conjunta. Na foto, Eunício registra a troca de apoio com os ex-adversários Foto: Karison Mesquita

No primeiro dia da campanha eleitoral no Ceará, quatro dos seis postulantes ao Governo do Estado fizeram valer o que já permite a legislação eleitoral e foram às ruas da Capital e de municípios do Interior em busca de votos do eleitorado. Em maior ou menor número, eles estiveram acompanhados por apoiadores e alguns até chegaram a ocupar, ao mesmo tempo, diferentes pontos de um mesmo bairro – o Centro de Fortaleza. Nenhum outro candidato, contudo, teve mais atividades no primeiro dia da campanha do que o governador Camilo Santana (PT), que tenta reeleição.

Um dos compromissos do petista no dia de ontem, aliás, foi marcado pela reunião que confirma a campanha conjunta das duas chapas governistas, quando o chefe do Executivo esteve com seus dois candidatos ao Senado – o ex-governador Cid Gomes (PDT) e o senador Eunício Oliveira (MDB) – em Sobral, reduto eleitoral dos padrinhos políticos, os irmãos Ferreira Gomes. Adversários na eleição passada, eles ontem distribuíram demonstrações de apoio mútuo no Centro de Sobral, com direito a caminhada, parada para um tradicional café no Becco do Cotovelo, um dos pontos históricos do Município, e incontáveis registros para as redes sociais.

Os candidatos chegaram ao Aeroporto Coronel Virgílio Távora, em Sobral, por volta das 12h30 e, de lá, seguiram até a Praça da Coluna da Hora, onde eram aguardados por apoiadores. Em caminhada no Becco do Cotovelo, Eunício Oliveira disse, em referência à divisão de chapas governistas, que não dá muita importância à ausência de “formalidade” da aliança.

“O importante não é a formalidade da aliança, o que é importante é a intensificação daqueles que querem um Ceará melhor, um Ceará de todos, que avance, que gere emprego, renda e oportunidade para as pessoas”, argumentou. Questionado sobre quem é seu candidato a presidente, o emedebista, que já havia declarado voto no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), caso este, preso, consiga ser candidato, afirmou enquanto caminhava: “Você já sabe a minha posição. Eu estou na terra dele, estou em Sobral”.

Dia cheio

Camilo Santana, por sua vez, ressaltou que, na campanha deste ano, buscará destacar “avanços” do primeiro mandato em educação, infraestrutura, geração de emprego e segurança, além de mostrar em que áreas pretende “avançar” caso seja reeleito. “Vamos mostrar o que foi feito, o que está sendo feito, corrigir aquilo que ainda não está bom para podermos garantir que o Ceará não pare, criando oportunidade para o povo cearense”, declarou o governador.

Antes de ir a Sobral, o petista teve como primeira atividade de campanha, pela manhã, uma visita ao Mercado Central, em Fortaleza. Já na tarde e na noite de ontem, Camilo também cumpriu agenda em Quixeramobim, Barbalha e Crato. Hoje, ele faz campanha no Horto do Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, e à noite tem comício em Caucaia.

O Centro de Fortaleza também foi o local escolhido por Ailton Lopes, candidato do PSOL, para iniciar a campanha. Pela manhã, ele participou com a candidata a vice, Raquel Lima (PCB), e outros candidatos da Frente de Esquerda Socialista, formada por PSOL e PCB, de café da manhã no Mercado São Sebastião e, depois, de caminhada no Centro. No fim da tarde, o postulante fez bandeiraço com apoiadores no cruzamento das avenidas 13 de maio e Universidade, seguido de caminhada pelo Benfica. Hoje, Ailton Lopes tem atividades em Morada Nova e Senador Pompeu.

Propaganda

Desde ontem, a Lei das Eleições permite a realização de propaganda eleitoral. A legislação autoriza, por exemplo, a realização de comícios, a utilização de alto-falantes ou amplificadores de som nas sedes dos partidos ou em veículos, além da distribuição de material gráfico, caminhadas, carreatas e passeatas. A propaganda na internet também já pode ser feita.

Dos seis candidatos a governador, dois, no primeiro dia de campanha, dedicaram-se mais a atividades reservadas. Hélio Góis (PSL) teve reunião com a assessoria de campanha e encontro fechado com lideranças evangélicas. Já Mikaelton Carantino (PCO) participou de reunião fechada com uma emissora de TV local para debater a participação em uma sabatina.

