Busca

Tag: Ceará


10:34 · 27.08.2017 / atualizado às 10:34 · 27.08.2017 por
O peemedebista acredita que ainda pode manter o mandato como titular da vaga. FOTO: Fabiane de Paula

Leonardo Araújo (PMDB) disse que permanece fazendo parte da composição da Assembleia Legislativa, uma vez que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), publicada na semana passada, ainda não transitou em julgado. O parlamentar, que se ausentará dos trabalhos legislativos na terça e quarta-feira desta semana, ainda aguarda uma análise pelos ministros do Supremo do Embargo de Declaração que deu entrada em janeiro passado.

O STF decidiu sobre validade de candidaturas de postulantes com contas reprovadas por tribunais de contas há um ano, o que levaria a mudanças na composição de assembleias legislativas de todo o Brasil.

O Acórdão do Recurso Extraordinário (RE) impetrado pelo então candidato a deputado estadual José Rocha Neto, o “Rochinha”, foi publicado pela Suprema Corte na semana passada, o que fará com que os votos da eleição de 2014 sejam recontados, e com isso a coligação encabeçada por Camilo Santana (PT) ganhará mais uma vaga no Legislativo Estadual.

Isso faria com que o deputado Manoel Santana (PT) assumisse uma das vagas e Sineval Roque (PDT) voltasse à Casa como suplente. Por outro lado, o PMDB, que foi beneficiado pela perda de votos de “Rochinha” perde uma das vagas, o que faria Leonardo Araújo voltar para a suplência.

Em agosto do ano passado, a maioria dos ministros decidiu que postulantes que tiverem contas rejeitadas apenas por tribunais de contas estariam aptos a disputar eleições, já que as contas devem ser  julgadas pelas câmaras municipais.

O recurso de Rochinha questionava decisão do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) que, ao julgar irregulares contas de sua responsabilidade quando secretário municipal e prefeito, acabou por torná-lo inelegível.

Leonardo Araújo entrou com   Embargos de Declaração, solicitando a suspensão dos efeitos da decisão dos ministros no dia 26 de janeiro passado. De acordo com ele, até o momento não houve qualquer manifestação do Supremo sobre isso, porque o Acórdão ainda não havia sido publicado.

“O que acontece é que o Acórdão não havia sido publicado, mas ainda não está transitado em julgado. Há recurso meu, um embargo declaratório com pedido de efeito modulatório, porque a eleição de 2014 foi ato jurídico perfeito, declarada de acordo com a jurisprudência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral”, disse o parlamentar.

Para Araújo os ministros se manifestaram sobre a validade do pleito de 2016, mas não retroagiram a 2014. “O Rochinha não pode pedir que retroaja, pois o benefício ele já teve e seu nome está limpo. É importante frisar que não há trânsito em julgado, o ato jurídico foi perfeito e não se pode retroagir para alterar a situação na Assembleia, porque afeta todas as assembleias”, defendeu.

O parlamentar destacou que sua ação não foi analisada ainda porque o Acórdão não havia sido analisado, o que pode acontecer daqui para frente. “Tanto é que o pedido do Rochinha como o meu só podem ser feitos a partir de agora”.

14:28 · 15.08.2017 / atualizado às 14:28 · 15.08.2017 por
Governador voltou a lamentar cortes feitos no Bolsa Família, no Ceará. FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK

 

O governador do Estado, Camilo Santana, em mais uma uma transmissão ao vivo via redes sociais, sancionou três leis aprovadas, recentemente, pela Assembleia Legislativa, dentre elas a que trata da média salaria da Polícia Forense do Ceará (Pefoce) e bolsa de estudos para universitários. O chefe do Poder Executivo voltou a chamar de “crime” o cancelamento de quase 42 mil famílias cearenses do programa Bolsa Família pelo Governo Federal.

Uma das matérias, que a partir de agora viram Lei, é a que trata da média salarial da Pefoce, que segundo informou Santana, vai permitir uma nova carreira no âmbito da Polícia Forense. Também foi sancionada a Lei que instala o Sistema da Universidade Aberta do Brasil.

No entanto,  a proposta que Camilo mais comemorou foi a que, segundo ele, vai beneficiar milhares de alunos que vão ingressar nas universidades do Ceará, que é o Programa Avance, que dará direito a bolsas no primeiro ano ao aluno que estudou em escolas públicas.

