Busca

Tag: CMFor


16:46 · 16.11.2017 / atualizado às 16:46 · 16.11.2017 por

A base do prefeito Roberto Cláudio (PDT) na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) enfrentou dificuldades para aprovar a mensagem nº 41, enviada à Casa pelo Paço Municipal propondo, entre outros pontos, alterações às regras para cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS). O texto e suas emendas começaram a  ser votados pelos parlamentares a partir das 11hs desta quinta, 16, com os governistas levando quase uma hora para obter os 29 votos necessários e, após isso, enfrentando uma nova resistência na votação das emendas.

De acordo com líderes da base, o motivo da dificuldades eram os  compromissos externos que os parlamentares precisaram cumprir ao longo da manhã, o que dificultou a obtenção dos votos necessários.

 

11:17 · 16.11.2017 / atualizado às 11:17 · 16.11.2017 por

O vereador Acrísio Sena (PT), criticou, na tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), a reforma trabalhista, que entrou em vigor no último sábado, 11. “Trata-se de um massacre, que vai proporcionar, sobre a classe trabalhadora, um aumento da exploração e uma perda de direitos históricos”, afirmou o petista em discurso nesta quinta, 16. De acordo com o parlamentar, a legislação trabalhista brasileira retrocedeu a níveis semelhantes ao da Primeira Revolução Industrial.

Para o legislador municipal, é um “descaramento” o comportamento dos presidentes da República, Michel Temer (PMDB), e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ivens Gandra Filho, que apresentam o texto como um sinal de modernidade. “Que modernidade brasileira está sendo apresentada lá fora?”, questiona. De acordo com o petista, no momento onde ela torna-se mais necessária, o governo estaria esvaziando a Justiça do Trabalho. “Muitos começam a questionar a necessidade da sua existência”, afirma.

11:15 · 16.11.2017 / atualizado às 11:15 · 16.11.2017 por

O presidente da Comissão de Segurança da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Márcio Cruz (PSD), pediu que a Prefeitura dê isonomia salarial aos guardas municipais. De acordo com o parlamentar, que também é integrante da corporação, agentes que ingressaram no último concurso não têm direito a um benefício que se inicia em R$600.

O parlamentar afirma que mais de 200 guardas contratados no último concurso já deixou a corporação. De acordo com ele, essa falta de valorização seria a responsável. “Vão sair todos”, afirma. Ele comemorou a decisão da Prefeitura de começar a tratar os homicídios na Capital como uma epidemia. Entretanto, para ele, o enfrentamento a esse problema só será possível  “com sua Guarda Municipal treinada e capacitada”.

10:38 · 16.11.2017 / atualizado às 10:38 · 16.11.2017 por

O vereador Luciram Girão (PDT) usou a tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) na manhã desta quinta, 16, para pedir que a Secretaria de Segurança dê “uma olhadinha ali pela Sapiranga”. De acordo com o parlamentar, o bairro – palco de uma chacina de adolescentes na madrugada de domingo para segunda, 13 – está tomado pelo crime. “Não podemos mais andar por lá”, lamenta.

Para o trabalhista, a principal causa dos índices de violência é o conflito entre facções criminosas. E, segundo Girão, os crimes acontecem diante da ausência das forças da lei. “Não tem policiamento, não tem segurança…”, critica. O parlamentar pede que seja feito um levantamento sobre os crimes no bairro e, com base nesses dados, uma ação eficiente das forças da lei. “Todo mundo sabe onde são os pontos onde se distribui drogas, onde ocorrem os crimes… Só quem não sabe é a polícia, porque não quer”, declara.

12:06 · 14.11.2017 / atualizado às 12:06 · 14.11.2017 por

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Larissa Gaspar (PPL),  foi à tribuna da Casa, na manhã desta terça-feira, 14, para repudiar a chacina ocorrida na madrugada de domingo, 12, para segunda, 13, quando quatro jovens foram retirados de dentro de um centro para adolescentes em conflito com a lei, no bairro da Sapiranga.

“O Estado tinha o dever de zelar pela sua segurança”, declara a vereadora. De acordo com a pepelista, tratou-se de “uma verdadeira barbárie”.

Segundo a parlamentar, o fato de as vítimas terem tido envolvimento com o crime não deve ser usado com um atenuantes para o massacre. “Não podemos banalizar a violência e, sobretudo, o homicídio de adolescentes no nosso Estado”, declara.