09:45 · 17.08.2018 / atualizado às 09:45 · 17.08.2018 por

Por Márcio Dornelles

Em caminhada no Centro, o candidato do PSDB, General Theophilo, cumprimenta eleitor com a candidata a vice, Emília Pessoa, e o senador Tasso Jereissati Foto: Helene Santos

Duas chapas de oposição com alinhamentos ideológicos diferentes iniciaram a campanha, na tarde de ontem, separadas por poucos quarteirões no Centro de Fortaleza. O candidato do PSDB ao Governo do Estado, General Theophilo, participou de caminhada com concentração na Praça José de Alencar, enquanto Francisco Gonzaga (PSTU) fez panfletagem com uso de carro de som na Praça da Estação.

Na caminhada que inaugurou a campanha da chapa PSDB-PROS para o Governo do Estado, General Theophilo estava acompanhado da candidata a vice, Emília Pessoa (PSDB), dos candidatos ao Senado, Mayra Pinheiro (PSDB) e Luís Eduardo Girão (PROS), e do candidato a deputado federal Capitão Wagner (PROS), além do senador Tasso Jereissati (PSDB).

A caminhada começou às 16h20, após concentração em frente ao Theatro José de Alencar. Da Rua Liberato Barroso até a Praça do Ferreira, o grupo conversou com comerciantes, vendedores ambulantes, pedestres e pessoas em situação de rua. Tasso Jereissati abria caminho para o postulante. “Este é o General Theophilo, meu candidato ao Governo do Estado”, repetia o senador em diferentes abordagens. Com a apresentação, o candidato dava um passo à frente para cumprimentar o eleitor.

“Estamos acreditando na vitória, ou não estaríamos aqui. Não importa que seja essa luta de Davi contra Golias, mas estamos esperançosos. Sabemos que estamos muito bem apoiados pelo senador Tasso e pelo Capitão Wagner. São duas lideranças no Ceará que trazem muitos votos e que têm a confiança de toda a população”, disse Theophilo.

Para o candidato, geração de emprego, saúde e segurança são áreas que devem ser priorizadas em eventual gestão. “A segurança é o prato do dia, onde tem a prioridade maior. Nessa área temos conhecimento muito grande. Tem tudo para dar certo”, completou. O plano de governo será apresentado pela chapa na segunda-feira (20).

Tasso Jereissati reforçou que uma das principais estratégias de campanha será o corpo a corpo com o eleitor, para combater o que chamou de “quase nova oligarquia no Ceará”. “Vamos priorizar todas as áreas, trabalhar bastante na Região Metropolitana, mas direto com o povo, através de corpo a corpo”.

Panfletagem

Francisco Gonzaga, candidato do PSTU, distribuiu panfletos na Praça da Estação, onde abordava eleitores com um “chamado à rebelião” Foto: Helene Santos

A três quarteirões do Theatro José de Alencar, na Praça da Estação, quem se apresentava ao eleitor era o candidato do PSTU, Francisco Gonzaga. O operário da construção civil entregava panfletos a trabalhadores com “um chamado à rebelião”.

Ao contrário do evento do PSDB, que reuniu dezenas de pessoas, Gonzaga era acompanhado apenas pelo candidato ao Senado, Geraldo Magela, alguns postulantes a vagas proporcionais e filiados. Um carro de som e bandeiras completavam o ato.

“Nosso corpo a corpo vai ser com os trabalhadores, os estudantes, a mulher negra, as pessoas mais exploradas da nossa sociedade. Esse chamado à rebelião se materializa nisso. Sabemos que as eleições passam, mas o nosso sofrimento continua do mesmo jeito”, disse.

09:44 · 17.08.2018 / atualizado às 09:44 · 17.08.2018 por

O governador Camilo Santana (PT), se as eleições fossem hoje, seria reeleito no primeiro turno da disputa, cuja votação acontece no dia 7 de outubro próximo. A afirmação está nos números apresentados pelo Ibope, na primeira pesquisa sobre a sucessão estadual, a eleição de dois senadores pelo Ceará, assim como a manifestação dos eleitores cearenses sobre os candidatos à Presidência da República. A pesquisa foi contratada pela TV Verdes Mares, que, como o Diário do Nordeste, integra o Sistema Verdes Mares. Foram entrevistados 1.204 eleitores entre os dias 13 e 15 últimos.