“Os alunos diziam que quando iam iniciar cursos não tinham como se manter nas cidades. Me sentia muito angustiado com isso, até porque se imaginar romper um sonho de um jovem, então resolvemos criar esse programa”, disse ele, ressaltando que a bolsa se dará em um salário mínimo por seis meses ou meio salário durante um ano.

Pelo menos mil jovens já devem ser beneficiados com o programa, que tem como critérios estar matriculado em curso de graduação, em instituição de ensino superior credenciado pelo Ministério da Educação, além de ter cursado o ensino médio em escola pública, bem como ter tirado média superior a 560 pontos no último Exame do Ensino Médio (ENEM).

Governador lamentou cortes feitos no Bolsa Família

Ainda durante a transmissão ao vivo, Camilo criticou o Governo Federal e disse que, enquanto Michel Temer “tem cortado direitos dos trabalhadores, o Ceará tem garantido direitos, como passe livre para deficientes, isenção das taxas para habilitação pra agricultores familiares, bilhete único metropolitano. Perdoamos dívidas de quem tem dívida até R$ 4 mil com o Detran. Temos feito concursos, diversas ações”.

Ele denunciou o corte do Bolsa Família, afirmando ainda que desde o início do ano, somente no Ceará, foram 70 mil famílias que tiveram cortes nos benefícios “Os mais pobres não podem pagar a conta da má administração do passado neste País. Quem tem que pagar são os que têm mais. Essa decisão de cortar o Bolsa Família é um crime. O que eu puder fazer para sensibilizar a Bancada Federia, farei”, afirmou.

11:42 · 14.08.2017 / atualizado às 13:46 · 14.08.2017 por
Tomaz Holanda é autor de matéria que quer criar a Região Metropolitana do Sertão-Central. FOTO: FABIANE DE PAULA

Após a criação das regiões metropolitanas de Fortaleza, Cariri e Sobral, deputados da Assembleia Legislativa do Ceará querem criar mais duas regiões metropolitanas: a do Sertão Central e a da Região Centro-Sul.

De acordo com os autores das matérias, o objetivo da criação dessas áreas é facilitar a organização, planejamento e execução de funções públicas de interesse comum, principalmente a questão da distribuição de recursos do Orçamento estadual, considerando o tratamento dado a esses espaço pela própria Constituição do Estado, sem se falar na questão político-eleitoral a ser explorada pelos autores de tais proposições.

O autor de uma das matérias, o deputado Tomaz Holanda (PPS), quer criar ainda o Conselho de Desenvolvimento da área, além do Fundo de Desenvolvimento e Integração da Região Metropolitana do Sertão Central. Na justificativa, o parlamentar afirma que a região, composta por 12 municípios, tem condições para se tornar uma Região Metropolitana, visto que atende a todos os requisitos para tal.

Já a deputada Mirian Sobreira (PDT), na semana passada, apresentou proposta que tem como objetivo criar a Região Metropolitana do Centro-Sul, que segundo ela, “apresenta densidade de desenvolvimento econômico suficiente para transformá-la em Região Metropolitana, permitindo aumentar o fortalecimento da economia nas cidades abrangentes”.

Caso seja aprovado, farão parte da Região Metropolitana do Centro-Sul os municípios de Acopiara, Baixio, Cariús, Catarina, Cedro, Icó, Iguatu, Ipaumirim, Jucás, Orós, Quixelô, Saboeiro e Umari.

Já a área de abrangência da Região Metropolitana do Sertão Central seria composta por Milhã, Banabuiú, Choró, Deputado Irapuan Pinheiro, Ibaretama, Mombaça, Pedra Branca, Piquet Carneiro, Quixadá, Quixeramobim, Senador Pompeu e Solonópole.

09:42 · 07.08.2017 / atualizado às 09:42 · 07.08.2017 por
A vinda de Lula ao Ceará está marcada para o fim de agosto. FOTO: JL ROSA.

A bancada estadual do PT se reúne nesta segunda-feira, e tem como pauta  a recepção que será dada ao ex-presidente Lula nos dias 29 e 30 nos municípios de Quixadá, Crato, Juazeiro e Barbalha, além de discussões sobre a conjuntura estadual, composição estratégica e propostas que devem ser levadas ao diretório.

O partido realiza tais encontros pelo menos uma vez no mês, e agora em agosto havia a possibilidade de se juntar os deputados federais ao diálogo, bem como o senador José Pimentel, o que não vingou.