Para Gaspar, são necessárias políticas públicas eficientes para acabar com casos como esse, que ele chama de “genocídios das nossas crianças, nossos adolescentes e jovens”.

11:10 · 14.11.2017 / atualizado às 11:10 · 14.11.2017 por

O vereador Acrísio Sena (PT) foi à tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) na manhã desta terça-feira, 14, para anunciar que, no próximo dia 29, deverá ser lançada oficialmente campanha contra o assédio sexual dentro dos transportes coletivos de Fortaleza. De acordo, isso foi decidido em reunião com entidades como o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJ-CE) e o Sindicato das Empresas de ônibus (Sindiônibus). “A partir de agora, a campanha é institucional”, declara.

De acordo com o petista, até o dia do lançamento, todos os ônibus da cidade deverão ter um cartaz afixado sobre o assunto. Ele declara que também deverá ser realizada uma ampla campanha de conscientização nos terminais de ônibus, com distribuição de panfletos abordando o problema.

11:25 · 09.11.2017 / atualizado às 11:25 · 09.11.2017 por

A vereadora Eliana Gomes (PCdoB) usou a tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) na manhã desta quinta, 9, para comemorar a lei de regularização fundiária, aprovada pela Casa no mês passado, cuja sanção está prevista para sexta-feira, 10, às 9h, no Paço Municipal. “Era um sonho dos movimentos sociais, e amanhã será uma realidade”, declara o parlamentar.

Gomes destaca também que a legislação beneficiária não apenas as áreas de conjuntos habitacionais, mas também as demais áreas. De acordo com a comunista, mais de 70% dos imóveis da Capital encontram-se irregulares. “Sei o quanto é importante as famílias terem o documento de suas casas”, declara. A vereadora parabenizou os vereadores Emanuel Acrízio (PRP) e Acrísio Sena (PT) pelos seus esforços em favor da regularização fundiária.

14:28 · 08.11.2017 / atualizado às 14:28 · 08.11.2017 por

A sessão ordinária desta quarta, 8, da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) terminou mais cedo. O motivo foi a desistência de uma série de vereadores de falarem no Grande Expediente, momento onde acontecem os maiores discurso, com duração de cerca de 15 minutos. Estavam inscritos Eron Moreira (PP), Portinho (PRTB) Dummar Ribeiro (PPS), Eliana Gomes (PCdoB), Emanuel Acrízio (PRP) e Ésio Feitosa (PPL), mas nenhum fez uso da palavra. A sessão, que costuma estender até cerca de 13h, encerrou-se por volta de 11h.

10:38 · 08.11.2017 / atualizado às 10:38 · 08.11.2017 por

O líder da bancada do PDT, Iraguassú Filho, criticou, na tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), na manhã desta quarta, 8, a política do governo federal para a área da assistência social. Segundo ele, o Palácio do Planalto tem realizado severos cortes na área. De acordo com o trabalhista, apenas 30% da previsão orçamentária  foi executada este ano. “Se isso desaparecer, é a população mais pobre que sofrerá”, declara.

Para ele, o Sistema Único de Assistência Social (Suas), criado em 2006, é “importantíssimo para a sociedade brasileira”. Segundo o trabalhista, a formulação de políticas para a área vem desde 1993, quando foi instituída a Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). Iraguassú declara que se trata de “uma política importante, acolhedora, garantidora de direitos, e que veio para mudar o cenário da população mais pobre do nosso país”. O parlamentar declara que, em Fortaleza, cerca de 60% da política municipal na área é executada com recursos oriundos da União.

10:35 · 08.11.2017 / atualizado às 10:35 · 08.11.2017 por

O vereador Márcio Cruz (PSD) foi à tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) na manhã desta quarta, 8, para comemorar a eleição realizada pelo Conselho Regional de Enfermagem do Ceará (Coren-CE) no último domingo, 5. “Depois de uma década com chapa única, nesse último domingo, a categoria escolheu renovar”, afirma.

Segundo o parlamentar, apesar de contar com 68 mil profissionais, apenas 30 encontravam-se aptos a votar. “Isso já denotava  o descrédito da grande maioria com o seu conselho”, explica. Entretanto, Cruz acredita que a  diretoria eleita poderá “dar nova esperança a esses profissionais”.