Na disputa pela Presidência da República, o Ibope fez um cenário com Lula sendo o nome do PT e outro com Fernando Haddad. Os percentuais que surgem nos dois momentos são bem diferentes em relação a Ciro Gomes (PDT). Lula teria uma expressiva votação no Ceará, ficando Ciro em segundo lugar com uma grande diferença. Com Haddad, Ciro assume a liderança, ficando Jair Bolsonaro (PSL) na segunda posição. Quanto ao Senado, Cid Gomes (PDT) tem 55% das intenções e Eunício Oliveira (MDB), 37%. Os demais estão em posições bem inferiores (veja tabelas abaixo).

Na primeira pergunta feita sobre os candidatos a governador, os entrevistadores do Ibope não indicaram nomes e perguntaram em quem os eleitores votariam para governador, a chamada “espontânea”. O nome do governador Camilo foi citado por 22% dos entrevistados. 1% dos eleitores apontaram o nome do General Theophilo (PSDB). Nenhum outro nome foi lembrado.

Na segunda indagação, quando aos eleitores é apresentada a relação de candidatos “estimulada” e perguntado em quem eles votariam, a primeira tabela desta página registra Camilo Santana (PT) com 64% das intenções de voto, contra 4% do General Theophilo (PSDB), 2% para Ailton Lopes (PSOL), Dr. Hélio Góis (PSL) e Francisco Gonzaga (PSTU). Mikaelton Carantino (PCO) não teve pontuação.

Camilo Santana é o menos rejeitado de todos os candidatos ao Governo do Ceará. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral e no Tribunal Superior Eleitoral. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, com o nível de confiança de 95%.

Votos perdidos para senador

Pela apuração do Ibope, os percentuais de votos nulos e os dos eleitores que não sabem ou não responderam são maiores que os apontados para governador e presidente da República. Depois de Cid e Eunício, o candidato do PROS, Eduardo Girão, foi o que melhor pontuou. Ele alcança 9%, contra 6% da companheira de coligação, Dra. Mayra (PSDB), a quinta colocada, pois o candidato do PSL, Pastor Pedro Ribeiro, obteve 7% das intenções de votos.

Neste ano, todos os estados e o Distrito Federal elegerão dois senadores, renovando em dois terços o Senado. Diferentemente da eleição para deputado, a de senador é majoritária, vencendo os dois mais votados, da mesma coligação ou não. Dos dois senadores que terminam mandato, só Eunício é candidato. José Pimentel (PT), o outro, desistiu.

09:25 · 16.08.2018 / atualizado às 09:25 · 16.08.2018 por

Por Miguel Martins

A maioria dos candidatos ao Governo do Estado escolheu o Centro de Fortaleza para iniciar a campanha eleitoral. Pelo menos quatro dos seis postulantes estarão no bairro, hoje, para atos e caminhadas durante todo o dia. A Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e alguns municípios do Interior também serão visitados por eles durante o fim de semana.

O governador Camilo Santana (PT), que tenta reeleição, faz visita, na manhã de hoje, ao Mercado Central, no Centro. Ao meio-dia, ele participa de caminhada no “Beco do Cotovelo”, em Sobral, e, no início da tarde, tem atividade do mandato no Hospital de Quixeramobim. Já à noite, Camilo visita a estátua de Santo Antônio em Barbalha e, no Crato, participa de atividades no entorno da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Amanhã, o governador faz campanha no Horto do Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, e às 19h tem comício em Caucaia. Na manhã de sábado, ele realiza carreata em Horizonte. Ontem, em visita ao Diário do Nordeste, Camilo disse que, nos primeiros dias de campanha, deve realizar atividades com a vice-governadora Izolda Cela (PDT), o candidato ao Senado Cid Gomes (PDT) e apoiadores.

O candidato do PSDB, General Theophilo, começa a campanha na tarde de hoje, também no Centro. A caravana sairá da Praça José de Alencar até a Praça do Ferreira. Estão confirmadas as presenças dos candidatos ao Senado Eduardo Girão (PROS) e Dra. Mayra (PSDB), assim como de candidatos a deputado, além do senador Tasso Jereissati.