“O que estamos defendendo é consolidar a reeleição do governador Camilo Santana. Essa estratégia está vinculada ao potencial do voto do presidente Lula. Em nossas últimas pesquisas, identificamos que ele tem a preferência de 69% do eleitorado do Ceará, o que não é pouca coisa”, disse De Assis Diniz, presidente do PT Estadual.

Sobre as viagens de Lula a alguns estados nordestinos, hoje, o Painel da Folha de S.Paulo tem o seguinte registro:

PT quer aproveitar caravana de Lula pelo Nordeste para ampliar número de filiações ao partido

Por Painel

O útil ao agradável

O PT vai aproveitar o giro de Lula pelo Nordeste para realizar atos de filiação em massa ao partido. Em ao menos dois Estados, Pernambuco e Paraíba, o ex-presidente chancelará a ficha de novos militantes. A sigla tenta dar continuidade ao crescimento do número de filiados que ocorreu após a condenação do ex-presidente pelo juiz Sergio Moro. Apenas entre os dias 12 e 31 de julho, a legenda recebeu 4.836 pedidos de ingresso em suas fileiras. Ao todo, no mês, foram 5.141 pedidos.

Identidade Os petistas decidiram promover debates temáticos durante a passagem da caravana de Lula por alguns Estados. Em Pernambuco, o foco será o que a sigla chama de “desmonte” da atividade econômica, explorando a paralisação de obras vinculadas à Petrobras.

Em memória Haverá também um ato público no parque do Recife que foi batizado com o nome da mãe do ex-presidente Lula, Dona Lindu. Já no Ceará, o mote das mobilizações será o programa Mais Médicos.

Aquecimento Considerado o “plano B” a ser acionado pelo PT caso Lula se torne inelegível, o ex-prefeito Fernando Haddad embarca nesta semana para o Recife. Vai ministrar palestras em universidades do Estado —e também conversar com o governador Paulo Câmara (PSB).

 

08:53 · 24.07.2017 / atualizado às 08:53 · 24.07.2017 por
Presidente da comissão dos Direitos Humanos, Rachel Marques disse que é preciso intensificar os trabalhos no segundo semestre deste ano. FOTO: JOSE LEOMAR

O Escritório de Direitos Humanos e Assessoria Jurídica Popular Frei Tito de Alencar, órgão auxiliar da Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa registrou aumento de 100% no número de denúncias contra os direitos do cidadão no primeiro semestre de 2017 comparado ao mesmo período do ano passado. Nos 6300 atendimentos feitos ao longo dos últimos meses os registros mais comuns dizem respeito à questão do Direito à Moradia, que foi responsável por 32% dos atendimentos.

Casos de Violência Institucional, com 17% vem logo em seguida, e depois Orientações Judiciais (14%) e desrespeitos ao Direito à Terra, com 11%. Apesar de ser um dos gargalos da administração pública do Estado as denúncias contra desrespeito ao Direito à Saúde foram responsáveis apenas por 5% dos atendimentos, assim como Violência contra a Mulher (5%).

Acesso à Justiça e População Socialmente Discriminada registraram 3% dos atendimentos. Por fim, os crimes contra os Direitos da Criança foram responsáveis por apenas 1% da demanda do Escritório. De acordo com a presidente da comissão dos Direitos Humanos na Assembleia Legislativa, a deputada Rachel Marques (PT), no segundo semestre o colegiado deve se debruçar mais sobre essas questões.

Ela acredita que, a partir da aprovação da Reforma Trabalhista pelo Congresso Nacional haverá muitas denúncias de violação dos direitos dos trabalhadores e por isso o Poder Legislativo terá que ficar mais atento para evitar que a população seja apenada ainda mais. “O Escritório Frei Tito aumentou em 100% o numero de denuncias de casos que chega m até a Comissão dos Direitos Humanos Por conta da situação do País, a violação dos Direitos Humanos tende a aumentar e vai requer de nós muita atenção”, disse.

08:57 · 15.07.2017 / atualizado às 08:57 · 15.07.2017 por
De Assis Diniz, Luiz Pontes e Gaudêncio Lucena, presidentes do PT, do PSDB, e vice-presidente do PMDB, respectivamente Fotos: Lucas de Menezes/José Leomar/Alex Costa

Em meio a uma crise de representatividade que atinge a credibilidade de partidos políticos, dirigentes das maiores siglas partidárias do Ceará têm dito que o momento é de buscar atrair novos quadros, apesar do distanciamento resultante de sucessivos escândalos de corrupção que fragilizam as agremiações, e fortalecer a participação e a democracia interna considerando os atuais filiados que, embora associados a determinadas siglas, não têm participado de discussões e tomadas de decisões dentro das legendas. São estratégias que, segundo eles, vão além de interesses eleitorais.