Já amanhã, Theophilo participa de caminhada em Crateús, no período da manhã, e de reunião com lideranças do Município de Independência, à tarde. À noite, ele faz campanha em Tauá. Para sábado e domingo, o General tem programação – até ontem ainda em definição – na Região Metropolitana de Fortaleza.

O candidato do PSOL, Ailton Lopes, também inicia a campanha no Centro de Fortaleza, onde realiza hoje, a partir das 7h, um café da manhã no Mercado São Sebastião. Em seguida, ele faz caminhada pelas ruas do bairro, com concentração na Praça Coração de Jesus. À tarde, Ailton realiza bandeiraço no cruzamento das avenidas 13 de Maio e da Universidade e, à noite, faz caminhada com correligionários, partindo da Praça da Gentilândia, ambas as ações no Benfica.

Amanhã, o postulante participa, em Morada Nova, do lançamento de candidaturas a deputado estadual e federal e, à noite, vai a Senador Pompeu, onde tem agenda no Instituto Trilhas de Arte, Cultura e Cidadania. No sábado, Ailton tem agenda em Tauá e Fortaleza. Já no domingo, ele realiza bandeiraço na Praia do Futuro.

Definições

Francisco Gonzaga, do PSTU, realiza, hoje, ato de lançamento das candidaturas do partido, com tribuna livre, na Praça José de Alencar, também no Centro de Fortaleza, a partir das 16h. Amanhã, ele visita operários em canteiro de obras na cidade.

O candidato do PSL, Hélio Gois, deve se reunir, hoje, com assessores da campanha, em atividade fechada. À tarde, ele tem encontro com lideranças evangélicas. O postulante disse ao Diário que amanhã participa de atividades de rua, mas a assessoria não confirmou a agenda.

Candidato do PCO, Mikaelton Cantarino participa de reunião com TV local para debater participação em sabatina. Amanhã, ele realiza reunião com apoiadores em Pentecoste. No fim de semana, estará em São Paulo, em reunião do PCO com os candidatos a governador.

09:24 · 16.08.2018 / atualizado às 09:24 · 16.08.2018 por

A partir de hoje (16), quando começam a ser contados os 45 dias da campanha deste ano até o primeiro turno, candidatos, partidos e coligações já podem fazer propaganda eleitoral nas ruas, na internet e na mídia impressa, de acordo com a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997). A propaganda em rádio e televisão, por sua vez, começa apenas no próximo dia 31 de agosto.

De acordo com o calendário eleitoral estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), estão permitidas, a partir de hoje, a realização de comícios e a utilização de aparelhagem de sonorização fixa nos eventos das 8h à meia-noite. Os partidos também podem utilizar alto-falantes ou amplificadores de som, em suas sedes ou em veículos, das 8h às 22h.

Até 6 de outubro, véspera do primeiro turno, está autorizada, ainda, a distribuição de material gráfico, bem como caminhadas, carreatas, passeatas ou a utilização de carros de som por candidaturas, para divulgação de jingles ou mensagens dos candidatos. A propaganda na internet também já pode ser feita, assim como a divulgação paga de anúncios de candidaturas em jornais impressos – no limite de dez por veículo, em datas diversas, até o dia 5 de outubro – e a respectiva reprodução na internet.

09:14 · 13.08.2018 / atualizado às 09:14 · 13.08.2018 por

Por Miguel Martins

Ailton Lopes (PSOL), Camilo Santana (PT), Francisco Gonzaga (PSTU), General Theophilo (PSDB), Hélio Gois (PSL) e Mikaelton Carantino (PCO) Fotos: Arquivo DN/APEOC

Os seis candidatos ao Governo do Estado correm contra o tempo com o objetivo de preparar suas agendas para a campanha eleitoral deste ano, que começa oficialmente nesta quinta-feira (16). Enquanto alguns já estão concluindo as instalações dos comitês centrais, outros se articulam na construção de atividades em busca de visitar o máximo de municípios cearenses durante os 45 dias de disputa.

O Ceará tem seis nomes homologados por seus partidos para disputar o Governo do Estado em 2018: o atual governador, Camilo Santana (PT), que tenta reeleição; o general Guilherme Theophilo (PSDB), o bancário Ailton Lopes (PSOL), o advogado Hélio Gois (PSL), o operário Francisco Gonzaga (PSTU) e o professor Mikaelton Carantino (PCO). Este último, embora a legenda não tenha diretório ou comissão provisória com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi oficializado em convenção partidária. Apesar de a maioria ainda não ter fechado agenda para os próximos dias, já a partir do dia 16 eles devem iniciar atividades de campanha.

Coordenador da campanha de Camilo Santana, o chefe da Casa Civil, Nelson Martins, afirmou que ainda não há definição sobre as primeiras incursões do candidato petista já na quinta-feira, mas o objetivo do governador é comparecer ao máximo de municípios possíveis. Segundo ele, além de Camilo, a vice-governadora Izolda Cela e os candidatos ao Senado Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (MDB) participarão de atividades em comum para demonstrar entrosamento entre as chapas governistas.

“Temos as agendas dos deputados federais e estaduais e vamos contar com um apoio forte da nossa militância. Estamos programando, durante o início da campanha, alguns encontros com setores sociais organizados, como já fizemos previamente na pré-campanha”, detalhou. Reuniões do governador com prefeitos, vereadores e lideranças sociais e sindicais também serão marcadas nos próximos dias.

Debates

Boa parte da agenda de Camilo Santana será preenchida com participação em debates políticos, bem como com a gravação de programas para TV e inserções, uma vez que ele terá mais de seis minutos diários no horário eleitoral. O governador, porém, continuará exercendo suas funções de chefe do Poder Executivo e sua campanha acontecerá em horários fora do expediente, como logo cedo da manhã, ao meio-dia, no período da noite e nos fins de semana.

A executiva nacional do PT, segundo o coordenador da campanha, ainda não definiu como será feita a distribuição dos recursos para a campanha, mas a legenda no Ceará, segundo Martins, espera que “sejam destinados recursos significativos para os candidatos a governador”.

Também devem participar da equipe de coordenação da campanha de Camilo Santana, além de Cid e Nelson, o prefeito Roberto Cláudio e o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque, do PDT. O comitê central do petista, localizado na Avenida Sebastião de Abreu, no Cocó, deve ser inaugurado na próxima semana.

O candidato do PSDB, general Guilherme Theophilo, terá como coordenador logístico da campanha o coronel Vilemar Ferreira Júnior. O ex-governador Lúcio Alcântara estará na coordenação política. De acordo com eles, o comitê de campanha do tucano será instalado em uma antiga fábrica de refrigerantes no cruzamento da Avenida Heráclito Graça com a Rua João Cordeiro, no Centro. Na sexta-feira, o postulante se encontrou com lideranças do partido no Município de Beberibe e, no sábado, participou de caminhada na feira pública de Cascavel.

O tucano ainda está concluindo o plano de governo, que deve ser apresentado após a instalação do comitê. Nos primeiros dias de campanha, ele pretende intensificar presença na Região Metropolitana de Fortaleza e no Interior do Estado com o senador Tasso Jereissati (PSDB) e o deputado Capitão Wagner (PROS). O PSDB nacional também não definiu quanto repassará de recursos para a candidatura. O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) deve definir agendas nos estados a partir desta semana, incluindo o Ceará.

O candidato do PSOL, Ailton Lopes, informou que a agenda da primeira semana de campanha deve ser concluída hoje, a partir das 14 horas, quando o partido também apresentará seu programa de governo. O comitê de campanha funcionará na sede da sigla, na Avenida do Imperador, no Centro.

Recursos

A coordenação política da candidatura ficará a cargo do ex-vereador João Alfredo (PSOL). Ailton Lopes afirmou ainda que, do fundo para financiamento das eleições, o PSOL deve receber apenas R$ 100 mil. “A gente vai visitar todo lugar onde exista resistência, luta e apoio às nossas pautas”, disse o candidato.

A inauguração do comitê do candidato do PSL, Hélio Gois, está marcada para o dia 16. O equipamento será instalado na Avenida Washington Soares, de acordo com a assessoria do candidato. Na ocasião, ele pretende fazer reunião com empresários e, no dia seguinte, deve gravar vídeos para a campanha.

Já Francisco Gonzaga, do PSTU, utilizará a sede do partido, na Rua Juvenal Galeno, no Benfica, como comitê. A partir do dia 16, o candidato inicia uma série de atividades no Estado, a começar pela Praça da Estação, no Centro de Fortaleza. No dia 18, Gonzaga está agendando atividade em Iguatu. De acordo com a assessoria, a legenda deve receber R$ 26 mil do fundo eleitoral para a campanha.