De acordo com registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os dez partidos com maiores números de eleitores filiados em território cearense são PT, PSDB, PMDB, PP, PTB, PDT, DEM, PPS, PSB e PR. O Diário do Nordeste buscou dirigentes dos cinco maiores para conversar sobre a relação das direções partidárias com os filiados e a participação destes em questões de interesse das respectivas legendas. A sigla petista tem, atualmente, 79,9 mil filiados no Ceará, seguida pelos tucanos, que são 57,6 mil. O número de filiados peemedebistas é de 48,1 mil, enquanto PP e PTB têm 37,3 mil e 34,7 mil eleitores filiados, respectivamente.

Na outra ponta da lista de 35 partidos com registro na Justiça Eleitoral, PCO, com apenas 14 filiados no Estado, NOVO, com 164, e PCB, com 353, são os grêmios com menores quantitativos de eleitores associados. Completam a relação das legendas partidárias mais reduzidas em termos de filiações no território cearense a REDE, que soma 796 filiados, e o PSTU, que possui 2,1 mil. Segundo dados do TSE referentes ao último mês de junho, o Ceará tem, hoje, 6,3 milhões de eleitores, dos quais 545,5 mil são filiados a algum partido.

Participação

Não são todos estes, porém, que têm, de fato, vida partidária. Ainda que o argumento de que é preciso “reencantar a militância” venha sendo propagado em discursos de diversos petistas desde a campanha eleitoral de 2016, o presidente do PT em Fortaleza, vereador Acrísio Sena, informou em entrevista recente ao Diário do Nordeste que, do total de 20 mil filiados ao partido na Capital, pouco mais de 3 mil participaram da eleição interna que definiu o atual diretório municipal da sigla no último mês de maio. Em outras 16 legendas que não possuem diretórios estaduais instituídos no Ceará, mas apenas comissões provisórias, não há sequer processo eleitoral para escolha de dirigentes que dê direito de voto aos respectivos filiados.

Presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz reconhece que, como dirigente, “falar para atingir as pessoas” é desafio. Exemplo disso, cita ele, foi a convocação da última greve geral contra as reformas trabalhista e previdenciária, que, embora representasse pautas que atingem diretamente “o cotidiano dos trabalhadores”, não teve, nas palavras dele, “a dimensão que deveria ter”.

“Há uma dificuldade muito grande, porque as pessoas passam a incorporar um conceito metodológico sobre sua vida e sobre seu partido que, na grande maioria, é uma linguagem que não é compreensível e, muitas vezes, não está falando aos interesses imediatos do conjunto. Se você identifica pontualmente esse distanciamento, é porque a direção do partido não fala sobre as questões que são de interesse imediato daquele trabalhador”, diz. “Isso é da sociedade brasileira, não é só do PT, porque tem seus canais de diálogo, a sua estrutura de relacionamento com os filiados, mas o partido não consegue ter interlocução para o conjunto da classe”, avalia.

Mobilizar

Apesar disso, ele ressalta que o PT tem olhado com atenção para questões mobilizadoras que tragam os filiados para o conjunto do partido. São atividades de bairros, atividades de núcleos e organização setorial que, de acordo com o dirigente, envolve movimentos sociais, sindicais, de juventude, de mulheres e outros grupos sociais. “O partido tem que ter um sentido valorativo da relação da sociedade com as suas políticas, e é exatamente esse o elemento que organiza e mobiliza a nossa base social”.

Para além das “lutas” contra as reformas propostas pelo governo Temer, ele destaca que o partido realiza desde o ano passado debates, plenárias e seminários que permitam a participação dos filiados, além dos atos políticos que têm marcado a posse dos novos diretórios municipais no Ceará. Nos últimos dias 13 e 14, um foi realizado na Região Centro-Sul e outro na Região dos Inhamuns. Ao contrário de Acrísio, que defende a realização de uma campanha de novas filiações ao PT, entretanto, De Assis Diniz considera que o mais importante no momento é fazer uma atualização cadastral dos que já fazem parte da sigla.

“Temos 25 mil (filiados na Capital), dos quais 20 mil têm cadastro e votaram 3.600, o que dá demonstração de que o problema não é filiar, é acompanhar, estar presente, participar”, diz o presidente do PT no Ceará.

Tucanos

Diferentemente do dirigente petista, o presidente estadual do PSDB, Luiz Pontes, aponta que o partido tem buscado novas filiações ao passo em que volta as atenções também a ouvir os filiados sobre “deficiências e carências” da legenda, visando a preparação de uma boa chapa para as eleições de 2018. “Nós tivemos uma mobilização muito grande nas eleições municipais, tanto é que, no Ceará, pelo número de votos alcançados nas eleições anteriores, tínhamos mais comissões provisórias e só cinco diretórios municipais. Nessa eleição de 2016, o partido pulou para 65 diretórios municipais, então mostra que teve um bom desempenho”, salienta.

O dirigente explica que, a partir de resolução interna, o partido exige um percentual mínimo de votos por município para que as comissões provisórias tornem-se diretórios. O aumento destes últimos, segundo Luiz Pontes, contribui para uma maior participação dos filiados em questões da sigla. “Comissão provisória não tem direito a voto na convenção estadual, nem na nacional, tem cinco membros só, é uma coisa mais simples. Já o diretório é executiva, tem várias funções e modos de participar”, aponta. De acordo com o tucano, em 2017, o PSDB busca movimentações internas “com novas filiações” e reuniões em Fortaleza e no Interior do Estado.

Frequência

Para mobilizar filiados, encontros regionais também têm sido prioridade no PMDB cearense, segundo Gaudêncio Lucena, vice-presidente estadual da legenda. No primeiro semestre, contabiliza ele, foram três encontros: um em Fortaleza, outro em Limoeiro do Norte e um terceiro na Região do Cariri. “Este ano, realizamos apenas três encontros regionais. Deveria ter sido realizado um outro e, provavelmente, isso se dará agora no mês de julho, mas esse momento político nacional tem prendido a atenção e a presença do presidente estadual do partido em Brasília (o presidente do Senado, senador Eunício Oliveira), o que fez com que houvesse um atraso nessa programação”.

Gaudêncio afirma que, com a proximidade das eleições de 2018, a expectativa é de que haja um encontro regional por mês ao longo do segundo semestre. Ele pondera, contudo, que os eventos não têm apenas intenção eleitoral. “São a oportunidade onde a gente tem relacionamento mais próximo com os nossos prefeitos, vice-prefeitos, lideranças, filiados, pessoas que têm uma simpatia pelo partido, então fazemos esses encontros em todas as regiões do Estado e, com isso, a gente consegue fazer uma aproximação”, sustenta.

O peemedebista reconhece, porém, que é difícil ter, nos encontros, presença “maciça” de filiados. “Reunir duas, três mil pessoas é muito significativo. Poucos são os partidos que conseguem uma presença maciça nos encontros regionais”, coloca. Embora os encontros sirvam, também, para atrair novas filiações, Gaudêncio Lucena observa que o quadro de falta de credibilidade de partidos políticos tem dificultado no PMDB, do presidente Michel Temer, a adesão e a formação de novas lideranças.

Desestímulo

“Evidentemente, essa turbulência política no Brasil faz com que alguns fiquem desestimulados da política, mas é exatamente nesse momento que nós temos que apresentar para a juventude um modo diferente do que alguns pregam. Devemos incentivar a participação política, o ingresso de novas pessoas no partido, para que a gente possa injetar um sangue novo no partido e tenha, logo num futuro muito próximo, lideranças políticas com outro pensamento”, diz.

Discurso semelhante é adotado por Luiz Pontes, do PSDB, partido que, assim como o PMDB e o PT, tem nomes envolvidos em escândalos de corrupção. “Essa política deixa a pessoa muito frustrada de se envolver. A gente tem que trazer as pessoas boas para dentro para conter essas pessoas que não têm o compromisso da ética”.

O petista Francisco de Assis Diniz, por sua vez, ressalta que “todo e qualquer partido que imagine longevidade tem que ter inserção social e capacidade de renovar e reciclar as suas lideranças”. Um caminho para isso no PT, destaca ele, é que, por resolução do partido, 20% dos cargos de direção da legenda são, atualmente, ocupados por jovens filiados. A reportagem entrou em contato com os presidentes do PP, Antônio José, e do PTB, Arnon Bezerra, mas as ligações não foram atendidas até o fechamento desta matéria.

11:03 · 28.05.2017 / atualizado às 11:03 · 28.05.2017 por

O secretário da Fazenda estadual, Mauro Filho,  não escondia sua preocupação em uma roda na solenidade de comemoração do Dia da Indústria, na última quinta-feira, ao falar dos últimos incidentes, em Brasília e suas consequências na economia nacional. Segundo ele, nos últimos meses já estava sendo notado uma ligeira melhora no quadro econômico e consequentemente na distribuição dos recursos constitucionais dos estados e municípios, respectivamente FPE e FPM.

Só que a primeira parcela do mês de maio, correspondente a arrecadação federal de abril, apresentou uma ligeira queda, preocupando a administração estadual que, embora esteja melhor que em várias outras unidades da Federação, não é tanto que possa suportar novas quedas do FPE.

11:46 · 13.05.2017 / atualizado às 11:48 · 13.05.2017 por
O evento é comandado pelo presidente do partido, André Figueiredo. Foto: Cid Barbosa

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) realiza, neste sábado (13), no Município do Crato,  na Região do Cariri, o seu Terceiro Encontro Regional, com vista a preparar a sigla para o pleito do próximo ano. Dentre as lideranças políticas presentes estavam o ex-governador do Estado, Cid Gomes; o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque; e o presidente do grêmio no Ceará, o deputado federal André Figueiredo.

Dentre os temas listados por eles para tratar no encontro estava as discussões internas para melhoria dos indicadores do Brasil, em especial a economia. O partido está em busca de unidade em todo o País, uma vez que pretende lançar uma candidatura ao Governo Federal, sendo que o nome mais cotado é do ex-deputado federal Ciro Gomes.  Ele não participou do evento que aconteceu no Centro de Convenções do Cariri.

O primeiro Encontro Regional do PDT do Ceará aconteceu no dia 8 de abril, em Sobral; e o segundo no feriado do dia 21 de abril, no Município de Guaramiranga, no Maciço de Baturité.

Também acompanharam o evento deste sábado o deputado federal Leônidas Cristino e os secretários do Trabalho e Desenvolvimento, Josbertini Clementino; e de Assuntos Internacionais, Antonio Balhman, além dos deputados estaduais Mirian Sobreira, Julinho e Sineval Roque, bem como lideranças locais e prefeitos da região.

 

 

14:46 · 08.05.2017 / atualizado às 14:46 · 08.05.2017 por

O Governo do Estado do Ceará, mesmo com as alterações já efetivadas no seu  Sistema Previdenciário, está prevendo para o próximo ano um  rombo de R$ 1.601.657.532,00, pouco mais de R$ 150.000,000,00 em relação a este ano, com o déficit projetado para R$ 1.444.397.850,00.

Os números apresentados aos deputados estaduais cearenses, no projeto sobre as Diretrizes Para a Elaboração da Lei Orçamentária Anual a ser executada em 2018. Segundo os dados oficiais, as receitas previdenciárias para 2018 são da ordem de R$ 1.276.675.796,00, para uma despesa de R% 2.878.333.328,00.

Segundo o documento do Governo cearense, “Tais despesas crescem na medida em que o grupo de aposentados aumenta, decrescendo posteriormente quando a mortalidade desse grupo se torna mais significativa, com a idade avançada, em relação ao surgimento de novos aposentados provenientes do grupo de ativos então decrescente”.

11:07 · 18.04.2017 / atualizado às 11:07 · 18.04.2017 por

A primeira sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará após o feriadão da Semana Santa, nesta terça-feira (18), foi aberta pelo presidente do poder legislativo, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), às 9h30, com a quantidade mínima de parlamentares para que os trabalhos pudessem ser iniciados: é preciso de pelo menos 16 legisladores.

Como primeiro orador do primeiro expediente, o deputado Ely Aguiar (PSDC) afirmou que a Lava Jato está chegando ao Ceará para apurar fatos delatados por executivos e ex-executivos da Odebrecht. “Pelo visto está vindo para o Ceará e eu gostaria que chegasse o mais rápido possível porque eu acho que aqui tem muita gente tremendo na base”, sugeriu o parlamentar.

De acordo com Ely, há apurações sobre o Transfor, no poder municipal de Fortaleza, durante a gestão Luizianne Lins (PT); superfaturamento na construção da Arena Castelão para a Copa do Mundo; e o depósito na conta de um engenheiro, durante o governo Cid Gomes (PDT), para não atrapalhar as obras da adutora do Castanhão.

O parlamentar criticou a falta de força do legislativo cearense em não iniciar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as denúncias porque “não sai nem do canto”. Ely ainda sugeriu que haverá uma renovação dos deputados estaduais no pleito de 2018: “será mais de 60% porque a figura do político está desgastada, ninguém acredita mais nessa laia”.